História Um amor complicado - 2 temp. - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Felipe Z. "Felps", Rafael "CellBit" Lange
Personagens Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange
Tags Cellbit, Cellps, Fellps, Gay, Phoenix, Romance, Sequestro, Yaoi
Visualizações 12
Palavras 1.503
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oieeeeeeeeeeeeeeeee
Não me aguentei, tive que postar, kkkk
Essa proxima parte vai ser mais focada na Clara e no Phoenix, afinal, eles tb sao protagonistas...
Desculpa os erros, meu notebook novo (sim, arrumei um) não tem corretor no word, e nao consegui instalar um, então eu nao percebo os erros.
Essa na capa é a Clara, ja que eu nunca tinha mencionado como ela era (sorry)
Boa Leitura!!!!!!!!!

Capítulo 9 - Surpresa...


Fanfic / Fanfiction Um amor complicado - 2 temp. - Capítulo 9 - Surpresa...

 

Janeiro, três meses depois da BGS…………………………………..........................

 

(P.O.V. Clara)

 

– GRÁVIDA?! – eu continuo encarando a medica, que apenas faz um gesto afirmativo com a cabeça – Como assim?!

Eu faço consultas mensais na ginecologista, mas da ultima vez ela me pediu uns exames de sangue etc, mas achei que fosse rotina.

– Bem, eu imagino que você já saiba como acontece, não?

– ...

– Clara, não precisa ficar com vergonha.

– Não é exatamente vergonha, eu só... como pode? Eu nem... você sabe... meu namorado mora em São Paulo!

– Clara... eu não disse que isso era recente. Você está de três meses já. – 3 MESES?! – seja sincera, eu não vou te julgar.

– Ahh! O que eu posso dizer? Sim, nós transamos. Mas eu tomo as malditas pílulas faz dois anos!

– Todos os dias? – eu assento – até nessas suas viagens?

– Sim, eu sempre levo na bol... – paro de falar na hora. – Ai não!

– O que foi?

– Quando eu fui pra São Paulo, eu estava tomando, então nem me preocupei na hora. Era minha... primeira vez, e nenhum de nós estava esperando que rolasse.

– Certo. Mas então...?

– Acabamos... estendendo a viagem em alguns dias, e... eu não estava preparada. Os comprimidos acabaram, e eu nem notei, tava tudo uma confusão.

– E nesses “dias”, vocês...

– Umas duas vezes. – solto um longo suspiro. Isso não pode estar acontecendo. – espera! Eu não tomei durante a viagem, mas assim que cheguei voltei a tomar. Isso não é...

– Perigoso? Não, muitas acabam fazendo isso antes de descobrir. Pelo que vi nos exames, está tudo bem.

– Certo... – menos mal. Eu me sentiria tão culpada... – o que eu faço agora?

– Depois de contar aos seus pais e ao...

– Guilherme. – eu completo. Embora nem eu seja acostumada a chamá-lo pelo nome. – Não sei se tenho coragem pra isso.

– Não pode esconder deles. Daqui algumas semanas já vai estar visível.

– Eu sei. Na verdade, eu até já aumentei uns números. Isso é rápido.

– Haha, com certeza – ela abre a agenda – Vamos mudar para duas vezes por mês, ok? Pra poder acompanhar direitinho.

– Certo.

Terminamos de marcar as consultas e eu saio da clinica. Isso é um problemão. Nem sei por onde começar. Meus mais vão me matar quando eu contar. Eu mal falei do Phoenix, e agora to grávida?

Talvez eu conte pra outra pessoa primeiro. Pra ele? Eu vou ter que contar mesmo, mas... também não sei como. Quem mais tá disponível? Minhas amigas? Todas viajando! Praia, Disney, Argentina... e eu aqui. Fiquei de castigo depois e voltar. Não posso sair durante as ferias inteiras.

Quando chego em casa, não tem ninguém. Vou pro meu quarto e ligo o Skype. Eu ajudei o Rafa com o problema dele, agora ele que me ajude!

– Oi Clara! – a imagem sorridente do loiro aparece na tela. Felps ao fundo. Ai droga! Eu não pensei no que falar...

– Eu to grávida! – Solto de uma vez.

– Como é?! – Seus olhos azuis demonstram espanto.

– Ahh – suspiro. – eu to grávida do Phoenix.

– Ahmm... Como que...?

– A gente... algumas vezes... Sabe.

– Ok – ele ri. – E... você já contou pra ele?

– Acabei de descobrir. Nem falei com meus pais.

– E vai falar?

– Sim... só não sei como. – eu o encaro com meu olhar de boneca.

– Quer minha ajuda?

– Sim. Muito!

 

 

Depois de quase três horas conversando, ele teve que sair (jantar romântico com o Felipe), então fiquei deitada, encarando o teto e pensando no que fazer.

No meu desespero, acabei pesquisando na internet “como contar aos pais que está grávida”, e achei uma sugestão: fazer um jantar pra eles, o que mostra a sua capacidade de se virar sozinha, e aproveitar para soltar a bomba, sem enrolação.

Resolvi tentar. Arroz de forno com frango (o único prato que eu sei cozinhar), salada e um belo bolo de sobremesa. Foi o que deu pra fazer. Arrumei toda a casa

Quando ele chegaram, fui o mais educada possivel, ajudei, servi chá, e tudo mais. Agora estamos sentados à mesa, eles falando do trabalho e elogiando a comida, quanto eu tento reunir coragem.

– Então, Clara – minha mãe começa, e eu a encaro – porque mesmo que você fez tudo isso?

– Eu...

– Tem algum evento que você quer ir?

– Não...

– Quer alguma coisa? Celular, sapatos...

