História Twin--camren - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Allybrooke, Camilacabello, Camren, Dinahjane, Fifthharmony, Fifthharmonyau, Laurenjauregui, Lesbian, Normanikordei
Exibições 33
Palavras 1.167
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Camila.


Após uma hora e meia de corrida/caminhada, chego em casa exausta.

O olhar daquela menina, chamando o nome de Michelle como se fosse a coisa mais feliz que havia lhe acontecido rodeia os meus pensamentos. Michelle nunca havia me dito que tinha amigos em outra cidade.

Tomo um banho frio que faz os meus músculos relaxarem e vou para o andar de baixo, onde minha mãe está colocando a mesa. O cheiro da sua comida está excelente.

Antes da morte da minha irmã, Clara quase nunca cozinhava. Quem sempre fazia isso era o meu pai. Então é um choque para mim vê-la cozinhando como se fizesse isso diariamente.

Após sentarmos na mesa, começamos a comer.

"Como foi a caminhada, querida?" Clara pergunta bebendo mais suco.

"Legal." Respondo. Penso em comentar sobre a desconhecida, mas não quero estragar o clima ameno que paira entre nós.

"Ótimo. Segunda sua escola irá começar. Tudo bem se eu te levar até lá? Para mostrar o caminho."

Concordo com a cabeça para o meu pai e voltamos a comer. A curiosidade sobre saber porque Michelle tem um quarto aqui quase me faz abrir a boca para perguntar, mas sei que não é um bom momento.

Quando terminamos de jantar, subimos para nossos quarto e nos despedimos com um abraço. Assim que a porta do quarto deles fecha, entro no de Michelle.

Se o quarto continua o mesmo talvez eu ache alguma coisa sobre a menina do parque e qual era a sua ligação com Michelle.

Procuro pelo seu notebook ou celular em sua escrivania com a ajuda da lanterna do meu. Procurar ali não adiantaria nada. Dou um giro de cento e oitenta graus e me deparo com o seu guarda roupa. Abro uma de suas portas e sinto o cheiro de seu perfume. Pego um de seus vestidos e o avalio.

Se não fosse dela eu iria pegar para mim.

Dou risada com o meu próprio pensamento e abro um bolsa preta. Ver o rosinha da capa do seu celular é a melhor coisa do dia. Pego e tento ligar, mas claro que está desligado.

Saio do quarto dela e vou para o meu na ponta dos pés para não fazer nenhum barulho.

Pego o carregador e conecto no celular de Michelle, que liga segundos depois. A primeira coisa que eu vejo foi uma foto que tiramos no coachella. Sorrio com a lembrança e passo o dedo pela tela para desbloquear-la. Entro no único aplicativo de rede social que ela tinha, o skype, e procuro suas conversas recentes.

A ultima foi com uma tal de Camila Cabello, que é justamente a menina do parque. Aperto no seu usuário para ver sua foto e ela é realmente muito bonita.

Abaixo a tela para ler as conversas e me surpreendo com a ultima, que foi mandada por Camila.

"Sinto saudades, Mi."

Mi? Ninguém chamava Michelle de Mi.

E a mensagem foi enviada ontem. Significa que ela não sabe que Michelle morreu e achou que eu era ela.

Meu Deus.

Subo mais um pouco até chegar na época que Michelle ainda estava viva.

Camila sempre perguntava se ela estava bem, e a resposta de Michelle quase sempre era a mesma: "Eu não sei, amor."

O dia foi tão cheio de revelações que começo a fazer uma lista mental de quais foram para não me esquecer.

1. Michelle tem/tinha uma namorada virtual em Miami -incrivelmente gostosa, mas isso não vem ao caso.

2. Camila, a namorada, me viu no parque correndo hoje e achou que eu fosse Michelle.

3. Camila não sabe que Michelle cometeu suicídio.

4. Camila não sabe que Michelle tem uma irmã gêmea.

5. Achei que Miami iria me livrar de pensar sobre Mi, mas parece que aqui vai ser mais turbulento que antes em New York.

Bloqueio o celular e deito na cama. O cansaço me atinge completamente, me fazendo dormir segundos depois.

Camila

Tiro o resto do dia de folga. O cliente que me deu aquela cantada podre, Austin, me levou para dentro da lanchonete e me deu um pouco de água para eu relaxar. Ainda não consegui me acalmar por ter visto Michelle.

"Pode ter sido alguém extremamente parecida com ela." Dinah responde no vestiário enquanto eu conto o ocorrido.

"Ela virou para mim assim que eu a chamei." Explico. "Dinah, era ela."

Minha amiga dá de ombros. "Se fosse Michelle ela teria ido até você. Ou ao menos falar que estava vindo para Miami. Vocês duas sempre estavam conversando sobre uma ir visitar a outra... Não sei, Mila. Alguma coisa não parece certo."

Solto o ar e entro no seu carro. Mesmo com a minha casa sendo perto do parque, Dinah quis me dar carona para nada de grave acontecer.

"Se cuida, tudo bem?" A loira me dá um beijo na testa e partida em seu carro.

Entro na pequena casa e largo minhas coisas em cima da mesa de jantar. Chamo por minha irmã mais nova Sofi mas ela não responde. Provavelmente está na casa de alguma amiga.

Vou para a cozinha e preparo algo para comer. Depois desse dia, preciso me alimentar muito. E assistir séries. E dormir. Parar de pensar em Michelle iria ser legal também, mas isso é impossível.

Pego a lasanha do micro-ondas e vou para a sala. Quando termino de comer já são quase dez da noite e minha mãe já havia chegado com Sofi e meu pai.

Subo para o meu quarto e deito na minha cama, já fechando os olhos para dormir.

"Você deveria falar isso para os seus pais, Mi." toco na tela do computador em minha frente, mas infelizmente não consego tocar em Michelle. "Queria estar ai com você."

"Sei disso." Ela responde "Quero isso também. E sobre os meus pais... Não sei se devo contar ou não. Ainda não consegui processar tudo isso..."

Ela perde a voz e eu tenho vontade de chorar de novo. "Tudo bem, mas você deveria falar com mais alguém. Se você tivesse algum irmão ou irmã seria tão melhor para você."

Michelle olhou para baixo e começou a mexer nas suas mãos. Seu quarto estava escuro, então era impossível ver o seu rosto muito bem.

"Hm, verdade." Suas mãos param de se mover. "Tenho que ir comer, amor. Nos falamos mais tarde?"

Concordei com a cabeça e ela deu um meio sorriso. Apesar de amar Michelle, ela é estranha as vezes. Quando a conheci, no tumblr, minha amigas falaram que ela era ele, então eu pedi o seu Skype e até hoje, seis meses depois, nós nos falamos. Pedi ela em namoro semana passada, na mesma época em que fizeram uma coisa terrível com ela. Michelle fala que eu sou seu porto seguro agora. E eu a amo por isso.

Acordo em um pulo, com o coração batendo forte e suor correndo pela minha testa como se estivessem apostando uma corrida. Foi apenas uma lembrança, repito em minha cabeça várias vezes, até pegar no sono novamente e sonhar com Michelle. De novo.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...