História Um anjo que caiu do céu - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção
Personagens Adele Station, America Singer, Anne, Aspen Leger, Astra Orders, Camille Astor, Carter Woodwork, Eadlyn Schreave, Gavril Fadaye, Kile Woodwork, Lucy, Marlee Tames, Maxon Calix Schreave, May Singer, Personagens Originais
Tags A Coroa, A Elite, A Escolha, A Herdeira, A Seleção, Ahren, América, Aspen, Depois De A Escolha, Eadlyn, Kaden, Lucy, Max, Maxon, Romance
Exibições 40
Palavras 4.255
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Saga, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiii meus morangos!!! Eu estava bem inspirada nesses dias então escrevi esse cap rapidinho
Como amanhã eu vou fazer minha viagem de formatura e só vou voltar segunda quis postar logo para vocês!!! Espero que gostem do cap.
P.S.: Eu imagino o Ryan como um Travis Madoxx!!
P.s.: LEIAM BELO DESASTRE, MELHOR LIVRO EVER

Capítulo 31 - Ryan


Fanfic / Fanfiction Um anjo que caiu do céu - Capítulo 31 - Ryan

>>>Angel<<<

 

- A gente de beijou ontem...não só na festa como eu te falei, não foi só um beijinho, quase transamos. Eu queria muito ter transado com você ontem, mas eu me segurei porque você estava muito bêbeda flor, nem conseguia abrir a porta do seu quarto. Mas posso falar? Você bêbeda é muito provocante, eu mal conseguia me controlar e olha que eu sempre tenho controle do meu corpo. O jeito que você me olhava, o jeito que você falava, o jeito que você me beijou, você me hipnotizou...foi por pouco que não transamos. Se transassemos eu sabia que você não iria olhar na minha cara, iria ficar puta comigo e as meninas também. Eu queria muito tê-la ontem, você também me queira. O jeito que você me beijou...acho que nunca fui beijado daquela maneira, com tanta vontade...desejo. Você é uma loucura flor, você me deixa louco- não tinha palavras para descrever o que estava sentindo, talvez fosse nojo de mim mesma, por ter quase transado com um cara no mesmo dia em que o conheci.

Me virei para o outro lado, incapaz de olhar para a cara de Ryan, estava nervosa, com vergonha e até triste. Ele permaneceu em silêncio e imóvel. Senti algumas lágrimas vindo, mas as segurei, não choraria na frente dele. 
Não consegui, comecei a chorar o mais baixo que eu podia.

- Flor, por favor não chora, não foi culpa sua.

- Não acredito que me tornei uma vadia de uma noite para a outra. Era disso que vocês estavam rindo quando veio buscar nós três hoje de manhã? 

- O que? Não flor, estávamos rindo porque Noel estava contando que Madison estava dando ideia nele na festa, não tinha nada a ver com você. Eu não contei para ninguém e nem vou, eu não tão filho da puta assim Angel. Por que você acha que eu não contei para Madison que fomos embora juntos? Ela iria espalhar para todo mundo que transamos e não quero isso para você- ele me virou e fez encará-lo- Não se preocupe não aconteceu nada entre a gente.

- Mas se dependesse de mim aconteceria não é mesmo? - ele não respondeu- Como eu pude fazer isso?

- Angel não é o fim do mundo.

- Para você não é o fim do mundo. Você ter feito isso várias vezes com várias garotas já. Eu quase perdi minha virgindade com um canalha ontem. E pior que eu nem iria me lembrar como foi. Como você acha que eu me sinto?

- Flor...

- Acho que não consigo dormir na mesma cama que você Ryan, vou dormir na sala- falei secando as lágrimas e pegando o travesseiro. 

- Angel, você não vai dormir no sofá, não vou deixar você dormir lá- eu já estava na porta quando senti ele me segurar- Por favor, esquece isso, dormi aqui comigo.

- Não, para que? Para você tentar alguma coisa? E eu me tornar mais uma da sua longa lista de vagabundas? Eu não sou igual a essas vagabundas que você traz para esse quarto e fode Ryan. Eu não vou dormir no mesmo lugar em que você já transou com um monte de garotas.

- Flor...

- Me larga- tentei me soltar, mas ele bem mais forte que eu. Ele nem se esforçava para me prender. Comecei a ficar com raiva, o que eu me tornei?

