História Two siblings and one small problem. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Killer, Namjin, Taekook, Yaoi, Yoonmin
Visualizações 15
Palavras 3.840
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Lemon, Policial, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - What happened...


Anteriormente...

— Cala a boca!!! Cala essa boca, yoongi. Você não queria ouvir?? Não queria uma explicação?? Então agora você vai sentar ai, calar a boca e me escutar. Por que eu ainda não terminei. — Jungkook gritou, fazendo yoongi sentar-se novamente na cama, agora a espera de ouvir o restante da história.


— Era 17:30 quando eu sai de casa. Estava totalmente apreensivo, não sabia o que me esperava. Eu tinha medo, não queria acreditar no que Jackson disse. Queria acreditar que as pessoas nunca fariam algo assim, nunca matariam pessoas boas... Mas eu estava enganado


(ʘ‿ʘ)(ʘ‿ʘ)(ʘ‿ʘ)


18 de julho de 2017.

Terça feira, 17:58.

— Oi Kook, achei que você não viria. — Ele abriu seu sorriso acolhedor de sempre, que, mesmo que estando apreensivo me fez sorrir também. — Vamos, entre. Meu tio já saiu, temos a casa só para nós... — Jackson percorria pela sala. — Fique a vontade. — Disse se abaixando no chão e, embaixo do sofá pegando algo que não pude identificar o que era.

— Hhm.... Tudo bem... — Abaixei minha cabeça adentrando aquela casa com um certo receio, devido ao que ouviria, a partir do momento em que me acomodasse no local. Segui caminho para onde Jackson estava, agora com aquela coisa em maos. — O que é isso?? — Perguntei curioso, enquanto com um sinal o mesmo me mandou subir. Assim fiz, subindo aquelas escadas ao que eu achava ser o caminho para o quarto dele.

— Isso, são minhas respostas, para as suas perguntas. — Ele abre uma porta, deixando a vista um local totalmente escuro, em relação a cor, de parede, chão, teto e etc. Aquilo tudo era iluminado com uma luz negra azul, que fazia o quarto parecer bem mais legal de se ficar, do que o resto da casa. Com latas de refrigerante jogadas por todo o canto. Uma cama, visivelmente bagunçada com um notebook no centro dela. Ao lado do aparelho tecnológico havia um salgadinho de marca desconhecia pela minha pessoa. Tinha também um controle player para PlayStation 4. Aquele lugar era demais. — Oky, para de babar pelo meu quarto e vamos nos concentrar.... — Saio daquele transe me lembrando o que fui fazer ali. E não era nada relacionado ao quarto dele.

— Tudo bem. Então o que você quer me dizer em relação aos meus... Meus.... Meus pais?? — Perguntei olhando o mesmo se jogas a frente do notebook na cama.

— Vem aqui, e você vai ver. — Respondeu, dando espaço para mim. Segui caminho até a cama, e, depois de tirar meus tênis, sentei na mesma com "perninhas de indio".

— Aqui olha. — Ele conectou o pentrive no computador e, depois de muito digitar algo finalmente conseguiu entrar a onde queria. — Esse, é o verdadeiro óbito dos seus pais. — A foto do cadáver dos dois apareceu na tela do computador, junto de algumas informações. Fechei os olhos e abaixei a cabeça. — Se não quiser continuar eu vou entender Kook.... Não quero te ver mau....

— Esta tudo bem Jack.... Continua. — Me recomponho, voltando a olhar para a tela do aparelho.

— Oky... — Assim como eu, ele encarou as duas fotos por alguns segundos. — O único que nos interessa agora é o do seu pai. Choi JunHyun. — levou o mouse até a foto de meu pai, deixando as informações mais visíveis. E entao, antes de começar a ler o óbito olhou para mim, que apenas assenti para que ele fizesse logo. E assim foi feito. — "Uma overdose de cocaína provocou a morte do empresário, da empresa mais concorrida no ramo de telecomunicação da Coréia do sul, KT Corporation, no mês passado, em Seul.

