História Um Alfa no Bando - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, Tao, V, Xiumin
Tags Abo, Chanbaek, Hoseok!kid, Hoseok!ômega, Hunhan, Jikook, Kaisoo, Kristao, Namjin, Sulay, Yoongi!alfa, Yoongi!kid, Yoonseok
Exibições 739
Palavras 2.501
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ah, o título dos capítulos nem sempre será sobre o Yoongi. sz
Tem lemon neste cap, mas não crie expectativas. Ficou uma bosta.

Capítulo 3 - O pirralho que engravidou do alfa salafrário


Fanfic / Fanfiction Um Alfa no Bando - Capítulo 3 - O pirralho que engravidou do alfa salafrário


 

FRIDAY, OCTOBER 13

Não sei o que caralho estou fazendo da minha vida!

Eu pensei imensamente antes de tomar a iniciativa de fazer uma conta neste blog. Eu sou só um beta sem graça que jamais terá alguém porque desde que surgiram esses carinhas todos cheios das vantagens e ganâncias, pessoas “normais” como eu acabam tendo como destino a solidão. E cara, eu posso dizer com total propriedade que isso é uma porcaria! O que de alguma forma não é de todo ruim, pois veja bem: Eu tenho um amigo ômega que é cegamente apaixonado por um alfa que é, simplesmente, o cara mais canalha que existe na face da Terra. O alfa é daqueles de raça bem superior, então ele manda na porra toda. E o meu amigo, , é totalmente caidinho por ele. Viu só? Eu sou um beta, logo eu não me apaixonaria por um alfa desse tipo. Talvez por um ômega, mas eu não sei de nada. Prefiro me abster dessas pensamentos. Odeio sentimentos e me sinto bem melhor longe deles.

O objetivo desse blog é justamente desabafar sobre a vida e o cotidiano. Eu não tenho muitos amigos e os únicos que tenho são o ômega apaixonado pelo alfa babaca; outro ômega que é casado com um alfa que quer dar uma de machão, mas sempre acaba abaixando as orelhas e respeitando a voz do próprio esposo. o filhote deles que é a coisa mais pura e fofa - que eu espero do fundo da minha alma que não cresça um alfa nojento, e agora o novo integrante que é um bebê alfa que é a coisa mais linda do mundo. Ele parece um cubinho de açúcar preguiçoso. Dorme o dia inteiro e quase não chora. O alfa-que-não-age-como-alfa odeia a criança porque ele a acha “encapetada demais para um moleque de apenas sete meses de existência”, o que de certa forma eu concordo. O pequeno alfa é de fato um bebê muito levado. Quando não está dormindo está fazendo bagunça. O que fica ainda mais engraçado, pois sempre a vítima dele é o alfa-que-não-age-como-um-alfa, mas quase ninguém escapa. Acho que só essa semana ele já aprontou um monte. Vou até listar:

1ª peripécia do bebê alfa dorminhoco: era uma manhã de chuva e ele acordou de mau humor. O alfa-que-não-age-como-um-alfa ficou encarregado de trocar as fraldas dele - a mando vulgo exigência do ômega -, mas o bebê estava de muito mal-humorado por ter sido acordado e acabou se urinando na cara do alfa;

2ª peripécia do bebê alfa dorminhoco: estávamos no supermercado fazendo compras quando o esposo ômega do segundo líder da nossa gangue rival aparece perto da gente e o resultado foi o mesmo que aconteceu da primeira vez que o bebê alfa o viu (semana passada): pulou no colo dele e ficou batendo com as mãozinhas em sua barriga de gestante. Sim, o ômega está gestante de outro bebê ômega, e a gente está desconfiado que se trata de almas gêmeas. O que é bem complicado já que os dois deveriam ser inimigos naturais, mas aí o amor nos prova mais uma vez o quão porcaria é;

3ª peripécia do bebê alfa dorminhoco: ele é bem temperamental para um bebê de sete meses (ele completou sete meses há quatro dias) apenas. Teve uma vez que a nossa vizinha, mais conhecida como a doida dos gatos, chegou toda esbaforida querendo segurar “aquele ser tão fofo de bochechas tão gordinhas e mordíveis”, mas acontece que o cubinho de açúcar de doce não tem nada, então ele acabou rosnando e mordendo o dedo da velha;

4ª peripécia do bebê alfa dorminhoco: aprendeu a engatinhar e agora não para mais de querer roubar o mamá do outro bebê alfa da família. E mais uma vez o alfa-que-não-age-como-um-alfa o chamou de encapetado e teve que dormir no sofá por três noites.