- Me solta seu bosta, eu não quero olhar mais na sua cara. A culpa disso tudo é sua, se você não tivesse me dado a porra delas bebidas nada disso tinha acontecido. Com certeza foi a sua ideia desde o começo, me embebedar para depois me levar para a cama. Você um...- Ryan me beijou, fazendo eu calar a boca. Ele ainda segurava os meus pulsos e me prendia contra a porta. Eu tentei resistir, tentei ir contra aqueles lábios maravilhosos, mas eu era incapaz, me deixei levar pelo seu beijo. Me repreendia mentalmente por estar fazendo uma coisa dessa. 

Depois que paramos de nos beijar pensei em voltar a brigar com ele, mas eu ainda estava perplexa por conta do nosso beijo.

- Nenhuma garota nunca dormiu no meu quarto- ele disse depois de uma eternidade- Nenhuma das vadias com quem transei atravessaram essa porta. Sempre transei com elas no sofá, igual aos outros meninos. Você é a primeira garota a entrar aqui e de deitar na minha cama. Não me culpe por te achar gostosa, não me culpe por não aguentar ficar perto de você sem ficar pensando como seria dormir ao seu lado, agarrado a você. Eu não queria que aquilo tivesse acontecido, foi coisa do momento- parei de olhar em seus olhos e encarei o chão. Me sentia envergonhada por estar naquela situação- Se quiser dormir comigo tudo bem, não tentarei nada. Já disse, com você eu só vou tentar quando achar certo, eu sinto algo diferente em você. Se quiser dormir no chão, na sala, na cozinha, eu não me importo- ele me largou e me encarou por um momento depois se virou e foi para a cama, se deitando no mesmo lugar que antes.

Era por isso que os garotas não queriam que eu dormisse no sofá, porque eles transavam lá. Não sei se ele falou isso na intensão de fazer me sentir honrada em ser a primeira garota em dormir na sua cama, mas eu não senti nada, só me fez ver como ele pode ser um galinha.

Peguei o travesseiro e um dos lençóis e joguei no chão fazendo uma cama improvisada. Antes de eu pegar um outro lençol notei que Ryan me olhava, ficamos nos encarando por alguns segundos e eu fui até ele o dei um selinho meio demorado. Eu não sabia porque fiz isso, mas alguma coisa dentro me fez fazer. Ele pareceu não entender, mas não reclamou.

Eu peguei o outro lençol e me deitei no chão me cobrindo. Eu comecei a refletir sobre o que tinha acontecido, mas resolvi ignorar. Eu sei que uma hora outra ou outra eu pensaria sobre isso. Eu só queria dormir, amanhã, ou melhor hoje, era um novo dia.

>>>Gaz<<<

Acariciava o cabelo de Ali enquanto me recuperava de nossa transa de reconciliação. Ali é única garota com quem eu lutaria contra deus e o mundo só para tê-la ao meu lado. Ela sabia mexer comigo, sempre soube.

Desde a primeira vez que a vi, desde o nosso primeiro beijo, desde a nossa primeira transa, ela soube o que fazer para me conquistar.

Eu sei que cometo muitos erros com ela, mas ao mesmo tempo que eu a amo eu também amo a farra, também amo beber, também sou galinha. Eu já tentei mudar, várias vezes, mas eu sou assim. Eu não sei como ela me perdoou tantas vezes, talvez eu seja ótimo em arrumar desculpas e convencer as pessoas, ou também ela só me ame. Queria ser um homem melhor para ela, sei que um dia ela não irá mais me perdoar, sei que esse dia está próximo eu vou conseguir mudar, por ela.

-Gaz- ela disse enquanto passava a mão em minha barriga- você acha que o Ryan e a Angel vão ter alguma coisa? Você viu o jeito que ele olha para ela?

-Achei que só eu tinha notado. Mas não acho que possa ser algo além de sexo, ele olha para ela com desejo não com amor.

- Mas isso seria tão bom, ele precisa de alguém, alguém que seja a calma na vida conturbada dele, alguém que ele desabafe, alguém faça bem a ele. Não acho que transar com uma garota a garota diferente toda semana seja bom para ele, ele pode se sentir sozinho. As garotas só transam com ele por conta do corpo dele e por causa que ele é popular.