O exame de sangue apontou que o corpo do empresário apresentava 4,7 microgramas de cocaína por mililitro de sangue.

O médico legista conclui que a causa da morte foi uma intoxicação por uso excessivo de cocaína..

O médico também constatou alterações: no coração, nas artérias coronárias, nos rins, no fígado e um edema cerebral.

“Uso demasiado a cocaína naquela noite. Foi isso que agravou o estado de saúde do senhor choi”, explicou o delegado Shin JungHee.

O exame de sangue comprovou a suspeita inicial da polícia, de que o empresário morreu por overdose alguns segundos antes de chocar o automóvel em um muro, matando a si próprio e sua esposa, presente no local. Agora, o laudo do IML  será anexado ao inquérito que apura a morte de Choi e o caso deverá ser encerrado.

O empresário da KT Corporation, tinha 56 anos, e foi encontrado morto no dia nove de março, na embaixada de seul. Junto com sua esposa, também falecida naquele dia, Choi SunHee." — Ele parou de ler, eu seguia as palavras escritas ali com os olhos, não acreditando no que via. — Não jungkook, o seu pai não era um viciado, ele foi drogado. E não só naquela noite, como dito aqui, o estado dele já estava péssimo.

— Não, não, não... Jackson, eu li o laudo, constatava acidente.... Não.... Isso não pode ser, meu pai não.... Não.... Não....

— Eu sei que é difícil, mas é a verdade meu pequeno. Alguém próximo ao seu pai fez isso. Algum funcionário, cliente, ou até mesmo amigo dele pode ter feito uma coisa dessas. — Ele voltou a olhar para o notebook, que agora continha a foto de seis homens e um única garota. — Foram eles. — O garoto leva sua mão para o pacote de salgadinho, em seguimento ele leva para sua boca, estraçalhando aquele pequeno salgado com seus dentes.

— C-como você sabe?? — Eu ainda estava em choque, não sabia que perguntas fazer, não sabia como acreditar no que estava a minha frente. — Eles são meus amigos.... Essa, é a yerin, esse... É o senhor Lee.... Esse é um dos melhores amigos do meu pai, Chany.... — Com o dedo mostrava cada um deles, iria continuar porem Jackson me parou.

— Infiltrados. — Ele me interrompeu, voltando a mexer naquele bendito computador. — Todos eles infiltrados. Essa garota, se chama Shin Nayeon. Esse rapaz, Shin SeokHyun. E esse outro, o Chany, líder deles é conhecido como Kim Jong-in. — Mostrava as fichas de cada um dos que citei antes. Conforme ele ia trocando de um para outro, as lágrimas em meus olhos se insistiam cada vez mais em fazer-se presente. — Eles entraram na vida do seu pai com um único intuito. Mata-lo.

— Mas por que?? — Ainda estava incrédulo, eu havia lido o laudo do legista, e estava completamente diferente daquilo, como ele conseguiu aquilo?? Não poderia ser real.... Mas era.

— Seu pai era importante. Em sua conta bancaria ele guardava mais de três milhoes de dólares. Queriam que seu pai confiasse neles o bastante para lhes dar metade da herança que eles deixariam pra vocês. Quando essa confiança foi conquistada. Seus pais morreram.

— Mataram ele por... Por interesse??

— Infelizmente. — Ele concordou, vidrado na tela, que agora tinha a imagem de um construção conhecida por mim. Era uma boate, Red dragon. — Jong-in é bem exótico. Ele vai nessa boate todas as sextas, as 18 horas. Nunca falta, é como um ritual para ele. — Logo em seguida, a imagem muda para um edifício no centro da cidade. — Nayeon e SeokHyun trabalham aqui. Estão todas as manhas, desde as sete da manha as oito na noite. De madrugada vão para seu condomínio no lado oeste da cidade. — Ele mostra o apartamento.

— Eles moram juntos??

