História Um amor proibido. (Medievaltale) - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Frisk, Mettaton, Napstablook, Papyrus, Personagens Originais, Sans, Toriel, Undyne
Tags Frans, Romance, Undertale
Exibições 108
Palavras 1.439
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção Científica, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Tenho muita criatividade para títulos né?
Bem.... pessoal estou pensando em criar outra fic, mas atenção, não é de Undertale. Na verdade estou pensando em criar uma história original em que eu sou a protagonista e vivo em uma grande aventura, cheia de romance e dessas coosas.
O que acham? Digam nos comentarios.

Capítulo 10 - O resgate


               (Frisk P.O.V)

    Acordei, não reconheço esse lugar. Tento me mexer mas estou amarrada com cordas, olho para todos os lados e percebo que estou dentro de um navio. A um saco de maçã e uns barrius aqui, provalvelmente contendo vinho ou Rum (Mabel: uma bebida com álcool comhecida pelos piratas....e tbm tem um bobom de run e é orrivel). Tentei me soltar mas nada adiantava.

- o que irei fazer? - disse a mim mesma baixinho.
    Rapidamente ouço a porta se abrir.
- ora ora ora, vejo que a bela acordou.
    Não era o mesmo homem que me sequestrou, mas era o encapuzado.
- O que quer de mim?- ele sorri
- O chef quer você bela.
- esse não é meu nome...
- Eu sei - ele saiu da porta. Escuto ele a trancar.
     Preciso sair daqui, penso rapidamente. Olho para todo lado e acho uma faca perto das maçãs.
    Me aproximei arrastando feito uma largata, assim que me aproximei o suficiente, me viro de costas e pego a faca com as mãos amarradas ainda. Cortei a corda e consegui escapar.
   Levantei, olhei para todos os lados, achei uma janelinha. Fui olhar para ver se já estavamos no meio do mar. Como eu temia estavamos navegando pelo oceano " como vou sair daqui?" Pensei. Ho Sans, onde você está?.

                 (Sans P.O.V)

       Pegamos o navio da realeza, estamos navegando em busca do navio pirata. Mabel, mesmo muito ferida insistiu vir com nosco.

- Ainda doi? - dice o Papyrus para Mabel.
- Um pouco...- eu me virei para ela.
- Por que insistiu vir? - ela olhou para mim e depois abaixou a cabeça olhando para ferida (que está localizada em seu braço esquerdo, um corte bem feio.)
- Tenho meus motivos...preciso cobrir isso aqui antes que piore. Papy pode pegar meu relógio? Logo ali - ela apontou para a mesa. (Estavamos dentro de um dos quartos desse navio.)
- Claro - Papyros pegou o relógio e levou até Mabel.
      Ela pegou esse relógio moderno. Apertou um dos botões e magicamente apareceu uma caixa branca com um mais vermelho.
- Esse é meu kit de primeiros socorros. - ela pegou um remédio, passou em sua ferida cuidadosamente, fazendo caretas pois ardia muito. Depois enfaicho-o com cuidado.
- Quer ajuda para se levantar? - ela tava sentada no chão. Disse Papyrus.
- Sim...papy...- ele pegou ela no colo bem quando ela dice sim. Levou ela até a cama. Mabel tinha corado - n-não precisava...
- tudo por você...- dice Papyrus...pera...
- vocês estão?...- eu dice desconfiando. Papy suspirou e olhou para mim.
- Não demorou muito para notar né irmão? - Não acredito...
- Estão namorando?- Mabel ri.
- Sim...
- Como?quando? Que? - tinha muita coisa para analisar naquele momento...
- Foi uma longa história... tudo começou a uma noite, você estava dormindo ainda Sans, do ferimento da flecha, Papyrus estava muito preocupado com você. Eu decidi consolar ele, fazendo espaguete. Acabou que um jantar... se tornar um jantar romantico....- Mabel dice sorrindo timida.
- É... Mabel e eu tinhamos conversado um monte... percebermos que gostamos das mesmas coisas.... e ela fazia piadas ruins igual a você.... mas eu gostava...- Papyrus dice corado.
- Ok...Ok... quando iam me contar?
- Sans iamos...
- Sabe que não gosto de segredos - dice interrompendo Mabel de falar.
- Sim....eu sei - Papyrus dice - mas assim que iamos te contar os piratas apareceram....

     Quanta coisa para analisar...como assim... ok eu estou feloz pelos dois...
- ok... estou feliz por vocês- assim que dice isso os dois sorriem - hehe meu irmãozinho namorando...nunca achei que chegaria esse dia assim tão rápido.
   
      Assim que Papyrus ia falar algo, fomos interrompidos pela Undyne, que chegou abrindo a porta.
- Achamos o Navio- ela diz com um sorriso.
   Rapidamente, eu e Papyrus nos levantamos. (Estavamos sentados, eu na cadeira e Papyrus na ponta da cama junto a Mabel)

- Posso ir com vocês? - Mabel diz se levantando.
- É perigoso... e seu machucado?- Papyrus diz preocupado.
- Ok... trolei, vou junto - ela pega sua espada e vai andando.
- Mabel...- Papyrus diz
- Papy... eu curo meu HP rapido, bem... seria melhor se Mayara estivesse aqui, ela curaria eu na hora... vamos?