- Desde que brigamos ele ficou distante, guarda as magoas da vida para ele, logo era que era tão aberto para a gente. Você tem razão, seria realmente bom para ele ter a Angel, ela parece que pode concentrar o nosso amigo.

>>>Ryan<<<

Acordei com o meu celular tocando. Provavelmente era Gaz me ligando me fazendo acordar, como sempre. Me espreguicei e olhei para o lado à procura de Angel. Ela não estava lá, talvez já deve ter ido para o seu dormitório.

Olhei para o teto e repassei a noite inteira, cada detalhe. Eu era um idiota, por que eu abri a porra da minha boca? Eu poderia ter guardado aquela noite para mim, aquela noite incrível. Fazia muito tempo que eu não sentia aquilo, aquela emoção em estar com uma garota.

Sempre era mesma coisa, eu dava um sorriso malicioso para uma garota, ela ri e ficávamos nos encarando por uns minutos, eu ia até ela e depois de um papo que eu sempre usava com todas já tinha achado a minha transa da semana. Angel foi diferente, não sei porque, mas eu senti que ela era diferente das outras meninas que eu já conheci.

Quando Ali me apresentou ela, eu até tentei jogar o meu charme. Ela é tão gostosa, tem aquela cintura linda e aquela bunda...como eu queria que ela rebolasse em mim com aquela bunda. Com certeza ela me daria uma das melhores transas da minha vida, sem dúvida. Como eu quero ouvir ela gemendo o meu nome e beijando o tempo inteiro.

Mas ao mesmo tempo que eu quero muito transar com ela, mais do que já quis com qualquer garota, acho que ao mesmo tempo não quero. Eu quero come-la, mas também queria que ela seja a minha amiga, não sei se é normal você querer comer sua amiga, mas é o que eu sinto. É bem escroto eu pensar assim, mas é a verdade.

Me levantei e sai do quarto, indo em direção ao banheiro escovar os meus dentes para tomar o café da manhã. Passando pela a sala vi Melissa e Alison sentadas no sofá rindo de alguma coisa, as duas ainda estavam de pijama. Continuei o meu caminho até o banheiro, mas estava ocupado. Bati na porta e ouvi um espera, era Angel, ela ainda estava aqui? Achei que ela iria para o seu dormitório o mais rápido possível depois de ontem à noite.

A porta se abriu, mostrando ela ainda com a minha blusa, só que com um short dessa vez, tão curto que ainda parecia que ela estava só com um blusão cobrindo suas curvas.

Ela me olhou e nos encaramos por um momento. Ela não ter dormido na mesma cama que eu, me fez me sentir muito mal, me fez ter nojo de mim mesmo. Aquilo não tinha acontecido, ninguém nunca mexeu comigo daquela maneira.

Ela abriu um leve sorriso, me desejou bom dia e saiu da minha frente indo em direção a sala. Permaneci imóvel por um momento tentando entender o significado aquele sorriso, será que estava tudo bem entre a gente? Será que ela me perdoou por ter escondido aquilo dela? Eu não queria ter mentido, mas foi a única maneira de continuarmos amigos.

Entrei no banheiro, fiz minhas necessidades e fui até a cozinha. Noel estava sentando na no balcão enquanto Gaz fazia panquecas, pelo menos alguém daquela casa sabia cozinhar. Gaz era a nossa salvação quando o assunto era comida, cada dia ele me surpreendia mais sobre isso.

- Bom dia cara, como foi a noite? Não conseguimos arrancar nada da Angel, mas ouvimos alguns gritos- falou Noel, sem delonga. O Encarei e me sentei do outro lado do balcão- Vocês dois...

- Você só fala merda de manhã Noel, quantas vezes vou ter que te lembrar que você tem que ficar quieto e só pode começar a falar depois de estarmos na escola? Nunca vai aprender? – eu disse nervoso. Noel sempre me perturbava de manhã, aquilo me deixava nervoso, mesmo nós sendo melhores amigos ele sempre deixa todos de mal humor pela manhã, não sei como Melissa acorda tão feliz todos os dias.

- Calma irmão- ele disse- estou zuando. Que mal humor, estou vendo que não deu em nada ontem.

- E nem recebeu pelo jeito- falou Gaz ainda olhando para as panquecas deles.

- Eu odeio vocês- disse rindo.

- Nos ama que a gente sabe- começou Gaz- mas eai? Por que vocês estavam gritando ontem?