— São casados. — Ele me corrige, mostrando agora fotos da familia. Sim, eles tinham um filho. — Esse é MinHyunk, o afilhado deles. E convenhamos ponto fraco. Pega ele, e terá os dois na palma de suas maos. — Ele estala a lingua no céu da boca, não prestando atenção em mais nada. Enquanto eu, apenas ouvia aquilo tudo, tentando saber qual o intuito daquilo. — Ele vai pra escola, entra as cinco e meia e sai ao meio dia. — O garoto tinha cara de ter apenas 7 anos. — Vai ser fácil. — Leva outro salgadinho até sua boca.

— E o que você quer que eu faça?? Por que esta me dizendo isso??

— Eu quero que você vingue seus pais. Eles foram os autores da overdose do senhor choi. Essa garota, a nayeon, era assistente dele. Responsável por tudo que tinha haver em relação ao seu pai, inclusive a comida que ele ingeria. — Agora ele olhava para mim, me explicando tudo. — Seu marido. SeokHyun, era o melhor amigo dele. Se seu pai achasse que esta ficando louco, por causa das drogas, seu "amigo" sempre o ajudaria, fazendo o que?? — Ele me pergunta esperando uma resposta.

— Acabando com sua abstinência e lhe dando mais daquilo.

— Exatamente, você sempre foi esperto jeon. — Ele sorriu me oferecendo aquele salgadinho, neguei com a cabeça e ele continuou. — Jung-In foi quem comandou tudo desde o começo. Ele gostava de vocês, de você e do yoongi, porem sua ganancia era maior e então ele começou a querer o dinheiro de seu pai. E ai, deu no que deu.

— E os outros?? — Pergunto me referindo aos tres que eu não fazia ideia de quem era.

— Eu ainda não sei quem são, nem o que fazem... Mas quando eu descobrir, prometo que te conto. — Ele parecia convicto em fazer aquilo, como se dependesse disso.

— Por que está fazendo isso, Jack??

— Porque eu sei como voce se sente. Eu sei como é perder os pais.... — Ele abaixa a cabeça. — Daria tudo para punir o imbecil que tirou a vida deles. Mas eu não posso... Eu... Eu não consigo. — sua calma era impressionante.

— Você quer que eu... Que eu os mate?? — Pergunto já entendendo tudo.

— Eles mataram pessoas inocentes, mataram seus pais. Você não quer vingança?? Não quer fazer-los pagar pelo que fizeram?? Quer que continuem com sua vida?? Com o dinheiro sofrido de seu pai?? Nadando em um mar de rosas?? — Ele parecia indignado. — Você pode fazer isso... E eu sei que você quer.

— E de fato eu queria yoongi. Ele nunca esteve tao certo na vida dele, como estava naquela hora. Meu sangue ferveu e a única coisa que eu consegui lhe dizer foi: "eu aceito."

— O primeiro foi o Jung-In. Isso aconteceu uma semana depois do meu encontro com o Jack na casa dele. Eu dei a voce a desculpa de que dormiria na casa de um amigo por causa de um trabalho de faculdade. Mas eu não fiz isso, eu fui até a boate, chamei a atenção dele, levei-o até o banheiro. Ele já estava chapado, não tinha o controle, jung sabia quem eu era e eu sabia que mais um pouco teria ele só pra mim.

— Como assim, teria ele só pra você?? — YoonGi pergunta mais confuso do que o normal. — Você não...

— Não Yoongi, que nojo... Eu nunca transaria com um rapaz, muito menos com um rapaz como ele!!! — Sua intonação era indignada, como se o branquinho tivesse lhe dito algo incoerente aqui e em qualquer outro universo paralelo.

— Desculpa, ta?? Mas foi inevitável não pensar nisso... O modo que você falou... Eu em, menino não me assusta assim, meu coraçao quase sai pela bunda. — Ele colocou a mao no peito suspirando aliviado.

— YoonGi, você é gay... Por que seria um problema se eu fosse??

— Não seria. Mas... Descobri isso em um momento como esse seria um tanto estranho, não acha?!

— Você esta normal. — JungKook tombou a cabeça para o lado com o cenho erguido — Por que, esta normal??

