História Um anjinho para nós - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Asmodeus, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Ithuriel, Jocelyn Fairchild, Magnus Bane, Maryse Lightwood, Raphael Santiago, Raziel, Robert Lightwood, Simon Lewis
Tags Alec, Anjos, Instrumentosmortais, Magnus, Malec
Exibições 90
Palavras 2.895
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Lemon, Magia, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural
Avisos: Bissexualidade, Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Bommm diaaa aaaaa!!!!! Quem está super feliz depois do casamento levanta a mão!!!!

Capítulo 13 - A festa


Fanfic / Fanfiction Um anjinho para nós - Capítulo 13 - A festa

Alec e Magnus caminhavam pelo enorme salão comprimentando a todos. A maioria das pessoas os elogiavam pelo excelente bufet, decoração e cerimônia. Outros desejaram boa sorte ao casal, já os mais próximos desejaram boa Lua de Mel, pois sabiam com o feticeiro estava se segurando para não arrancar aquele lindo terno no meio da festa.

- Nunca comprimentei tantas pessoas no mesmo dia! - o moreno estava exausto.

- Até eu estou cansado, mas concerteza a imagem de você nu me da forças!

- Magnus Bane seje mais recatado por favor! - deu um leve tapa no marido.

- Tudo bem! Não falo mais, só não garanto que consiga parar de imaginar você todo nu, implorando por meus beijo, sobre lençóis brancos e… o resto é surpresa! - deu um leve gargalhada ao ver o moreno todo vermelho.

-  Prevejo que Magnus já não está se aguentando mais. - disse Ragnor se aproximando do casal.

- Pelo menos posso ter ele na cama, você nem assume seu amor platônico! - Alec da um pequeno tapa e Magnus percebe a aproximação de Rafael.

-  Vim desejar felicidades ao casal e me despedir. - o rapaz comprimenta os dois.

- Mas já? Não posso deixa - lo ir sem ao menos dançar. Simon me contou que você dança muito bem! - Disse o moreno segurando Rafael pelo braço. - Venha abrir a pista de dança comigo, Magnus queria dançar com Izzy mesmo. - antes que o feticeiro questionasse deu uma piscadela e puxou o vampiro.

Toda a atenção do salão vai em direção ao moreno e seu inesperado par. Magnus  cutuca Ragnor, que entende o recado, depois segue em direção a morena e a convida para uma suave dança.

- Realmente Simon estava certo você dança muito bem. - o rapaz sorri e o continua a conduzi-lo. - Mas porque está indo tão cedo, a noite é uma criança e quem sabe algo não te surpreenda hoje.

- Já tive surprensas demais para um dia só, caçador… e por mais que deseje ficar tenho assunto importante…

- Creio que podem esperar mais um dança! - disse Ragnor se aproximando e pedindo para dançar com o vampiro.

- Acho que essa é a minha deixa! - Alec saiu em direção às mesas, mas as delicadas mãos de Magnus o puxou para um lenta e gentil dança.

- Achei que não gostava de dançar.

- Ah Rafael, por você abro uma exceção… na verdade por você faço qualquer coisa! - sussurrou no ouvido do mais novo.

- Ragnor não diga o que possa me iludir… sabe que não gosto de jogos…

- Xiuu - colocou o dedo em seus lábios. - Esta noite somos apenas nós e nossos sentimentos, sem jogo algum.

O vampiro desmancha de alegria ao ouvir aquelas palavras. Coloca seu rosto no ombro do homem à sua frente e se entrega a dança.

No outro canto do salão Jace e Clary iniciam uma dança ao som de Halo da Beyoncé. Jace a guiava em uma linda valsa.

- Nunca achei que pudesse amar alguém assim. - diz a ruiva se aconchegando nos braços do rapaz.

- Eu entendo… todas as barreiras que criei você destruíu, há Clary passamos por tanta coisa e olhe para nós….

- Finalmente achamos o caminho um para o outro… digamos que hoje acredito quando dizem que se alguém está destinado a ficar com uma pessoa não importa o quando se percam uma hora acham o caminho de volta. - Jace coloca gentilmente sua mão na nuca da garota e a trás para um suave e longo beijo.

- Obrigada por ser esse homem maravilhoso, que eu amo tanto! - da um leve sorriso e seus olhos brilham de tanto amor e felicidade.

- Eu que tenho que agradecer, quando desisti de mim você me salvou! Eu posso ser bom, mas só sou perfeito com você! Agora vem aqui! - agarrou a garota pela cintura e a levou para o linda varanda.