- Deixa eu adivinhar? Você tentou alguma coisa e ela brigou com você?

- Já não te disse para calar a porra da boca Noel? - falei olhando para ele, que sorria feito um idiota- E não, não foi por isso que teve os gritos. Eu não quero falar sobre isso.

- Qual é mano? Somos seus irmãos, você pode contar tudo para a gente.

- Não quero falar sobre isso agora ok? Por favor, muda de assunto- na mesma hora as meninas entraram na cozinha. Meu olhar seguiu Angel, ela era tão gostosa e linda, não era possível. Ela se sentou do outro lado do balcão ao lado de Melissa que beijava Noel. Ali foi até Gaz e o abraçou por trás. Ele se virou e a beijou, que bom que esses dois estão de bem de novo.

Eu entendo o lado da Alison de ficar brava com ela, mas ela não pode brigar com ele, por que além deles não ter nada concreto, é muito difícil resistir aos encantos de Madison. Eu não sei explica-la, mas sei se uma coisa, eu quero distância ela. Eu não gosto de pensar sobre ela, sobre o fim do ano passado, sobre eu ter praticamente amado uma vadia. Ela quase acabou com a minha amizade entre mim e eu meu irmão. Tudo por culpa de umas transas que viram algo a mais.

Por isso que eu acho que amor é uma perda de tempo. Quando você ama alguém, você vai acabar se fudendo, uma hora ou outra, sempre vai dar em bosta. Quero que o amor passe bem longe de mim esse ano e nos próximos.

Flor olhou para mim e nos encaramos, acho que a gente estava conversando telepaticamente, ou pelo menos ela estava, já que eu não entendia o que aquela troca de olhares significava.

- Falta muito para sair essas panquecas Gaz? Estou morrendo de fome- falou Melissa.

- Estou quase acabando essa daqui e está pronto o café.

- Você vai amar as panquecas do Gaz Angel, ele tem uma mão ótima na cozinha.

- Sabe onde minha mão fica melhor ainda? – ele disse com um sorriso malicioso. Ela o empurrou fazendo todos rirem.

- Você é muito otário cara- eu falei.

- Eu nem falei nada- ele falou rindo enquanto Ali o olhava brava.

Peguei meu celular e mandei uma mensagem para uns caras para ver se eles sabiam se alguma festa aconteceria nessa semana. Depois mandei para uns amigos meus perguntando se eles sabiam quando seria a próxima luta.

Eu sabia lutar, muito mesmo. Vivi aprendendo com os meus irmãos que me batiam todo dia. Eles sempre diziam que era melhor ele baterem em mim do que um qualquer na rua. Eu já lutei nessas lutas que hoje eu vejo, eu era um dos melhores, eu era o melhor para falar a verdade. Nunca perdi uma, em todos os anos, desde o segundo ano até quando parei, no ano passado. Hoje eu apenas vejo e aposto de vez em quando, ainda não perdi nenhuma das minhas apostas. Eu nunca perco.

Lutar, para mim, era a única maneira de eu deixar todos os meus problemas de lado. Deixar toda a magoa que foi perder uma mãe aos dezessete anos e saber que aquela se matou após descobrir que o marido, que ela loucamente apaixona, a traía. É como eu disse, quando você ama alguém, você vai acabar se fudendo, uma hora ou outra.

Vi toda a minha família desmoronar, vi meu mundo cair. Perdi tudo quando ela se foi, eu me recuperei, mas me tornei uma pessoa seca, triste, isolada e amargurada. Mas um dos amigos dos meus irmãos, que também era meu amigo, me levou para ver uma das lutas clandestinas que tinha em sua faculdade. Ali, naquele ringue feito de pessoas, vi o único lugar onde eu podia me libertar, podia deixar toda a magoa ir, deixar sair aquela fúria que eu tive quando soube o motivo da morte da minha mãe.

Eu virei um lutador na noite seguinte, ganhei a maior bolada. Me senti livre, aliviado e vitorioso. Todo os problemas, tristezas e sentimos que eu guardei para mim se libertaram naquela noite. Mas eu queria mais, queria muito mais. Lutei todas os fins de semanas depois daquele dia. Quando meus irmãos descobriram, antes de me apoiarem, me deram uma porrada, tenho cicatrizes até hoje.  

