História Two Parts Of A Single Love (Duas Partes De Um Único Amor) - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Orange, Romance, Yuri
Exibições 60
Palavras 1.418
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 15 - O Retorno De Mika


Fanfic / Fanfiction Two Parts Of A Single Love (Duas Partes De Um Único Amor) - Capítulo 15 - O Retorno De Mika

Havia entrado na casa da Mikene, tirei meus sapatos e me joguei em sua cama.
-Veja só Maika... Há algum tempo você estava rejeitando tudo isso... E agora até sente falta. - Digo e sorrio para mim. Pego meu celular e levo um susto quando ele começa a tocar de repente.
Chiisaki Mikazuki.
-Mika...
Hesito, mas acabo por atender.
-Haru?
-Sim. O que foi?
-Será que podíamos nos encontrar?
-...Claro.
Me encontrei com Mika em um café próximo. Os pais de Mika eram consideravelmente ricos, apesar de não possuírem (nem estimando o valor de suas propriedades e as somando) um terço da fortuna que Mikene possuía. Ela morava naquela rua, naquele bairro, apenas mais para o fim.
Me sentei, e ela também.
-A quanto tempo, Haru.
-É.
-Você mudou.
-Nem um pouco.
-Como está?
-Muito bem, e você?
-Sinto sua falta.
-Você cavou seu próprio túmulo.
-Aquela mulher te pediu em namoro ou está apenas te enrolando?
Me... Pedir em namoro?
-Não pediu,mas-
-Então isso significa que não estão namorando. Ela pode te trair a qualquer momento.
-Mikene jamais faria isso.
-Como pode ter tanta certeza? Ela é do tipo que já assassinou, usou drogas. E você sabe como ela conseguiu aquela empresa?
-...Não.
Mika sorriu e tomou do suco que havia pedido.
-Bem, a empresa era dos Takumi. E eles foram falecendo por supostas causas naturais, doença de família, alegaram os médicos... Quando na verdade eles eram saudáveis. Hannibal namorou o último da geração Takumi. Quase se casaram. E ele sabia que sua morte estava próxima, pois todos morriam no mesmo dia, no mesmo mês. E ele passou tudo para quem confiava, ninguém menos que a Mikene Hannibal. Ela já nasceu em berço de ouro, apesar do que sofreu. Mas seu pai morreu, e ela pôde pegar tudo para si. Tem um meio-irmão que está atualmente fora do país. Mas eles não se relacionam.
-Como sabe disso?
-Tenho minhas fontes.
-Mikene não.... Mikene não é esse tipo de mulher!
Era isso que eu esperava. E se foi no passado, não importava. Ela mudou.
Me levantei e saí dali. Fui à delegacia novamente. Meus olhos estavam cheios de lágrimas.
-Delegado...
-Vá.
Segui para a sala e trouxeram Mikene. Eu já chorava.

Mikene~

Oh céus...
Abraço Maika. Ela chorava, alto, até abafar o choro na minha roupa. Afaguei suas costas.
-Pronto, meu amor, pronto. O que houve? Quem te magoou dessa vez?
Ergui seu queixo. Seus lindos e claros olhos azuis inundados por lágrimas. Ela respirou fundo. Contou que Mika marcou um encontro perto da minha casa, onde estava e contou que eu dei um fim nos Takumi e seduzi o filho deles para conseguir a empresa.
Como diabos aquela putinha sabe disso? Que fontes são essas?
Coloquei Maika em cima da mesa e beijei sua testa.
-Mikene... - ela soluçou - ...mesmo que tenha sido assim, mesmo que tenha feito isso, você já não é mais assim, certo?
-Não, eu não sou. Eu mudei. Eu mudei por você.
Digo, a envolvendo num abraço.
-Prometa que quando sair daqui... Vai me contar tudo sobre seu passado...
-Maika, isso...
Ela apertou minha camisa entre seus dedos.
-Por favor... - sussurrou.
-...Certo. - A afasto de mim para encará-la. - Em troca me prometa que não vai me deixar, mesmo depois de tudo que ouvir...
-Mikene, eu já não posso fazer isso. Você exerce muito poder sobre mim... É como tirar uma parte de mim.
Ouço aquilo e fico com uma imensa vontade de agarrá-la ali mesmo, sem me preocupar com o policial atrás da porta. Encosto minha testa em seu ombro.
-Boba... Não diga coisas assim... Ou então eu vou enlouquecer e não poderei me conter. - Sussurro e ela cora.
-Essa será a semana mais longa da minha vida.
Maika diz, olhando o teto da pequena sala.
-Realmente...
O policial bate na porta, mas me recuso a me separar da minha garota.
Bate novamente e eu devo ir, mesmo não querendo. Mas que droga... Me afasto e saio da sala. Não gostei nada do que vi e ouvi. Tanto a Maika estar chorando quanto ter dito que essa tal de Mika sabe do que eu fiz. Será uma longa, longa semana.

