História Um Alfa no Bando - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, Tao, V, Xiumin
Tags Abo, Chanbaek, Hoseok!kid, Hoseok!ômega, Hunhan, Jikook, Kaisoo, Kristao, Namjin, Sulay, Yoongi!alfa, Yoongi!kid, Yoonseok
Exibições 618
Palavras 3.012
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Três da matina e eu caindo de sono, mas postando novo capítulo.
Boa leitura. sz

Capítulo 4 - Pirralho dorminhoco falou a primeira palavra?


Fanfic / Fanfiction Um Alfa no Bando - Capítulo 4 - Pirralho dorminhoco falou a primeira palavra?

Jungkook apenas permaneceu em silêncio, mexendo nas mãos em sinal de nervosismo. Não conseguia pensar em uma desculpa boa o suficiente capaz de convencer os presentes ali no quarto. Desviou os olhos para um canto qualquer do cômodo a fim de não sentir o peso do olhar decepcionado que Jin lhe direcionava.

— Então, garoto, não vai responder?

— E-eu não lembro... — conseguiu balbuciar. — Eu estava no colégio quando entrei no cio... e não lembro de mais ada. Não sei quem é o pai desse filho! — Mentiu, e agradeceu aos céus por não gaguejar mais do que devia.

Seokjin apenas suspirou cansado e sentiu o braço de Namjoon em torno de si apertando-o em conforto. No fundo ele sabia que Jungkook estava mentindo escondendo muita coisa, mas ele não podia pressionar o garoto pois ele estava muito abatido. A gestação tende a deixar as pessoas mais sensíveis, no entanto a situação do ômega não parecia proveniente apenas dela, tinha algo por trás disso, e Jin queria saber. Contudo, como seu coração era sensível demais ele não forçaria o garoto a se abrir, deixaria para quando estivesse mais calmo.

[...]

Após todos irem embora, Jungkook finalmente pode respirar fundo. Pensou em tudo o que se passou desde que conhecera Jimin e se achou um estúpido por acreditar que o alfa mais popular do colégio fosse olhar para si, o ômega com cara de coelho. Mas no começo tudo eram flores, como sempre são no início de alguma relação. Virou de lado e se pôs a lembrar da primeira vez que viu o alfa.

-- --

Estava atrasado. Era seu primeiro dia de aula e já estava atrasado. Odiava chegar depois de todos porque sempre chamava a atenção, e isso era a última coisa que ele gostaria. Tinha quinze anos em alguns ele terminaria o ensino médio e então poderia ingressar em alguma faculdade. Não tinha tantos planos para o futuro, sua vida fora tão miserável que ele não se permitia sonhar alto. Na verdade, ele só não tinha desistido dos estudos por insistência de Seokjin e Namjoon, o casal que o acolheu. Desde que se encontrara, uns anos atrás os dois acabaram se tornando a sua segunda família. Ele não tinha contato com ninguém de sua família biológica, então os seus salvadores se tornaram essenciais em sua curta vida. Por essa razão ele continuava seguindo em frente, para não os decepcionar.

Andava pelas ruas apressadamente, ora tropeçando ora correndo, até chegar na entrada do colégio. Chegou lá com os cabelos desgrenhados e com as roupas amarrotadas. Se ajeitou de qualquer forma tentando parecer ao menos apresentável. O problema era que a escola era imensa e ele não fazia ideia de que lado ficava a diretoria. Caminhou pelos vastos corredores não encontrando nada além de salas de aula, até ouvir uma voz lhe chamar:

— Ei, criança! Está precisando de ajuda?

Jungkook se virou e deu de cara com a criatura mais bela que vira na vida. Com um sorrisinho sarcástico nos lábios bonitos e o olhar brilhando de malícia, gestos esses que passaram despercebidos pelos seus olhos inocentes, estava um rapaz de mais ou menos sua altura.

— Hm — soltou um pigarro —, estou procurando a diretoria.

