História Ultraviolet - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Selena Gomez
Personagens Anthony "Tony" Stark, Barbara Palvin, Caitlin Beadles, Justin Bieber, Personagens Originais, Selena Gomez
Tags Jelena, Justin Bieber, Selena Gomez, Ultraviolet
Visualizações 499
Palavras 2.880
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoal. Voltei rápido, não é? Gente, eu queria saber o que está acontecendo com vocês; onde vocês estão? Não estão gostando da história? Se for isso, ou qualquer outra coisa, é só me dizer, não vou brigar com nenhuma de vocês. Estou sentindo falta de você interagirem comigo nos comentários.

Não se esqueçam de ler as notas finais.

Capítulo 6 - Você é a pessoa que eu mais amo no mundo.


Fanfic / Fanfiction Ultraviolet - Capítulo 6 - Você é a pessoa que eu mais amo no mundo.

 

Justin Bieber POV.

Quando vejo Caitlin na minha frente meu sangue todo gela; meu coração bate tão forte e rápido que mal consigo ouvir direito o que ela está falando. Minha cabeça está na mulher que logo estará aqui e terá que presenciar essa cena. Caitlin levanta os pés e passa a mão em volta do meu pescoço, e conforme ela vai chegando mais perto, mas meu coração fica acelerado.

Fecho automaticamente os olhos quando ela encosta seus lábios nos meus. Permanece forçando nossas bocas por algum tempo, e quando resolve se afastar, olha bem dentro dos meus olhos. Parece confusa com alguma coisa.

— Não parece feliz em me ver; parece assustado. — comenta baixinho. Por cima dela, vejo a hora no relógio, e sei que Selena já está ali.

— Você me pegou de surpresa. No telefone disse que chegaria só a noite.

— Pois é, mas eu consegui adiantar o voo, por ironia do destino, três pessoas desistiram de viajar naquele avião, então nos ligaram e fomos correndo para o aeroporto. — novamente, ela volta a colar nossos lábios. — Estava morrendo de saudades.

— Também senti sua falta amor.

Agora, quem segura seu rosto com as duas mãos e move lentamente o rosto até ela sou eu, voltando a forçar nossas bocas. Ela sorri, e sei que aquilo foi o suficiente para faze-la não perguntar sobre como passei esse tempo sem ela por agora.

A porta estra entreaberta e eu tenho medo que Selena tenha visto toda aquela cena. Então, antes que nós digamos alguma coisa, a porta vai se abrindo com cuidado, e por ela passa Selena em seu vestido preto. Seu cabelo está liso e bate quase na metade das costas. Está com um sorriso intocável no rosto e isso faz com que eu fique com medo.

— Bom dia Sr. e Sra. Bieber. — diz suavemente. — Que bom que voltou Sra. Bieber.

— Já disse para me chamar de Caitlin, querida. — minha esposa diz sorrindo.

— Me desculpe, Caitlin. — consigo perceber o sarcasmo fraco que ela põe na frase.

— Que nada. Vou indo para a minha sala, qualquer coisa me chame Justin.

— Tudo bem. Tchau.

— Tchau. — antes de ir embora, volta a colar nossas bocas, e então, sai da sala sorrindo.

Antes de dizer qualquer coisa, Selena está na mesa do café. Coloca o pó e a agua na cafeteira e a liga. Quando volta a se virar para mim, permanece me encarando por alguns segundos, como se esperasse que eu diga alguma coisa.

— Sobre isso, eu não sabia que ela viria.

— Quando a máquina terminar o serviço, eu venho te servir. — diz rapidamente, e sai da sala.

Sento na cadeira giratória e penso sobre o que está acontecendo comigo. Nunca passou pela minha cabeça que um dia eu estaria passando por uma situação parecida. Passo a mão no cabelo e ligo o computador a minha frente. Viro para mexer numa das gavetas e o aviso de que chegou um e-mail apita. É Tony Stark.

 

Olá Bieber.

