História Twister - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Orange Is the New Black
Personagens Alex Vause, Piper Chapman
Tags Alex Vause, Piper Chapman, Vauseman
Exibições 602
Palavras 3.835
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Uma leitura para um sábado nublado!

Bom final de semana!!!

Beijo.

Enjoy!

Capítulo 14 - Iit's only you and me


Fanfic / Fanfiction Twister - Capítulo 14 - Iit's only you and me

“Enfim, eu não passo mais uma noite sem conhecer a mulher que causou insonias em Alex Vause. Nicky e eu vamos. E ai, você vai ou fica, cara mia !?”

 

 

- É difícil estar sempre certa!

- Está louca mulher, do que está falando, Lorna? – questionou Piper enquanto pegava um copo com bebida.

- Eu disse que a Al viria! Nicky ligou avisando que estão vindo com um amigo.

- Amigo? Ou sei lá o que?

- Ela disse amigo. Parece que chegou da Itália, algo assim.

- Não a vi desde aquele dia em Manhattan.

- Eu sei, mas preste atenção... – colocou suas mãos nos ombros da loira - Hoje é uma noite alegre, Xô estresse, vamos nos divertir! Yay!

- Yay! - levantou o copo para um brinde.

Lorna e Piper divertiam-se, juntamente com Luk, Red e todas as meninas do CJ. Os sobrinhos de Red também estavam presentes, eles eram sua única família nos USA.

Lorna vestia um vestido rodado, curto e de alças branco com detalhes amarelos, Piper usava um short de cetim e uma blusa transparente, cabelos desalinhados, era bem o estilo e charme despretensioso de Piper. As meninas, cada uma a seu modo, arrumaram-se para comemorar a data da MaMa.

Muitos petiscos deliciosos foram servidos, como também bebidas geladas, vinhos, algumas vodkas e músicas incessantes, embalavam a noite.

- Meninas, o dia que eu voltar a Rússia, vou trazer para vocês a melhor vodka que já tomaram na vida. – dizia Red com o típico sotaque que era sua marca registrada.

Abriu-se a porta e era Nicky acompanhada de seu amigo e, logo atrás Alex, no seu estilo Bad chic, que era a sua cara, cabelos soltos, nada mais do que deslumbrante.

Cumprimentaram a todos, apresentando Lutty, que não demorou a ser o centro das atenções. Bastou gastar o seu vasto vocabulário russo de três ou quatro palavras, para tornar-se o queridinho de Red.

Trouxeram de presente, uma caixa da mais autêntica Vodka Russa, alegrando os olhos de Red.

- Pipes, você pega os copos? – gritou Lorna para amiga que estava na porta da cozinha, parada olhando a chegada dos três. Ouvir esse nome chamou a atenção de Alex, que ainda não havia visto à loira. Trocaram olhares com um sorriso modesto no canto dos lábios, sendo observadas pelo atento Lutty, que de imediato olhou na direção da loira, curioso para conhecê-la.

Piper não demorou a chegar com os copos, entregando-os.

- Piper esse é nosso amigo, Lutty. Chegou hoje e já o raptamos para vir conosco.

- Seja bem vindo, Lutty. – trocaram um beijo no rosto e cortesias sinceras.

- Vocês sabem animar uma festa! Muito obrigado por me receberem.

- Imagina, a casa é da Lorna, mas é nossa! – brincou Piper. Eu vou buscar mais alguns copos. – disse saindo, sem trocar uma palavra sequer com Alex, mesmo porque para elas, palavras eram desnecessárias, afinal, falavam com o olhar.

- Vache zdoróvie! - gritou Lutty, em seu embromotion russo, erguendo o copo. Sendo retribuído por Red e seus sobrinhos.

Piper manteve-se afastada de Alex, não de forma incisiva, mas naturalmente conversavam com outras pessoas, na medida em que a festa ficava mais animada.

Nicky e Lorna sempre tinham assuntos intermináveis, já as meninas falavam de tudo e nada, ao mesmo tempo. Então, Alex sentou-se na poltrona, cruzando as pernas, distraída segurava seu copo.

- Isso sim é uma família, percebe? – falou Lutty se jogando no sofá ao seu lado, colocando o braço nos ombros da amiga, abraçando-a.