O meu mundo mudou desde aquela noite, eu me ternei um Ryan diferente. Um Ryan que mesmo sendo um otário escroto é o único Ryan que me fez me sentir melhor depois daquela queda livre.

Fui acordado dos meus pensamentos pelo cheiro das panquecas que estavam no prato a minha frente. Comecei a comer em silêncio, tentando entender como os meus pensamentos me levaram para tão longe.

Todos conversavam sentados no balcão sobre alguma coisa que eu nem dei o trabalho de entender quando sinto meu celular vibrar. Olho e vejo que é uma mensagem de Madison.

“Estou aqui em baixo na recepção. Te espero”

Penso em não dar a mínima para a mensagem e deixar ela plantada lá que nem uma tonta, mas penso que ela pode dar uma de louca e subir para o meu apartamento. Ela já veio tantas vezes aqui que o porteiro poderia libera-la. Iria ser o maior caos ela aqui.

“Não posso, estou de pijama” – falei tentando expulsa-la.

“Eu já você pelado várias vezes baby. Já somos íntimos o suficiente para eu te ver de pijama” – ela respondeu na mesma hora. Droga, essa menina é uma merda.

“Você espere sentada então. Estou tomando café e comecei agora. Não estou nem um pouco afim de me apressar por causa de você”

“Não estou com pressa”

Bufei e continuei a comer minhas panquecas em silêncio. Droga, o que essa porra quer? Eu não tenho nada para falar com ela. E tem que ser algo importante para ela ter vindo essa hora da manhã. Ela só acordada faltando meia hora para ir à universidade, nunca precisou se arrumar toda para ir estudar, já acordava linda.

Terminei meu café antes de todo mundo e me levantei da mesa, fazendo todos olharem para mim. Coloquei uma bermuda, calcei os meus chinelos e peguei meu celular. Seja o que for o que essa menina queira, só pode ser importante. Angel entrou no quarto e assim que me viu saiu de novo. A gente precisava conversar. Se eu quisesse ter algo com essa menina eu tinha que fazer ela também querer ter algo comigo.

- Flor...

- Oi- ela disse entrando novamente no quarto. Ela parecia intimidada em falar comigo.

- Está tudo bem? Parece quieta...

- Estou bem...e você?

- Já tive em situações piores.

- Hum- ela respondeu e saiu do quarto. Se ela continuar me evitando desse jeito nada vai dar certo.

- Espera- ela entrou novamente e cruzou os braços- Quer conversar sobre...

- Você está parecendo que quer sair- ela respondeu seca me analizando- Além de eu não querer te atrapalhar você nem está interessado na nossa conversa.

- Logico que eu estou.

- Nota-se. Se quisesse conversar comigo teria me chamado antes- ela disse e saiu por uma última vez do quarto, batendo a porta.

Bufei nervoso. Eu só queria conversar um pouco com ela e ela vem toda grossa, se achando a rainha do pedaço. Isso que dá dar espaço para as pessoas, elas sempre se aproveitam.

Quando voltei do meu quarto indo em direção a porta todos já estavam na sala vendo televisão. Angel estava no celular e enquanto digitava sorria. Provavelmente falava com aquele menino, o tal de Kaden.

- Onde vai moço? – perguntou Ali sentada no colo de Gaz.

- Tem um amigo meu na recepção. Ela quer conversar comigo sobre as próximas lutas- respondi. Ela me olhou com um pouco de desconfiança.

- Se eu descer e ver você conversando com alguma das suas vagabundas vou bater em você por ter mentido para mim.

- Vá a merda Alison.

- Ei, olha como fala com ela irmão. Ninguém tem culpa que sua vida está uma merda. Se ponha no seu lugar.

- Vá a merda você também então- falei batendo a porta com força. Eu estava muito nervoso ultimamente. Era Madison me irritando, essas meninas que me perseguindo, era Flor me ignorando, era Gaz achando que eu esqueci do que ele fez.

Assim que cheguei na recepção vi Madison sentada em um dos bancos mexendo no celular e quando nossos olhares se encontraram notei como ela estava nervosa.

- O que você quer porra?

- Bom dia para você também. Ryan preciso da sua ajuda, aquele cara voltou a me seguir. Desde que ele descobriu que não estamos mais juntos ele não para de me perturbar. Eu já recorri a todas as maneiras que eu posso para tentar fazer ele parar de me perturbar, mas nunca dá certo. Minha única saída é você.

