História Twenty four - twenty five - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias The 100
Personagens Clarke Griffin, Lexa, Octavia Blake, Raven Reyes
Tags Clarke, Clexa, Clexa G!p, Lexa
Exibições 522
Palavras 2.339
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 9 - Capitulo 8


 

Clarke tateou a cama a procura dela, ela sabia que ela não estava ali, o cheio amadeirado não estava deliciosamente pairando pela cama, mesmo que alguns resquícios ainda estivesse sobre o travesseiro onde Clarke estava com a bochecha enterrada.

Ela virou o rosto e afastou um pouco o próprio cabelo para poder constatar que estava sozinh na cama. A cortina estava fechada, mas o relógio acima do criado mudo mostrava que ainda era de manhã. Espreguiçou-se sentindo nós em seus músculos cansados, sorriu por saber que aquilo era resultado de tanto sexo seguido.

Levantou da cama e caçou alguma roupa de Lexa, já que a roupa que tinha vestido ontem na casa dos Carey estava suja. Olhou-se no espelho do banheiro e se assustou ao ver seu corpo.

Pequenas galáxias marcava a pele branca de Clarke, ela se analisou com cuidado, seu pescoço era o mais intacto, mas o vão entre seus seios estava completamente marcado e arroxeados. Pequenas esferas avermelhadas com pequenos pontinho roxos por todo seu abdome. Virou-se em frente ao espelho e analisou suas costas. Nitidamente podia se ver a marcas dos dedos firmes de Lexa em sua cintura e ancas.

Ela suspirou um pouco chocada enquanto pegou a escova de Lexa para poder escovar os dentes. Seus antigos parceiros e parceiras já haviam a marcados, mas não tão...possessivamente quanto Lexa.

Tomou um longo banho, dando uma certa atenção ao seu cabelo um pouco bagunçando por causa da noite passada. Enrolou-se em uma toalha preta de algodão com um L bordado. Sorriu quando saiu do banheiro e encontrou Lexa tirando a jaqueta. Caminhou ate ela, que também sorria, e depositou um longo beijo em seus lábios.

- Onde estava? – Perguntou quando reparou na roupa um tanto quanto casuais em Lexa. – Senti sua falta hoje de manha. – fez um pequeno bico enquanto vestia uma das inúmeras cuecas de Lexa.

A Alfa se jogou na cama ainda bagunçada e apoio as costas no encosto da cama. Colocou sua mão por dentro da calça e apertou sem membro semi ereto. Clarke ergueu a sobrancelha ao ver o que a Alfa fazia, mas apenas continuou andando pelo quarto para se vestir.

- Eu fui ao banco, fiz algumas compras e fui ate o bistrô de uma amiga minha busca o seu café da manha.-  respondeu calmamente enquanto alisava seu pênis.

- Que amiga? – Clarke perguntou seria, tentando não forcar seu olhar na mão atrevida de Lexa dentro na calça preta.

Lexa rir e mordeu os lábios, seus olhos mediam cada curva de Clarke que ainda estava de toalha. Com a mão livre ela desabotoou a calça e abaixou o cós da cueca vermelha que usava, liberando seu membro rígido e começou a se masturba lentamente.

- Nós fizemos colégio juntas, e o primeiro ano da faculdade também, antes de me mudar para a França. – Respondeu novamente com calma, rodeando a cabeça de seu membro exposto.

- Nomes Lexa, eu só trabalho com nomes. – Clarke a fuzilou com os olhos azuis, mas vacilou por um segundo e abaixou o olhar para o pênis chamativo.

- O nome dela é Octavia, sua ciumenta. – Sorriu e amentou a velocidade do sobe e desce de sua mão.

Clarke voltou ao que fazia, tentando se focar em algo que não seja naquela maldita personificação de uma deusa grega masturbando aquele pênis enorme que ela amava tanto. Vestiu o mesmo sweater cinza de antes e se contentou em ficar apenas assim. Fez um coque enquanto caminhou ate a cama onde Lexa ofegava e a olhava.

- Você precisa fazer isso na minha frente?- Ela perguntou enquanto se sentava sobre as pernas da Alfa. – E eu não sou ciumenta.

Lexa sorriu e tocou a coxa de Clarke, alisando o local enquanto alisava seu membro. Clarke não despregava os olhos do que a Alfa fazia.

- Eu simplesmente preciso fazer isso, anjo. Seja na sua frente ou não. – riu baixinho.

- você sempre faz isso? – A ômega perguntou um pouco encabulada, mas levou a ponta do indicador ate o pré gozo que escorria da glande Lexa.

- Com frequência?. – fez uma cara pensativa, apertando com mais força seu membro. – Eu vivia muito atarefada na França, o que Chef não faz o su chef faz. Na verdade o chef não faz nada. É apenas o enfeitador de pratos. – Debochou e gemeu baixinho quando Clarke levou os dedo molhado com pre porra ate os lábios e chupou com um sorrisinho. –Eu não tinha uma namorada, ou sequer alguém para poder...poder você sabe. –Clarke riu e se abaixou para poder desliza sua língua por toda a extensão do pau de Lexa. – Porra...você fica linda quando me chupa.