       Então fomos.... vimos o navio pirata logo a frente do nosso. Eu puchei uma corda e pulamos no navio. Logo perceberam nossa presença e começamos a lita de espadas, vi o encapuzado e corri até ele.
- ondeela está?
- haha vai procurar...- começo jogando ossos e gaster blaster nele. Depois ouço uma voz familiar....

                  (Frisk P.O.V)

       Estava tentando abrir a prota, quando ouço do outro lado os gaster blasters do Sans.
- Sans?... SANS....- começo a bater na porta.
- Kiddo? Está bem? Afastece vou abrir...- fiz como ele mandou
        Vejo uma luz, Sans acertou gaster blaster na porta. Vi ele e rapidamente cairam de meu rosto. Logo vi o encapuzado e chamei atenção do Sans, ele se vira e acerta o encapuzado. Saio com Sans dali e vejo todos lutando.
      Vi também Chara lutando com quem deve ser o capitão desse navio pirata...

              (Chara P.O.V)

- hoho, olá queridinha...
- olá Richard...
- Não vai mais me chamar de Pai?
- Você nunca foi meu pai de verdade Richard.
- Eu sei... mas sua mãe mandou eu cuidar de você quando bebê lembra?
- Foi uma grande idiotice da parte dela - Deixei ele bravo.
- Escuta aqui mocinha... você fugiu de casa, eu perdoo, mas agora tem que voltar não acha?
- Lembra do acordo Richard? - ele parou de me atacar com a espada e olhou para mim.
- Sei...
- Aquele acordo... se eu fizer 18 anos poderei seguir minha vida e você não mandaria mais em mim... fiz 18 semana passada...
- Sabe de uma coisa sobre piratas? Não confie neles... - ele avançou a espada em mim, desvio e o acerto a bochecha com a minha espada.
- Você melhorou muito...
- Aprendi com o pior - a luta seguio em diante. Mas uma hora acertei teu peito. Ele gospe sangue, só fico olhando aquela sena.
- Você nunca me deu valor de verdade...como minha mãe daria Richard.
- Você...está enganada... eu cuidei e amei você...
- Então por que essa palhaçada Richard? POR QUE?
   Ele se levantou, mesmo sua barriga sangrando ( sabe aquelas senas de anime). Sorrio para mim e dice:
- Nunca lhe faria um mal... eu... apenas tive medo... de perder minha garotinha- aquelas palavras me fizeram cair lagrimas em minha face...- sabe... com sua bravura e atitude de agora... arg...- ele gospe sangue -... você deixou eu muito orgulhoso de você Chara... se tornou uma verdadeira...pirata...- ele cai no chão e eu rapidamente o seguro.
- Me...me desculpa...
- Tudo bem... a culpa é minha... eu te mimei... eu fiz você acreditar que eu era o vilão da história...
- Papai....
- hehe... primeira vez que você me chama de pai... arg...- ele em fim morre em meus braços.
- Pai? PAI...papai...- eu o abraço e começo a chorar.
    Sans e Frisk se aproximam
- O que ouve? Por que chora por esse seqüestrador?
- Frisk não fala merda... ele era meu pai...- começo a chorar mais ainda.
- M-me desculpa e-eu....- Frisk oljou para ele - está morto?
- S-Sim - continuo o abracar mais forte.
- bem feito- Sans dice baixinho pra ci mesmo.
- Sans - Frisk o empurra...
     Me perdoe pai... eu não fui a filhaque tu mereceste.

            -quebra de tempo-

  Frisk estava em fim em casa... Foi recebida de abraços e beijos de seus pais, me fazendo lembrar pelo que eu fiz...
    Mabel está se recuperando do ferimento, ela dice a todos sobre o namoro dela e Papyrus. E eu me insolei no quarto de ospedes.
    Ouço batidas na porta.
- Querida? Tudo bem?
    Era Asriel... meu doce Asriel sempre me apoiando.
- Pode entrar.
    Ele entrou, me deu um abraço. Ele sabe o que eu fiz eu tinha o contado.
- Asriel... se você quiser achar outra pretendente...
- Que? Que tolice é essa?
- É que...- começo a chorar -... eu sou um monstro Asriel... matei muitos e ainda matei meu proprio pai...mesmo não sendo de sangue ele foi meu pai...

- Querida... eu te perdoo, estou do seu lado. Sempre te apoiarei e te amarei.
- Asriel....- ele secou minhas lágrimas e passamos a tarde juntos conversando.
     Decidimos o dia do casamento, será daqui a dois dias... estou muito ansiosa pois eu o amo muito....
   Amo Asriel... sentirei falta de você...papai...





Continua....    leia as notas finais e as notas do autor.
   


Notas Finais


Oi oi me perdoe qualquer erro.

Gentee, estou namorando Papyrus por que Mettaton não existe nessa época, robos não existem na era medieval. E eu sou uma viajante no tempo se lembram? Então eu temho a tecnologia.
Já que Mettaton não tá... não perderei essa oportunidade.
Não se preocupem Shipadores de Papyrus e Mettaton... o final vai chocar vocês...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...