História Um amor pra recordar - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias B.A.P, EXO, Secret, The GazettE
Personagens Aoi, Baekhyun, Himchan, Jongup, Jung Hana, Kai, Lu Han, Personagens Originais, Ruki, Sehun, Song Jieun, Uruha, Youngjae, Yune, Zelo
Tags Amizade, Amor De Infancia, Aoiha, Bap, Jongup, Kai, Separação
Visualizações 1
Palavras 1.963
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Isso já se tornou repetitivo mais... NOVA FIC GALERINHA!!!!

Meu primeiro crossover e já coloco b.a.p, Exo, Secret e The Gazette. Espero que essa mistura de kpop com jrock de certo e que vcs gostem.

Ah e mais uma coisinha, pra quem viu o nome "Kai", é o Kai do Exo e não do The Gazette, eu não coloquei o Mr. Covinhas justamente para evitar confusões... Mais vai ter a participação do nosso Taka e claro, o AoiHa.

Mais o principal da historia fica sendo, com certeza, o Uppie maravilhoso dono do melhor abs da coreia... *Tá parei*

Agora sem mais delongas... Boa leitura meus lindos.

Leggo

Capítulo 1 - Pequenos



A neve caia em pequenos flocos das nuvens, deixando tudo ao redor branco e escorregadio. Clima ótimo para brincar.

Gritava e corria do “bicho papão”, rindo até sentir a sua frágil garganta arder. Atrás dela, Jong Up corria e gritava falando que ia lhe pegar. E ele finalmente consegue, segurando na sua pequena cintura ele consegue derrubá-la na neve, rindo assim como a bela menina.

- Te peguei, mocinha.

Ele fala quando consegue controlar o ataque de riso. A menina respira fundo, tentando controlar a sua risada descontrolada.

- Seu bobo, quero revanche, não foi justo, você roubou.

Ambos se sentam na neve fofinha e ele a empurra de leve.

 - Claro que não, é você que é muito lenta.

A porta que dava pra cozinha da casa é aberta e de lá sai a mãe da garota.

- Jolie, Jong Up, o lanche de vocês está pronto, venham comer, depois vocês continuam brincando.

Ele se levanta e estende as mãos pra menor, a menina segura nelas e se levanta. Jolie considerava Up o menino mais lindo que conhece, com os seus cabelos médios e negros, os olhinhos puxadinhos asiáticos, a pele morena clara e pra completar o seu charme, uma pintinha no nariz.

Já ela se considerava “sem sal” com os seus cabelos longos negros, a pele branca e os olhos azuis escuros. Jong Up dizia que ela era a garota mais linda de todas, e nesses momentos ela corava e batia nele, o chamando de bobo.

Jolie não sabia, mais Jong Up a considerava mesmo a garota mais bela que já conhecera.

E quando as suas bochechas ficavam vermelhas, ele a chamava em pensamento de Minha bonequinha.

As duas crianças travessas entraram na cozinha rindo, a Sr. Cross, mãe da pequena, sorrio assim que viu os pequenos.

Os dois se sentaram na mesa e começaram a comer o sanduiche junto com um suco de maracujá, e também comeram alguns biscoitos.

- O tempo está esfriando ainda mais, acho melhor vocês brincarem no seu quarto, Lili.

Eva, mãe de Jolie, fala carinhosamente a chamando pelo seu apelido. A menina confirma com a cabeça.

- Up, eu comprei um mangá muito legal, quer ir lá ler?

Ele a olha, sorrindo em seguida. Jong Up não tinha certeza absoluta, mais acreditava que a sua convivência com a garota, fazia com que a mesma admirasse cada vez mais a cultura asiática, principalmente a japonesa e coreana. A garotinha era curiosa, e sempre perguntava pros pais dele como era viver lá.

- Claro, Lili.

Ela ri, corando ao ouvir o amigo pronunciar o apelido também. Todos a chamavam assim – havia se tornado o seu apelido – mais ela só corava quando o Uppie a chamava assim.

Eles levantam e correm até a sala, subindo as escada em seguida. Na terceira porta a esquerda eles entram. Jong Up sempre achou o quarto de sua amiga muito bonito – meio feminino demais – com a cama de solteiro branca, a colcha rosa claro em cima, cheio de pelúcia, uma janela grande que dava para ver o jardim da mansão, o closet da menina – que era quase do tamanho do quarto do Up – ali também havia um banheiro, e um pequeno espaço onde tinha a penteadeira da menina, pufes e onde ela estudava também.

