História Um anjo em minha vida - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural, Teen Wolf
Exibições 25
Palavras 2.395
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Mais um capitulo...

Capítulo 3 - Sentir


CAPITULO 3_ SENTIR

 

A manhã estava fria, e a neblina cobria a paisagem. Dean suspirou enquanto olhava pelo vidro embaçado do Impala. No banco de trás Sam dormia profundamente, ele sabia o quanto o irmão caçula odiava essas coisas do trabalho, no fundo ele também odiava, seu pai tinha mania de delegá-lo como guarda de seu irmão, mas ele sabia que era apenas para mantê-lo longe dos negócios da família e ele já não era mais uma criança, ele podia lutar de igual para igual, mas John Winshester, ainda o via como um garotinho.

_ Dean!_ Sam balbuciou seu nome o trazendo para a realidade_ Estou com frio!

_ Eu disse para você ter pego outro agasalho!_ O mais velho respondeu enquanto tirava sua jaqueta entregando ao caçula_ Da próxima vez você me escuta!

_ Mas e você?_ O menor o olhou.

_ Eu vou ficar bem, papai não vai demorar!_ Ele piscou para o irmão_ Agora se enrola ai e volte a dormir!

_ Droga, detesto quando o pai nos arrasta para essas coisas logo cedo!_ Sam resmungou enquanto se enrolava buscando mais calor_ Ainda por cima nem o café da manhã ele teve a decência de comprar para gente!

_ Está com fome é?_ Dean abriu o porta luvas, procurando algo, rindo quando encontrou_ Toma ai!_ Ele jogou para o irmão_ Só não conta para o pai que eu descobri seu esconderijo secreto!

_ Chocolate!_ O caçula olhou para a barra em sua mão.

_ Melhor que nada!_ O loiro deu de ombros_ Agora come e não reclama!

_ Serio que o pai come isso!_ Sam riu abrindo o invólucro colorido_ Chocolate!

_ Qual é? Não implica com o velho não, cada um tem seu vicio!

O menor bufou enquanto dava a primeira mordida calando-se. Dean olhou mais uma vez para a casa onde seu pai tinha entrado, as vitimas na cidade estavam pipocando e eles continuavam sem pista da garota misteriosa. Nem uma descrição exata eles tinham, cada um a descrevia diferente, mas ele não, ele sabia exatamente qual era o tom azul de seus olhos, a cor sua pele e o loiro acastanhado de seu cabelo, podia até mesmo descrever o suave perfume que ela emanava, mas o mais incrível era como se ele pudesse ver o que se escondia atrás dessa fachada humana, era como se suas almas tivessem se encontrado. Rindo consigo mesmo, ele balançou a cabeça afastando seus pensamentos, Dean Winshester não tinha essas idéias idiotas, ele não se apaixonava.

_ Vamos meninos!_ O mais velho dos Winchester disse abrindo a porta do carro, fazendo com que o loiro saltasse assustado_ Sonhando acordado de novo Dean!_ Ele olhou para o garoto sério_ Não deixei você cuidando de seu irmão? Com a cabeça nas nuvens assim você acha que perceberia a abordagem de algo?

_ Isso que dá nos arrancar cedo da cama e nos arrastar para esse fim de mundo!_ Sam o enfrentou_ Ficarmos aqui trancados neste carro ou dormindo no quarto do hotel resulta na mesma coisa! Nada! A única diferença é que lá estaria mais quente!

_ Cala a boca garoto!_ John disse_ E o que você está comendo?_ Ele virou-se.

_ Nada!_ Sam revirou os olhos_ Eu achei no bolso da jaqueta do Dean!

O homem bufou virando, dando partida no carro, saindo dali em direção ao café, ligando o som do carro, ele sintonizou uma estação qualquer, cantarolando junto com a música. Sam resmungou algo tapando os ouvidos, rindo para o irmão, que disfarçou o sorriso, encarando a paisagem que passava do outro lado da janela do carro.

Castiel olhou para a mulher, seus olhos estavam parados sem vida. Sua missão estava chegando ao fim, a lista estava quase completa, a ira de seu pai havia sido derramada. Passando por cima do corpo ele se virou tentando identificar de onde as outras vozes estavam vindo, já que a humana vivia sozinha, olhando para o meio do lugar onde estava ele achou a fonte do ruído, uma caixa estranha, onde ele podia ver um casal, o homem beijava a mulher que aos poucos foi deitando-se sob a cama, ambos estavam nus e ele notou quando o membro masculino entrou no feminino e ele começaram a se mover num vai e vem, gemendo. De inicio ele achou que o homem estava machucando a mulher, mas depois ele notou que ela estava gostando, seus gritos e gemidos não eram de dor, mas sim ela sentia prazer naquilo.

Sentando-se no sofá, ele começou a sentir uma inquietação, seu corpo parecia quente, as emoções de sua casca eram confusas, e ele se viu querendo se tocar em lugares inapropriados  respirando fundo ele levantou-se saindo dali.

