História Two In A Million - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Austin & Ally, Laura Marano, R5
Personagens Laura Marano, Personagens Originais, Ross Lynch
Tags Auslly, Austin And Ally, Laura, Raura, Ross
Exibições 60
Palavras 2.042
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Então eu to aqui...
sei que prometi antes mas tive uns problemas para resolver
acabei ficando doente e para fechar com chave de ouro só consegui FINALMENTE pegar no pc hj graças a minha linda irmã que eu amo dms (cof...cof..)
Continuando, bem esse cap é bemmmmmm sofrido e também mto diferente espero que entendam oq eu quis dizer
mas enfim é isso espero que chorem bastante... ops curtam bastante
Ah eu já ia me esquecendo... A FIC CHEGOU A 50 FAVORITOS!!! Nem posso acreditar nisso MUITO OBRIGADA DE CORAÇÃO AMORAS MARAVILHOSAS <3 Eu amo oq faço mas devo TUDO a vcs! AMO VCS
Sei que é "amanhã" dia 29/11 o niver da MARAVILHOSA Laura Marano mas resolvi postar antes mas é em homenagem a ela tbm!!!

Ok já deu!
Chega de enrolar...

Nos vemos nas notas finais... <3

Capítulo 13 - Heart Like Yours Part 2


Fanfic / Fanfiction Two In A Million - Capítulo 13 - Heart Like Yours Part 2

Havia quase uma semana que Laura estava em coma e nada de uma melhora, meu coração estava apertado, a cada dia que se passava e nenhum sinal de melhora me faziam desacreditar um pedacinho bem pequeno do meu coração de que ela não voltaria para mim, mas eu pedia e rezava para Deus que ele traria minha doce Laura de volta sã e salva.

Laura havia desmaiado por conta do stress e da pressão que estava sentindo enquanto discutia com aquele idiota do Andrew no dia do nosso noivado, eu havia planejado tudo perfeitamente, havia meses em que esperava por aquele dia, jantaríamos, iriamos a praia caminhar sobre a enorme lua que brilhava aquela noite depois iriamos a um lugar onde Laura nem em sonho imaginaria que estaria em sua vida, lá eu faria minhas juras de amor e prometeria passar por tudo juntos, diria a ela que a faria a mulher mais feliz do mundo, depois nos amaríamos como loucos apaixonados até o amanhecer. Bem parecia tudo perfeito, até por fração de segundos meus planos serem totalmente mudados.

Assim que vi Laura caindo, fui a ela e a segurei, pedia a ela que não me deixasse, que continuasse lutando por mim, em seguida Laura desmaiou, todos que estavam no restaurante se assustaram e outros estavam curiosos para saber o que tinha acontecido, gritei para alguém chamar uma ambulância, e em pouco tempo ela estava lá, colocaram Laura em uma maca e começaram a fazer os primeiros socorros ali mesmo, eles me perguntavam várias coisas nas quais eu fazia um esforço enorme para prestar atenção e responde-las a um dos paramédicos.

Levaram-na para a ambulância e não me deixaram ir com ela, sai como um louco do restaurante e meu carro já estava pronto com um dos motoristas do lugar, entrei e fui seguindo a ambulância que cortava em meio aos carros com sua sirene ligada, no caminho liguei para meus pais e para Vanessa e pedi que fosse para o hospital, dei o endereço de qual hospital estaríamos e todos correram para lá, cheguei junto com a ambulância, um corre corre enorme se iniciou no Pronto Socorro com a chegada de Laura, pude ouvir uma das paramédicas passarem para um dos médicos a fixa de Laura e o que havia lhe acontecido, acabaram me mandando para a sala de espera e não me deram mais nenhuma notícia sobre o estado de saúde da minha pequena.

Eu estava aflito e nervoso que só me lembrei que não havia pago a conta pelo ocorrido, tentei me acalmar o máximo que pude e liguei para o restaurante e disse que ainda estava sem notícias, como o dono de lá me conhecia me deixou mais tranquilo ao dizer que não precisava me importar com a conta, agradeci a ele muito e disse que depois acertaria como fosse. 

Vanessa, Riker, meus pais, Rocky, Delly, Ell e Ryland chegaram correndo e vieram ao meu encontro, contei a eles o que eu havia visto sobre o que tinha acontecido e que nenhum médico havia vindo falar comigo até o instante, eu ainda não havia chorado mas quando minha mãe me abraçou acabei chorando feito uma criança pequena, não queria que nada de mal acontecesse com minha pequena, seria doloroso demais perde-la.

