História Turbulências - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Josephine Skriver, Manuel Neuer
Exibições 24
Palavras 485
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Prólogo parte III


Fanfic / Fanfiction Turbulências - Capítulo 3 - Prólogo parte III


O led, da luz do corredor, está acesso devido à má instalação da mesma, iluminando um pouco do rosto assustado de Bob, que está sentado no sofá perto da janela, em uma parte mais afastada da sala. Já sua mãe, que está no meio da sala, encontra-se com as mãos na cabeça, já com o rosto molhado das lágrimas que escorreram devido à briga que tiveram a poucos minutos. Ele, não conseguia entender porque sua mãe não o aceitava do jeito que era. Ela, não aceitava que seu filho tivesse nascido assim, mas sim que tivesse ficado assim devido às más influências da idade. Dois corações acelerados em busca de uma resposta. A porta da sala se abre dando visão a silhueta da irmã mais velha, que já à algumas semanas tem ido com frequência a casa da mãe, não para visitas, mas sim para se certificar que seu irmão estava bem. 

Essa cena já se repetiu algumas vezes durante o último mês. Bob assumiu sua homosexualidade para sua "família". Maria, a irmã mais velha já sabia, na verdade sempre soube. A mãe sabia mas não conseguia assumir para si mesma. O padrasto, se recusou a acreditar, ele que era extremamente devoto a igreja, não aceitava que o enteado era homossexual, e induziu a mãe que isso era um pecado, e que Bob queimaria no fogo do inferno por isso. A mãe preocupada com o filho, tentou o convencer que isso era apenas uma fase, e que ele precisava procurar Deus para se curar. 

Depois de mais de um mês ouvindo e respeitando a opinião de sua mãe, Bob cansou. Ele explodiu. Em palavras e lágrimas. Sua mãe não o aceitava, e ele não aguentaria mais ouvir seus pensamentos preconceituosos.
- Filho, nós somos uma família. E vamos sempre te apoiar. Procure Deus para ele te curar. - Bob não conseguia entender. Por que diabos sua mãe achava que aquilo não passara de uma fase? 
- Mãe, eu sou assim. Precisa aceitar. - O coração do menino já estava acelerado e ele conseguia sentir os olhos marejar.
- Pare com isso Bob, por favor, você não é assim. Dê uma chance a Deus, ele vai nos ajudar. - Pedia a mãe com o resto que lhe sobrava de esperança.
- Eu sou. Sempre fui. Nasci assim. - Disse o menino numa pancada só. 
- NÃO! Você não é. - Falou a mãe já desgastada de tantas brigas. 
- Eu sou! Admita que sou. Eu sou gay, queira você ou não. 
- EU NÃO VOU TER UM FILHO GAY. NÃO VOU! - Ela gritou. Gritou como se estivesse pedindo por liberdade. 
- Então a senhora não vai ter nenhum filho. - E assim, ele termina a conversa. De um jeito frio. De um jeito que nem a irmã e nem a mãe esperavam.


E ali morreu mais uma família devido ao preconceito que a sociedade impõem. 

 


Notas Finais


Então, aí está todo o prólogo. Devo continuar com a fanfic?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...