_ O que apurou do caso pai?_ Dean perguntou entre um bocado da torta que comia_ Alguma idéia do que possa ser? Possessão, fantasma vingativa, anjos...

_ Anjos?_ O homem mais velho disse_ Da onde tirou isso Dean? Está ficando maluco?

_ Sei lá, mamãe...

_ Anjos não existem Dean, invenção humana para dar conforto as crianças!_ John o cortou_ Tudo indica que é um espírito vingativo, mas até agora eu não encontrei o padrão! A única coisa que liga os assassinatos é que todos os mortos não eram nada daquilo que queriam parecer!_ O homem bebeu o café_ Um homem violento, um molestador de crianças, uma professora que matou a própria família!

_ Vai ver eles estão sendo punidos por seus próprios crimes!_ Sam disse num dar de ombros_ Quem sabe Dean não esteja certo e os anjos estão numa missão divina!

_ Por favor rapazes, vamos ser mais realistas!_ John riu_ Nós mexemos com coisas absurdas, mas anjos, missão divina! É um pouco louco demais! Vamos nos concentrar no caso aqui, esta cidade já me atrasou demais no meu itinerário, seu tio Bob está cuidando do problema de lobisomens sozinho!

_ Então vamos encerrar aqui e irmos ajudá-lo!_ Dean exclamou_ Nós temos nada de concreto aqui!

_ Dean Winschester!_ O homem mais velho o encarou sério_ Desde quando nós saímos de um caso sem concluirmos ele? Seja o que for que esteja agindo nesta cidade eu vou encontrar e matar!

_ Mesmo se for um anjo?_ Sam disse.

_ Já disse que anjos não existem!_ John tornou_ Mas mesmo que seja um anjo, eu irei dar um fim nele! Estamos acertados quanto a isso? Agora comam que eu vou deixá-los no hotel, iria até a biblioteca municipal ver se consigo algo, alguma lenda local, sei lá!

Castiel sentou na grama do parque, no horizonte o sol se punha , dando ao céu uma coloração bonita. Olhando para os humanos ele balançou a cabeça, sem conseguir entende-los, eram criaturas complicadas, complexas demais. Esse tal livre arbítrio era mais uma punição do que uma benção era difícil ter que escolher o que fazer, o que sentir. Eram muitas regras, muitos tabus para seguir, que ele agradecia aos céus por não precisar ter de viver na terra. A casca que agora ele habitava trazia consigo uma raiva muito grande, um sentimento de perda, uma vontade de poder ser livre, de viver sua vida por si só, sem o olhar atento de sua família. Esse misto de emoções estava mexendo com seu eu verdadeiro, e ele se via cada vez mais ansiando por Dean Winshester, claro o beijo, bem ele queria saber qual era a sensação desse ato, o porquê dos humanos gostarem tanto disso, mas agora ele vira que talvez cometera um erro, porque ele, sua casca, sei lá queria mais. Queria sentir a emoção do amor, da entrega, do ato sublime da entrega total. Ele não devia se sentir assim, mas algo o atraia no humano. Algo que ele não sabia o que era.

_ Tem coisa mais linda?_ Uma voz perguntou ao seu lado fazendo-o saltar.

_ Gabriel?_ Ele sussurrou olhando para o homem sentado a seu lado_ O que faz aqui?

_ Eu gosto de admirar a beleza da criação!_ Ele sorriu_ Você não meu irmão?

Castiel contemplou o horizonte, aqui entre os humanos era tudo diferente, o conceito de beleza era diferente. Para ele a beleza devia estar na ordem cumprida, na missão terminada, não no colorido que céu tinha quando o sol se punha, ou a cor das flores que enfeitavam o gramado, mas sua casca estava o confundindo, ele era um anjo não um humano, ele não podia perder tempo com essas coisas efêmeras da vida das criaturas.

_ Não admira a beleza irmão? _ Gabriel tornou a falar_ São poucos os que se permitem sentir Castiel! Os que permitem aproveitar a chance de vivenciar um pouco a emoção daqueles que somos obrigados a silenciar dentro de seu próprio corpo!

_ É tudo para um bem maior irmão!_ Castiel respondeu.

_ Será!_ Gabriel olhou para longe_ É a sua primeira vez num corpo humano irmão. Aproveite! Sinta!_ Ele sorriu_ Viva um pouco! Às vezes os que vem aqui e tem essa chance não sabem como lidar, voltam para casa achando que tudo não passou de sentimentos da casca! Mas, pense será que se o pai nós dá essa chance, ele não quer que aproveitemos ela ao máximo! Pense nisso meu irmão! Aproveite! Talvez essa seja sua chance de ver que o mundo não é cinza como os nossos irmãos querem pintar. Ele tem bem mais cores!

Com isso o anjo sumiu, deixando Castiel sozinho sentado na praça, questionando seus sentimentos. Será que a atração por Dean Winshester é realmente uma emoção da casca ou dele. Será que ele devia aproveitar a chance e se entregar a esta emoção?

Olhando para o homem encostado no tronco da árvore observava os que ali passavam, ele riu, seu penúltimo julgamento. Talvez assim fosse melhor. Voltar para casa, longe dos conflitos das emoções humanas.