— Venha comigo, eu te levo até lá — disse lhe oferecendo a mão, que o fez hesitar antes de aceita-la, mas acabou segurando-a. Uma sensação até então desconhecida se apossou de si ao sentir a temperatura da mão daquele jovem. Seu estômago se encheu de borboletas e seu coração se tornava cada vez mais acelerado.

— Qual é o seu nome, criança?

— Jeon Jungkook. E o seu?

— Park Jimin.

Jimin o olhava a todo momento e isso já começava a deixa-lo nervoso. Sempre ficava sem jeito com pessoas lhe encarando, ainda mais se tratando de alguém tão bonito quanto o Park.

— Você é ômega, não é?

O Jeon apenas meneou a cabeça em concordância, levemente ruborizado pela pergunta. Ele já havia notado que Jimin era alfa, e este fato estava deixando-o sem jeito. Ele nunca tivera contato algum com uma classe superior à sua.

— Está com medo de mim, Kookkie?

— N-não!

— Não devia. Eu não lhe farei mal — sussurrou rente a seu ouvido fazendo-o corar violentamente. Jimin apenas sorriu divertido pela reação do garoto. Então continuaram em silêncio até pararem em frente à uma porta onde se podia ler “Diretoria” em letras garrafais.

— Está entregue, Kookkie. — Disse o apelido outra vez. Jungkook até se incomodaria com essa intimidade toda, mas não se importou com ela sendo usada por Jimin. — Nos vemos por aí — lhe direcionou um sorriso bonito, se afastando.

Naquele dia não se viram mais. Só foram se ver uma semana depois na quadra onde as duas classes iam jogar uma contra a outra. Jungkook, apesar de ômega, era bom em esportes, e esse fato impressionou ao alfa, que desde então criou uma espécie de obsessão pelo mais novo. Embora nunca assumisse gostar do garoto, sempre estava atrás dele. Não demorou muito para Jungkook se ver perdidamente apaixonado pelo alfa, e o fato de nunca ser assumido apenas o machucava. De início, o alfa apenas usava a desculpa de ser o líder da gangue rival para não assumir o compromisso com o Jeon, mas o tempo foi passando e Jungkook percebeu que não era por isso. Ele era apenas o garoto tímido e isolado da escola, quase ninguém o notava e se o notassem era apenas para fazer brincadeiras de mau gosto consigo. E Jimin nunca moveu um dedo para defendê-lo, mesmo tendo poder para isso.

-- --

Jungkook respirou fundo e tentou ao máximo afastar essas lembranças de sua mente. Tentou se levantar, mas acabou sentindo uma vertigem que o fez cair sentado na cama outra vez. O cheiro característico de hospital estava lhe dando enjoos, e antes de sujar o chão todo viu alguém colocando um balde em frente a seu rosto.

— Hyung? — Conseguiu murmurar olhando para o jovem à sua frente. — O que está fazendo aqui?

— Eu não podia te deixar sozinho aqui nesse estado, podia? — Taehyung se sentou no banco que tinha no quarto. Viu Jungkook dar de ombros e isso o deixou levemente irritado.

— Você tem que parar com essa mania de sempre dar uma de durão. Eu sei o que você passou, garoto. E sei de quem é esse filho! — Viu o rapaz lhe encarando enraivecido e crispar os lábios. — E não adianta fazer essa cara. Uma hora Jin e Namjoon saberão da verdade.

— Não saberão! A não ser se você contar — disse isso com uma ameaça implícita no tom de voz.

— Não. — Respondeu simplesmente.

— Onde está o Yoongi? — Mudou de assunto.

— Deve estar no colo de Oh Sehun.

Jungkook arqueou a sobrancelha em confusão. Como o pirralho dorminhoco poderia estar no colo de um dos líderes da gangue rival? Como se tivesse lido seus pensamentos, Taehyung esclareceu:

— Luhan faz os exames de pré-natal aqui nesse hospital também, e como você sabe que  Yoongi é muito apegado ao filhote dos dois, acabou pulando no colo de Luhan e não largando mais.