— O que?? — Novamente confuso.

— Eu acabei de te dizer que matei seis pessoas. Acabei de te dizer que nosso pai teve uma overdose no volante, e que foram subornados, para falsificar o laudo medico. A yerin ou nayeon sei la o nome dessa vagabunda, esta definhando ali do lado. E voce... Esta.... Voce esta preocupado com o fato do que aconteceria se eu fosse gay. Como você pode aceitar uma noticia dessas tao bem??

— Bom, acho que minhas lagrimas não faram o tempo voltar, nossos pais ressuscitarem e as pessoas que os assassinaram pagar antes mesmo do acontecimento ter ocorrido então.... O que me resta é... Aceitar. — A calma do baixinho era impressionante enquanto do bolso ele puxava um pirulito. — O que me deixa intrigado, é... Por que não me contou antes??

— A sua falta de emoção me deixa com medo as vezes... — Jungkook revira os olhos, ação que é copiada por yoongi. Os dois estavam praticamente conversando numa boa dentro de um quarto todo ensanguentado, cujo o sangue era de um "pré-cadáver" loiro, chorando ao lado do guarda roupa. Ela já nem rezava mais pela misericórdia do moreno, e nem tinha mais esperança do branquinho a ajudar. Pois o mesmo fez pouco caso da garota assim que escutou a historia de jeon. E assim, fez questão de ignora-la por completo e continuar a chupar seu pirulito que, realmente para ele era mais interessante que aquilo tudo. Quem visse aquilo acharia que os dois tem serios problemas mentais. Mas quem disse que nao tinham?? — Eu não achei que você lidaria tao bem com isso... — Respondeu a pergunta do mais velho depois de alguns segundos pensando na morte da bezerra.

— Achou que eu iria te entregar para a policia?? — O tom de yoongi se fez irônico depois de enfiar o pirulito na boca como se aquele fosse a coisa mais preciosa que ele tinha no momento.

— Sim, eu achei. Afinal, era o que uma pessoa normal faria. — Jeon olha para seu irmão da cabeça aos pés. — Mas eu já deveria saber que você não é normal. — Suspirou recebendo uma confirmação do baixinho sentado na cama a sua frente.

— E falta só ela?? — YoonGi aponta para a garota, até então esquecida, recebendo um movimento de cabeça confirmativo da parte de jeon. — Você é um idiota sabia??

— Nossa... Por que?? — Se fez de chocado.

— Sua cara feia vai aparecer em todos os cantos, quando conseguirem suas digitais, DNA, fio de cabelo ou sei lá mais o que seu. Sem contar que, quando descobrirem que, todas as vitimas mortas tinham uma ligação com nossos pais eles vão vim atrás de nós. — O branquinho fazia gestos com o pirulito explicando. — Sabe quantos anos voce pode pegar ppe homicídio?? — Sua intonação já estava mais seria. — Idiota.

— Não pensei nisso.

— É logico!!! Você nunca pensa. E é por isso que precisa de mim, o irmão inteligente. — Iria receber uma resposta do mais novo, porem assim que lhe lançou um olhar furioso o garoto ficou quieto. — Termine o serviço. Se ela ficar viva só dara mais problemas pra gente.

— Oky. E depois disso, o que vamos fazer?? — Jungkook se levanta, movimento que, é copiado pelo acinzentado.

— Vamos fugir. — Ele disse tirando um esqueiro do bolso esquerdo de sua calça jeans rasgada. — Queima esse lugar depois de fazer essa vadia gritar. E não estou falando para você transar com ela, acho que isso, vocês já fizeram....— Ele sorrio colocando o pirulito na boca assim que se referiu a quando chegou, encontrou seu irmão de boxer e a garota estava semi-nua, algo havia acontecido.

— Eu nã.... — Foi interrompido quando o mais velho jogou o objeto para trás no intuito do mais novo pega-lo.

