História Um amor por acaso - Capítulo 35


Escrita por: ~

Exibições 378
Palavras 1.029
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Luta, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie, pessoas! I'm back. 🌝

Qualquer erro/dúvida, comentem. 😘

Capítulo 35 - Flores e Nutella


Fanfic / Fanfiction Um amor por acaso - Capítulo 35 - Flores e Nutella


Caí de joelhos ao lado da cama e comecei a chorar. Camila alisava meu cabelo. Ela não estava diferente de mim. Estava chorando bastante também. 

 

-São os nossos pequenos, amor. -Ela diz. -O trabalho vai vir em dobro. -Soltou uma risada fraca.  

 

Ela mexeu em um monte de troços e começou a falar profissionalmente. Óbvio que oque eu entendia era: skgnxkamrifks. 

 

-Tem como ver o sexo deles? -Pergunto assim que ela termina de fazer as coisas. 

 

-São gêmeos. Um casal. -Meus olhos se enchem de lágrimas novamente. 

{☆☆☆}

Entramos no carro e eu beijo a barriga da Camila. 

 

-A nossa felicidade vai vir em dobro, amor! -Digo ainda empolgada. -Mas e quanto à aposta? Nós duas ganhamos. 

 

-Escolhe outra coisa então. 

 

-Eu ainda quero comer a Pizza de Nutella.

 

-Meu Deus, sua gorda! -Ri junto com ela. -Para de pensar em comida. 

 

-Ok. Então eu quero te dar o meu presente de Natal, no nosso quarto. Não leve essa frase para o mal caminho

 

Dou partida, indo direto para a minha casa. 

 

-Como acha que a sua mãe vai reagir? - Perguntou-me.

 

-Acho que vai desmaiar de felicidade. 

 

-Provavelmente. -Abro a porta pra ela. 

 

-MANINHA! -Chris me pega no colo e me joga no sofá. 

 

-O que você quer? -Se finge de ofendido. 

 

-Mama pediu pra eu te interrogar. Ela está na cozinha preparando as coisas. 

 

-Começa então... -Camila se senta ao meu lado e entrelaça nossos dedos. Ele tira uma lista do bolso e começa a ler rápido.

 

-São duas meninas? Estão saudáveis? Os batimentos cardíacos estavam normais? Em qual hospital vocês foram? Quanto tempo demorou? Você comprou a massa de pastel? -Arregalo os olhos. 

 

-CARALHO! 

 

-LAUREN MICHELLE JAUREGUI MORGADO, NÃO XINGUE DENTRO DESTA CASA! -Minha mãe grita da cozinha. 

 

-Chris, eu vou sair rapidinho pra comprar a  massa e você pergunta tudo pra Camila, ok? Já volto. -Dou um selinho rápido na minha namorada e saio correndo de casa. 

 

Karla C. C. Estrabao

 

Depois de dar MUITAS explicações e respostas para a dona Clara, liguei para a Lauren, pois a mesma estava demorando para voltar. 

 

3 ligações e nada dela me atender...

 

-Mila! -Taylor aparece atrás de mim.

 

-Que susto, Tay! -Coloco a mão no peito e ela ri.

 

-Desculpa. O que está fazendo? 

 

-Tentando ligar para a Lauren, ela não me atende de jeito nenhum. 

 

-Relaxa. Ela já deve estar chegando. 

 

Lauren M. J. Morgado

 

-EITA PORRA! -Digo assim que passo em frente à uma loja de doces. Tinham várias guloseimas e... POTES DE NUTELLA! 

 

Saio do carro e vou voada pra dentro da loja, ouvindo o sininho que fica pendurado na porta, tocar. Pego dois dos maiores potes que tinham na pilha e levo até o balcão.

 

-Quanto fica esses dois, com mais 1 KG de M&M? -Pergunto à atendente. 

 

É óbvio que eu ia comprar isso. Gordo é gordo em qualquer lugar. Já comprei a massa de pastel para a mama, mereço um prêmio, né? 