- È tão bom saber que você não leva tantas mulheres para sua cama. – A loira falou enquanto apertava sua mão na base do pênis de Lexa, não conseguindo fecha-la por completo sobre a circunferência.

- Eu aprontei bastante na faculdade, sabia? – A Alfa falou provocativa enquanto acariciava a nuca de Clarke, observando a expressão da garota se desmanchar.

- Que ótimo.- A loira falou simplesmente, rodeou sua língua sobre a cabeça do membro de Lexa. A Alfa arfou quando Clarke sugou com delicadeza o local sensível, mas logo em seguida todo o seu corpo ficou tenso quando a loira fincou seus dentes um pouco abaixo da glande.

- Clarke! – Lexa gemeu de dor tentando empurrar a ômega pelos ombros.

Os dentes da omega não usava tanta força, mas Lexa estava extremamente sensível. Ela deixou o pau deslizar sobre sua língua e voltou a se sentar ereta sobre as pernas de Lexa.

- Nunca mais ouse se quer lembrar desse seu passado sujo, Lexa Carey. – A voz da ômega estava rpouca.

Lexa assentiu diversas vezes enquanto acariciava seu pau, quase chorando de dor e alivio. Clarke se levantou da cama deixando uma Lexa dolorida e frustrada na cama.

- aonde você vai? – A Alfa perguntou exasperada. – Vai me deixar aqui assim?

 - Vou deixar você e seu amigo  a sós enquanto vocês dois refletem sobre o que fizeram. – Disse firme caminhou para fora do quarto.

Lexa arfou frustrada, olhou para seu pênis e acariciou ele como se ele estivesse tão frustrado como ela naquele momento.

- Como nos velhos tempo, amigão. – falou então voltou ao seu trabalho com os dedos firmes e rápidos.

-----

Clarke comia um delicioso croissant de queijo no sofá quando Lexa apareceu no corredor com uma carinha triste. Ela olhou para loira de soslaio e então foi ate ela. Clarke abriu as pernas, e Lexa no mesmo instante se encachou nelas e abraçou a ômega pela cintura, repousou sua cabeça nos seios fartos.

- Esta mais satisfeitas? – A loira perguntou beliscando mais um pedaço do folheado.

Lexa simplesmente negou. Ela estava um pouco chocada por não ter conseguido gozar.

-Não consegui. – sussurrou e apertou ainda mais a loira.

- Como não? – Clarke se ajeitou um pouco e puxou Lexa para mais perto, largando o pratinho com pão no chão ao lado da xicara de leite que ela tomava. – você broxou? – perguntou provocando a Alfa.

- O que? Não. –Lexa bufou e corou. Ela realmente havia amolecido assim que Clarke saiu do quarto.

- Sei... –Clarke riu e abraçou sua Alfa. – Nós podemos sair hoje? – Ela perguntou depois de um tempo.

- Claro. – Lexa imediatamente se remexeu amimada. – tipo um encontro?

Clarke riu da animação infantil da Alfa.

- Se você quiser considera um encontro. – Deu de ombro e bico os lábios de Lexa. – Nós podemos ir ao bistrô dessa sua amiga.. sabe...apenas para eu checar se ela é mais gostosa que eu.

- Ela é super gostosa. – A Alfa falou apenas para provocar a ômega. – cheia de curvas com peitos médios assim. – tocou os próprios seios e fez cara de safada.

- Céus Lexa. Eu sei que meus peitos são grandes, não precisa jogar na cara assim. – murmurou e cruzou os braços sobre os seios.

- Clarke, eu odeio peitos pequenos. –Lexa exclamou e puxou os braços da loira e a fez abraça-la. – Eu prefiro os grandes que eu possa pegar em minhas mãos e segurar com firmeza, que sobrem em minhas mãos, sabe? – Clarke estremeceu com as palavras e apenas assentiu agarrada como uma coala no pescoço da Alfa.

A ômega se sentia cada vez mais querida pela a maior. Elas passaram a manha juntas no sofá.

----

Emily entrou no apartamento pouco tempo depois, ela carregava as duas malas de Clarke, além da mochila do colégio. Ela largou ambas no hall de entrada e foi ate a cozinha, parou de supetão quando viu Lexa com Clarke em seu colo enquanto as duas se beijavam.

Ela riu baixinho e tirou o celular do bolso. Bateu um foto das duas, mas infelizmente esqueceu que o flash estava ligado. O celular piscou como o inferno, Emily se atrapalhou toda quando as duas no sofá a encaram assustada.

- Emily. – Lexa exclamou repreensiva.

Clarke apenas corou enquanto se arrastava ate o outro ponta do sofá. Ela realmente não queria que Emily a visse naquela situação.

- Me desculpa, mas é que vocês estavam tão.... – Ela suspirou e pendeu a cabeça para o lado enquanto olhava de Clarke para Lexa.

Lexa fez uma cara de nojo e então se levantou do sofá.

