História Um amor violento - Capítulo 109


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Dakota, Dimitry, Iris, Kentin, Leigh, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Rosalya, Violette
Tags Alexy, Ambre, Amor Doce, Armin, Castiel, Dimitry, Iris, Kentin, Leigh, Lysandre, Melody, Nathaniel, Rosalya, Viollet
Exibições 194
Palavras 5.201
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drabble, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Super Power, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


- Olá!
Tudo bem com vocês?

Postando o último capitulo!

Espero que gostem!

Boa leitura!

Obrigada por sempre acompanharem! Amo muito vocês...

(Erros corrigidos mais tarde).

Capítulo 109 - Sim... Eu me lembro de tudo!


Fanfic / Fanfiction Um amor violento - Capítulo 109 - Sim... Eu me lembro de tudo!

 24/11/2016 – Londres

Sim meu coelhinho! Eu lembro!

11/09/2011 - Londres

Ana On.

Ana: Ai meu Deus isso está ardendo! (O rapaz todo tatuado estava fazendo a tatuagem em minhas costas nua).

E Lysandre sentado em uma cadeira ao lado fazendo uma atrás de sua orelha.

Lys: Aposto que sua dor não está sendo mesma que a minha... Nossa, se eu soubesse disso eu não tinha feito!

Ana: Você prometeu que iria fazer uma também! Aiii...

Lys: Droga! Esqueci-me disso...

Ana: Lys? (Eu disse deitada debruço sobre a maca).

Lys: Sim? (Ele não conseguia me olhar).

Ana: Você vai deixar eu olha a sua tatuagem?

Lys: Qual delas?

Ana: Qualquer uma... Pode ser essa daí que você esta fazendo!

Lys: B-bem... Acho melhor você recupera a memória para eu pode lhe mostra!

Ana: Ah deixa Lys! (Disse manhosa).

Lys: Não... Deixa quando você recupera a memória... Porque se eu lhe mostra agora, você não vai entender o motivo que eu fiz ela...

Ana: Então... É homenagem a mim?

Lys: Sim!

Ana: Ai que legal! Ai... O moço... Já terminou não?

Rapaz: Hahaha... Estou terminando... Está ficando muito bonita!

Ana: Assim... É bom mesmo... Para doer tanto!

Lys: Mais essa Ana reclama! Rsrsrs... Ai...

Ana: Hahaha... Olha quem fala!

Ana Off.

Lia On.

Eu acordei e me encontrei ainda na cama do Castiel... Olhei-me estava sem roupa, então... Nós... Realmente fizemos? Ai meu Deus... Fiquei sorrindo feito boba na cama, ainda bem que não foi um sonho.

Castiel: O que você tanto ri ai em Lia? (Ele saiu do banho secando seus cabelos).

Lia: Estou rindo... (Me sentei na cama segurando o lençol sobre o meu corpo). Que isso tudo não foi um sonho.

Castiel: Gostou mesmo? (Ele se sentou na cama me olhando sorrindo).

Lia: Amei! Podemos fazer de novo?

Castiel: Hahaha... (Ele me fez deita na cama, ficando por cima de mim). É claro que podemos... Onde e quando você quiser... (Ele me beijou novamente).

Lia: Então pode ser agora?

Castiel: Bom... Agora não... (Ela saiu e ficou sentado em minha frente).

Lia: Porque não? (Disse triste).

Castiel: Porque Lysandre ligou um monte de vezes no seu celular... E provavelmente ele tenha ligado na sua casa... Então é melhor irmos para lá...

Lia: Ai nossa... Ele deve está preocupado... (Disse já me ajeitando para ir ao banheiro).

Castiel: Sim... Quando chega lá... Liga para ele...

Lia: Ok! Posso lhe pedi um favor?

Castiel: Diga...

Lia: Será que... Você não poderia dormi comigo hoje? Sabe... Aquela casa é grande... E eu tenho medo de ficar lá!

Castiel: Tem certeza? (Ele ficou de pé).

Lia: Tenho!

Castiel: Então tome o seu banho... E vamos logo para lá! (Ele me deu um selinho).

Lia: Já eu volto!

Me levantei enrolada no lençol e fui para o banheiro.

Lia Off.

Ana On.

Tínhamos saído da loja de tatuagem, e a dor em minhas costas agora só era ardência, suportável. Lysandre disse que queria me mostra um lugar lindo daqui de Paris, e sinceramente estou bem curiosa para saber que lugar é esse.

Lys: Bom pelo caminho já vimos às árvores com suas flores...