O ômega mais novo riu levemente ao se lembrar das cenas protagonizadas pelo pequeno alfa. Embora o garoto fosse extremamente preguiçoso e resmungão, quando se tratava do ômega que nem nascido era, Yoongi mudava de personalidade da água para o vinho, saia esbanjando sorrisinhos e até uns gritinhos animados quando via os seus “sogros”.

— Você acredita nisso, Tae? — Jungkook questionou.

— Nisso o quê?

— Nesse tipo de vínculo entre um ômega e um alfa?

Taehyung sabia que o jovem não se referia apenas à Yoongi e o pequeno ômega filho de Oh Sehun e Luhan, mas sim a si mesmo e à Park Jimin.

— Eu não sei, Kook. Realmente não sei — suspirou. Não gostava de ver o amigo com o olhar tão triste quanto estava agora. Porém, não era como se tivesse o que fazer a respeito disso. Jungkook sabia que se envolver com o Park era pedir para ter o coração partido, mas ele era teimoso demais e escolheu pagar o preço.

~*~

Taehyung andava pelos corredores atrás do quarto onde Luhan estava à procura de Yoongi. Era para ele ter deixado o garotinho com Seokjin, mas o pirralho abriu o maior berreiro e ele foi obrigado a trazê-lo junto. Por um momento praguejou os efeitos colaterais dos remédios que ele tomava, pois ele seria capaz de sentir o cheiro do pequeno alfa se não fosse por eles.

Andou mais um pouco e deu graças quando avistou Luhan sentado no banco de espera com Yoongi em seu colo. O bebê parecia sereno enquanto observava atentamente a barriga do ômega, com um das mãozinhas repousada sobre ela, como se fosse capaz de sentir o pequeno ser que era gerado ali. Ao lado do esposo estava Oh Sehun, com uma expressão de puro descontentamento na face. Taehyung sentiu vontade de rir, mas se conteve para evitar problemas. Se aproximou mais fazendo o casal notarem sua presença.

— Até que enfim, beta! — Oh Sehun disse quase num rosnado.

— Deixa de ser chato, Hunnie! Taehyung estava cuidando do amigo dele.

— Mas deixou essa pestinha aqui.

Taehyung pegou Yoongi que lhe olhou enfezado, descontente por estar sendo levado para longe do seu ômega.

— Ele se comportou? — Taehyung perguntou olhando para Luhan, que lhe abriu um sorriso doce.

— Sim. É um garotinho muito amável — disse meio abobalhado olhando para a expressão fechada do pequeno alfa. — Embora seja um tanto temperamental — riu baixo.

Taehyung sorriu para o ômega. Ele não entendia o porquê das duas gangues serem inimigas. Na verdade, ele não entendia o porquê dessa disputa idiota. Se não fosse pela rivalidade, Luhan seria um ótimo amigo.

— Como está o outro ômega? — Perguntou se referindo à Jungkook.

— Hm, está bem. Era só uma virose — mentiu.

— Entendi.

— E a gestação?

— Ótima! Descobrimos o sexo do bebê — disse com o rosto ficando corado pela emoção.

— Ah, é? E o que será?

— Um garotinho! Nosso pequeno Hoseok.

Taehyung sorriu diante do nome do pequeno ômega, e reparou que não foi o único a ficar interessado, Yoongi abriu um sorriso banguela ao ouvir o nome do seu “amor”.

— Ouviu, Yoongi? Seu namoradinho vai se chamar Hoseok.

Luhan sorriu, Yoongi aumentou o sorriso e Oh Sehun soltou um rosnado irritado.

~*~

Jungkook teve alta no mesmo dia. Quando chegou em casa foi direto para o quarto. Não estava afim de falar com ninguém. Ele só queria ficar quietinho no canto dele, deixando um Seokjin cada vez mais aflito.

— O que esse garoto tem, NamNam? Estou preocupado com ele!

— Vai ver ele está assim por não se lembrar com quem ele passou o cio — tentava confortar.

— Sei não. Sinto que algo está muito errado.