E essas não foram as únicas. Só não vou colocar todas as badernas porque senão isso vai virar o diário sobre o pirralhinho cubo de açúcar. E o foco deste blog é a reclamação do dia a dia, que eu sei que ninguém vai ler. O que é bom, ninguém precisa saber o que se passa comigo ou com a minha família.

Relendo tudo isso que eu li acabei conseguindo criar um título que se encaixa direitinho: “O que caralho estou fazendo com a minha vida?”. Eu devia estar estudando para a prova lascada que terá semana que vem, mas não, estou aqui lamente o fato de eu ser um beta que tem como paixão um bebê alfa temperamental. Às vezes sinto como se eu fosse a mãe dele.

POSTED BY ALIENV AT 23:00 PM, 0 COMMENTS

LABELS: RECLAMAÇÕES, BEBÊS FOFOS

 

Taehyung fechou a tampa do notebook e o colocou sobre o criado mudo. Desligou o abajur e se pôs a pensar na vida. Pensou em tudo o que tinha acontecido nos últimos dias e suspirou. Ele já tinha dezoito anos de idade e já tinha passado por diversas coisas, entre elas, o seu primeiro cio que acarretou em uma enorme dor de cabeça. Sim, um cio. Taehyung na verdade é um ômega, mas esconde seu cheiro de todos com um monte de remédios que ele consegue de um amigo que manipula medicamentos. Por conta das altas dosagens dos remédios ele acabou tendo o olfato danificado, impossibilitando-o de distinguir os cheiros de ômegas e alfas, por essa razão que ele sempre diz ser um beta. Os remédios que ele toma funciona como anticoncepcional, que impede que ele entre no cio. E como um anticoncepcional, se ele parar de usar os medicamentos ele pode voltar a ter a vida de ômega. Contudo, essa é a última coisa que Taehyung quer. Ele odeia ser um ômega. Ele odeia a forma como os ômegas são tratados pelos alfas. Na verdade, ele pragueja até hoje o maldito que doente que os criou.

Respirou fundo e virou a cabeça para o lado tendo como visão o bebê alfa que dormia no berço ao lado de sua cama. os feixes da luz da lua que entrava pelas frestas da janela iluminava o rostinho adormecido do pequeno, dando-lhe uma aparência angelical. Taehyung sorriu com essa visão. Desde o sequestro do bebê ele acabou se apegando demais ao pequeno alfa, e parecia ser recíproco já que ele era o único que o pirralho não pregava peças.

Com esse pensamento ele fechou os olhos e acabou adormecendo quase que de imediato.

~*~

Jungkook mantinha os pensamentos longe, em um certo alfa para ser mais exato, enquanto olhava para o lado de fora da janela. O seu lugar na sala de aula lhe dava uma vista bem ampla da quadra do colégio, e esta estava sendo ocupada pelos alunos do terceiro ano, justamente a turma de Jimin. Como um bom jogador de basquete que o alfa era, ele sempre treinava com a turma na quadra. Jungkook suspirou vendo o amado tirando a camiseta do uniforme para colocar a do time, arrancando suspiros de algumas ômegas, o que deixou o Jeon de certa forma incomodado. Ele sabia que o alfa era extremamente popular, mas ele ainda era inocente demais em sentir ciúmes. Tentou voltar a atenção para a professora, mas a dor incômoda aumentando cada vez mais. Ele nunca tinha sentido aquilo, mas logo quando acordou ele sentiu um incômodo na barriga, mas não se preocupou. Só que a dor estava aumentando muito e ele sentia o corpo ficando quente e outro sentimento se apossou de si, parecia… tesão? Logo sentiu olhares de alguns alfas e os cheiros deles o inebriando, fazendo com que um desejo absurdo de ser fodido se apossasse de si.