Ana: Nossa... Que lindo!

Lys: Eu gostava sempre de vim aqui com meus pais... Ficávamos comendo algodão doce, picolé... E claro... Ficávamos em família!

Ele abaixou a cabeça e ficou sorrindo, parecia se lembrar de alguma coisa.

Ana: Você bem a falta deles não é?

Lys: Sim... Creio que todo filho sentia falta de seus pais... Eles eram pessoas idosas, mais eu os amava muito.

Ana: Pelo menos agora você tem um privilégio de ser pai...

Lys: E devo isso a você! (Ele me abraçou de lado).

Ana: De nada! Hahaha... (Olhei para ele e sorrir).

Lys: Hahaha... Vejo só... Chegamos!

Olhei para frente e fiquei em choque, aquele lugar eram lindos, muito lindos, meus olhos se encheram de lágrimas.

Ana: L-lys?

Lys: Não é lindo? Torre El fel o melhor lugar nessa época em Paris. (Ele disse sorrindo e olhando para frente).

Ana: Muito perfeito... E-eu... Eu nunca tinha visto a Torre El fel antes... Snif...

Lys: Ana? Está tudo bem? Está chorando? (Ele ficou em minha frente e limpou minhas lágrimas).

Ana: É de alegria! Mais vamos... Não adianta nada ficar aqui e desperdiça esse lugar incrível!

Eu fui correndo na frente e deixei para trás.

Lys: Ei... ANA?

Ana: VEM! (Parei olhei para trás e sorri, ele correspondeu com o mesmo e veio correndo).

Chegamos todos sorridentes perto da torre, e nossa como ela é enorme.

Ana: Ela é enorme!

Lys: Eu não acredito que esse tempo todo que você morou em Paris... Você nunca veio aqui...

Ana: Nunca tive a oportunidade! (Dei de ombro ainda admirando a Torre em minha frente). Mais sabe... (Olhei para ele, que me olhou de volta).

Lys: O que?

Ana: Foi bom eu não ter vindo ver antes... Se não... (Olhei para a Torre). Eu não tinha aproveitado esse momento com você junto com essa magnitude!

Lys: Sempre com as palavras para me fazer derreter!

Ana: Rsrs...

Lys: Sabe... Essa parte é a parte de trás da Torre... A parte da frente fica um lugar bem legal também... Tem um gramado, onde as pessoas gostam de fazer piquenique.

Ana: Depois vamos ver lá depois... Antes quero ver tudo aqui... E tira foto perto desses bancos com as folhas rosa... Tudo lindo!

Lys: Fico feliz que esteja gostando!

Ana: Gostando? Eu estou amando tudo isso Lysandre!

Lys: Legal... Então vamos aproveitar... Bom... Agora vamos escolher um lugar para comer...

Ana: Deixa-me escolher?

Lys: Tudo bem...

Ana: Que tal Sushi?

Lys: Humm... Quer satisfazer minhas vontades Ana Carolina?

Ana: Quem sabe? (Dei de ombros). Rsrs...

Lys: Ok... Vamos comer Sushi...

[...]

Já tínhamos jantados, eu particularmente não gosto muito de peixe cru, mais a experiência pela “Primeira vez” foi boa. Eu coloquei um vestido, que parecia mais uma blusa com estampas de bolinhas e babados e uma saia azul Royal, para ficar mais harmonioso, coloquei um cinto marrom, e uma sapatilha preta. Lysandre como sempre estiloso, colocou uma calça jeans customizado, uma camiseta branca e um tênis branco.

Como já havia escurecido, viemos para o hotel novamente logo após o jantar, como nem eu e nem ele queríamos ir para o quarto, viemos dar um passeio pela praia, tiramos nossos calçados e ficamos pisando naquela área gelada, causando um sensação gostosa naquele ambiente quente, com o barulho das ondas.

Ana: Aqui tão bonito!

Lys: Sim... (Ele disse chutando a água).

Ana: Eu já vim aqui antes?

Lys: Já sim... Nas férias...

Ana: Você também veio?

Lys: Sim, Eu, a Rosa e o Leigh... Aproveitamos bem o dia... Você e a Rosa estavam bem estranhas... Depois eu descobri que vocês queriam ver minha tatuagem... Rsrs...

Ana: Acho que essa mania de ser curiosa eu não perdi... Rsrs...

Lys: Não mesmo! Depois choveu muiiito aquele dia... Mais foi bom... Menos uma pessoa inconveniente! (Ele disse a última frase com desgosto).

Ana: Pessoa inconveniente?