Maika~

Depois de falar com Mikene, não havia mais nada a fazer. Os horários de visita privada acabaram. Eu me sentia só. Foi quando notei que eu realmente era solitária. Só tinha a Mika como amiga. E agora, não podia confiar tanto nela. Voltei à casa da Mikene e liguei para os meus pais. Conversamos por horas, no qual eles me disseram que o onii-san estava vindo. Ainda não voltariam, e isso era bom, de certa forma.
Olhei minha lista de contatos.

Kyouya
Mãe
Mikazuki Chiisaki
Mikene
Onii-san
Pai
Ryan

Onii-san... Será que era o Eiichi? Me lembrei de nossa foto no armário,onde ele me carregava e nós sorríamos.

Naquela noite... Mikene dormiu lá em casa. Me fez massagem após o banho e eu adormeci... Mas acordei com roupas. Isso significa que o motivo dela estar chorando foi a foto? Insegurança... Ter seu lugar ocupado...
Se bem que o Eiichi não voltou ao Japão desde aquela época...
-E está voltando agora?! - Me sentei na cama imediatamente. - Será que a Mikene ficaria com ciúmes? Bem, talvez. Ela é bem possessiva... Mas o Eiichi nunca ligou muito para mim, ele era apenas filho dos amigos dos meus pais.
Lembro-me que ele sempre procurava me ver sorrir. Era gentil e sempre me protegeu, como a Mikene. Ambos tem aquele sorriso gentil, e aquele olhar penetrante. Aquela voz indutiva...
Pensando em tudo isso, acabei dormindo. Acordei cedo na manhã seguinte. Recebi outra mensagem da Mika.

Mikazuki Chiisaki - 10h 29min:
Vamos tomar sorvete. Prometo não dizer nada hoje.

Suspirei e enviei um "Ok". E mais tarde nos encontramos em uma sorveteria. Ela pediu um sundae triplo enorme.
-Vamos comer juntas, Haru.
-Tá...
Conseguimos comer tudo com alguma dificuldade. Mika sempre amou sorvete. Fomos ao banheiro. Lá, me olhei no espelho. Eu estava mais bonita que o normal. Sempre que me arrumava, me lembrava das dicas da Mikene sobre roupas e como cuidar da minha pele.
-Você mudou.
-Nem um pouco.
-Olhe para você, Haru. Olhe a textura da sua pele, o seu cabelo. Você começou a se cuidar mais ainda, para aquela mulher. - Mika tinha um olhar doloroso. - Quando fica triste, magoada, chateada, ansiosa... Você corre para os braços dela. Eu gosto de você, mas não foi porque você me rejeitou que paramos de ser amigas. Eu me cuidei. Meu cabelo cresceu e eu também. - Ela exibe sua pele branca rosada. - Mas você não nota mais. Porque você só enxerga ela agora.
-Não é verdade... - No fundo, eu sabia que era.
-É claro que é. E você não nota, que eu estou aqui por você. - Mika começa a chorar. - O que ela tem que eu não tenho? Como ela conseguiu conquistar você, logo você, que odiava pessoas muito insistentes? Eu não entendo, Haru.
-Eu também não. - Digo, dando uma olhada no espelho e saindo de lá.
Os dias da semana se arrastavam e a cada dia era um convite diferente,todos da Mika. O julgamento era na segunda. Na sexta, ao invés de almoçar com a Mika, convidei Ryan. Ele aceitou surpreso. Contei a ele sobre o aborrecimento que era a Mika, tanto ela falando mal da Mikene, o quanto mudei pela Mikene ou a sua companhia. Ele riu.
-Como estão indo as coisas com o caso da Mikene?
-Tudo bem.
-Ryan, também te chamei porque eu acho que sei como o delegado sabe da presença da Mikene.
-Mesmo? - Ele pareceu surpreso.
-Kyouya, sempre foi apaixonado pela Mikene. E era um stalker. Presumo que naquela noite, quando ele iria falar com ela, ele pode ter visto ela matar o Hikaru.
-É uma boa hipótese. Verei o que fazer com isso. Caso a questão seja levantada, nós iremos estar prontos.
Sorri. Nossos pratos chegaram e começamos a comer enquanto falávamos sobre os sonhos de Ryan e os namoros que teve. Depois ele disse:
-Haruna, não sei se a Mikene te escolheu por isso, mas eu e Alan(Walker, o delegado) fomos convencidos graças à capacidade indutiva que sua voz possui. Não só a voz. O jeito que insinua e coloca as coisas... É como se induzisse as pessoas à concordarem com você. Erm... Muito obrigado pelo almoço, já é minha hora e eu vou indo.
Ele se apressou para chegar ao carro.
Capacidade indutiva?


Notas Finais


Nesse capítulo deu para perceber como a Mikene protege a Maika, não acham? Sem ela, Maika fica mais frágil, sujeita a aceitar as coisas com muita facilidade, além de estar mais sensível por Mikene estar presa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...