História Two Kinds Of Happiness - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Drogas, Ecchi, Gravidez, Lemon, Romance, Yaoi
Exibições 54
Palavras 1.005
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Droubble, Ecchi, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oie!
Após 03 anos decidi restaurar essa história.
Capítulo 02 para vocês!
Espero que gostem, perdoem os eventuais erros e aproveitem a leitura!

Capítulo 2 - Chapter II


Capítulo 02 – Chapter II.

 

Antes

 

Minha mãe, Christine, entrou no quarto segurando uma pequena pilha de roupas recentemente passadas e ficou surpresa ao me ver passando o habitual batom vermelho na frente do espelho.

— Amanda, o que você pensa que está fazendo? Ou aonde a senhorita pensa que vai? – ela pergunta deixando as roupas em cima da minha cama.

— Vou sair com o Ewan! – respondi como se fosse óbvio.

— E desde quando esse Ewan é o seu namorado?

— Nos conhecemos numa festa e já é a terceira vez que saímos juntos.

— Você sai de casa quase todos os dias. Tem certeza de que ele é o único?

— Quando não estamos juntos, estamos com alguns amigos, mas hoje somos só eu e ele. – respondo enquanto retoco o rímel dos cílios inferiores.

— Você precisa estudar para passar de ano! Como acha que vai entrar numa faculdade reprovada em matemática, química e física?

— Eu não quero passar para a melhor faculdade do estado. Me contento com a da cidade vizinha.

— O que o seu pai dirá quando souber que o dinheiro dele está sendo praticamente queimado nas mensalidades daquela escola?

— Eu não pedi para estudar naquele colégio ridículo e ele não faz mais do que a obrigação de oferecer o mínimo de conforto para nós e uma boa educação para a filha que ele abandonou aos cinco anos de idade.

— Eu sei que não escolhi o melhor ex marido do mundo, mas você deveria aproveitar melhor as coisas que ele te dá.

— Mãe, as minhas notas são ótimas em linguagens e ciências humanas. Odiar exatas e tirar menos de 3,0 nas provas dessas matérias do inferno não me fazem ser uma péssima aluna! – e é verdade. Sempre fui uma negação em cálculos e ciências da natureza, mas gosto de ler e estudar sobre qualquer coisa que não envolve números e fenômenos científicos.

— Eu só não quero que você caia nas mãos de um homem velho que pensa ter o poder de conquistar o mundo com o seu maldito dinheiro. Não quero que tenha o mesmo destino que eu.

Viro-me para minha mãe e sorrio segurando nas suas mãos. Eu sei que ela fala porque quer o meu bem e deseja a minha felicidade.

— Primeiro: eu odeio homens mais velhos. Segundo: eu não me vendo. Se eu ficar com um cara, será porque realmente gosto dele. Tudo bem?

— Se você diz. – ela me abraça e dá um beijo na minha bochecha.

— Agora estou indo e não tenho hora para voltar. – pego a minha bolsa na cama e guardo o celular dentro dela.

— Que Deus te proteja. – ela disse quando saio do quarto.

Encontrei com um grupo de cinco amigos num barzinho perto do Centro da cidade onde qualquer bebida é vendida e os cigarros circulam livremente entre os boêmios. Ewan me recebeu com um beijo caloroso e suas mãos sedentas passaram pelos meus seios, minha barriga e bunda. Andamos um pouco pelo Centro e voltamos para o bar antes da meia-noite, pois queríamos comer alguma coisa. Aquela noite era só mais uma como todas as outras que começavam regadas pelo álcool e nicotina e terminavam com o gosto do cigarro de maconha entre os lábios e o esperma de alguém no meu queixo. A diferença é que dessa vez eu havia provado o gosto de Ewan e não o de um cara qualquer e ele tinha feito-me gemer sofregamente encostada num muro de uma rua escura enquanto sua língua me proporcionava o mais delicioso prazer.

— Você é terrivelmente gostosa, Amanda. – ele disse ainda com a boca entre as minhas pernas.

— E você não é o primeiro cara que me diz isso. – falei rindo.

— Não me importo com os outros caras desde que eles mantenham distância de você agora que estamos juntos. – ele beijou a minha virilha direita.

— Juro para você que nunca dormi mais de duas, três vezes com o mesmo cara. – passei minhas mãos pelo seu cabelo.

— Quantos anos você tem mesmo? – ele perguntou rindo antes de passar a língua quente no meio da minha intimidade.

— Quinze e pára de enrolar. Eu quero mais uma vez.

— Eu não vou transar com você no meio da rua. Podemos fazer uma coisa ou outra, mas isso não.

— Por que? – pergunto nervosa.

— Quero que você se lembre da nossa primeira vez por muito tempo.

— Então teremos uma transa memorável?

— É o meu plano. – ele disse e voltou a me chupar mais uma vez.

A língua de Ewan era habilidosa. As duas mãos do rapaz separavam ainda mais os meus lábios inferiores e o grito subia em minha garganta toda vez que ele me penetrava com aquele pedaço de carne molhada e quente. Eu queria puxar Ewan pelos cabelos e fazê-lo me penetrar de verdade já que estava mais do que excitada, mas ele não atendeu ao meu pedido mudo.

 

Atualmente

 

Coloco o bebê no berço e deito-me ao lado de Ewan na cama. Ele me abraça enquanto assiste a última parte de um filme qualquer num canal fechado. Percebo que ele usa apenas uma cueca e passo a minha perna esquerda por entre as suas. Ele sorri e vejo naquele sorriso aquele garoto despreocupado da minha adolescência. Ewan desligou a televisão e me fez deitar na cama. Me beijou com carinho e em pouco tempo estávamos nus e ele sugava os meus seios inchados pela amamentação. Não tentamos nada de muito ousado. Ele me beija, eu retribuo, ele me toca, eu o acaricio em lugares estratégicos e ele me penetra. Ainda consigo tirar algum proveito do ato, mas não é nem de longe parecido com as nossas antigas aventuras. Até mesmo o ato sexual tornou-se enfadonho, comum e por vezes o final é quase angustiante e doloroso porque não sinto nada. É como se Ewan estivesse apenas entrando e saindo do meu corpo sem se preocupar com o meu prazer. Terminamos. Ele me beija e me envolve em seus braços. Deito com o rosto para o lado contrário e permito que uma lágrima desça. Como isso foi acontecer comigo? Por que?


Notas Finais


Gostaram?
Comentários?
Favoritos?

Bjs e até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...