Lys: Sim... Mais deixa para lá... Um dia eu conto quem ele era...

Ana: Hum... Entendi!

Continuamos caminhando pela areia, fiquei observando a Lua, ela estava cheia hoje, lindo com o mar ali, tinha um grupo de pessoas festejando mais a frente, parecia mais uma festa de casamento na praia, bem interessante.

Lys: Tem uma festa ali!

Ana: Sim... Parece ser uma festa de casamento!

Lys: Estou com sede! Quer alguma coisa?

Ana: Ah... Não estou bem... Você vai ali ao quiosque?

Lys: Sim... Você fica aqui?

Ana: Sim... Eu espero aqui...

Lys: Já eu volto!

Ana: Ok!

Ele saiu correndo, eu me virei de frente para o mar, coloquei minha sapatilha na areia e me sentei por cima dela. Fiquei observado o mar, a forma que ele vem à intensidade que ele volta.

Será que quando eu recuperar a memória vai assim... Tudo de uma vez? Apesar de que eu queria que voltasse tudo de uma vez... Queria poder segurar meu filho nos braços, mais onde ele estar?

??: Ana? Você por aqui?

Estava tão atenta olhando o mar que nem percebi a pessoa em minha frente, era um homem alto, loiro, tinha uma tatuagem em seu braço direito. Eu não o conheço, conheço?

??: Está tudo bem? (Ele estendeu a mão para mim).

Levantei-me limpando e dei um sorriso pequeno a ele.

Ana: Está sim... Perdoe... Mais eu conheço você?

??: Sério isso Ana? Hahaha... Sou eu... Dake! Dakota! Não se lembra? (Ele disse todo sorridente).

Dake? Dake? Logo veio a imagem de homem entrando no vestiário e trancando em seguida, eu estava me trocando, ele veio sorrindo maliciosamente para mim, eu tentava sair dos seus braços, mais ele me forçava aquilo, ele me beijava a força, tirou minha roupa intima a força e fez o que temia.

Eu voltei a si, minha respiração estava acelerada, eu sentia meus olhos arderem, minhas pernas tremerem, uma raiva me consumir.

Dake: Está tudo bem Ana? (Dei um tapa em cheio em seu rosto).

Ana: COMO OUSA AINDA FALA COMIGO DEPOIS DE TUDO O QUE VOCÊ ME FEZ?

Eu cuspia as palavras em sua face, ele parecia assustado!

Dake: Ana calma... Eu... Eu pensei que tivesse tudo resolvido entre nós...

Ana: COMO RESOLVIDO... VOCÊ ACHA QUE SE APROVEITAR DE ALGUÉM É RESOLVIDO ESQUENDO DE TUDO O QUE ACONTECEU? SEU IMUNDO!

Dake: Ana... Calma... Vamos conversar... Eu (Ele tentou me segurar)

Ana: NÃO TOCA EM MIM... NÃO ENCOSTE-SE A MIM... (Eu sair correndo sem saber em qual direção era a correta, isso se tinha a correta).

Ana Off.

Lys On.

Eu estava com muita sede, hoje está um dia bem quente.

Lys: Me de uma água, por favor? (Disse ao vendedor).

Olhei novamente para a Ana que agora estava sentada na areia olhando o mar, mais o que será que ela está pensando?

Vendedor: Aqui...

Lys: Obrigado! (Entreguei o dinheiro e abri a garrafa).

Comecei a beber, quando um homem chegou perto da Ana que estava sentada, não pode ser? Ele não... Eu fui caminhando até eles, mais eu deveria ter corrido, ela gritou com ele e saiu correndo.

Lys: ANA? (Corri até ele). Mais o que você fez para ela? (Peguei-o pela gola da camiseta).

Dake: Eu não fiz nada! Ela simplesmente gritou comigo depois que eu disse meu nome... Eu pensei... Eu pensei que estive tudo resolvido entre eu e ela.

Lys: Olha... (Respirei fundo). Ela perdeu a memória... É uma longa história!

Dake: Entendi... Perdoe-me! (Ele saiu cabisbaixo).

Não é que eu seja ruim, mais gostei dela ter feito isso... Olhei na direção que ela correu, corri atrás dela.

Lys: ANA? ANA? SOU EU... LYSANDRE!

Eu corri até algumas rochas que tinha por ali, a encontrei sentada chorando encolhida se escondendo.

Lys: Ana...

Ana: Não... Não se encoste a mim... Não... (Ela chorava suplicando para mim).

Ver ela assim cortava meu coração.