Os pais de Jolie eram ricos, ou melhor, milionários. Seu pai, o grande e temido Sr.Cross era um dos empresários mais bem sucedidos da América, viveu boa parte de sua vida em Nova York, mais depois que descobriu que sua esposa estava grávida, resolveu se mudar para o Canadá, atrás de uma vida menos “agitada”. Os pais de Jong Up também eram ricos – não tanto como o Sr. Cross – e viviam em uma casa bem grande também. E ambos eram médicos.

Up se aproximou, assistindo a sua amiga abrindo o closet e indo até o local que a mesma denominou como “Cantinho dos livros”. Mesmo tendo apenas nove anos, a garotinha ama ler.

De lá ela pega o mangá novinho recém comprado, e melhor, ele era o primeiro volume.

Voltando pro quarto, Jolie entrega pra ele.

- Aqui, é um Shoujo, mais não é exatamente meloso. Ainda é o primeiro volume, espero conseguir os outros.

Ele sorri e ambos se sentam na cama da menina.

- Você me empresta ele? Amanhã eu te devolvo.

- Claro, tudo bem.

Ela sorri, e como a sua pele era muito branca, suas bochechas acabam ganhando um tom rosado.

Bonequinha...

Up fala em pensamento, sorrindo. Agindo totalmente por impulso, ele se aproxima, a garota congela no lugar, o encarando com um mix de espanto e curiosidade. Jong Up estava tão próximo agora, que ela conseguia sentir a sua respiração batendo contra a sua face.

E então, acabando com a distancia, Up sela seus lábios. Jolie senti um arrepio estranho passando por seu corpo, e mesmo sendo muito esquisito sentir o cheiro dele tão próximo, ela gostava.

Sentiu algo esquisito no estomago também, um tipo de pressão, enjôo... Ela não conseguia descrever, mais ao mesmo tempo que incomodava, era gostoso.

Uppie se afasta com as bochechas vermelhas, Jolie não estava diferente, ela sentia as suas queimarem.

- D-desculpa...

Ele pedi abaixando a cabeça envergonhado.

- T-t-tudo bem... F-foi bom...

Ele a encara e sorri.

- É que eu vejo os meus pais fazendo isso direto, e queria saber qual era a sensação. É bom, né?

Ela confirma com a cabeça, e ele volta a se aproximar, selando seus lábios de leve. A sensação estranha retorna ao estomago da menina, mais ela apenas ignora e curti o momento.

Os lábios finos e inexperientes de Up começa a se mover, um ritmo lento e   desengonçado, ela tenta acompanhá-lo e aos poucos a timidez vai sumindo, e apenas o desejo de continuar se faz presente nos corpos ainda inocentes das pequenas crianças.

Quando sentiram falta de ar, se afastaram sorrindo bobos, Jolie ainda corada.

- Sabia que você fica parecendo uma bonequinha quando fica corada assim?

Ela arregala os olhos, e sua bochecha fica ainda mais rubra.

- Ah para com isso, Uppie.

- É sério.

Eles riem e a porta do quarto da menina se abre, era Eva sua mãe.

- Uppie, sua mãe já está lá embaixo te esperando.

- Ah mais já?

A pequena reclama e Up a encara.

- Não se preocupe, eu voltarei amanhã.

Eles se levantam e vêm que a mãe da menina já tinha saído. Jong Up não perdi tempo e sela novamente seus lábios, a garota fica surpresa mais mesmo assim correspondi o beijo rápido.

Ambos se afastam e saem do quarto descendo novamente até a sala de estar de Jolie.

Eles se despendem – sem beijo, claro – e Jong Up vai embora.

Jolie se vira para a mãe.

- Mamãe, me reponde uma coisa?

- Claro querida, o que foi?

- Não aconteceu nada, eu só quero saber o que é um negocio que dá no estomago?

- Como assim meu amor?

- É tipo um enjôo, parece fome mais não é, sei lá, um bolo... Não sei, é uma coisa muito esquisita.

Eva ri, ah sua pequena estava descobrindo coisas que não condiziam com a sua idade.

- Meu bem, isso se chama “Borboletas no estomago”, mais só acontece quando estamos apaixonados. Quando gostamos de uma pessoa. Por quê? Está sentindo isso por quem, pequena? Olha, você só tem nove anos, é muito novinha pra pensar em namorar, heim?

- Não estou sentindo isso por ninguém não mãe, é que... É que eu li isso em um mangá e fiquei curiosa.

A garotinha mentiu, pois se dissese que estava sentindo isso pelo Jong Up, iria levar o maior sermão.

- Hmn, tá bom.

