História Um coração de gelo - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail, Originais
Personagens Gray Fullbuster, Juvia Lockser
Tags Drama, Gruvia, Romance, Universo Alternativo
Exibições 12
Palavras 1.430
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Mais um capítulo de lembranças e cheeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeio de hentai. Espero poder atualizar denovo em breve.

Capítulo 4 - Po... perfeito, perfeito!


Fanfic / Fanfiction Um coração de gelo - Capítulo 4 - Po... perfeito, perfeito!


Juvia acordou na poltrona em que estava sentada na noite anterior. Ela dormiu chorando, por pura exaustão. Não era exatamente uma novidade para ela, desde que voltou de Magnólia ela dormia por cansaço e exaustão. 
Levantou-se e foi fazer um chá... a caneca que ela usava dizia "Porra, perfeito, perfeito". Ela conseguiu sorrir por alguns instantes daquilo, ao se lembrar de 5 anos antes. 


Um dia, ela estava conversando com Gray por vídeo e ele disse:


Gray: Sabe, Juvia... eu estive pensando... talvez fosse legal a gente ter um encontro. 
Juvia quase não podia acreditar, tamanha era a felicidade que sentia. Há tanto tempo ela queria que isso acontecesse, ela esperava que ele tivesse essa vontade... mas resolveu se conter. 
Juvia: Sim, Gray... acho que seria legal sim. 
Gray: Você sabe... eu nunca tive relacionamentos, não tenho muita experiência, acho muita dor de cabeça. Mas talvez, você possa me ajudar. 
Juvia: Bem, eu já sofri muito por amor, Gray. Eu tenho muita experiência no que não dá certo, eu espero não repetir os mesmos erros com você. 
Gray: Bem, se ao menos a gente errar e souber corrigir... quem sabe. Até aqui, você só me convenceu que pode ser perfeita pra mim, a gente gosta das mesmas coisas, meu medo é não te satisfazer mesmo. 
Juvia: Estar com você vai me satisfazer... intimidade muda tudo, faz toda a diferença. 


Eles combinaram cerca de 20 dias depois para que ele fosse até Hosenka. Era uma longa viagem e Gray evitava ao máximo sair da guilda por motivos que não fossem de trabalho. Quando ele chegou, ela estava esperando por ele na estação. 


Gray: Oi, tudo bem?


Juvia não respondeu. Apenas deu um abraço bem apertado, de saudades, por algo que ainda não tinham vivido. Ela tentou beijá-lo, mas ele ficou constrangido, tanto pela inexperiência como pelo público. 


Quando chegaram à casa de Juvia, ela acomodou os pertences dele e foram direto para a cama. Aqueles 20 dias entre combinar e o encontro foram seguidos por longas conversas, nas quais Gray perguntava a Juvia como agir, como se portar, o que fazer, e ela com toda paciência dizia apenas que tinham que se conhecer, que não havia uma fórmula pra isso. Essas conversas, entretanto, serviram para aumentar a ansiedade e expectativa de ambos... não havia muito a ser dito, eles apenas queriam possuir um ao outro. 