— Estou te esperando no carro. — Saiu do quarto sem nem mesmo olhar para trás, deixando seu irmão encarregado de tudo. YoonGi sentia remorso, pois ele realmente gostava daquele esqueiro. Sua textura e o desenho que havia nele era diferente dos normais, ele era único. E o fim dele, seria queimando com uma vagabunda puritana.... O branquinho lamentava isso.

15 de Dezembro de 2017.

Quarta feira, 14:35.

— Eles estão nos procurando.... — Jeon informa, vendo seu irmão sair do banheiro apenas com uma toalha enrolada na cintura, adentrando o local onde o menino assistia aquele jornal matinal.

— Não jungkook, estão te procurando. — O branquinho lhe corrigiu secando, com outra toalha seus esverdeados cabelos úmidos. Foi até a cozinha, voltando rapidamente com uma barra de chocolate em mãos. Se sentou ao lado do irmão, para ficar mais ciente sobre o assunto que estava falando nos jornais, enquanto abria aquela barra como se dependesse disso pra viver. E realmente dependia, YoonGi tinha um serio problema de hipoglicemia provocado pela baixa concentração de glicose (açúcar) em seu sangue. Por esse motivo, diversas vezes era encontrados ingerindo algum tipo de doce.

— Tudo bem suga. E o que vamos fazer?? — A voz do moreno era suave, como se estivessem tratando sobre algo normal do cotidiano.

— Vamos continuar o que estamos fazendo. — Por mais que o problema não fosse dele, o mais velho sempre ajudava seu irmão. E nesse momento, "ajuda" era realmente o que o garoto precisava.

— Por quanto tempo?? Quanto tempo ficaremos nisso?? Fugindo de cidade em cidade, alugando hotéis baratos?? Por quanto tempo yoongi??!! — Agora a calma em jungkook já havia cessado. O menino se preocupava com sua vida escolar, seu trabalho, seus amigos.

— Até encontrarmos um lugar onde as pessoas não tem televisão. — Yoongi respondeu irônico, enquanto degustava cada célula do chocolate em sua boca. A culpa disso estar acontecendo não era do branquinho, e sim do mais novo sem juízo. Então ele nem se estressava em explicar isso para jeon, e na verdade, nem queria. Pois já sabia que jungkook já sabia disso. — Resumindo, o tempo que for necessário.... — Sussurrou uma ultima vez antes de ouvirem a transmissora do jornal local, dizer que os dois garotos estavam sendo procurados por terem achado vestígios de DNA deles, em uma das vítimas.

Como yoongi disse a tres meses atras. Os assassinatos foram descobertos, e a imprensa não perdeu tempo em tentar chegar de qualquer forma nos garotos. Pedindo informações, como se eles soubessem o que estava acontecendo. Alguns até mesmo achavam que eles eram quem estavam fazendo isso, pois as vitimas, sempre tinham ligações com os choi, pais dos garotos. De fato sabiam, assim como também eram eles, mais precisamente um deles o autor dos crimes cometidos. Porem, mais ninguém além dos dois, precisava saber daquilo. E com isso, a vida de yoongi e jungkook apenas piorava. Se tornando cada vez mais difícil, ficar longe das câmeras, de tudo e todos.

— Otimo, agora somos fugitivos!!! — O mais novo se joga para trás na cama enquanto fechava os olhos, pensando em uma maneira de sair daquele bolo de problemas, que ele mesmo havia criado.

— Culpa sua, seu idiota. — O tom irônico era nítido na voz do branquinho. Ele gostava de uma aventura, curtir a vida. Muito contrário de seu irmão, que só queria terminar os estudos e viver feliz com uma família. — Vamos embora. Daqui a pouco, eles podem nos achar. — YoonGi o alertou, se levantando e colocando qualquer roupa que encontrava a frente, sendo sua ou de seu irmão, pois realmente não se importava com isso.