Lys: Mais deixa eu lhe ajudar!

Ana: Não... Ele... Ele me tocou sem minha permissão... (Ela chorava descontroladamente). Eu sinto nojo de mim mesma...

Meu Deus... Como você deve ter passando quando tudo isso aconteceu meu anjo?

Lys: Não fala assim...

Ana: Não sei como você se apaixonou por mim... Ai que nojo! (Ela chorava tentando se limpar de algo).

Lys: Não faz assim... Eu amo você e você sabe disso... (Eu queria pode fazer alguma coisa).

Ana: Então porque você não me toca? (Ela me olhava nos olhos repletos de lágrimas). Você que me ama não me toca assim... Então por ele... Porque Ele fez isso comigo?

Lys: Se isso lhe serviu de conforto... Eu dei uma lição nele... Quando eu descobri, eu pediu para dar um susto nele...

Ana: O que? (Sua respiração começou a volta ao normal).

Lys: É ele... Apanhou... E muito... E sabe... Você com o coração gordo como diz a Rosa... Você o perdoou...

Ana: Mais e agora? O que faço com essas lembranças horríveis? Quem vai conseguir tira isso tudo que passei e sentir agora?

Lys: Isso eu não sei Ana... Eu sinto muito... Mais pelo fato de eu te amar... Não vou te tocar... Sem sua permissão...

Ana: E se... (Ela limpou as lágrimas e me olhou). E se eu lhe disser... Que eu quero!

Lys: O que? (Meu coração deu uma falhada). C-como assim?

Ana: Eu quero... Eu quero que você me toque Lys! (Ela me olhava nos olhos).

Lys: Acho que você deve está delirando Rsrsrs...

Ana: Eu nunca estive em meu perfeito estado... (Ela tocou o meu rosto com sua macia e quente, me deixando arrepiado). Por favor... Faça-me esquecer dessa lembrança... E faça lembra-se de como eu sou desejada... Por você... (Sua voz saiu como um sussurro fechei meu olhos, deixando aquela sensação gostosa passar pelo meu corpo e deixando minha ereção pulsante).

Lys: Ana... (Toquei o seu rosto). Eu não quero lhe machucar... Não quero que você se arrependa depois...

Ana: Castiel tem razão...

Lys: O que tem o Castiel? (Disse arregalando os olhos).

Ana: Você às vezes é cavalheiro demais...

Ela me beijou de surpresa, que fez com que eu me desequilibrasse e caísse com ela em cima de mim, eu fiquei surpreso realmente, depois eu cedi o seu beijo, coloquei minhas em volta de sua cintura e apertei contra o meu corpo, como eu sentir falta desse beijo, desse corpo, dessa boca.

Coloquei minha mão em seu rosto e parei o beijo e olhei dentro de seus olhos castanhos, tirei os seus cabelos do rosto e olhei dentro de seus olhos.

Lys: Você tem certeza disso?

Ana: Tenho... E vejo que você também quer...

Dei um beijo nela e segurei o seu rosto.

Lys: Então... Não aqui... Não assim!

Lys Off.

Ana On.

[...]

Eu estava com o coração cheio, um sorriso enorme estava em meu rosto. Saímos correndo da praia indo diretamente para o hotel, chegamos à recepção e demos um sorriso simpático as pessoas que se encontrava ali, entramos no elevador, e para nossa infelicidade tinha gente.

Ana: Boa noite! (Falei para a senhora que segurava um cachorro pequeno em seu colo).

Lys: Boa noite! (Olhei para o Lysandre com cumplicidade e ficamos em silêncio).

O elevador fechou a senhora ficou na frente segurando o seu cachorro, eu de vez enquanto eu olhava o Lysandre e ele para mim, eu estava com saudades já de beijá-lo, sentindo necessidade dele já.

Para a nossa infelicidade a senhora nos acompanhou até o nosso andar. Quando as porta se fecharam novamente, senti minhas costas se encontraram na parede e a boca de Lysandre em me pescoço.

Ana: Nossa... (Disse ofegante).

Lys: Perdoe-me se lhe machuquei... É que faz muito tempo que não faço isso...

Ana: É mesmo? (Disse colocando minhas mãos em seus cabelos e segurando firme).

Lys: Sim... Digamos... Que quase... (Ele parecia sentir falta de ar). Uns oito meses... Ou mais não sei...

Ana: Então vamos lá tira esse atraso...

Beijei sua boca novamente, ele me levantou e me segurou firme colocando minhas pernas em sua volta, ele começou a caminhar pelo corredor, sorte nossa que estava tudo vazio.

