História Um casal diferente (Yaoi). - Capítulo 46


Escrita por: ~ e ~Pamchu

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Casal Diferente, Drama, Drama Familiar, Drama Gay, Garotos, Garotos Capa, Gay, Gayteen, Lemon, Teen, Yaoi
Exibições 85
Palavras 2.500
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá meus amores, mais um capitulo, hoje nós teremos esse capitulo para começar o final da season, esta bem proximo até, e eu vou falar, altas coisas irão acontecer daqui em diante, podem anotar, e não sintam do do Pedro, ele merece :3

Capítulo 46 - De onde puxei a maldade


Quarto 42/ 12:20 Pm

—Você deveria ser mais amigável com os outros sabia. —Douglas falou se vestindo após o banho, estavam oficialmente de férias, as aulas não eram obrigatórias, mas elas dariam pontos extra e durante a tarde teriam gincanas e competições para os alunos.

—Douglas, eu juro por todos os Deuses, eu nunca fui capaz de matar ninguém até hoje, mas quando você abre sua maldita boca eu tenho vontade de cometer todos os pecados, empalar você e queimar seu corpo. —Pedro o encarou com ódio nos olhos, estava irritado com a foto que foi tirada.

—Está nervosinho é...

Pedro com toda a calma do mundo foi até seu guarda-roupas e tirou uma corda e silver tape de lá.

—Você não seria capaz... —Douglas o encarou.

Pedro sorriu e tirou um pedaço da fita e tapou a boca dele, em seguida imobilizou os braços do garoto e colocou para trás e prendeu com mais fita, desceu até seus pés e fez a mesma coisa, foi até a cadeira e jogou o moreno nela.

—Eu não sou capaz. —Pedro falou irônico. —Não é por que eu deixei Gabriel entrar em minha vida que eu vou largar de ser assim. —Pegou a corda e amarrou Douglas na cadeira.

O moreno contestava, mas sua voz não era ouvida pela fita.

—Espero que tenha uma ótima tarde, com sorte alguém... Ah é, você não tem amigos. —Pedro sorriu e deixou o garoto no quarto e saiu para fora.

—Ei. —Yasmim falou, ela estava com a mão indo para a maçaneta, olhou atrás de Pedro e viu Douglas amarrado. —O que ele.... Deixa pra lá. —Falou e o seguiu.

—Você não tem ideia do quanto ele me irrita. —Pedro falou revirando os olhos. —Você viu a Amber?

—Sim, ela está lá fora no jardim, por que?

—Tenho que bater um papinho com ela...

Jardim.

Amber estava ouvindo música deitada na grama tomando sol, tinham alguns alunos por lá, mas bem menos que o normal pelas férias.

—Amber, exclua a foto. —Pedro arrancou o fone dela e falou.

—Ai! —Ela colocou a mão nos ouvidos. —Porra Pedro, que foto?

—Não se faça de santa... —Pedro pegou o celular da mão dela e abriu a galeria.

—Não meche nisso. —Ela tomou de volta.

Pedro conseguiu ver algumas fotos dela, eram do Iago em possíveis encontros que tiveram, mas não tinha nenhuma do Felipe com ele, mas ainda sim Pedro desconfiava.

—A foto que você tirou no vestiário da piscina, eu sei que foi você. —Pedro a encarou.

—Pedro, não foi ela. —Yasmim falou sorrindo. —Ela estava comigo quando você saiu, ela foi comigo e Mirian até o dormitório feminino, nós fomos assistir o capitulo de The walking dead.

—E por que você estaria preocupado com uma foto sua? Tem vergonha do seu corpo? —Amber o encarou.

—Não é isso.... Até por que se fosse só um nude tanto faz, eu sou lindo. —Sorriu irônico. —Mas não é isso, e já que não foi você...

Pedro pensou nas possibilidades, ele não tinha mais suspeitos a não ser uma última pessoa.

—Alguém sabe onde está a Geovana? —Pedro falou olhando para as duas.

—A branquela foi para casa depois do café. —Amber respondeu voltando a colocar os fones. —Agora estou querendo ver essa foto, o que tem de tão misterioso nisso?

—Você não vai querer ver, se não serei obrigado a cortar a sua língua e arrancar os seus olhos. —Pedro sorriu para ela e deu meia volta.

...