Jungkook tinha entrado em seu primeiro cio. Exatamente como Jimin havia dito dias antes, o cheiro dele estava ficando mais forte e isso era sinal de que o cio estava chegando. Olhou desesperado para a professora que percebendo a gravidade da situação o pegou pelo braço e o levou para longe da sala e dos alfas. Mas na metade do caminho sentiu seu outro braço ser puxado violentamente, quando olhou para quem o havia puxado, seu coração acelerou. Era Jimin.

— Eu falei que você passaria seu primeiro cio comigo — a voz saiu mais como um rosnado. Jungkook se arrepiou e soltou um gemido manhoso.

Jimin pegou o ômega no colo e saiu com ele para fora do colégio. Como era um dos melhores alunos da instituição, ele passou sem problemas pelo portão.

Já dentro do carro ele tentava prestar atenção da estrada, mas os gemidos de Jungkook se intensifica vam mais e mais, o deixando quase cego de tesão.

— ChimChim, me fode logo! Quero sentir seu pau bem fundo em mim — falava entre gemidos.

— Se acalme, Kokkie. Já estamos quase chegando.

Não demoraram a chegar no destino. Jimin parou o carro na primeira vaga que encontrou e saiu com Jungkook no colo, que ficou beijando seu pescoço e gemendo em seu ouvido implorando para que o fodesse logo.

Quando chegaram no quarto, o alfa só abriu a porta com um pontapé e mal teve tempo de colocar Jungkook no chão para este voar nele e começar a tirar suas vestes. Mais do que depressa Jimin fez o mesmo com o ômega necessitado. Seus instintos gritavam para que o fodesse até ele perder a consciência.

— Tá doendo, ChimChim. Faz parar.

Jimin tirou o membro para fora e se masturbou com a visão do Jeon com a bunda bem empinada para seu lado e o rosto vermelho. Tão sedento por seu pau. Sem aguentar mais, se encaixou atrás do garoto e o penetrou de uma vez, sentindo seu pau ser esmagado pelo interior tão apertado. A lubrificação natural do ômega ajudou na penetração. Jimin ia forte e rápido, como Jungkook pedia.

— Mais forte — implorava o jovem ômega, sentindo seu ponto mais sensível ser acertado algumas vezes. A sensação de ter um alfa fodendo-lhe com força era a melhor que ele podia imaginar.

Jimin não economizava nas palavras sujas. Jungkook era praticamente uma criança inocente quando ele o conhecera. Embora ambos fossem apenas três anos de diferença, ainda assim o Jeon conseguia ser puro. E esso lado chamou muita a atenção do alfa. Um ômega puro de corpo e de mente, o que ele mais precisava? Agora ele tinha conseguido o que queria, o teria de todas as formas, sem pudor e sem o maldito amor próprio. Jungkook era dele. Apenas dele.

— Caralho, garoto. Você é malditamente apertado! Geme para o seu macho, geme?

Como o bom ômega obediente que era, Jungkook obedecia qualquer ordem do alfa. O cio era deveras intenso e isso o fazia querer satisfazer o alfa cada vez mais.

Jimin ia cada vez mais fundo, sentindo o corpo do ômega estremecer abaixo de si. Os gemidos e a forma manhosa que ele lhe pedia para ser fodido o deixava completamente extasiado. O cheiro do mais novo era muito bom e isso o fez ter pensamentos totalmente egoístas acerca de Jungkook. Ele jamais permitiria que outro alfa acasalasse com o seu ômega. Jungkook lhe pertencia.

Após mais umas investidas, Jungkook acabou chegando ao clímax, e com a força que seu interior apertou o membro de Jimin, o fez ejacular dentro do ômega. Mas um nó se formou, e isso passou despercebido por Jungkook, que já estava exausto e tinha caído no sono. Quando o nó se desfez, Jimin adormeceu também. No entanto, ambos não dormiram muito, pois um certo ômega parecia insaciável.