- São muito unidos…

- Sim, eu gosto disso.

- Esse é seu lado italiano falando alto, meu querido.

- Sabe Al, quando me ligou aquela noite... Depois que desligamos eu fiquei pensando: Mas que porra essa garota tem para deixar a Alex assim. Porque você se relacionou com mulheres belissimas, então só beleza não poderia ser. Apesar, da sua Piper ser veramente bela, cara mia.

- Hum… E onde você quer chegar?

- Eu descobri de cara o que você viu a mais nela.

- É? Me diz…

- Ela é R e a l ... Quando fala, te olha nos olhos. Quando sorri, é de verdade. Ela é real.

Alex apenas assentiu sorrindo, pois jamais definiria tão bem a forma que vê Piper.

- Dito isso, amore mio, afirmo que você está mais fodidamente ferrada do que imaginei. – gargalhou levantando-se, chegando à rodinha das meninas que lhe deram total atenção. Deixando sua amiga pensativa, virando o restante da vodka de seu copo, garganta a baixo.

 

Na cozinha Lorna, Nicky e Piper conversavam pegando petiscos e mais gelo para levarem à sala.

- Deixa que eu leve esse. – falou Nicky pegando uma travessa de inox.

- Me esqueci de te contar, Nicky. O Benny vai aparecer aí.

- Ah que bom.

- Com a Daya.

- Mas ele sabe que a Al está aqui?- perguntou Nicky.

- Sim, eu enviei uma mensagem para ele. – Piper completou o assunto.

- Então ok. – por fim, disse Nicky.

- Precisam de ajuda?- chegou Alex, juntando-se a elas.

- Não Al, já estamos levando isso para sala, obrigada. – agradeceu Lorna.

- Bom, vou em casa buscar mais gelo. – Piper saia pela porta lateral da cozinha.

- Ok então ajudo você. – respondeu vendo as amigas sorrirem e Piper emudecer.

Andaram até a casa da loira, conversando calmamente.

- O Lutty adorou vocês.

- Ele é divertido. Se enturmou logo. - comentou Piper.

Mas estavam naquele momento que não sabiam o que dizer, então nada melhor do que conversar amenidades.

Entraram na cozinha pouco iluminada da casa de Piper, que pegava o gelo, colocando-os em uma vasilha, de costas para Alex.

- Vocês estão namorando novamente? – Alex foi direta.

- Está falando sobre o Larry? – respondeu, porém, continuou a pegar o gelo.

- Tem outro que você tenha beijado?

Piper suspirou, virando-se. Finalmente, olhando nos olhos da morena.

- Não. E, aquilo não foi bem o que pareceu ser.

- De onde vi pareceu um beijo, simples assim.

- Você não merece que eu explique, mas…

- Mas...?

- Eu me virei e ele me beijou de surpresa, foi só isso.

- E claro você não deu nenhuma abertura para ele fazer isso. Obviamente! – ironizou.

- Quer saber, pense o que quiser. Você é assim, Vause. Você quer que eu acredite nas coisas que diz, mas se nega a acreditar no que eu digo. – pegou a vasilha com gelo e saiu pela porta deixando Alex para trás.

- Desculpe... – gritou, fazendo a loira parar e virar-se. – Me desculpe.  Droga, eu senti ciúme. – deu de ombros.

- Está admitindo que teve ciúme de mim, Vause? – havia uma tonalidade irônica na voz de Piper, mas também de satisfação.

- Piper quero te fazer um convite.

- Melhor fazer logo porque o gelo está derretendo.

- Você quer jantar comigo?

- Jantar?

- Sim…

- Um encontro entre amigas?

Alex deu um passo à frente, fitando-a.

- Não. Um encontro…

Piper não segurou o sorriso.

- O...Kay, até o fim da noite eu te respondo. – voltou a caminhar.

- Mas porque não responde agora?

- Para judiar de você! – respondeu rindo entrando na casa de Lorna.

- Que maluca. – riu Alex.

 

Voltaram para festa e Alex deu de cara com seu irmão e Daya. Cumprimentou-os, disfarçadamente chamando o irmão para o lado.

- O que você está fazendo aqui com a Daya?

- Eu a convidei para vir.

- Você está saindo com a minha secretária? Isso é tão clichê.