Estou mandando essa mensagem apenas para dizer que já encaminhei o seu convite para a minha festa anual da empresa. Espero te ver aqui.

 

Atenciosamente, Tony Stark.

Tony faz uma festa como essa todos os anos, mas raramente vou, sempre arrumo uma desculpa para não ter que comparecer na festa. Porém esse ano eu terei que ir, já que estamos tentando fazer uma parceria entre nossas empresas.

Ouço uma batida forte na porta e em seguida Selena passa por ela, vai até a mesa onde ficam as coisas do café e prepara uma caneca para mim, como faz todos os dias desde que entrou aqui.

— Selena.

— Sim Sr. Bieber.

— Pare de ser tão formal.

— Esse é o meu local de trabalho, eu tenho que ser formal.

— Não comigo. — a expressão no seu rosto não é tão boa quanto eu queria que fosse.

— Principalmente com você.

Nós ficamos em silencio enquanto ela vem com a caneca de café até minha mesa. Coloca em cima do mármore escuro da mesa e quando está prestes a sair eu a chamo.

— Sente-se por favor. — assim o faz. — Tony Stark acabou de me mandar um email avisando que os convites da festa dele já foram encaminhados.

— Eu sei, fui avisada também.

— Ele vai te chamar?

— Ele sempre me chama. Todos os anos. — nós nos olhamos por algum tempo. — O que isso lhe diz respeito Justin?

— Não gosto da sua aproximação com o Tony.

— Você não tem que gostar de nada. — pausa. — O casado aqui é você.

— Eu sei que vocês já tiveram alguma coisa.

— Justin, a minha vida amorosa não diz respeito a você. Pare de agir como se fosse meu namorado, porque você não é.

— Tony não é tipo de cara pra você.

— Não é você quem tem que decidir isso. Se preocupe mais em parecer feliz por sua esposa ter voltado ao invés de se preocupar com quem eu transo.

— Eu estou feliz.

— Espero que o café esteja bom.

Depois que a morena diz isso, se vira rapidamente e sai da sala, fechando a porta atrás de si. Permaneço olhando para a porta fechada, tentando me lembrar em que momento chegamos a esse ponto, de fingirmos não nos conhecer, como se nunca tivéssemos tido nada. Antes que eu pense em alguma coisa mais, ouço batidas fracas na porta, e então Barbara entra na sala.

— Sr. Bieber.

— Já pedi para que me chame de Justin, Barbara. Você sabe é praticamente da família. — repreendo-a, vendo um sorriso fraco em seu rosto. — O que deseja?

— Caitlin pediu para que você fosse até a sala dela. Ela quer falar sobre um assunto sério e particular com você.

— Sobre? — indago.

— Eu não sei qual é o assunto.

— É claro que eu acredito que você não sabe sobre o assunto que sua melhor amiga quer falar comigo. Diga logo.

— É sobre a Selena.

Meu corpo gela por alguns segundos, e em seguida, levanto-me e caminho com Barbara até a porta, assim que abro, Selena levanta sua cabeça rapidamente e nos encara, nossos olhares se encontram, mas logo viro o rosto e vou com Barbara até a sala da minha esposa.

Assim que chegamos, Caitlin apenas olha para a sua secretária e ela se retira, fechando a porta em seguida. Sento na cadeira em frente à mesa, como se eu fosse apenas um funcionário normal da empresa.

— Soube que quer falar comigo.

— Precisamos conversar sobre a Selena.

— Sobre a Selena? O que temos para conversar sobre a Selena?

— Barbara ouviu que ela irá ser convidada para a festa do Tony. — olho-a atento. Ela parece não perceber isso, pois digita alguma coisa no computador.

— Não sei aonde você quer chegar com isso.

— Justin, você não vê em que posição estamos? A garota está sendo convidada para a festa de um dos novos parceiros da empresa. O que iremos responder quando as pessoas nos perguntarem porque a secretária está lá?

— Você está ouvindo as palavras que estão saindo da sua boca? Selena e Tony são amigos, Caitlin, e amigos convidam outros amigos para irem a festas que são dadas por eles.