— De novo... — O mais novo resmungou arrumando suas coisas, jogando tudo para dentro das malas o mais rápido possível. — Suga!!! — Chamou pelo apelido do esverdeado, dado pelo mesmo ingerir uma quantidade absurda de doce, ser branquinho e também, ser um "amor de pessoa". O mais velho quase caiu de cara no chão ao olhar para o garoto de cabelos negros, que acabara de o chamar. — Não esquece seus doces.... — Jeon alertou dando uma piscadela para o menino que terminava de colocar seus sapatos.

— Pode deixar, eu não vou esquece-los. — Aquele chocolate ainda estava em suas mãos. E, logo depois do mesmo disparar essas seis palavras, ele fez questão de dar uma mordida em seu doce e em seguida sorrir para seu irmão, lhe mostrando sua gengiva e dentes, marrons, por causa daquela barra.

Por mais que brigassem as vezes, um cuidava do outro. Afinal, aquilo era um parceria, sempre foi e sempre será assim. Dois irmãos contra o mundo, seja lá qual for a dificuldade que a vida lhes dara, eles a enfrentarão. Juntos. Ou pelo menos, é o que tentarão fazer.

— Vamos sair pelos fundos, eu nunca deixo meu carro na porta da frente. — YoonGi dizia já saindo do quarto com algumas malas. Sendo seguido por jeon.

— Ta. — Respondeu simplista seguindo o irmão, até as escadas do condomínio. Onde os dois desceram rápido demais, sem nem mesmo pensar nos riscos.

— Coloca tudo ai. — O branquinho o chamou jogando para Kook a mala que estava em suas mãos, enquanto abria o carro e entrava no banco do motorista.

Jeon resmungando guardou as malas e se sentou ao lado do irmão. — Põe os cintos. — Yoongi mandou e, assim que viu o mais novo obedecendo-o acabou por sorrir.

Engatou a marcha e pisou no acelerador, não se importando com mais nada a não ser tira-los daquela cidade o mais rápido possível, sem nem ligar por estar infligindo as leis de transito.

16 de Dezembro de 2017

Quinta feira, 02:52.

Ao som de "Deep Water" os garotos seguiam estrada a fora. Yoongi lutava contra o sono que estava lhe pegando de jeito, enquanto jungkook, não parava de falar.

— Como você tem tanta energia?? — Ele pergunta fazendo o moreno ao seu lado calar a boca e refletir por alguns segundos.

— Você que é preguiçoso. — Jungkook rebate, vendo a luta do irmão para manter-se acordado olhando a estrada. — Me deixa dirigir??

— O que?? Não, nem em um milhão de an.... — Ele para de falar , apenas para bocejar e contrar os olhos, pelo bendito sono. — A quer saber?? Você já é bem grandinho. — O branquinho parou o carro no meio da estrada mesmo. — Se bater meu carro eu dou um jeito de enfiar cada peça dele no seu cu. — Era incrível como o humor do baixinho ficava ainda pior quando ele estava com sono.

— Que amor. — Jungkook revirou os olhos, trocando os bancos. Agora ele era o motorista e seu irmão o passageiro.

YoonGi esperou o carro voltar a andar, e depois de alguns minutos tendo certeza de que foi uma boa deixar o caçula dirigir, ele encostou sua cabeça no vidro meio aberto e se pôs a sonhar com unicórnios brilhantes. Até que...

— PELOS DEUSES, YOONGI!!! — o carro para bruscamente fazendo com que o tranco, levasse o branquinho a bater de cara com o painel, despertando assustado.

— O que foi dessa vez, caralho?? — Ele passava a mao em sua testa, lugar onde bateu ao quase virar parte do carro, quando seu irmão idiota fez questão de para-lo. — Sera que eu não posso dormir nem por um segundo que você já faz merda??!! — Seus olhos se encontram ao corpo do mais novo que estava em choque. — Santa sehuna menino!!! Parece que viu um fantasma....

As mãos do jungkook estavam trêmulas contra o volante. Seu rosto estava pálido e seus olhos arregalados. Se não fosse o frio daquela noite, yoongi diria que seu irmão estava soando. — Eu acho que atropelei alguém.


Notas Finais


Tenho o que falar não (_-_)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...