Por alguns instantes ficaram olhando as estrelas, apenas curtindo aquele momento mágico e o sentimento de paixão que os cercava. Jace olhava para cada detalhe daquela linda mulher a sua frente e agradecia aos anjos de tela encontrado.

Enquanto Jace e Clary trocavam juras de amor na varanda Simon e Izzy estavam sentados no sofá.

- Vai Simon! Vamos dançar!!! Por favor!!! - fez um bico e aquele olhar de cachorrinho sem dono que deixava o moreno sem chão.

- Sabe que esse olhar é apelação…

- Por favor meu lindo par!

- Tudo bem! Apenas uma música lenta! - puxou o rapaz pelo braço direto para a pista de dança.

Simon parecia meio desageitado no começo, pisou algumas vezes no pé da garota, mas logo pegou o jeito. Izzy sorria ao ver o nervosismo do garoto, o que o deixava mais sem jeito.

- Sabia que eu sou apaixonada por esse seu jeito todo desastrado.

- Se isso era pra ser um elogio não caiu muito bem! - sorriu ao notar que a morena levou a sério seu comentário. - Ei eu sei que esta brincando! - levantou o rosto da jovem e depositou um beijo em seus lábios. - Já disse que amo seu sorriso?

- Hum acho que hoje não!

- Que pena, porque eu sou louco por esse seu sorriso… ele consegue parar o mundo.

- Não seja exagerado!

- Eu nunca exagero… quando tivermos um filho ele terá esse sorriso! - Izzy ficou feliz em saber que o amado também pensava em ter um bebê.

- Só se ele tiver os seus olhos e esse seu jeito fofo! - ambos riram só de imaginar o menino todo atrapalhado.

A noite foi passando e todos os casais estavam de divertindo muito. Após a música lenta a balada começou levando todos a dançar alegremente em uma roda. Izzy e Simon competiam com Alec e Jace para ver com tinha os passos mais engraçados. Enquanto o jovem Enzo e a Lumina dançavam em um ritmo mais descontraído. Os dois se afastaram um pouco da roda e começaram a dançar  juntos, em um misto de inocência e alegria. Seus olhas se cruzaram por um longo minuto até que a jovem fada ruiva se aproximou devagar e depositou seu primeiro beijo no menino.

Enzo ficou paralisado com o ocorrido, seu primeiro beijo seria assim sem aviso, sem preparação, sem suspense, sem fogos de artifícios, sem explosão alguma, apenas um beijo repentino de alguém tão querida por ele? Naquele momento saiu de seus devaneios e olhou para aqueles grande olhos azuis notando a alegria da menina. Talvez para ele não fora nada além de um simples beijo, mas para ela poderia significar algo mais. Mesmo que não sentisse nada não poderia deixa - lá triste, não suportaria ver aqueles lindos olhos triste, pois a amava muito para isso.

Então com toda a delicadeza que tinha se aproximou da amiga e abraçou deixando que sua paz fluísse para o corpo da menina. Que em resposta abraçou de volta, quando se soltaram o moreno sorri e pede licença para ir ao Jardim.

Durante sua caminhada pela local mil pensamento forram sua mente. Pensa em como era lindo o amor de seus pais e de seus tios também, além de se questionar se sentia algo sobre a menina que acabara de beijar. Sabia que a amava muito e nunca deixaria que nada, nem ninguém a machucasse. Lumina foi sua primeira amiga, sua primeira companheira de aventuras, era sua melhor amiga, eram como unha e carne. Mas não sabia se aquilo era amor. Em meio ao seu devaneio ouviu um pequeno barulho de assas batendo, que o fez se lembrar do anjo misterioso que a dois anos havia salvado a vida de seu pai.

- Quem está aí? - ninguém responde, o que leva o menino a ficar mais intrigado. - Posso te ver, meu anjo da guarda.

- Desculpe, deveria ser mais discreto! - diz o anjo descendo das árvores.

As grandes assa do rapaz tocam o chão, seus longos fios loiros brilham como fios de ouro e seu tórax nu e definido são iluminados pela luz do luar.

- Pensei que anjos fosse ocupados e proibidos de vir a terra… - se senta em um dos bancos que tem no jardim.

- Digamos que está certo….

- Então anda quebrando regras? - o anjo deu um leve sorriso sem jeito e coçou o cabelo.

- Bom não seja tão duro, digamos que quebrei algumas pequenas regras por um bem maior…

- Com salvar a vida de meu pai?