_ Hambúrguer e batata frita de novo!_ Sam reclamou abrindo o saco_ Não dá para variar não! Uma comida chinesa ou tailandesa seria legal de vez em quando!

_ Eu tenho trabalho agora a noite, rumores de um antiga maldição lançada pelo fundador da cidade!_ O homem falou sem se importar com as reclamações do caçula_ Dean...

_ Sei, cuida do Sam!_ o loiro deu ombros dando uma mordida no hambúrguer.

_ Não, você vem comigo!_ John disse.

_ O que?_ Dean e Sam disseram juntos.

_ Você vem comigo essa noite!_ O Winshester mais velho tornou_ Sam já está bem grandinho para precisar de uma baba o tempo todo!

_ Sério?

_ Sim, claro que é sério Dean! Coma logo, não podemos perder muito tempo, quero investigar isso de uma vez, para podermos riscar o espírito vingativo da lista!

_ E porque eu não posso ir junto?_ Sam questionou de cara fechada_ Como você mesmo falou, eu já sou bem grandinho!

Os outros dois Winshester continuaram conversando sobre o caso, ignorando os resmungos do caçula, que num bufo continuou comendo, sabendo que contra eles não teria argumentos, para os dois ele continuaria sendo sempre o bebe da família.

Castiel olhou para o homem morto, mais um pecador julgado, o engraçado que nem ele mesmo sabia o porquê desta missão, o porquê destes seres humanos serem escolhidos, ele só fazia a ira divina acontecer. Claro o mundo seria um lugar bem melhor para se viver sem essas criaturas maléficas. Mas tinha sentido isso tudo?

Pulando pelo corpo do homem, ele caminhou pela rua, as luzes artificiais já iluminavam as ruas, os humanos lotavam os bares e restaurantes, continuando suas vidinhas comuns, sem se importar com os noticiários locais onde falavam repetidamente sobre os assassinatos, enquanto isso não os afetasse pessoalmente a vida continuava, ela não podia parar.

Suspirando profundamente Castiel parou na calçada, sem saber exatamente para onde ir, a conversa com Gabriel o deixara inquieto, agitado. E se ele estivesse perdendo a oportunidade, se ele tivesse tido a chance de realmente sentir. Os anjos tratavam suas cascas como meros cavalos de batalhas, um meio de transporte apenas, não se importavam com quem eram, ou o que eles queriam. Mas a menina cujo corpo ele agora estava, ela tinha sonhos, esperanças. Ela queria conhecer o mundo, se apaixonar. Amor! O que era esse sentimento? Não existia uma definição, apenas, uma guisa de emoções.

_ Desculpe!_ Alguém esbarrou nele_ Eu... Castiel?

_ Dean?

_ O que faz aqui?_ O caçador perguntou_ Não, não está aqui para matar ninguém está?

_ Tentaria me impedir se dissesse que sim?_ Ele indagou confuso.

_ Eu acho que sim!_ O Winshester respondeu encarando-a_ Mesmo não querendo, eu tentaria!

_ Por quê?_ Castiel tornou a indagar.

_ Porque é o certo a fazer!_ Dean respondeu_ Eu não sei o porque está fazendo isso, mas é meu trabalho impedir!

_ Mas eles eram todos pecadores, eu só estou cumprindo minha missão! Fazer a ira divina acontecer.

_ Não me importa Castiel!_ O loiro coçou a nuca_ Eles tem o direito de ter uma chance de se redimir, você não pode ser juiz e carrasco!

_ Você é um simples humano, não tem como entender a importância de minha missão Winshester!_ Respondeu passando por ele.

_ Castiel!_ Dean o segurou pelo braço, puxando-o na direção dele_ Quem é você?

_ Já disse, um anjo!_ Castiel respondeu ignorando o arrepio que sentiu ao ter sua mão segurando o braço da casca_ Um anjo do Senhor!

_ Anjos não agem assim, eles foram criados para proteger os humanos, não matá-los!_ O loiro balançou a cabeça.

_ E quem lhe garante que o que estou fazendo não seja para a sua proteção!_ Castiel o indagou_ Acaso tem certeza que amanhã ou depois esses pecadores não cometeriam os mesmos crimes novamente? Aqueles homens do beco que me atacaram, quem pode garantir que não atacariam alguma garota inocente hoje, a machucando ou até mesmo a matando?

_ Porque você me beijou?_ Ele foi direto puxando-o mais perto de si_ Fazia parte da sua missão?

_ Eu!_ Castiel olhou para os lábios do loiro_ Eu queria saber qual era o sabor de um beijo?

_ E gostou?_ Dean perguntou num sorriso e ele balançou a cabeça_ Mas aquele beijo não foi nada comparado a este!

O Winshester o puxou tomando seus lábios num beijo afoito, intenso. Sua língua entrou varrendo o interior de sua boca com fome, deixando sua casca de pernas bambas, ou seria ele. Porque tudo o que ele podia sentir era ele Castiel, não a garota cujo corpo ele emprestava.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...