- Nós nunca tivemos juntos Madison. Não sei de onde você tirou essa estupida ideia de...

- Não preciso dos seus sermões Ryan, preciso da sua ajuda- bufei derrotado.

- Como eu posso te ajudar?

- Haverá uma festa depois de amanhã. Ele vai estar. Preciso que você vá comigo para fingirmos estarmos juntos novamente para ele me deixar em paz de novo...

- Sem chance.

- Porra Ryan, você acha que eu quero fazer isso? É a minha única alternativa.

- Aposto que você vai amar fingir que voltamos- ela abriu um leve sorriso e revirou os olhos.

- Eu ia pegar um monte de caras nessa festa. Só vai gente rica. Você que eu iria querer pegar você se eu posso pegar os caras mais ricos que Londres já viu? – foi a minha vez de revirar os olhos.

- Mesmo que a gente fingisse, isso não ia adiantar nada, uma hora ou outra ele iria descobrir que não estamos juntos e iriamos fazer o que? Fingir de novo? Por que você não resolve esse seu problema?

- Eu só preciso de mais tempo Ryan e vou conseguir isso com você. Eu tenho um plano, mas para dar certo eu preciso de você.

- Eu não sei Madison...

- Ryan, por favor, por tudo que passamos juntos...me ajuda- se fosse para depender de tudo que passamos era melhor eu nem fazer isso. Mas esse problema que a Madison tinha era grave, parte de mim só acha que ela teve algo comigo para se livrar desse cara. Eu teria que ajudar, depois de tudo que passamos por culpa daquele filho da puta eu tinha que dar um jeito- Só mais dessa vez, eu prometo que isso vai acabar. Achei um jeito de acabar com tudo de uma vez só.

- Espero que realmente valha a pena Madison. Se meus amigos descobrirem que eu vou te ajudar...

- Eles não vão...eu mesmo que descubram, você sabe que eles vão te perdoar sempre das suas burradas, então...- ela falou sorrindo. Me senti meio mal ao ouvir aquilo, mesmo ela tendo razão, eu preferia que não tivesse.

- Fala logo, qual é o plano? O que eu tenho que fazer?

- Simples. Pelo o que eu entendi, ele descobriu que a gente não estar mais juntos e voltou a me pedir o dinheiro, já que você era o meu guarda costas e sem você não tinha ninguém para me proteger, mas ele tem as suas dúvidas, porque graças a mim, ele acha que voltamos.

- Por que?

- Por que você acha que ando atrás de você nesses últimos dias?

- Porque você é uma vadia que não tem limites.

- Você muito otário. Eu soube que ele colocou alguns caras na minha cola e como eu só ando atrás de você acha que estamos juntos. Preciso que você finja que voltamos até o fim daquele a festa. Ele vai só para me ver e se você estiver comigo ele aumenta o meu prazo e aí eu consigo pôr a minha parte do plano em ação.

- Que seria?

- Você não precisa saber. Fazendo a sua parte já está bom.

- Você falando desse jeito comigo não vai conseguir nada- ela cruzou os braços emburrada- Eu vou pensar ok?

- Não, você vai me responder agora, para eu ter tempo e pensar em outra coisa. Sim ou Não? – ela falou quase chorando. Droga, ela já estava apelando.

- Sim, tudo bem. Eu faço, mas tudo tem limites ok? Não foça a barra Madison senão eu faço questão de ir até ele cara e inventar que você tem os onze mil reais e nem quer pagar, porque está duvidando dele. Você sabe eu faço isso- ela engoliu seco, mas depois abriu um sorriso e me deu um beijo.

- Obrigada baby, sei que sempre posso contar com você- ela disse e partiu toda saltitante. Espero que esse plano de certo e não seja um truque para fazer a gente ficar juntos de novo.

- É...você pode- falei sozinho triste.

Entrei no elevador pensandoem Madison, em mim e nela para ser exato. Nós dois fazíamos cada coisa juntos. Ela foi a melhor aventura da minha vida, eu tinha que afirmar isso, mesmo eu ter sofrido por culpa dela, ela ainda será a melhor aventura que já tive.


Notas Finais


Gostaram?? Quis mostrar um pouquinho a visão do Ryan para vcs entenderem ele.
Até o proximo cap meus morangos lindos.
Comentem e favoritem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...