Lys: Consegue pego o cartão em bolso? (Ele me diz ainda me beijando).

Ana: Acho que sim... (Coloquei minha mão em seu bolso de trás e peguei o cartão) Conseguir!

Lys: Legal... Consegue abrir?

Ana: Por que você não abre?

Lys: Tenho medo de te solta e isso tudo parecer um sonho...

Ana: Hahaha... (Coloquei o cartão e a porta abriu).

Continuamos nos beijando, joguei em cima da mesa que fica ali perto e segure em sua nuca, era uma sensação tão boa beijá-lo, tocá-lo, ele parecia gosta também. Ele me pressionou contra a parede e apertou minhas coxas, suas mãos eram grandes e estavam quentes, era muito bom, nossos corpos estavam próximos um do outro, que eu conseguia sentir seu coração bater rapidamente contra o meu peito.

Ana: V-você... Você é sempre assim? (Ele beijava meu pescoço).

Lys: Não... Mais é que sentir muita falta disso...

Ana: Ahh... Isso é bom! (Joguei minha cabeça para trás, e o deixei beijar a vontade meu pescoço).

Os seus beijos me deixam cada vez mais arrepiada, quente, querendo ainda mais o seu corpo, beijei o seu pescoço, o ouvir arfar. Ele deu mais alguns passos e me deitou na cama e deitou comigo na cama sobre o meu corpo.

Ele voltou a me beijar, e percebia suas mãos está cada vez mais ousadas, ele colocou a mão em minha coxa e foi descendo para mim bunda e somente massageando, a sensação de sua mão ali era boa por demais.

Ele voltou a beijar meu pescoço que na verdade era chupões, ai droga isso vai ficar marcado, mais deixei, ele tirou o meu cinto e percebeu que minha roupa era um vestido.

Lys: Isso é um vestido? (Ele me olhou surpreso).

Ana: Sim... Por quê?

Lys: Porque é uma pena... Vou ter que tira-lo... (Mordi meus lábios). Ah... Não faça isso!

Ele me levantou rapidamente e pediu para ficar de costas para ele. Senti-lo abrir o zíper do vestido e segurei-o pelos meus seios.

Lys: Calma! (Ele disse em meu ouvido). Relaxa... (Ele deu um beijo no pescoço me deixando relaxada).

Foi então que ele tirou o vestido e deixou-o cair sobre os meus pés, sentir seus dedos tocarem em minhas costas, um arrepiou veio em minha coluna. Provavelmente ele estava vendo a tatuagem que fiz.

Lys: Que linda... (Sentir seus lábios tocarem cada parte das minhas costas). Asas de anjo?

Ana: Sim... (Minha respiração estava fora do controle). Não sei... Mais me veio esse desenho em meus sonhos e quis fazer em minhas costas...

Lys: Sabia que ficou linda! Como você...

Virei-me para ele e ele me olhava com ternura e muito desejo nos olhos.

Ana: Mesmo? (Toquei em seu rosto).

Lys: Sim... (Ele se aproximou e me beijou novamente).

Ele me fez deitar na cama, nossos beijos agora era cheios de fervuras e muito desejo um pelo outro. Sim eu estou desejando muito esse homem, só pelo seu toque, ele já me deixa totalmente arrepiada, totalmente a vontade ao seu lado.

Lys: Pode me tocar... (Ele disse sussurrando em meu ouvido). Eu amo seus toques em meu corpo, sinto falta deles em mim...

Coloquei minhas por debaixo de sua blusa e toquei em sua barriga perto de sua calça.

Lys: Ahh... (Ele arfava com os olhos fechados).

Ele sem pensar duas vezes, tirou a camisa com uma mão e logo estava a camisa, com o seu peito nu em minha frente, toquei em seu peito e sua barriga, era engraçado vê-lo arrepia somente com o meu toque.

Para aproveitar ainda mais a oportunidade, fiz ele se deitar, ficando por cima dele. Dei beijos em seu pescoço e leve mordidas. Suas mãos pousaram minha cintura e apertando ela levemente.

Lys: Ah... Isso... Como sentir sua falta...

Continuei com os meus beijos, fui descendo para seu peito e logo para sua barriga, logo ele me joga na cama, me fazendo ficar por baixo dele.

Seus olhos esta me desejando, como se deseja um doce, com um sorriso largo no rosto.

Ana: Esse teu sorriso... Ele é assustador!

Lys: Não se assuste... É uma mistura de felicidade por vontade louca deixar você desejando por mim. (Sua voz saiu rouca).