— Amigos com benefícios, você quer dizer.

— Isso não nos diz respeito Caitlin. A vida dela fora daqui, não tem nada a ver conosco. Apenas aceite.

— Ela pareceu surpresa ao me ver hoje mais cedo. — comenta.

— Devo ter comentado com ela que você viria hoje à noite.

— Anda comentando sobre nossa vida pessoal com os empregados, Justin. — agora, sinto que toquei em seu ponto fraco.

— Você faz a mesma coisa com Barbara, e eu nunca reclamei. E a sua volta não é um assunto pessoal quando você viaja a negócios da empresa.

— Tudo bem. Já vi que irá defende-la.

— Não estou defendendo ninguém. Você que está tentando arrumar alguma coisa contra a menina.

— Não fale besteiras. Eu não tenho motivos pra tentar arrumar algo contra ela.

— É o que parece. Não entendo porque é um problema ela ser convidada para a festa.

— Você nunca entende nada.

— Não querida. — faço uma curta pausa. — Eu entendo a maioria das coisas, vindas de você então, e é por isso que eu estou dizendo que está tentando achar alguma coisa para ficar aborrecida com a garota.

— Já te disse que isso é mentira.

— Preciso voltar ao trabalho. — levanto e dou a volta na mesa. Pouso uma das mãos no rosto de Caitlin e em seguida colo nossos lábios.

— Tudo bem.

Beijo sua testa com cuidado antes de sair da sala. Assim que entro na sala de Selena, vejo-a abrindo um envelope amarelado. Ela parece tão concentrada no que faz que mal percebe que estou a olhando.

— O que é isso? — não hesito em perguntar.

— O meu convite para a festa do Tony.

— O meu chegou junto? — ela levanta o rosto e olha bem dentro dos meus olhos.

— Não, acho que não. — é breve ao responder, voltando sua atenção novamente para a carta. — Ele não costuma mandar todos juntos. Pelo que sei, ele envia primeiro os convites dos convidados mais esperados.

— Entendi.

— Ei, Justin — chama, e quando me viro, ela está com um sorriso tímido no rosto. — Minha irmã pode passar a tarde aqui hoje?

— A Lilliah?

— Sim, a Lilliah.

— Pode sim, seria um prazer vê-la novamente.

— Obrigada, Justin.

Sorrio, voltando a entrar na sala grande a minha frente. Quando me ajeito na cadeira giratória preta, olho para a foto de Annie sorrindo que está em cima da mesa. Seus olhos são brilhantes como os da avó, azuis na mesma intensidade. Os cabelos são claros, mas os outros traços são todos de Caitlin. O formato do rosto, o nariz e a boca. Minha esposa vive dizendo que Annie puxou a mim, mas sempre que eu a olha, vejo minha mulher nela.

Meus olhos correm por toda a sala e em cima da mesa onde fica a cafeteira, tem outra foto dela. Nessa ela está vestida de Ariel, seu sorriso estava tão largo que cheguei a pensar que talvez, tenha sido o dia mais feliz da vida dela.

Annie é a única garota que tem todo o meu coração só para ela.

— Papai. — ouço a voz da garotinha e me viro.

— Oi amor. — ela corre até mim. Seus bracinhos curtos e finos se apertam em volta do meu pescoço e eu a pego no colo. — O que está fazendo aqui tão cedo?

— Ligaram da escolinha dizendo que ela não estava passando bem, Caitlin mandou busca-la.

Ando com ela até o sofá, e quando sento, ela olha atenta para mim.

— O que você tem?

— Estava me sentindo um poco mal.

— Por que?

— Acho que era de saudade de você, papai. Pedi pra tia Loren ligar pra você, mas ela preferiu ligar pra mamãe. — vira o rosto rapidamente para ver se tem mais alguém ali. — E ai a mamãe mandou aquela chata da tia Barbara.

— Por que está chamando a tia Barbara de chata? Você gostava tanto dela.