- Não desdenhe Alex. Muda esse tom.

- Ela trabalha para mim e você também é o chefe dela. – indignava-se.

- E daí? Não me lembro de você reagir assim quando namorei a filha de um de nossos executivos.

- É diferente, Benny!

- Por quê? Porque ela era filha de um Executivo?

- Não Benny, só me parece estranho…

- Sério Al? Estranho? Pensa bem na forma que você conheceu essas pessoas que estão aqui e me diz o que é estranho.

Benny fez menção para sair, indignado pela atitude da irmã. Alex segurou-o pelo braço, impedindo-o de sair.

- Calma, desculpe, você tem razão, tá bom!? Eu sou uma idiota. – abraçou-o.

- Você não é uma idiota, mas às vezes age como tal.

 – Você ainda me ama? – perguntou agarrada ao irmão.

- É claro que te amo. Mas só porque você se desculpou. Agora vamos, porque a Daya sim é que deve estar tremendo com você aqui.

- Vamos lá... – voltaram juntos deixando de lado a conversa anterior.

Benny apresentou Daya a todos, inclusive à Lutty que festejou como sempre.

Era, de fato, uma reunião feliz e comum, com pessoas comuns. Onde todos conversavam entre si, dançavam, pagavam alguns micos, bebiam além da conta, mas apreciavam suas companhias.

Na alta madrugada, iniciavava-se as despedidas.

- Você me deve uma resposta… - cobrou Alex saindo pela frente da casa.

Piper achegou-se, segurou o queixo de Alex, aproximando seu rosto ao da morena, virando-o, tocou os lábios em seu rosto.

- Sim... – murmurou, afastando-se – Às 8pm e não se atrase!

- Não posso prometer isso, sou mulher... – sorriu Alex.

Lutty, Nicky e Alex logo saíram, depois de Benny e Daya.

As meninas dormiram por lá mesmo, ficando para o dia seguinte toda arrumação.

- De manhã arrumamos, estou exausta! – falava Lorna massageando a têmpora.

- Combinado, mesmo porque preciso dormir, eu tenho um encontro… - Piper contava já a caminho de casa.

- Como assim?

- Depois eu te conto! – acenava com as mãos no ar.

- Vadia! Mas já imagino com quem… Até Pipes.

 

 

Na manhã seguinte na mansão Vause, durante o breakfast, colocavam o assunto em dia.

- Lutty quando Alex falou que receberíamos uma visita, jamais imaginei que seria você. Foi uma bela surpresa!

- Dona Diane, senti muita falta de vocês e dessa aqui que resolveu voltar para a América.

- Era preciso, Lutty. E, agora vou te segurar aqui.

- Alex, amore mio, não consigo mais viver longe da minha Itália.

- Ou de alguns italianos...  - balbuciou Alex.

 - O que importa é que agora está conosco. – completou Diane.

- Bom dia! Nem vou comer nada, estou atrasado demais. – dizia o apressado Benny, tomando uma xícara de café. – Lutty você precisa conhecer o Rancho.

- Si, certamente, Benny. Alex havia comentado.

- Bom, até mais gente. Apareçam por lá. – saiu às pressas.

- O garoto virou homem!

- E, um bom homem, Lutty. Tenho muito orgulho do meu filho, aliás, dos meus filhos.

- Ela já sabia, se não me incluísse nessa frase, a briga seria feia. – ria Alex brincando com a mãe – Vamos, a Nicky já mandou mil mensagens.

- Vão ao escritório, filha?

- Também, mãe. Também! – disse com ar misterioso.

- Sei... Juízo crianças.

- Deixa comigo! Ciao!- respondeu Lutty, vestindo um casaco.

Alex, Lutty e Nicky fizeram de tudo naquele dia, menos trabalharem. A chegada do amigo e o encontro da noite renovaram as energias da morena.

 

A noite, finalmente, chegou...

Pontualmente às 8pm, o carro de Alex parara em frente da casa de Piper.

A loira não demorou a surgir na pequena varanda de madeira. Vestindo um belo vestido claro justo, com os cabelos soltos e ondulados, não muito maquiada, apenas o suficiente para mesclar entre a mulher e a menina que mostrava em seu semblante maroto.