Horas e mais horas se passaram e nada, nem mesmo uma notícia se quer, já era madrugada, Vanessa dormia abraçada a Riker assim como Delly estava apoiada em Ell, Ryland estava com meu pai e Rocky, minha mãe dormia em meus braços, todos estavam exausto por conta da demora, já eu não conseguia pregar os olhos, o medo e a raiva não me deixavam parar um segundo se quer, eu queria alguma notícia fosse ela qual for, seria horroroso e bastante doloroso pensar que Laura havia me deixado mas eu saberia que ela estaria bem onde quer que fosse. “Pense positivo Lynch ela está bem, nada de mais irá acontecer” era o que minha cabeça me dizia e tentava acreditar.

–Familiares de Laura Marie Marano. –um médico de um tanto novo, apareceu com uma prancheta na mão.

Assim que ouvi, percebi que todos que estavam dormindo inclusive minha mãe se despertaram e nos levantamos em direção ao médico.

–Somos nós, sou Irmã de Laura. –Vanessa se pronunciou antes que eu pudesse pensar em algo concreto a ser dito ao médico.

–Bom senhorita Marano, sou o Dr. Alex Karev, cirurgião pediátrico. Sua irmã teve um desmaio por conta do seu stress e de sua pressão ter ficado muito baixa, com a queda a paciente acabou tendo um aborto espontâneo, fizemos tudo o que estava ao nosso alcance para salvarmos a mãe e o bebê, mas pela quantidade excessiva de stress que a paciente sofreu o bebê não resistiu, sua irmã está em coma e não sabemos em quanto tempo ela ficará nesse estado.

–Podemos pelo menos vê-la? –Delly perguntou com voz de choro, se agarrando ao Ell.

–Podem sim, mas peço que vão de 2 em 2 para que não cause tumulto, ela está em um quarto, por favor me acompanhem. –o doutor disse olhando para mim.

–Podem ir primeiro, vou ficar bem. –me pronunciei pela primeira vez desde que o médico havia chegado com as notícias.

Vanessa e Riker foram os primeiros a ir ver Laura, seguidos por mamãe e meu pai, depois Delly e Ell, Rocky e Ryland foram apenas para verem o estado dela, todos estavam mal quando voltavam da visita o que apertava mais meu coração, eu havia tido várias “surpresas” no mesmo dia, precisava de tempo para digerir tudo aquilo, quando chegou minha vez o Dr. Karev me levou até a porta do quarto, meu coração estava apertado, eu estava nervoso e também muito ansioso, eu precisava vê-la.

Assim que eu abri a porta meu coração se despedaçou, foi a pior cena que já tinha visto em minha vida, Laura estava em uma cama, estava com fios por todos os lados, respirava com ajuda de aparelhos, mas parecia estar em uma paz infinita, me sentei ao seu lado e peguei sua mão, estava fria, e aquilo me deixava pior ainda, segurar a mão dela era sempre bom, quente e macia, mas desta vez estava fria e com alguns rachados por estar um tanto desidratada. Vê-la daquela forma me doía mais que qualquer coisa, eu não podia acreditar, ela estava esperando um filho meu, nada mais me doía que aquilo, nunca havíamos falado seriamente em ter filhos, mas saber da existência de um por fruto do meu amor e do de Laura, era a notícia mais incrível que eu podia receber.

Não queria chorar, mas fora quase impossível, Laura estava pálida, seus lábios rachados e seu cabelo todo bagunçado, uma coisa que ela odiava mais que tudo era seu cabelo estar bagunçado, ela poderia estar toda largada, mas se o cabelo estivesse bagunçado era o fim do mundo. Acabei rindo com esse pensamento, ah como era bom ver minha doce Laura sorrindo, alegre como sempre esteve, meu coração se partia cada vez mais ao olha-la deitada naquela maca de hospital, sem nem mesmo saber o que se estava passando, muito menos o que lhe acontecera, me doía mais não saber o que fazer.

Longos muitos se passaram, pareciam horas com todo aquele silêncio e toda aquela aflição, mas eu podia ver que ela estava em paz, mesmo ela estando seja lá onde, ou tendo um sonho onde tudo se era possível e até onde sua imaginação a deixava ir, enquanto na “realidade” tudo parecia se passar como um terrível pesadelo que eu mal podia esperar que se terminasse. Antes que eu fosse avisado que o horário de visita havia terminado, me aproximei da cama onde Laura estava e afaguei seus cabelos, me abaixei perto de sua orelha e sussurrei uma pequena frase clichê de filme romântico “Eu não espero que fique comigo, mas não serei egoísta por pedir que fique, mas se você ficar eu serei o homem mais feliz de todo o mundo e prometo que lhe farei a mulher mais feliz do mundo, apenas fique está bem?” algumas lágrimas caíram em seus cabelos e eu as limpei afagando suavemente seu cabelo e depositando um beijo no mesmo.