— Não goto mais.

— E você tem um motivo pra isso?

— Eu ouvi ela e a mamãe falando alguma coisa sobre você esses dias.

— Sabia que é muito feio ouvir a conversa dos outros, Annie?

— Sim. Mas é que ela falou uma coisa muito feia sobre você.

— Tipo o que? — ela faz um gesto negativo com a cabeça.

— Mamãe disse que eu não posso dizer palavão.

— Querida, não ligue pra nada do que ela disser, tudo bem? — anui, fazendo carinho no meu rosto.

Três batidas na porta fazem com que paremos de falar, nós dois nos olhamos e então rimos um para o outro. Annie levanta, e vai correndo até a porta, abrindo-a e dando de cara com Selena e sua irmã.

— Oi, eu sou a Annie. — a morena sorri.

— Olá Annie, eu sou a Selena. — aponta para a irmã e diz. — E essa é a Lilliah.

— Prazer em conhecer você, garotinha. — Lilliah diz com uma voz tão doce, que chego a pensar que ela não é a pessoa que eu conheci algum tempo atrás.

— Vocês são amigas do meu papai? — minha filha pergunta, curiosa.

— Selena é empregada dele, eu sou a irmã mais linda dela.

— Você é muito bonita mesmo. — ambas as garotas sorriem. — E a sua irmã também é muito bonita, não é papai. — Annie se vira para mim e eu engulo em seco. Selena parece desconfortável com a pergunta, mas Lilliah parece se divertir com isso.

— Seu papai não pode achar outras garotas bonitas, só sua mamãe.

— Isso mesmo. — concordo.

Annie não fala mais nada. Está olhando tão atentamente para Selena, da um passo em direção a ela e puxa a barra do seu vestido, fazendo com que Selena abaixe até ficar na sua altura. A loirinha passa os dedinhos entre os fios de cabelo da morena, que tem um sorriso tão grande e lindo no rosto, que chega a iluminar tudo a sua volta. Annie pousa a mão no rosto da morena, que passa delicadamente a mão pelo cabelo da garotinha.

— Quando eu crescer quero ter o cabelo igual o seu, Selena.

— Mas o seu cabelo é tão bonito.

— Meu cabelo não compido igual o seu. Meu papai sempre diz que eu não posso ter cabelo grande pra não pegar piolho.

— Seu papai está certo. Imagine só pegar piolho em um cabelo tão lindo como o seu.

— Selena é ótima com crianças. — Lilliah está sorrindo feito boba ao meu lado. — Imagino ela sendo mãe. Seria a melhor mãe do mundo, sem brincadeira nenhuma.

— Ela é ótima sim.

— Você quer sentar comigo? — Selena me olha assim que minha filha pega em sua mão e a puxa até o sofá. Aceno a cabeça em um gesto positivo.

— Claro.

As duas se sentam no sofá preto de couro. Annie sobe até o colo de Selena, que a segura forte ali. As duas estão olhando alguma coisa no celular da morena, e dão risada. Enquanto isso, Lilliah e eu nos olhamos algumas vezes.

— Você tem filho? — Selena ri.

— Não. Mas tem uma pessoa na minha vida que eu amo com todo o meu coração.

— Quem é, quem é? — a garotinha da pulinhos no colo dela, animada.

— Está vendo aquela garotinha linda ali — aponta para Lilliah, que da risada. — Ela é a pessoa mais importante no mundo pra mim.

— E eu?

— Você também é importante.

— Muito ou poco.

— Muito, muito, muito importante.

— Você é muito legal Selena. — ela sorri.

— Você também é.

— Eu posso te chamar de tia? — Annie me olha nessa hora e eu nego, e ela abaixa a cabeça, fazendo Selena me olhar.

— Claro que pode. Eu adoraria ser sua tia.

— Você sabe qual música meu papai canta pra eu dormir? — Selena nega. — Ele diz que é a nossa música.

— Você pode cantar pra mim? — os olhos claros da garotinha brilham.