—Pedro, o que você estava fazendo na foto? —Yasmim falou olhando para a tela do seu celular enquanto seguia Pedro.

—Para você eu posso falar, estava beijando o Felipe. —Pedro falou se virando para ela. —Só que eu estava nu...

—Você estava com o Felipe, Pedro... Você consegue ser mais promiscuo que o Gabriel. —Yasmim sorriu.

—Quem é você para me julgar. —Pedro deu de ombros. —E eu estou perdido aqui, se não foi a Amber nem a Geovana quem foi que tirou a maldita foto.

—Uma hora você vai saber, nunca deixam uma foto como essa passar, já já devem te chantagear por ela.

[ Pedro, Douglas e Felipe por favor comparecer a direção ] —O diretor falou no alto falante.

—Eu acho que é agora. —Yasmim falou. —Eu vou soltar o Douglas pode ir indo na frente. —Ela falou e foi correndo para o quarto de Pedro.

Direção.

O diretor estava sentado em sua cadeira e em sua frente estavam os pais dos garotos, assim que Pedro entrou viu que Felipe já estava ali, entrou e ficou esperando o diretor começar.

—Vamos esperar o Douglas chegar. —O diretor falou e começou a mexer em uns papeis.

...

Douglas chegou cinco minutos após, parecia ter corrido.

—Desculpem, eu estava meio enrolado com algo. —Olhou para Pedro com raiva, Pedro piscou de volta.

—Tudo bem senhores, seus filhos estão aqui por um motivo, as notas deles foram as melhores do colégio durante esses dois bimestres, eu gostaria de parabenizar vocês pessoalmente, e mostrar para os seus pais o quanto nossa instituição está feliz em tê-los conosco...

Pedro já estava acostumado com esse tipo de diálogo irritante, ele só não sabia o que os outros dois faziam ali, Felipe talvez por ter obrigado algum pobre infeliz a fazer os trabalhos para ele, mas Douglas era uma novidade...

—...Então em nome da escola eu parabenizo todos vocês. —O diretor falou e se levantou.

—Senhor Hudson, tem um garoto que está quebrando todas as coisas no laboratório de química. —Sua secretaria falou.

—Mas o que... Senhores, eu vou resolver isto, muito obrigado por comparecerem. —O diretor falou e saiu.

—Francamente, ele deve achar que nosso tempo é vago para isso. —O pai de Pedro falou franzindo o cenho.

—Parabéns Felipe, eu não esperava isso de você. —O pai dele falou sorrindo.

—Já podemos conversar daquele carro?  —Felipe o olhou nos olhos.

—Não. —Seu pai respondeu seco.

—Parabéns Douglas, aposto que teve que comer a professora para isso. —Pai de Douglas falou rindo após a frase.

—Pai... —Douglas ficou com vergonha.

—Você também Pedro, parabéns por isso, parece que aquelas aulas deram certo. —O seu pai sorriu e deu um abraço em Pedro.

—É Rick, parece que nossos filhos vão tomar o mesmo rumo que nós. —O pai de Douglas falou com o Pai de Pedro e Felipe.

—Pois é Tom, —Ele sorriu. —E como estão as coisas Viktor? —Perguntou ao pai de Felipe.

—Bem melhores que antes, eu estou conseguindo parar com a bebida. —Falou sorrindo.

—Que ótimo, vocês vão a festa da Lily amanhã anoite? —Rick falou olhando para os dois. —Fiquei sabendo que é para os Pais e filhos.

—Sim, eu já tinha falado isso com Felipe, vou levar o mais velho esse ano.

—Se tiver bebia, eu vou. —Tom falou rindo. —Douglas vai onde tiver qualquer rabo de saia né filho. —Riu novamente acompanhado pelos outros dois. —Pois é filho, eu vou indo, sua mãe e eu vamos para o cinema de novo, até depois.

—Felipe, você não quer ir para casa? Thulio e Matheus já estão lá, a bebê já está bem feliz.

—Não pai, eu tenho que resolver umas coisas por aqui. —Falou e sorriu.

—E você Pedro, vamos para casa e você me conta o que tem feito por aqui. —Rick falou abrindo um sorriso.

—Eu preciso acabar uns trabalhos aqui pai, deixar a nota alta não é. —Sorriu de volta.