Ele se levantou e tirou sua calça e foi em sua bolsa pega algo e logo voltou.

Ana: O que foi?

Lys: Prevenindo-me... Mais onde paramos? Ah... (Ele veio até mim). Lembrei-me...

Ele beijou meu pescoço e foi descendo para o meu seio, ele a colocou a sua mão no fecho do sutiã e retirou ele. Jogo ele para o lado e abocanhou com tudo um deles, ele chupava um e massageava o outro.

Eu remexia minhas pernas, algo entre minhas pernas estava pulsando, coloquei minha mão em suas costas e arranhei.

Ana: Ah... Ly-Lys... Ah...

Lys: Isso me arranha... Ah... (Obedeci-o é claro).

Coloquei uma mão em seus cabelos e outra ficou em suas costas. Foi então que sentir os seus dedos se encontrarem em minha calcinha. Ele começou a massagear por cima, eu curvava minhas costas para frente, como se eu quisesse se intensificar o seu toque. Então ele colocou seus dedos por dentro da minha calcinha e penetrou.

Ana: Ah... Você quer me deixar louca...

Lys: Essa é a intenção... (Ele colocou mais um dedo).

Desci minha mão direita até sua cueca e coloquei a mão por dentro da cueca, e sentir o seu volume. Digamos que era grande, primeiramente acariciei depois eu comecei a fazer movimentos de vai e vem. Percebi que ele parou com os movimentos, olhei para seu rosto e ele tinha os olhos fechados e mordendo os lábios.

Lys: Ah... Ana você.... Só você sabe... Tocar-me assim... Ah... Meu Deus...

Sua voz estava muito diferente, estava mais rouco, como se estivesse gripado ou algo assim. Mais isso me deixa ainda mais arrepiada e exitada. Quero-o logo, sentir logo ele...

Ele me olhou e percebeu o meu pedido, então ele retirou minha calcinha e retirou sua cueca e pego a camisinha. Ele me olhou e me beijou novamente.

Lys: Quero que olhe para mim ok?

Ana: Ok!

Lys: Me informe se doer algo... (Eu concordei com a cabeça). Qualquer coisa aperte minhas costas.

Foi então que sentir seu membro encostando em meu intimo, e foi então que aconteceu a penetração, e por nossa senhora, realmente estava doendo... Eu não sou mais virgem... Então porque caralho ainda doía?

Lys: Quer que eu pare? (Acho que ele percebeu minha cara).

Ana: Não... Continua...

Ele continuou, então apertei suas costas, ele fechou os olhos.

Lys: Foi... (Ele me beijou, creio que foi para eu me relaxa, acho que estava nervosa, por isso que doeu).

Ele foi fazendo movimentos lentos, e a dor que senti antes, nada compara ao que estou sentindo agora... Isso é muito melhor do que comer bolo de cenoura com Nutella ou receber um presente, ou até mesmo um beijo dele... Nossa que coisa mais maravilhosa.

Ana: Nossa... Como isso bom...

Lys: É sim... Ah...

Ele acelerou o ritmo, ele se deitou sobre meu corpo, sentir sua respiração ofegante perto do meu ouvido. Aqui era o estopim, eu já estava na nuvem, quando eu penso que não pode ser melhor, ele superar...

Ana: Ah... Isso Lys... Ah...  (Eu segurava firmemente suas costas).

Ele segurava em minha cintura e ouvir ele gemer meu nome, ele se levantou e percebi seu suor e sua expressão de maravilhado. Ainda com os movimentos ágeis ele fechava os olhos e mordia os lábios.

Eu não queria para, e não quero, fechei meus olhos, sinto que minhas pernas não agüentam mais... Eu sinto uma necessidade grande de grita, mais não saía som nenhum... Foi então que ele parou e saiu de dentro de mim.

Abri meus olhos e fiquei procurando ele, tentei me levantar, mais eu não tinha força.

Ana: Ai..

Lys: Está tudo bem?

Ana: Tentei me levantar... Mais não conseguir... (Dei um sorriso para).

Ele sorriu e veio deitar ao meu lado.

Lys: É normal às vezes sentir isso... (Ele passou a mãos em meus cabelos suados). Como você se sente?

Ana: A pessoa mais feliz!

Lys: Hahaha... Sente alguma dor... Quer alguma coisa?

Ana: Quero...

Lys: O que é? (Ele estava muito feliz, era só ver em seus olhos brilhando).

Ana: Que fique comigo...

Lys: Isso eu irie fazer sempre...