A morena desceu do carro, vestindo um colado e sensual vestido preto com detalhes em branco, muito bem maquiada, com seu longos cabelos soltos e lisos, colocados ao lado. Estava extremamente sexy, mas com uma doçura no olhar, que antes não estava lá.

Caminharam por alguns passos, encontrando-se no meio do caminho.

- Chapman…

- Vause…

- Você está... – suspirou a morena – lindíssima!

Piper olhou-a de cima a baixo.

- Você... Não está nada mal. – riu dos seus próprios pensamentos impublicáveis. Ouvindo Alex soltar uma risada solta.

Mais alguns minutos e estavam a caminho do restaurante.

Durante o trajeto conversaram sobre o CJ que está se tornando uma realidade, entre outras coisas. Não demoraram a chegar a um famoso restaurante, onde Alex havia conseguido reservas.

Sentaram-se, imediatamente sendo servidas com um delicioso vinho e fazendo seus pedidos.

- Me indicaram esse restaurante, mas ainda não havia vindo.

- O lugar é muito bonito. – elogiou Piper, bebendo um pouco do vinho servido em uma bela taça de cristal.

- Você é muito bonita…

- Não conhecia esse seu lado galanteadora, Vause.

- Na verdade, acho que há em nós, nuances que a outra ainda não conhece.

- Preciso fazer uma confissão idiota. – Piper dizia visivelmente contrangida ou talvez envergonhada.

- Adoro confissões idiotas.

 Eu... meio que busquei informações sobre você no Google.

- O que? - divertiu-se Alex – Você fez isso?

- Hunrun…

- E o que encontrou? – questionou arqueando as sobrancelhas.

- O interessante é eu não ter feito isso antes, quando o nome Alex Vause surgiu na minha vida. Enfim, encontrei umas coisas lá.

- Que coisas? Minha vida é bem reservada.

 - Percebi isso, mas…

- Hum?

- Vi umas fotos suas em festas. – Piper fez uma careta, que fez Alex rir. – Você e umas peitudas.

- Como é? – a morena já gargalhava, mesmo tentando conter-se.

- Você ri, né.

- A cara que você fez foi hilária, Chapman.

- Vi poucas coisas suas, mas basicamente isso.

- Então me viu com...- Alex baixou o tom – peitudas?

- É! Gostosonas, você entendeu.

- Você não acha que só porque tenho fotos com alguém, já saí com tal pessoa, não é?

- Sei lá, você tem cara de quem faz o estilo cafajeste.

- Sério que pensa isso de mim?

- Não...- sorriu a bela loira. – Além do que, hoje estamos apenas jantando e nos conhecendo, sem nenhum outro interesse.

- Exatamente. – a morena bebeu um gole de vinho.

- Afirmo que sim, será uma noite até inocente.

- Não pensei o contrário.

Serviram-lhes um delicioso prato mediterrâneo.

Deliciaram-se sem por um segundo interromperem suas conversas. Havia tanto a dizer, uma necessidade de se conhecerem, de descobertas, parecia que em uma noite queriam contar a história de uma vida.

Depois longas conversas, inúmeras entrelinhas e de um jantar excepcional, voltaram ao ponto inicial, chegando novamente à casa de Piper.

Alex estacionou o carro, virando na entrada da garagem. Desligou-o, regulando o volume do som que tocava.

 

A hundred days have made me older

Cem dias me fizeram mais velho

Since the last time that I saw your pretty face

Desde a última vez que vi seu lindo rosto

A thousand lies have made me colder

Milhares de mentiras me fizeram mais frio

And I don't think I can look at this the same

E eu não acho que possa olhar para isso da mesma maneira

But all the miles that separate

Mas toda a distância que nos separa

They disappear now when I'm dreaming of your face

Ela desaparece agora, quando estou sonhando com seu rosto

 

- Essa música já me doeu, lembrando de você, de nós... - comentou Piper, cantarolando uma estrofe ‘A thousand lies have made me colder...’ (Milhares de mentiras me fizeram mais frio).

Alex tornou-se visivelmente inquieta.

Piper apenas a observava, com a cabeça encostada no banco, virada para sua diração. Finalmente, vendo a morena fazer o mesmo, encostando para trás, olhando-a.

- Você está inquieta. – constatou a loira.

- É perceptível?