—Tudo bem, eu vou indo então. —Falou e apertou a mão de Viktor. —Nos vemos amanhã.

...

Rick puxou Pedro para uma sala enquanto ele passava.

—Como você ousa tirar um 9.8? —Rick jogou o garoto no chão. —Olha essa merda no seu boletim. —Amassou o papel e jogou na cara de Pedro.

—Pois é pai, é um 9.8, nossa que fim de mundo. —Pedro falou irônico e se levantou.

Seu pai deu um tapa em sua cara, Pedro colocou a mão por cima.

—Você não fale assim comigo. —Rick falou irritado.

—Desculpa. —Pedro falou desviando o olhar.

—No próximo bimestre, eu quero ver essa nota como um dez, está me ouvindo? Nem que você tenha que matar alguém pelo seu professor de educação física, mas você vai conseguir esses dois décimos e arredondar isso para a porra de um dez.

—Ok.

—Eu pago essa maldita escola, para você me tirar um maldito 9.8.... Que isso não se repita.

—Tudo certo.

—Eu espero de você...

—Somente a perfeição. —Pedro completou a frase. —Eu entendo pai...

—Amanhã anoite eu quero você impecável naquela festa, todos os importantes estarão lá e será perfeito se nós conseguirmos falar com alguns, tente também virar amigo daqueles dois idiotas, os pais deles são bem ricos e poderosos... E com aquele seu colega loiro também, os pais dele...

—Foram assassinados. —Pedro o cortou.

—Exato, e ele vai ser o herdeiro das posses, então quanto mais perto de gente desse tipo melhor, estamos entendidos?

—Estamos. —Pedro falou e saiu da sala.

... Quarto 42 ...

—Yasmim... —Pedro falou abrindo a porta. —Eu vou ter que ir num maldito baile amanhã. —Falou revirando os olhos e se jogando na cama ao lado de Yasmim.

—Que pena para você. —Ela falou dando um meio sorriso. —Era sobre o que?

—O diretor nos dando parabéns pelas notas altas...

—Não isso seu idiota, o tapa estampado em sua cara, foi por causa de que. —Yasmim falou olhando a marca.

—Por causa de um 9.8. —Pedro sorriu para ela.

—Por que não vai morar com sua mãe Pedro? Você ia se sentir melhor. —Yasmim falou acariciando a bochecha marcada.

—Por que ela não quer saber de mim, ela deixou isso bem claro. —Falou suspirando. —Só mais um pouco e eu saio de casa, só faltam dois anos então...

—Pedro. —Felipe falou entrando com raiva no quarto. —Olha essa porra. —Jogou uma foto em cima de Pedro, era a foto tirada mais cedo. —Isso estava no meu armário, agora olhas atrás. —Pedro virou a foto e estava escrito, “Um gay homofobico? Hipócrita? Nem um pouco!”

—E o que eu tenho com isso? —Pedro perguntou amassando a foto e jogando no lixo.

—Se alguém pegar essa foto Pedro...

—Vão descobrir que você é gay, e dai? —O encarou.

—Olha só, meu pai não é homofobico, o seu é, se eu estou me preocupando é com... —Olhou para Yasmim e ficou corado pela conversa. —Você não tem ideia do que poderia acontecer com isso.

—Eu vou dar um jeito nisso, não se preocupe. —Pedro falou pegando a foto no lixo e queimando ela com o isqueiro. —Essa pessoa vai pagar por isso. —Sorriu.

—Ótimo e... —Felipe queria falar algo, mas Yasmim não parava de encara-lo.

—Não esqueça de guardar uma dança para mim amanhã. —Pedro piscou para provoca-lo.

—Vai se foder. —Falou e saiu do lugar.

—Tem alguém começando a se apaixonar aqui ou é impressão minha? —Yasmim falou olhando para Pedro.

—Só em seus sonhos. —Sorriu. —Mas convenhamos, ele é uma ótima distração. —Pedro sorriu e se deitou.

[...]

—...Quem é a bebezinha do pai. —Thulio falou levantando o bebe no alto e fazendo cócegas em sua barriga com a barba.

—Ela está amando você. —Nina falou abrindo um sorriso, mas logo depois se fechou.

—Claro, eu sou o pai dela. —Abriu um sorriso. —Queria que o.... —O coração de Thulio teve um aperto que ele não entendeu.Ele devolveu a criança para Nina e se encostou na parede.