Ela fica em silencio por algum tempo, respira fundo diversas vezes, e novamente volta a ficar séria. Está tentando lembrar a música, e quando não consegue, corre até mim e cochicha no meu ouvido.

— Você pode me ajudar? — gesticulo que sim.

My first love. You’re every breath that I take. — canto uma parte da música e ela sorri, colocando o dedinho na minha boca. Volta até Selena e para em sua frente.

You’re every step I make. And I want to share all my love with you.

Selena bate palmas, e Annie a abraça.

— Meu papai também tem uma pessoa favorita no mundo.

— Quem é?

— Sou eu, né papai. — ambas olham para mim.

Você é a pessoa que eu mais amo no mundo.

Annie corre até mim e eu me abaixo para abraça-la. Ela me da um beijo estalado na bochecha, enquanto eu olho para Selena que está sorrindo.

Logo em seguida, Annie pega na mão de Selena novamente e a puxa, tentando leva-la para fora da sala.

— Ei, Annie. — chama, e a menina a olha. — Eu preciso voltar ao trabalho agora, o que acha de levar Lilliah para brincar com você?

Annie pensa, mas rapidamente assente, largando a mão dela e correndo em direção a Lilliah. As duas saem da sala rindo de algo, e assim o som da risada delas vai sumindo.

— Ela gostou mesmo de você.

— Eu adoro crianças. Você nunca me disse que sua filha era tão adorável assim. A quem será que ela puxou? — olho para a parede onde está o quadro que Caitlin comprou.

— Puxou a minha mãe. Pattie é tão adorável quanto Annie.

— Ela é incrível. Diga a ela que eu também gostei muito dela, por favor. E que é uma honra uma pessoa tão adorável e linda gostar de mim.

— É impossível alguém não gostar de você, Selena.

Seus olhos permanecem em cima de mim por alguns minutos, mas não parece tanto. Sua orbe negra está brilhando, mas não sei dizer se é por conta do elogio ou se é por conta de Annie. Ela sorri, e seu sorriso é lindo.

— Não se apaixone por mim Justin — ela fala baixinho. — Você tem uma filha linda.

— Eu não estou apaixonado.

— Espero que não esteja mesmo.

Depois de dizer isso ela sai da sala; volto a me senta na cadeira preta, pego novamente o retrato de Annie e observo todos os detalhes dela. Ela é realmente a pessoa mais importante no mundo pra mim.

 

 

“Meu amor, há somente você na minha vida. A única coisa que é certa.
E seus olhos, seus olhos. Eles me dizem o quanto você se importa.
Oh sim, você sempre será: meu amor sem fim.” — Endless Love.


Notas Finais


Só queria deixar uma coisa claro: a Selena não vai se apaixonar pelo Justin. E quando ela aparecer dizendo que ele não pode deixar que isso aconteça, é por causa de Annie, e não por conta da Caitlin ou outro fator. Selena e Annie vão ter uma relação próxima, elas serão amigas e Selena vai se apegar a ela.
Sobre a Caitlin, ela não é tão tonga quanto parece, vocês vão perceber que cada vez mais ela vai conversar com Justin sobre a Selena. E agora que a Selena vai se aproximar de Annie, ela vai questionar isso também. Então não achem que ela, ou até mesmo a Barbara são burrinhas e tongas.

Esse capítulo saiu rápido porque eu já tinha começado ele enquanto estava viajando, e devo admitir que foi o capítulo mais fácil de escrever. As coisas fluirão com naturalidade, então é por isso que saiu tão rapidamente, isso não quer dizer que o próximo vá sair rápido também. Como eu já devo ter avisado – ou não –, eu não tenho datas para postagem, e nem capítulos prontos, eu os escrevo quando já tenho alguma inspiração para ele.

Bom é isso. Meu twitter (@nicolapeltrz) para o caso de quererem falar alguma coisa comigo. É isso. Beijinhos, Vitória.

Leia também:
Pretty Woman: https://spiritfanfics.com/historia/pretty-woman-6506955


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...