- Sim, mas você não contou para ninguém o que fizemos, né? - seus olhos ficaram temeroso.

- Achei que anjos sabiam de tudo… acho que me enganei. - soltou uma leve gargalhada deixando o rapaz mais apreensivo.

- Sabemos do que vemos, não passo minha vida vigiando sua vida para saber se em algum momento contou para alguém…. - Nathaniel ficou meio chateado com a reação do menino, por isso respondeu com tanta grosseria.

- Estou brincando, te dei minha palavra logo não contei e não vou contar a ninguém. É o nosso segredinho. - se levantou e começou a seguir para a festa.

- Muito obrigada! Para onde vai?

- Preciso voltar para a festa antes que meus pais sintam minha falta. Foi bom te ver novamente, poderia fazer mais visitas…. Ao inves de ficar me olhando pela janela. - o anjo ficou rosa por descobrir que o menino sabia de suas visitas secretas. - fica tranquilo sei que só está a segurando se estou vivo. Faz parte do seu trabalho.

- É claro.… e parabéns pelo primeiro beijo! - o mais novo parou e ficou pálido como a neve, fazendo o anjo soltar uma gargalhada enorme. - Vejo que deve ter gostado muito! - antes que o menino pudesse revidar Nathaniel já estava nos ares.

Enzo caminha de volta para a festa resmungando sobre como aquele anjo idiota era atrevido ao espionar seu primeiro e complico beijo.

- O que tanto meu menino resmunga? - diz Alec se aproximando do menino.

- Nada não…. Só estou pensando… - o moreno conhece seu filho como ninguém para saber que se ele não quer falar melhor deixar de lado.

- Venha dançar com seu pai aqui, já que seu amado papi me deixou.

- Para onde ele foi? - disse o menino seguindo o maior para a pista de dança.

- Arrumar algumas coisas para a viagem. Sabe como seu pai é sempre extravagante. - ambos riram.

Dançaram inicialmente uma música agitada fazendo com que todos olhassem seus passos peculiares, depois iniciou uma música lenta trazendo a Alec lembranças de quando dava com Enzo bebê.

- Papi me disse que toda noite antes dele chegar em casa você dançava valsa comigo.

- Então sei pai fica me olhando. Hummmm bom saber. - O menino respirou fundo criou coragem e perguntou ao pai o que estava o incomodando.

- Papai… quando você e papi se beijaram pela primeira vez foi seu primeiro beijo?

- Sim, estava bem nervoso para falar a verdade… foi meio de surpresa, seu pai me agarrou… admito que fiquei em choque, mas aquele beijo me acalmava… era acolhedor.

- Foi aí que descobriu que o amava?

- Claro que não, levou um tempo até entender que realmente amava seu pai… sentimentos são confuso meu pequenino, leva tempo para compreende - los.

O menino fica pensativo por um momento e compreende que talvez seu primeiro beijo não foi como esperava, mas isso não dizia nada. Quem sabe com os anos não descubra se gosta ou na da jovem fada.

- Mas posso saber o porque da pergunta? - Enzo fica meio sem jeito e rosa. Denunciando o ocorrido.

- Você deu seu primeiro beijo? - Alec grita no meio do salão chamando toda a atenção para os dois.

- Papai não grita assim… não foi bom beijo… tá mais pra celinho…. E não foi eu que beijei….

- Quem foi a boca sórdida que tirou a inocência do meu bebê… - agarrou o menino em seus braços fazendo drama.

- Papai menos! Esta fazendo drama como o papi faz quando você declara greve.

- Não estou não, seu pai faz mais drama, tipo assim. - começou a imitar Magnus, tirando uma gargalhada do garoto. - meu pequenino está crescendo, aí meu coração.

- Papai eu sempre vou estar com você e sempre vou ser seu fililho. - abraçou fortemente o pai.

- Eu espero! - depositou um beijo na testa do filho e continuo a dançar.

A festa estava agitava lá fora, porém Magnus estava ocupado demais para pensar nisso. No escritório de Ragnor o feticeiro e sua amiga conversavam seriamente.

- Merida o que descobriu sobre o ataque do feiticeiro Russo?

- Bom tenho boas noticias, porem primeiramente acho necessário que tranque a porta do escritório querido amigo… digamos que seu amado marido não deve saber disso neste dia. - diz a mulher apontando para a porta semi aberta.

Magnus caminha até a porta e a tranca, voltando para se sentar na cadeira em frente a mulher.