Ele me puxou para um abraçou e abracei-o de volta e ficamos ali, trocando caricias, beijos e olhares. Essa noite foi à melhor que eu teve.

[...]

Acordei no dia seguinte e me encontrei um quarto totalmente arrumado, e com claridade do dia, olhei para o meu corpo estava com uma camiseta de Lysandre, olhei para o lado e vi-o dormindo de costas para mim.

Sorri com a noite que tivemos, nossa como foi bom tudo aquilo, toquei meu pescoço lembrando-se da sensação e fechei os olhos. Olhei para o Lysandre novamente e vi uma ponta de um desenho em suas costas.

Se eu me lembro, ele disse que tem uma tatuagem em suas costas, bem devagar tirei o lençol para vê-la.... E nossa... Ela é realmente linda... É uma mistura de asas, combina perfeitamente com ele... Porque ele insiste em escondê-la? É tão linda!

Lembrei-me de sua tatuagem de ontem, ele disse que fez atrás de sua orelha, porque eu não vi isso antes? Acho que a noite de ontem não deu para perceber. Com muito cuidado para não acordá-lo, tirei os seus cabelos e encontrei, era uma frase: “Meu Anjo”

Meu Anjo? Eu... Eu me lembro dessa palavra, minha cabeça começou a latejar fortemente, umas imagens me vieram na cabeça. Levantei-me da cama, segurando o lado direito da minha cabeça.

Parecia mais uma enxaqueca, estava doendo muito, Imagens minha com o Lysandre, com o Gustavo, com a Rosa... Alexy... Pedro... Íris... Meu Deus... O acidente...

Ana: Ai ai ai ai... (Me encostei-me à parede). Ai minha cabeça... Aiai...

As imagens viam rapidamente e sumia, não conseguia falar, as lágrimas começaram a descer.

Lys: Ana? (Eu ouvia sua voz, mais não conseguia vê-lo, estava de cabeça baixa).

Ana: Minha cabeça... Aii... Ai...

Lys: Ana? O que você está sentindo?

Ana: Eu... Eu... Não sei... (Me levantei e corri até a porta). Droga!

Peguei o cartão e passei... E sair correndo. Meu Deus... Eu me lembro...

Lys: ANA?

Ana Off.

Lys On.

O que houve com ela? O que aconteceu para ela ficar assim? Entrei rapidamente para o quarto, vestir uma calça que encontrei pelo caminho e coloquei a minha camisa, sair correndo atrás dela.

Lys: Você viu uma moça passando correndo por aqui?

Recepcionista: Sim... Ela estava só de camiseta... Saiu correndo, indo em direção a praia...

Lys: Ah obrigado!

Corri na direção em que ela me indicou... Olhei em vários lugares, mais não achava Droga Ana... Onde você está? Desci até a praia, e encontrei-a ajoelhada de frente para o mar, parecia esta chorando.

Lys: ANAAAA? (Eu sair correndo em sua direção).

Ela não parecia se movimenta em nada, continuo chorando. Ajoelhei-me em sua frente. Eu sabia que não devia ter feito isso agora com ela...

Lys: Ana... Ana... O que houve? Porque você está assim? Estou preocupado com você! Me perdoe... Eu não quis...

Ana: Eu... Snif... Eu me lembrei...

Lys: Você... (Meu coração gelou, eu arregalei meus olhos). Você se lembrou? Do que exatamente?

Ana: De tudo... Da banda, do trabalho, da Íris, da Nina, do Armin, do Gustavo... (Ela começou a chorar novamente). Eu... Eu quero meu filho Lysandre! (Ela chorava suplicando para mim, aquilo cortava meu coração, odiava vê-la chorar). Lembrei do acidente... De você!

Lys: Se lembra mesmo de tudo? (Dei um sorriso largo).

Ana: Sim meu coelhinho! Eu lembro!

Lys: Hahaha... (Eu a abracei, e comecei a chorar). Diga-me! (Fiz ela me olhar). Como? Como você se lembrou?

Ana: Eu vi sua tatuagem...

Lys: Se eu soubesse disse tinha lhe mostrado a muito tempo...

Ana: Não a das costas... A da sua atrás da orelha! A que está escrito meu anjo!

Lys: Você... Você viu? (Ele arregalou os olhos).

Ana: Sim... Perdoe-me pela curiosidade...

Lys: Não... Como eu não te chamei assim antes? Talvez tivesse recuperado a memória... Meu anjo!

Ana: Rsrs... (Ela me olhou e começou a chorar, peguei em seu rosto e aproximei do meu). Porque eu fui me esquecer de você? Por quê?