 

Paguei a moça agradável e entrei no carro. Do outro lado da rua, tinha uma floricultura. Uma velha senhora que parecia cansada, está apoiada no balcão, mexendo em algumas margaridas. 

 

Saio do carro novamente, atravessando a calçada. 

 

-Boa tarde. -Digo sorrindo. 

 

-Boa tarde, querida. -Ela me responde gentilmente. 

 

-Poderia me informar quais são as flores que damos às pessoas cujo estamos apaixonados? -Ela assente e me entrega um buquê de Rosas vermelhas. 

 

-Vai levar para a namorada? 

 

-Vou. Como a senhora sabe? -Ri.
 

-Não acho que seja normal uma garota dar flores para o namorado. Suspeitei que fosse uma garota. 

 

-Touchée! -Aponto para ela. A risada da pequena senhora invade o ambiente. -Você mora por aqui? 

 

-Na verdade, eu moro aqui na floricultura. Tem um alçapão que leva até a pequena casa que eu possuo. Ele fica aqui atrás. -Me chama com a mão, apontando para o local onde fica o tal alçapão. 

 

-É... desculpa... eu não sabia... -Abaixo a cabeça. 

 

-Tudo bem, querida. Mas então... Vai levar as flores? 

 

-Ah, claro! Tinha me esquecido. Quanto fica? 

 

-Pra você é por conta da casa. -Ela sorri sem mostrar os dentes, fazendo as poucas rugas aparecerem. Ficou mais fofa ainda! 

 

-Pois bem. Vou deixar duzentos dólares aqui. -Pego o buquê e sinto o impacto de seu corpo no meu. Retribuo o abraço de imediato. 

 

-Muito obrigada, querida. 

 

-Pode me chamar de Lauren. -Retribuo o sorriso. 

 

-E você pode me chamar de Angel. 

 

-Foi um imenso prazer te conhecer, Dona Angel. Eu ficaria mais se minha mãe e minha namorada não estivessem me esperando. 

 

-Tudo bem, menina Lauren. Você me ajudou muito hoje. Foi um prazer te conhecer também. 

 

-Até outro dia, Angel. -Me despeço dela com um aceno de mão. 

 

Agora sim. Hora de ir pra casa. Mama deve estar querendo me matar. 

{☆☆☆}

Abro o portão e já vejo a Camila andando em minha direção. 

 

-Onde você estava, Michelle?! -Engulo um seco.

 

-Comprando isso... -Mostro o buquê pra ela. -Pensei em você quando vi uma floricultura. Comprei também, potes de Nutella e M&M. 

 

-Obrigada, Lo. Mas sua mãe disse que você não vai comer doces enquanto não der a massa de pastel pra ela. Ela iria te dar um castigo pior, só que eu consegui convencê-la. 

 

-Santo Cristo! Obrigada, amor. -Entrego a sacola para a minha mãe. Abro um pote de Nutella, pegando uma colher e alguns morangos. Me jogo no sofá e ligo a TV.

 

-Lo, eu quero! -Faz manha. 

 

-Deita aqui comigo. -Me arrasto no sofá, dando espaço pra ela. Pego um morango e o cubro com o creme de avelã. -Abre a boca, amor. -Ela o faz. Sua cara de satisfação veio em seguida. -Bom? 

 

-Muito! - Camz pegou a colher da minha mão, e passou um pouco nos meus lábios. Oque veio no momento seguinte, fez-me relaxar. Seus lábios nos meus. O beijo com gosto de morango e o melhor doce do mundo, estava maravilhoso. Suas unhas arranham minha nuca. Aperto sua cintura. Estava ficando quente. 

 

-Uou uou uou. Vamos parando por aqui. -Taylor bate palmas. Tivemos que nos separar, porque ela praticamente se jogou em cima de nós!

 

-Empata foda. -Digo, voltando a comer. 

 

-Sempre. -Joga o cabelo pro lado, causando risadas da Camila. 
 


Notas Finais


Que presente vocês acham que a Lauren vai dar pra Camila? 😈

Até o próximo. 🌚🍃🌈


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...