- Hunrun, é até bonitinho ver você assim…

- Por quê?

- Você é tão segura, poderosa e te ver assim inquieta, sem saber onde colocar a mão – Piper tocou a mão da morena – É… bonitinho…

Alex trouxe a mão da loira até os lábios, beijando-a.

- Eu fico assim perto de você…

Olharam-se, os azuis dos olhos de Piper diziam tanto para o verde dos olhos de Alex.

- Alex, Me beija...  - a voz da loira era suave, terna.

Alex tocou o rosto de Piper, com o próprio rosto. Fechando os olhos, sem a costumeira pressa.

- Huuum, Sou louca pelo seu cheiro Al…

- E eu sou louca por você... – os lábios de Alex abriram-se, na mesma proporção que os da loira foram abertos. Piper abriu todo caminho para a língua de Alex, encaixaram seus lábios perfeitamente, a loira chupava sua língua com tamanha vontade e desejo que mal permitia que saísse, o vai e vem era lento pela intensidade das sugadas. A mão da morena segurava com firmeza o rosto de Piper, que não fazia esforço algum para sair dali. Era exatamente ali que queriam estar, naquele beijo é que se encontravam. A respiração mudara de maneira latente, por um segundo pararam, sem afastar-se. Respirando o mesmo ar, Alex mordeu o lábio de Piper, levemente, puxando-o para si. Passando a beijar o queixo da loira, subindo pelo pescoço, onde passava apenas a ponta da língua, fazendo Piper enfiar os dedos em seus cabelos, prendendo-a.

- Como eu gosto disso... – dizia a loira entre sutis gemidos. A boca da morena devorava seu pescoço.

- Al... – disse Piper ofegante afastando Alex – Assim não vamos cumprir aquela coisa  “Apenas jantar...”

- Olha... – Alex dizia fitando-a seriamente - Para você depois vir com aquela história de É só sexo, prefiro que não aconteça nada mesmo.

Piper sorriu, vendo o quanto aquela frase havia incomodado a morena, segurando seu rosto, virou-o para si.

- Eu nunca fiz só sexo com você, Alex Vause. Nunca…

- Não?

Piper acenou negando.

- E tem mais uma coisa, Vause – Piper falou saindo do carro, curvou-se olhando para Alex. – Se vira com esse salto e esse vestido, você tem dez minutos para subir aquela escada ali, entendeu? – apontou a tão conhecida escada. Bateu a porta, saindo sem sequer olhar para trás.

- Que porra-louca! – Alex falava sozinha sorrindo – E... Como eu vou subir essa joça!? – saiu do carro, caminhou até a escada, tirou os sapatos, olhou pensando: Dá-se um jeito, Vause!

 

Saindo do banho Piper apenas enrolada em uma toalha, deparou-se em seu quarto, com a morena parada, em pé, ao lado de sua cama.

- Precisava me fazer subir por ali?

- Hunrun...