Lili sorri e subiu rapidamente de volta pro quarto, se sentou na cama e ficou como uma boba tocando os lábios e se lembrando do beijo que o Up havia lhe dado. A amizade de ambos sempre fora forte, afinal já fazia cinco anos que se conheciam, e ela sempre se sentiu segura perto do garoto. Como se nada pudesse lhe fazer mal.

Ela riu sozinha e se levantou, tinha que tomar um banho antes de ir jantar.


>>>>>>>>>


A menininha já estava em seu quarto, deitada na cama lendo um pequeno livro antes de ir dormir. Mais então, de repente ela começa a ouvir alguns estalos na janela.

Franzindo o cenho ela se levanta e a abre a vidraça saindo na varada, sentindo o vento frio bater contra seu corpo miúdo.

Olhando lá pra baixo, ela vê Jong Up e arregala os olhos.

- Up? O que faz aqui?

Ela fala baixinho pra não chamar a atenção de seus pais.

- Me deixa subir, por favor.

Ela confirma com a cabeça. Up sobe em uma arvore e vai até o seu galho, se equilibrando ali até chegar na varanda dela, Jolie estica os braços e consegui ajudá-lo.

Ambos entram rapidamente, com medo de alguém ver.

- O que aconteceu? Por que está aqui?

- Jolie...

Ele apenas sussurra antes de abraçá-la forte, Jolie fica parada no lugar e se eu estomago gela ao imaginar alguma fatalidade, que talvez alguém tenha morrido, ou sofrido algum acidente.

Mesmo estando pra lá de curiosa, ela espera ele se acalmar. Quando o garotinho finalmente para de chora, ela o puxa para eles se sentarem na cama.

- Agora me diga, o que aconteceu?

- Os meus pais, eles falaram que agente vai se mudar.

Ela engoli seco e seu coração se aperta.

- Pra outro bairro? – Ele nega com a cabeça. – pra outra casa? – Outra negação. – Pra América? – ele nega de novo. – Pra onde Uppie?

- Pra Coréia, vamos ter que voltar pra lá.

Jolie teve a sensação de que alguém tinha removido o chão de seus pés. Coréia do Sul ficava praticamente do outro lado do mundo, e seu amigo iria pra lá, provavelmente nunca mais se veriam.

Algumas lágrimas começaram a se forma nos olhos da pequena. Ela não queria, não  queria em hipótese alguma perder seu amigo, ainda mais agora que as coisas estavam em outro nível...

- Up, por favor, não vá. Fica aqui comigo, meus pais não vão se importa, aqui tem tanto quarto. Por favor...

- Jolie não dá, eu ainda sou criança, meus pais não vão aceitar. Eles até falaram que já arrumaram uma escola lá pra mim... Lili, eu não quero ir, não quero te deixar, eu sei que sou novo pra dizer isso, mais eu amo você. Mais infelizmente eu não posso fazer nada...

Ela o abraçou forte, deixando as lágrimas descerem por sua face. Up correspondeu o abraço e ambos ficaram assim por um tempo, até o sono fala mais alto e as duas crianças dormirem agarrados um no outro, com medo de se soltarem e um fugir.


Os dias vão se passando, Up iria viajar no dia seguinte, e Jolie não podia estar mais triste. Ela desejava que aquele dia nunca mais acabasse, só para não se despedir de seu amigo.

- Lili.

Jong Up a chamou, ambos estavam sentados dentro da casinha da arvore na casa do menino. Ela o encara e seus olhos azuis se enchem de água.

- Pequena, você promete que vai me esperar? Que quando eu voltar, iremos namorar e nos casar? Promete que sempre vai me amar?

- Prometo Up, e você também vai me esperar, né?

- Sempre, minha bonequinha.

Eles se aproximam e seus lábios se tocam, se movendo em seguida. Depois daquele dia, eles sempre se beijavam quando ficavam sozinhos. Nunca contaram aos seus pais o que sentiam um pelo outro, e apesar de serem crianças, eles sabiam que o que sentiam eram amor.

Passaram o resto da tarde ali, naquela casinha, conversando, ouvindo musicas e se beijando. E principalmente, torcendo para que o amanhã não chegasse.

Mais chegou.

Moon Jong Up partiu, deixando pra trás Jolie Cross Tramell, sua amiga e futura namorada.

Separaram-se, com a promessa mutua de que iriam se reencontrar.

De que em algum momento no futuro, Jong Up e Jolie iriam dar continuidade a esse amor, que vale a pena recordar.


Continua...



Notas Finais


Então pessoal é isso, espero que tenham gostado.

O próximo já será atual, espero reencontrá-los lá.

Beijos meus amores

Fighting


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...