—Thulio meu Deus o que foi. —Nina falou o encarando assustada.

—Nada... Eu já volto. —Thulio falou e saiu do quarto.

Thulio correu pela casa até o terraço, tirou seu celular do bolso e ligou para Gabriel.

—Atende isso.... —Falou com o celular no ouvido. —Por favor pega esse celular, eu preciso saber...

O celular chamou mais oito vezes e nada de resposta.

—Que droga! —Thulio falou irritado.

—Você estava ligando para o Gabriel, não é? —Nina falou aparecendo no lugar. —Eu sabia. —Cruzou os braços e desceu para o quarto, seus olhos estavam cheios de lagrimas.

—Ei... —Thulio a seguiu. —Nina, não começa vai. —Estava frustrado.

—Não começa?  Thulio você mal fica comigo, toda vez acha uma desculpa para sair de perto, você nem me beija direito, você só me da selinhos, nós nem sexo fizemos ainda, eu devia ter ido para outro lugar com a Bonie, deveria ter arrumado outro cara, um mais macho. —Falou olhando para Thulio.

—Nina... Você está fazendo muito alarde por isso, eu só queria confirmar algo, não quer dizer que eu o amo. —Thulio falou colocando a mão no pescoço.

—Então fala que você me ama. —Nina o encarou.

—Eu te... —A palavra não queria sair de Thulio, Bonie começou a chorar na hora. —Vamos lá ver o que está acontecendo. —Falou e foi para o quarto, a pequena estava chorando

Nina a levantou no colo e sentiu um peso a mais.

—Você não queria ser um bom pai, toma. —Entregou a Bonie nos baços de Thulio. —Você troca ela.

Não deve ser tão difícil. —Thulio pensou e foi com a garotinha para o banheiro.

...

—Pronto. —Ele falou saindo com a pequena no colo, a bebê totalmente branca pelo talco da mesma forma que Thulio, a fralda tinha sido colocada errada e iria cair a qualquer momento.

—Francamente viu... —Nina falou rindo da situação. —Deixa que eu cuido disso, seu pai chegou e pediu para você ir lá na sala. —Pegou Bonie e foi para o banheiro.

Sala.

Thulio viu seu pai se sentar no sofá e suspirar.

—E ai pai, o que Felipe arrumou? —Perguntou e se sentou no outro sofá.

—Ele tirou notas altas, todas acimas de 9.5. —Seu pai falou e fez Thulio arregalar os olhos.

—Felipe? O diretor chamou o pai certo? —Falou rindo.

—Pois é, até ele ficou surpreso. —Sorriu. —Eu pedi ele para ir no baile amanhã, como eu odeio aquele lugar...

—Você sempre levava o Matheus, por que esse ano trocou?  —O olhou.

—Matheus esse ano está sendo o contrário do que eu espero de um filho, ele está sendo intolerante e arrogante, não tem como.

—Mas por que você me chamou. —Thulio o encarou.

—Eu queria falar com você sobre a Bonie, essa semana que ela ficou aqui, sua mãe se iluminou totalmente, parece até outra mulher, como pode ver. —Apontou para a mulher na cozinha. —Eu também adorei cuidar dela, é como ter outro filho pequeno, é uma coisa ótima, mas uma pessoa parece não estar tão feliz assim. —Encarou Thulio.

—O que, pai, eu amo minha filha, não pense que...

—Não é isso, você não parece querer a Nina, Thulio, eu entendo você ser bi, mas olha, se você não gosta dela não precisa ficar com ela só pela criança, isso fará você infeliz, fará ela infeliz e isso pode afetar a criança, imagine viver num lugar em que os pais ficam brigando toda noite por causa do outro.

—Onde você quer chegar. —Thulio o encarou de volta.

—Eu e sua mãe conversamos, e nós queremos adotar a Bonie. —Falou e escancarou Thulio.


Notas Finais


—Eu odeio o meu pai, eu odeio aquele maldito baile que todo ano me fazia sair de São Paulo para vir para o Rio só para poder ficar rodeado por pessoas falsas comentando de suas vidas vazias e medíocres e sobre o quanto a família delas são melhores e os carros mais caros, pois é, próximo capitulo: "As mascaras invisíveis", até segunda.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...