- E, você não aprendeu a trancar essa janela, não é? -  foram as palavras de Alex enquanto despia-se completamente,  diante do olhar atento da loira, que imediatamente  deixou cair ao chão a toalha que cobria seu corpo.  Em segundos estavam se beijando com uma paixão  que jamais haviam sentido em suas vidas,  a entrega era completa,  inteira.  As línguas conversaram em todos os idiomas,  se duvidar, até em hebraico conseguiam se expressarem.  Piper num repente jogou Alex na cama,  deixando-a atravessada com as pernas para fora da cama.  – Você pensa que sempre está no comando, não  é  Vause…? – suas palavras saiam na medida que seu corpo se colocava sobre o de Alex,  que estática assistia àquela cena, apertando os lábios. A boca de Piper iniciava um passeio pelo corpo cheiroso daquela morena, seus lábios  tocavam a pele macia de seu pescoço,  descendo  até  encontrar a delícia  de seus mamilos e só assim interromper por alguns minutos o tour.  Beijos intensos foram dados, fazendo a morena não segurar sutis gemidos,  a língua daquela loira explorava com perfeição cada milímetros de seu corpo,  contornando seu seio,  não  houve pressa para terminar aquela tortura prazerosa.  Piper levantou a cabeça vendo uma Alex totalmente entregue a seus toques, trocaram olhares por ínfimos segundos,  sorrindo voltou a seu passeio inquietante pelo corpo da morena.  Não demorando a desxer da cama e colocar as pernas de Alex em seu ombros,  não  existia  mais sutilezas e sim um intenso desejo de devorar aquela mulher.  E,  assim o fez.  Seus lábios entregaram um lascivo beijo de língua,  buscava os pontos de prazer de Alex  e eram todos encontrados.  A ponta da sua lingua  passou a massagear o clitóris  da morena,  que apenas conseguia responder segurando a cabeça  de Piper ainda mais em suas pernas. Até sentir o dedo da loira deslizar por locais até então não  permitidos por ela. E, Piper estava realmente no comando, ela conseguia controlar e ascender aos desejos de Alex. Sem parar aquela excitante massagem com sua língua,  brincou com o dedo,  escorregando por toda extensão, parando sem penetra- lo, brincava,  nada mais, até  ouvir a conhecida  voz rouca  - Coloca…  - não  foi uma ordem e sim,  de fato,  um pedido que saia sussurrado. A loira penetrava lentamente seu dedo sentindo as reações do corpo de Alex e intensificou os movimentos com sua língua  como também de seu dedo.  – Piper... ai ... faz...  -  A morena mexia  acompanhando o mover de Piper, que tornara rápido mais e mais e, em um movimento mais, seu corpo contraiu e gemeu sem pensar em mais nada,  além do prazer que sentia, diante daquele orgasmo enlouquecedor que acabara de ter.  Ela mordia os lábios olhando para o teto do quarto,  procurando o ar que não  sabia onde estava. Piper sentia–se estasiada pelo prazer visível  de Alex – Como eu amo fazer amor com você, Al... -  subiu encaixando-se na coxa da morena,  estava excitada demais para paradas,  tinha necessidade daquele contato,  Alex  ainda  recuperava  sua respiração  e já  sentia o corpo da loira roçando  em sua coxa,  olhou aquilo hipnotizada  – Quem é você Piper Chapman... -   Houve uma resposta,  um puxar de rosto com um beijo louco,  molhado,  devorado,  tamanha profundidade das chupadas de língua,  que só  fora interrompido pelos gemidos da loira,  após  chegar ao ápice  de seu prazer.

O corpo de Piper recebeu um carinhoso e apertado abraço.  Ficaram assim, em silêncio,  sentindo e ouvindo suas respirações  se acalmando,  percebendo que, realmente, não havia outro lugar no mundo que gostariam de estarem,  a não ser ali,  no aconchego daquele abraço.

- Quero te fazer uma pergunta… - disse Alex rompendo  o silêncio,  aquilo pareceu tão sério que fez Piper levantar seu rosto, franzir a testa,  olhando-a, esperando o que viria.  – Você  quer namorar comigo?

A fisionomia de Piper amenizou ouvindo aquilo e um sorriso surgiu em seus lábios.

- Sério que Alex Vause está me pedindo em namoro?

- Essa mulher nua,  acabada,  que você  acabou de virar do avesso e louca por você,  está  te pedindo em namoro.

-  Adorei a descrição... - a loira tocou o rosto de Alex – Mas,  depende…

- Como é? Depende?

- Na verdade, depende… se podemos recomeçar tipo, aqui,  tudo de novo… - o olhar devasso de Piper dizia muito mais do que palavras.

- Você é muito safada e eu adoro isso!  - tentando segurar a gargalhada, a morena virou-se na cama, ficando com seu corpo em cima da loira, afastou suas pernas, procurando encaixar-se, unindo seus sexos,  olhando-a fixamente, iniciando um rebolar lento e compassado  -  Você  não  vai responder, Chapman? -  os movimentos de Alex traziam de volta toda excitação para o corpo de Piper.  -  Al, Assim eu NamoroNoivoCaso,  faço  o que você  quiser! – finalizando sua frase com mais um beijo,  aquele beijo tão... tão  delas…

 

But you're still with me in my dreams

Mas você ainda está comigo em meus sonhos

And tonight, girl, it's only you and me

E esta noite, garota, somos só você e eu

 

  


Notas Finais


Link da música: 3 Doors Down - Here Without You
https://www.youtube.com/watch?v=kPBzTxZQG5Q


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...