Lys: Talvez eu lhe causasse muita dor?

Ana: Não... Mesmo assim... Você é a pessoa que eu mais amo... Não devia ter te esquecido...

Lys: Não tem problema... Agora estamos juntos... Eu e você!

Ana: Finalmente!

Lys: Sim... E agora mais do que nunca quero ficar sempre perto de você...

Ana: E eu de você!

Eu dei um beijo em sua boca com a mistura de nossas lágrimas.

Ana: Perdoa-me... Perdoa-me por ter lhe esquecido... Eu não podia ter feito isso...

Lys: Você não sabia... E você não tem culpa de nada... Eu que lhe devo perdão muitos perdões...

Abaixei minha cabeça ela segurou e me olhou nos olhos...

Ana: Eu já lhe perdoei...

Lys: Mais seria muita hipocrisia deixar o seu perdão valer quando você não se lembra de nada...

Levantei-me e fiz ela ficar de pé em minha frente, segurando seus pequenas mãos e com seus olhos cheios de lágrimas, com o sol indicando o inícios dos seus raios solares.

Lys: Ana... Agora que tudo ficou mais claro para você... E que você agora está ciente de tudo o que aconteceu entre nós... Quero que saiba de uma coisa... (Segurei firme a sua mão e me ajoelhei). Saiba que sempre... Sempre... (As lágrimas vieram). Estive pensando em você, todo aquele tempo naquele hospital, quando nos vimos a última vez, eu não parei de pensar em você e nem no nosso filho... (Abaixei minha cabeça, percebi que ela também chorava). Eu pensava a todo instante, como você estava, se já tinha se alimentado, se estava bem, como estava nosso príncipe... Todos os dias eu acordava na esperança de que tudo aquilo que estava vivendo fosse um pesadelo. Eu sei... Eu sei muito bem o que fiz mais eu me arrependo muito, e mesmo que você não me queria mais, eu nunca vou deixar de te amar, mesmo que você prefira outro homem, o que importa é que você seja feliz. Ah me anjo, como eu queria lhe chamar assim quando você acordou naquele hospital... Não sabe o quanto você me deixou desesperado, eu fiquei com muito, muito medo de te perder, de você partir e eu nunca ter tido a chance de pedi o seu perdão...

Ana: Snif... Lys...

Lys: Calma... Eu pensava que esse dia nunca chegaria... E agora finalmente chegou... Ana... Você me perdoa? Perdoa-me por ser um completamente idiota com você? Eu não devia ter duvidado de você... Você me deu tantas coisas... O nosso filho... (Ela começou a chorar, abafou o suspiro com a boca). Eu não sei onde ele está agora... Mais eu prometo que eu trago ele de volta... Nem que seja somente para você...

Ela se ajoelhou em minha frente, com o rosto completamente molhado.

Ana: Lysandre... (Ela me fez olhá-la). Diga-me... Com quem eu vou pode construir a minha vida se não for você? Quem o Gustavo vai chamar de papai? Com quem eu vou poder ter mais outros filhos? Com quem mais eu poderia amar, a ponto de dar a minha própria vida? Mais é claro que lhe perdoou... Perdoa-me também por eu ter esquecido você, da nossa historia, do nosso filho... (Ela chorava). Eu te amo... Eu te amo meu coelhinho... Eu não conseguiria viver sem você... (Ela limpava minhas lágrimas). Pois isso traga o nosso filho e que você fique vivo também... Quero você ao meu lado, até quando ficarmos velhinhos.

Lys: Oh meu Anjo! (Eu a beijei). Eu te amo!

Ana: E amo ainda mais você meu coelhinho!

Lys: Vamos subir... Você só está de calcinha e com minha blusa! Rsrsrs

Ana: É verdade! Rsrsrs

Lys: Podemos ir embora hoje se você quiser... (Eu segurava o seu rosto)

Ana: Podemos ficar somente hoje... Porque quando eu voltar... Quero ir atrás do meu filho, eu juro que eu mesmo mato quem pegou o meu filho.

Lys: Digo o mesmo! (Olhava dentro de seus olhos).

Eu nem acredito, finalmente eu e ela... Juntos! E agora sempre... Não vou mais perde você meu anjo!


Notas Finais


- ALELUIA! ALELUIA!

Espero que vocês tem gostado!

Mais tarde eu tenho um recadinho para vocês...

Até mais!
Beijos e queijos!

Curtam a página: https://www.facebook.com/fanficumamorviolento/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...