 

Estava sendo uma rotina cansativa, casa, banho, cama, banho, cozinha, chaves, carro, hospital... era assim todos os dias desde que Laura entrara em coma, eu não comia nem dormia direito, eu até tentava, mas acabava tendo um pesadelo terrível e perdia o sono, todos aparentavam cansados, Vanessa e Ellen a mãe de Laura estavam piores, assim como eu estava acabado, mal esperava para que todo esse sofrimento acabasse para que pudéssemos ter Laura de volta, saudável e bem melhor, e ela vinha tendo melhoras, eram mínimas, mas significava muito para todos nós. Mas ela ainda respirava com ajuda dos aparelhos, e isso ainda me deixava preocupado. Queria Laura bem, e comigo, me ouvindo como sempre fizera, ela quem me apoiava em tudo, além de ser a mulher da minha vida Laura acima de tudo era minha melhor amiga e eu sentia muita falta da minha pequena.

Em uma de minhas visitas a Laura, em uma tarde fria em Los Angeles um tempo fechado, mas que não ameaça cair nem uma gota de chuva, estava sentado no sofá de visita ao lado da maca de Laura que ainda estava na mesma, meus pensamentos estavam longe, eu dedilhava uma melodia que começara a escrever antes de tudo acontecer, eu tinha um pedaço da letra então comecei a canta-la

Breathe deep, breathe clear

Know that I'm here

Know that I'm here

Waiting

 

Stay strong, stay gold

You don't have to fear

You don't have to fear

Waiting

I see you soon

I'll see you soon

 

How could a heart like yours

Ever love a heart like mine?

How could I live before?

How could I have been so blind?

You opened up my eyes

You opened up my eyes…

 

Sleep sound, sleep tight

Here in my mind

Here in my mind

Waiting

 

Come close, my dear

You don't have to fear

You don't have to fear

Waiting

I see you soon

I'll see you soon

 

How could a heart like yours

Ever love a heart like mine?

How could I live before?

How could I have been so blind?

You opened up my eyes

You opened up my eyes

 

Hold fast hope

All your love is all I've ever known

Hold fast hope

All your love is all I've ever know

 

How could a heart like yours

Ever love a heart like mine?

How I could I live before?

How could I have been so blind?

 

You opened up my eyes

You opened up my eyes

You opened up my eyes

You opened up my eyes

Acabei encontrando um restante para música, e eu mal podia acreditar, aquela com toda certeza era minha música para ela, e eu a amava, a amava porque eu pensava nela eu a amava porque era sobre ela, a amava porquê eu estava sofrendo por estar sem ela, e era nela que me apoiaria sempre que eu precisasse, era minha forma de ver Laura nela.

 

...

Eu sabia que eu já tinha ouvido aquela canção, mas não sabia onde, muito menos quando e nem o porquê, mas sentia que ela tinha uma ligação forte entre mim, Ross e nosso bebê, aquela canção era o meu apoio assim como Ross era, e eu não sabia nem muito menos me preocupava em saber o porquê me bastava apenas entender que aquela era com toda certeza no mundo a minha canção.

Meus olhos ardiam de tanto chorar, notei que não somente eu chorava, mas Ross também, ele chorava em silencio e parecia estar sofrendo também, me doeu o coração, já que ele estava fazendo tudo por mim e estava aguentando a dor de perder nosso bebê.

Tirei o violão de seu colo e o abracei, abracei o mais forte que conseguia, eu tentava fazer que com aquele abraço os caquinhos do coração dele se juntassem novamente, eu queria conforta-lo e acabei me confortando em seu abraço e chorando baixinho enquanto ele chorava comigo também.

Eu te amo. –acabamos falando juntos em meio a um sussurro embalado pelo choro, fazendo com que apertássemos mais o abraço.


Notas Finais


Bom vou ser breve aqui também...
esse cap se passou pela visão de Ross de como tudo aconteceu,mas o final volta para a Lau. Essa canção foi minha inspiração para toda essa sequência.. esse "ela" a quem Ross se refere após cantar a musica é tanto a Lau quanto a canção e o amor dele por ambas. Eu n quis continuar até o dia que ela acorda n pq acho que ia ficar muito repetitivo e longo, mas basicamente todos ficaram mega felizes pela escolha de Lau em "ficar" e tristes pela perca do bebê, mas calma que dps tudo vai mudar huahsuahsu

Ai Deus eu disse que seria breve, mas ok era isso mesmo
espero que tenham gostado e até quando minha inspiração e tempo quiserem....
FELIZ ANIVERSÁRIO LAURA <3
Ah e mais uma vez OBRIGADA PELOS 50 FAVS
EU AMO VCS <3


Sweet Kisses
Lili <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...