Taehyung que alimentava Yoongi fingia que nada acontecia. Brincava com as mãozinhos gordinhas do bebê enquanto admirava a face corada e fofa. À cada dia que passava seu apego pelo pequeno alfa aumentava mais, o fazendo se questionar se Jungkook sentia o mesmo em relação ao bebê que estava sendo gerado dentro de si. Ele leu em algum canto que quando um ômega tem uma decepção muito forte na gravidez, principalmente vinda do pai da criança, as chances de rejeição se tornam maiores. E conhecendo o garoto como conhecia, ele não duvidava nada de que isso afetasse na relação de progenitor e filhote. Ele esperava que não, mas Jungkook era muito sensível.

— Taehyung, você sabe de alguma coisa, não sabe? — Deu um pulo da cadeira ao ouvir a voz de Seokjin.

— O-o que? Não!

— Não? Estou te percebendo muito quieto ultimamente. Tenho certeza que você está escondendo algo. Se tiver, por favor, nos fale o que é! Você sabe o quão perigoso isso pode ser, tanto para o filhote quanto para Jungkook, não sabe?

Taehyung suspirou. Ele não queria trair o amigo, no entanto, ele não queria que o garoto continuasse daquele jeito. O ômega mal se alimentava, só vivia trancado no quarto.

— Está bem! Tem algo sim.

Seokjin o encarou interrogativo, como se pedisse para continuar.

— E sabe quem é o pai da criança?

— Sim.

— Quem é?

— Park Jimin.

O prato que Seokjin segurava escapou de suas mãos se partindo em centenas de pedacinhos no chão.

— Você falou que não contaria, Kim Taehyung! — A voz decepcionada de Jungkook se foi ouvida atrás de si. Por conta da barulheira, Yoongi que estava no colo de Taehyung se assustou e começou a chorar, sendo seguido por Jongin que estava dormindo no cercadinho.

Seokjin que se recuperava do choque encarou Jungkook decepcionado, fazendo o ômega mais novo se encolher. Namjoon permanecia estático em seu lugar. Tudo o que se ouvia era o choro assustado dos dois bebês.

— Jeon Jungkook, você tem algo a me explicar? Me fale que isso é mentira!

O ômega apenas abaixou a cabeça. Crispou os lábios e segurou as lágrimas. Seokjin soltou um suspiro pesado e pegou o garoto pela mão o levando para fora da casa.

— Aonde você vai, amor? — Namjoon questionou o ômega que já desaparecia com Jungkook.

— Vou castrar um maldito alfa!

~*~

— Amor, pelo amor de Deus, desista dessa ideia! — Namjoon tentava pela décima vez convencer Seokjin a desistir da ideia maluca de ir atrás deJimin.

— Nunca! Ele não foi macho na hora de engravidar o Kook? Então ele vai ser macho para assumir também!

Taehyung e Jungkook nem ousavam esboçar reação alguma. Sabiam que quando Jin colocava algo na cabeça ele ia até o inferno para resolver. Jongin dormia no colo de Jungkook e Yoongi encarava o teto do carro no colo de Taehyung.

Quando chegaram em frente à casa onde o alfa morava, Seokjin desceu como um furacão com Namjoon à tira colo. Deu ordem aos dois rapazes para ficarem dentro do carro antes de marchar em passos pesados para dentro do quintal.

— Será que Jin hyung sai vivo lá de dentro? — Jungkook perguntava roendo os dedos.

— Pela fúria dele, eu me preocuparia com o seu amorzinho.

[...]

Sekjin chegou chutando a porta da casa fazendo-a ceder. Podia ser ômega, mas quando se tratava de sua família ele incorporava o mais forte dos alfas. Os residentes do local todos levantaram em alerta diante dos invasores. Seokjin ignorou e perguntou alto:

— Cadê aquele alfa de cabelo cor de salsicha? Tenho um assunto a tratar com ele!

— Kim Seokjin, a quem devo a honr-

Não teve tempo de terminar a frase logo sentindo uma ardência em sua face direita. Ele havia sido golpeado por uma porcaria de ômega?

— O que dia-

— Cala a merda da boca! — Seokjin murmurou baixinho, ameaçador. — Isso foi por você ter encostado na minha criança. Jungkook é apenas um bebê, e você tirou a inocência dele!