- Trouxe as coisas da Clarke?. – Perguntou firme, ainda um pouco brava porque a irmã havia entrado sorrateiramente em seu apartamento.

- Claro né, fofa, acha que eu ia esquecer da cunhadinha. – Jogou o cabelo para o lado e caminhou com o ar de diva ate a cozinha.

Lexa olhou pra trás, Clarke se encolheu mais ainda e sorriu pelas palavras de Emily. Ela estava um pouco mais aliviada pela garota não ter repugnado ela.

Emily foi direto para a geladeira e começou a analisar tudo o que Lexa tinha ali. Retirou a metade da torna de limão que ainda estava ali dentro e uma garrafa de suco de uva.

- Como estão as coisas lá em casa? – Lexa perguntou e se sentou ao lado da irmã no blação, enquanto a mais nova devorava a torta.

Clarke sorrateiramente foi ate suas malas e arrastou ate o quarto de Lexa, a fim de colocar uma roupa mais decente. Lea acompanhou todos os movimentos da loira com o olhar.

- Mamãe anda soltando fogo pelas narinas no quatro canto da casa . – falou enquanto levava uma colherada de torta a boca. – Papai não faz ideia do que esta acontecendo, ele ainda acha que Clarke vai volta pra Bellamy. – Mastigo o pedaço enquanto pegava outro. – Bellamy esta enfurnado dentro do quarto, eu tive que invadir aquele lugar enquanto ele jantava com a mamãe na cozinha... Sem conta que não tira aquele roupão fedido. – Fez cara de nojo e volto a comer.

- Você sabe que Clarke não é culpada certo? – Lexa se sentia ainda um pouco receosa quanto a irmã ser contra a ligação que ela tinha com Clarke agora.

- Eu vi o jeito que vocês se olharam lá em casa no dia que Bellamy faz o pedido. – Ela sorriu e olhou para a irmã mais velha. – Quando eu bati os olhos em Clarke eu soube que ela não era mulher para o Bellamy, ate porque uma ômega linda como ela iria querer com o babaca do Bellamy? – Lexa riu do veneno da irmã e acariciou o longo cabelo dela.

- Sabe, eu realmente gosto dela.. – No mesmo momento que Lea começou a falar, Clarke apareceu na sala. – Ela é tão incrível... Acho que eu a amo. – Emily no mesmo estante parou de mastigar e olhou para a irmã.

Clarke prendeu a respiração no meio da sala, seu corpo todo vibrou em alegria e paixão.

- Você a mordeu? – Emily pergunto, ambas ainda não tinha dado conta da presença de Clarke.

- Não... –Lexa franziu a testa. – Bom, não ainda. – riu fraco. – Que que seja especial, entende?

- Isso é tão clichê. – Emily Sorriu abobalhada.

Clarke viu sua deixa para ser notada, caminhou ate as duas e se aconchegou em Lexa.

- Hey Em. – Ela disse e abriu um sorriso para a mais nova.

- Clarke, você esta tão bonita.- Falou enquanto limpava a boca cheia de torta e dava alguns olhares para a irmã mais velha.

- Obrigada, Em. Você esta radiante. –Clarke falou com sinceridade se aconchegando mais ao tórax da Alfa.

- Emily, se lembra daquela vez, quando você era pequena, e o papai e a mamãe me trancaram no quarto e eu passei dias gritando e tentando arrombar a porta? – Lexa perguntou divertida.

- Se eu me lembro, Lexa? Se eu me lembro? – Emily arfou. – Aquela foi a semana mais assustadora da minha vida, mamãe e papai me mandaram Bellamy e eu para a casa da vovó, mas eu ouvi muito bem seus gritos enquanto te arrastava para o quarto.

Lexa riu alto da indignação da irmã. Clarke se encolheu um pouco pelo simples fato de pensar em uma Lexa no cio. È, ela mal podia esperar para ter Lexa no cio.

- Então...mamãe deve ter te explicado que uma garota havia invadido a escola, se lembra?

- Claro, Lexa... Eu tenho medo de alguma ômega da minha classe fazer o mesmo e nós sentimos a fúria da Anya. – Estremeceu apenas por pensar.

- Pois bem, essa garota louca era a Clarke. – Lexa sorriu e apertou a loira em seus braços. – Ela que invadiu o baile e fez a escola toda da ala Alfa entra no cio. Eu tive que correr mais que minha vida para salva-la e ainda quebrei uma porta inteira do meu carro.          

- Não foi por querer. – Clarke murmurou e Lexa riu.

- Eu sei que não, meu anjo. – Falou e beijou o topo da cabeça cheirosa de Clarke. – mas isso é uma boa historia para conta aos netos. A gente tem tipo uma conexão louca desde de então.

- Isso é lindo. –Emily exclamou. – Mais é possível?- Franziu o cenlho.

- Não faço ideia, mas eu não consigo me manter longe de Clarke. – As simples palavras de Lexa fizeram o coração de Clarke palpitar.


Notas Finais


oi Alfas......


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...