– Quero que vocês jurem não me matar. – vai assim mesmo...

– E por que nós faríamos isso? – meu pai pergunta, com um olhar desconfiado – Clara, o que você fez?

– Eu... eu meio que... eu posso ter... – FALA DESGRAÇA!!! – EUTOGRÁVIDAPRONTOFALEI! (na.: “eu to grávida, pronto, falei)

Eles me encaram, sérios. Fudeu.

– Grávida? – minha mãe pergunta.

– Sim.

– Tem certeza?

– Foi a Dra. Lia que disse. Ela tinha me pedido exames mês passado.

– Ok... – meu pai respira fundo – Clara, minha filha, eu vou perguntar quero sua resposta sincera.

– ... – eu apenas o encaro.

– Quando?

– ...Setembro?

– Quatro meses atrás?! – ele parece estar se controlando para não explodir. Eu apenas faço que sim com a cabeça – e não nos contou?

– Eu descobri hoje!

– Não nos contou que tinha... – ele para no meio da frase – Quem é?

– Hein?

– Quem é o pai?

– O Guilherme, oras! Eu to namorando com ele.

– Nós nem conhecemos o garoto e ele já te engravidou?

– Querido, calma – minha mãe fala. Ele se vira para ela, e a mesma me olha com doçura. – Meu anjo, você sabe que isso é bem grave, não sabe?

– Sei sim. Eu resolvi contar pra vocês logo, e depois vou contar pra ele.

– E o que vai fazer depois?

– Não sei.

– Precisa saber.

– Eu vou falar com ele. É nosso filho, e vamos decidir juntos.

– Certo – ela se levanta e me abraça – vamos te ajudar no que for preciso. Pode contar conosco, filha.

– Eu sei.

 

 

Uma semana depois......................................................................................................

 

Eles me liberaram do castigo. E agora eu estou m um avião para São Paulo, prestes a encarar o pai do meu filho, embora eu nem saiba como tive coragem de entrar no aeroporto.

Ele nem sabe que estou indo. Conversei com minha mãe e com o Rafa (eles viraram super amigos),  resolvemos que era melhor contar pessoalmente, e que fazer essa “surpresa” seria melhor do que dizer que estou indo do nada ver ele.

Não sei o que o Cellbit disse pro Felps, mas eles vieram me buscar de carro. Fomos conversando até a casa do Phoenix (também não sei como o Rafa conseguiu garantir que ele estaria em casa), e ele pareceu bem feliz ao me ver.

– Por que não me avisou que vinha? – ele pergunta, me abraçando por trás. Os meninos foram “comprar uma pizza”, então estamos sozinhos.

– Quis fazer surpresa. – eu me viro lhe beijo – não gostou?

– Claro que gostei – nos sentamos no sofá – mas pensei que estivesse de castigo?

– Eles mudaram de ideia...

Ok, essa é a hora em que u deveria falar. Despejar a verdade sem pensar muito, e rezar pra ele não terminar comigo e me abandonar. Mas... eu não consigo. Medo, nervosismo, receio... chame do que quiser, mas algo me impede de falar.

– Hei, já que você ta aqui, eu tive uma ideia!

– Fala.

– Vou convidar os meninos pra vir aqui amanhã. Pra gente gravar junto.

– “Os meninos” seria quem, exatamente?

– O Rafa e o Felps, o Zelune, o Alan... e eu acho que o Calango e o Guaxi tão ai. Eles tinham vindo num evento, e ficaram pra gravar... Que tal?

– Nice! – eu respondo. Ver os garotos vai ser legal. Eu estava com saudades. – O Alan é um que eu não vejo faz eras!

– Vou mandar mensagem pra eles então! – ele me beija. – já disse que você é a melhor namorada do mundo?!

– Acho que sim... mas fala de novo!

– Você é a melhor namorada do mundo! – eu sorrio, e o beijo. Ai, Deuzinho, eu gosto tanto dele, não quero perde-lo.

Logo depois os garotos voltaram com a pizza, nós comemos e conversamos um pouco, e quando ficou bem tarde, eles foram pro hotel (ôh vida de rico) e eu fiquei com o Gui no apartamento.

Conversamos, vimos uns filmes, e fomos deitar la por 1h da manhã. Eu não tive coragem de falar, e não sei se vou ter. Eu sou boa em mentir, mas sou péssima em guardar as coisas, e logo ele vai perceber que...

– Clara? – ouço ele me chamar, interrompendo meus pensamentos. Estamos os dois deitados na cama. Não sei se poderia me fazer mal, mas agradeci aos céus por ele estar com sono de mais.

– Achei que já tivesse dormido – eu o encaro. Mesmo no escuro consigo ver os detalhes do seu rosto.

– O que aconteceu?

– Como assim?

– Você está estranha – ele passa a mão no meu cabelo – quieta, pensativa. O que foi? Eu falei algo? É por causa dos meninos? Eu posso cancelar...

– Não. – eu lhe dou um selinho – não é culpa sua. Pode chamar os garotos, vai ser legal. Eu só to... você sabe... terminei a escola, agora vem a faculdade... e ainda não sei o que vou fazer... – isso ai. A mentira mais clichê que tem.

– Sério?

– Sério. – eu sorrio – não se preocupa. Ta tudo bem.

– Ok então. – ele me beija novamente. – boa noite.

– Boa noite.

Não que eu consiga dormir.


Notas Finais


Gostaram da surpresa?
Qual será que vai ser a reaçao do Phoenix?
Até o proximo capitulo
(comentem, pleeeeeeeeeeeeeeeease!!!!!!!!!!!!!!!!!)
Bjosssssss :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...