Mesmo golpeado, Jimin não perdia a pose. Abriu um sorrisinho sarcástico e desatou a falar:

— Bebê? Inocente? Não foi o que ele mostrou ser enquanto eu ia mais fundo dentro dele!

Dessa vez o sangue de Jin ferveu ainda mais o fazendo pular no pescoço do alfa.

— Não ouse falar essas porcarias do Kook, ouviu bem?

— E quem é você para me dizer o que posso ou não posso fazer? — Questionou ameaçador, usando a voz de alfa.

Seokjin até se encolheria de medo, mas ao ver aquele alfa com aquela pose toda, ele sentiu a necessidade de botá-lo em seu devido lugar, então acertou em cheio em suas partes baixas.

— Não ouse usar essa voz comigo, entendeu? Você engravidou a minha criança e vai assumir! Entendeu?

Dito isso saiu marchando para fora daquele local, sendo acompanhado de um Namjoon totalmente atordoado e orgulhoso de seu ômega. Seokjin era a pessoa mais doce que conhecia, mas se tratando da família ele podia ser pior que uma cobra.

~*~

SUNDAY, OCTOBER 22

As peças que a vida nos prega

A vida é uma caixinha de surpresas. Um dia estamos bem e no outro nem tanto. A minha continua na mesma monotonia de sempre.

Meu amigo ômega acabou engravidando do alfa que ele gostava, aquele alfa filho de uma mãe desconhecida. Mas o nosso outro amigo, a nossa “mãe” defendeu-o como uma leoa defende o filhote, até deu uma surra no alfa. Confesso que fiquei com um pouco de medo de haver alguma retaliação por parte do outro, contudo, ele não seria tão estúpido assim em fazer algo e virar notícia de que levara uma surra de um mero ômega, certo? Certíssimo. E faz uma semana, mais ou menos, desde o ocorrido. Tudo o que aconteceu foi que o alfa não sai mais do pé do ômega, pois ele também será pai do bebê. Não sei o que esse cara quer da vida, deve ser um louco indeciso. Fama demais deixa as pessoas bobas, credo.

Mas vamos deixar isso de lado e focar no pirralhinho dorminhoco que tem o sorriso mais lindo do mundo. Ele está muito sossegado ultimamente, nem apronta mais com o alfa-que-não-age-como-um-alfa. Acho que é porque descobriu como será o nome do namoradinho dele. Pensa num bebê feliz quando está perto do ômega progenitor de sua alma gêmea, ele entra num estado inimaginável de euforia. O único que não gosta nada é o alfa, o seu “sogro”. Contudo, ele ainda vai se acostumar, já que o filhote também faz festa na barriga de seu esposo quando está perto do pequeno bicho preguiça. Acho que meu amigo tem razão quando disse, certa vez, que eu pareço o pai do pirralho dorminhoco.

POSTED BY ALIENV AT 22:03  0 COMMENTS

LABELS: ALFAS ESTRANHOS, BEBÊS AGINDO COMO BEBÊS

 

Taehyung fechou a aba depois de postar o texto no blog e desligou o notebook. Deu mais uma olhadinha em Yoongi que dormia serenamente e reparou que o pequeno crescera um pouco. Bebês crescem rápido demais. Jongin já começava a ensaiar os primeiros passinhos, mas Yoongi parecia atrasado nisso. Talvez seja por pura preguiça de começar a andar e perder o colo. Sorriu diante desse pensamento e fechou os olhos sentindo o sono lhe vencer, mas abriu-os alarmado ao ouvir um murmúrio vindo do pequeno alfa.

— Seokkie…

Parecia ser apenas um sussurro incompreensível, porém Taehyung tinha quase certeza de que Yoongi falara isso mesmo. Será que o pirralho dorminhoco falou sua primeira palavra? E ainda foi para pronunciar o apelidinho do seu ômega?





 


Notas Finais


Teve interação VKook, quem gosta?
Perdoem os erros, estou morrendo de sono aqui.
Comentem, favoritem, isso me deixa mais animada para continuar. Sua opinião é de extrema importância para mim!
Até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...