- Bom fico feliz em dizer que esta tudo tranquilo na Rússia e nenhum dos feiticeiro do clã dos dragões deseja matar seu filho…

- Então porque Hefesion nos atacou?

- Tenha calma, deixe - me falar tudo primeiro.

- Desculpe!

- Voltando, Enzo era filho da única filha de Hefesion… uma grande feiticeira por sinal é muito amada por todos do clã, todavia muitos me contaram que tal se apaixona por um ser muito poderoso… ninguém sabe o que era… e ficou grávida dele, quando seu pai descobriu, mesmo sabendo a origem do amado da garota aceitou que a moça desse luz ao bebê. Todavia dois dias após o nascimento do menino todo o clã foi atacado por Shadowhunters com o intuito de matar o menino, ninguém sabe como ele saiu vivo. Porém a jovem foi morta, o que deixou Hefesion louco por vingança. Passou sete anos a procura dos Shadowhunters que mataram sua filha e ao achar o menino com você e Alec acreditou que os assassinos de sua filha seriam vocês. Fui em busca dos shadowhunter de Moscou e tais declaram que nunca atacaram ninguém do mundo das sobras… o que me deixou intrigada… até agora é só isso que tenho. Lamento não saber tudo, querido amigo.

Magnus ficou em silêncio durante toda a história. Ficou pensativo sobre os fatos expostos. Talvez o pai do menino seja um demônio maior, como seu pai. Todavia a magia do menino era diferente da sua ou de qualquer outra já vista em feiticeiros.

- Entendo…. Enzo é realmente uma incógnita para todos, sua magia é pura e poderosa… explosiva com suas emoções, o que me preocupa… - Merida se aproxima do amigo e coloca a mão em seu ombro.

- Magnus, este é o dia do seu casamento. Não se preocupe com isso… prometo que voltarei e tentarei descobri mais coisas. Te manterei informado, fiquei tranquilo, eu e minha família estamos empenhados em descobrir a origem descobrir Enzo. - o feticeiro se levanta e abraça a amiga.

- Muito obrigada pelo apoio! Confio nos seus dons para descobri essa nuvem que vem nos cercando.

- Meu amigo sei que dará tudo certo e você tem muitos amigos para te proteger em tempo difíceis. - seguiram em direção a porta.

Magnus olhou pela porta e percebeu que sua amiga estava certa. Depois que conheceu Alec percebeu que na estava sozinho, havia Clary, Simon, Jace, Izzy e Alec que estavam dispostos a tudo para proteger Enzo. Sem contar Ragnor; Rafael e seus vampiro; Luke e sua matilha; Merida e sua família; e Lumina, seu pai e até quem sabe todas as fadas.  Seu filho estaria muito bem protegido, tinha certeza disso.

- Amor vem dançar com a gente! - diz o moreno puxando seu amado para aquela dança peculiar que apenas seus dois amores sabiam fazer.

Magnus revezava entre dançar e rir da dança de Alec e Enzo, enquanto a noite ia passando. O relógio marcava meia noite quando o casal parou de dançar e foi se despedir dos amigos.

- Ei Magnus cuida bem do meu irmaozinho! - sussurrou isso enquanto abraçava o novo cunhado.

- Pode deixar! - deu um leve sorriso e continuou a se despedir dos outros.

- Ei maninho se cuida em, qualquer coisa só ligar que eu e a Clary vamos voando!

- Eu sei me cuidar Jace! - Ambos se abraçam e sorriem.

O casal já havia se despedido de todos, só restou seu amado filho, que estava ao lado de Jace e Izzy.

- Prometam que vão cuidar nem do nosso bebê? - diz o moreno abraçando forte seu filho, junto do feiticeiro.

- Se eles não cuidarem bem de você, liga pra gente que eu vejo resolver com esses dois. - diz o mais velho com lágrimas nos olhos.

- Papi eu vou ficar bem, já sei me cuidar. E mesmo Jace sendo meio irresponsável e Izzy meio superprotora eles vão cuidar muito bem de mim. Quero que vocês curtam e não pesem demais em mim. - os pais sorriam e deixaram o menino aos cuidados do loiro e da ruiva.

Magnus abriu uma enorme portal e seguiu com Alec para a tão esperada lua de mel.


Notas Finais


Sei que esta meio longo e tô enrolando para portar a lua de mel hahaha mas tenham calma tô com bloqueio sobre onde irei levar eles, estou aceitando ideias!!!! Espero que gostem!!!! Beijos!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...