A semana dos dois foi longa e exaustiva. Mal desgrudavam e já estavam fodendo de novo. E Jimin ejaculou dentro do ômega em todas as vezes, ou seja, a chance desse cio dar frutos eram quase de cem por cento.

Jungkook acordou atordoado, sem saber onde estava. Respirou fundo e virou para o lado onde viu a silhueta de Jimin. Hesitou antes de mexer com o alfa, pois ele parecia muito cansado. Levantou lentamente, fazendo o máximo para não acordar o outro, mas não teve muito tempo, pois logo sentiu seu braço ser puxado com certa força.

— Onde pensa que vai? — Jimin não tinha uma expressão nada boa.

— Hm — engoliu em seco —, para casa. Jin hyung deve estar preocupado comigo.

Jimin o encarou por uns segundos e deu de ombros. — Tanto faz. Pega suas roupas e suma.

Jungkook sentiu o coração quebrar em pedacinhos ao ouvir essas palavras rudes de Jimin. Ele sabia que o alfa apenas queria usá-lo, mas ter a confirmação de forma tão fria. Apenas assentiu, vestiu as roupas e saiu do quarto. Fechou a porta e se deixou chorar.

Ele até tentaria argumentar com o alfa, mas ele sabia que seria inútil. Taehyung esteve certo o tempo todo. O amor o deixou cego, surdo e mudo. Ele faria de tudo para ver o Park feliz, no entanto, o amor era totalmente unilateral. Só ele sentia. Só ele amava.

E assim ele conseguiu chegar, sem nem saber como, em casa. Quando entrou um furacão choroso o agarrou.

— Kookie! Onde você esteve essa semana? Tem noção do quão preocupado eu fiquei? — Seokjin tropeçava nas palavras, variando de preocupado ao irritado.

Jungkook apenas caiu de joelhos e chorou copiosamente. Parecia um filhotinho ferido.

— O que houve, meu amor? Quem te machucou? — O jovem apenas negou com a cabeça, não podia, em hipótese alguma, falar o que se passava. Então apenas se permitiu ser abraçado pelo ômega.

Taehyung, que assistia à cena, apenas suspirava irritado. Ele sabia o que tinha acontecido, mesmo sem uma confirmação do Jeon. E ele sentia uma raiva crescente dentro de si. Yoongi que dormia em seus braços acabou acordando e soltando um pequeno rosnado, não parecia irritado. Parecia entender o que estava havendo.

~*~

Já tinha se passado uns dias desde o cio de Jungkook. O jovem apenas evitava os lugares onde o alfa estava. Não queria de maneira alguma ter que ver a cara do outro. Ele não suportaria.

Andando pelos corredores do colégio começou a se sentir nauseado. Se apoiou na parede para não cair, mas quase fora em vão. Só não caiu quando sentiu dois braços o envolvendo pela cintura.

— Está bem, Kookie? — Era a voz de Taehyung.

— Hyung? O que está fazendo aqui?

— Fiquei preocupado. Você passou a semana inteira sem nem comer direito, então Jin me mandou ver se você estava bem. Você tem estado muito abatido.

Jungkook apenas revirou os olhos com a preocupação do ômega mais velho. Mas esse simples ato o fez ter mais uma tontura e sua visão escurecer.

Quando acordou, viu que estava em um cômodo de paredes brancas. Depois de um tempo viu que se tratava de um quarto de hospital. Quando sua visão se adaptou melhor percebeu que não estava sozinho. Seokjin e Namjoon o encaravam sérios.

— Jeon Jungkook, você sabe por que passou mal?

Jungkook meneou a cabeça negando.

— Você está gestante, Jungkook — o jovem se encolheu. Ele já desconfiava disso, só que notar o semblante sério do ômega o deixou mais nervoso. Mas piorou ao ser interrogado:  — Quem é o pai, garoto?

 

 

 


Notas Finais


Qualquer erro me avisem.
E quem tá com vontade de esfregar a cara do Jimin no asfalto? Treta e mais treta.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...