Juvia tirou a blusa de Gray e deitou-o em sua cama. Ele parecia nervoso, então ela o beijou suavemente e disse "confie em mim". Então, ela beijou a orelha dele, descendo pelo pescoço e beijando suavemente seu torax. Gray arqueou quando ela chegou à barriga dele, mas ele não conseguia sequer olhar. Então, ela pousou as mão sob a cueca dele, próximo aos ossos do quadril e terminou de despi-lo. O pênis dele era enorme e estava ereto, Juvia sentiu como se tivesse ganho na loteria. Por um momento ela pensou "cara, e ele desperdiça TUDO ISSO só com 2d?". Esse pensamento a deixou ainda mais tarada por ele, o pênis dele agora pertencia a ela e ela se sentia uma mulher de muita sorte.  Então ela beijou a cabeça do pênis dele suavemente, em seguida engoliu o máximo que podia (e isso foi bem difícil, porque era realmente grande), de modo que Gray não conseguiu conter um gemido de prazer. Ela chupava, beijava e lambia ele com intensidade, então resolveu descer ao saco dele e chupou suavemente suas bolas. Ele dizia "Juvia, eu não sei o que você está fazendo, mas está dando muito certo", mas ele mal conseguiu completar a frase e sua voz se perdeu num gemido.
Juvia passou um tempo chupando Gray e cada parte íntima sua, ele estava extasiado, então ela sentou sobre as pernas dele e tirou sua blusa. Os seios de Juvia eram enormes, Gray estava acostumado a ver apenas hentais de seios pequenos, e quando ela levou as mãos dele até seus seios, ele entendeu o quanto aquilo era delicioso. A pele fina dos seios dela em suas mãos, preenchendo-as com aquela carne macia... ele precisava sentir o gosto. Ele se sentou então e beijou os seios dela, chupava-os alternadamente, esquerdo e direito, com força e Juvia sentiu o prazer que nunca sentira antes nessa região, apenas porque ela entendeu quanto prazer estava dando a ele também.  
Ela sentia a ereção dele e precisava dele dentro dela. Então ela terminou de se despir e Gray virou os olhos ao olhar as partes íntimas dela. Até então, ele tinha visto aquilo em inúmeros hentais, mas estava tão próxima, e todos aqueles cheiros afrodisíacos o deixaram louco de tesão. Ela pediu que ele olhasse para ela, e ela se sentou, encaixando lentamente o pênis dele dentro dela. Ambos reviraram os olhos e deram um gemido: estavam em casa. O pênis dele preenchia cada parte dela, ela o abraçava com a buceta já muito molhada e fervendo de tesão. Ela debruçou sobre ele para beijá-lo, o toque dos seios dela no peito dele, os corpos unidos começaram a se movimentar como um só. 
Ela segurou as mãos dele atrás da cabeça dele e começou a subir e descer lentamente. Ele jogou a cabeça pra trás, gemendo de prazer, enquanto ela olhava fixamente para ele e sentia que o deixava cada vez mais louco. Aos poucos ela foi aumentando o ritmo e começou a delirar, o pênis dele ereto dentro dela era muito melhor que qualquer coisa que ela pudesse esperar daquele encontro, era como se o corpo dele tivesse sido feito para dar prazer a ela. Ela foi perdendo os sentidos de tanto prazer, então ele a deitou na cama, levantou as pernas dela e penetrou dentro dela novamente. Naquela posição, ele parecia entrar mais fundo nela e eles podiam sentir ainda mais o calor dos corpos, já suados. 


O quarto dela inundava odores, eles estavam embriagados com a fusão que fizeram ali, ele se movia lentamente e ela gemia em seu ouvido. Era um ciclo, um deixando o outro mais louco de tesão, então ele começou a se mover mais rápido e ela não queria que ele parasse. Os gemidos dela aumentaram de  intensidade e ela chegou ao orgasmo. Ele não conhecia a sensação, mas ele percebeu porque a buceta dela se contraia em volta dele, abraçando o pênis dele ainda mais forte, e parecia estar inundada de tão molhada e quente. Aquela sensação de prazer deixou ele no limite, ele respirou fundo e foi mais rápido até que gozou também, transbordando ainda mais ela por dentro. 


Então, o corpo dele se deitou sobre ela, eles se abraçaram e ela disse em seu ouvido:


Juvia: Como diz o rapaz da sua guilda... "porra, perfeito, perfeito". 
Gray (rindo muito): Isso é hora de lembrar dessas coisas?
Juvia: Não há algo que você comente que eu possa esquecer... e agora, eu posso dizer com certeza que o que você faz também está gravado em mim. Eu te amo, meu lindo... e vou te amar pelo resto da minha vida.
Gray: Eu também te amo, minha linda. 

Juvia lembrou-se desse primeiro dia com um sorriso no canto do lábio e uma lágrima caiu involuntariamente de seu rosto. Ela sabia que ela não seria capaz de amar outra pessoa depois dele, era mais do que sexo bom: eles tudo nele era perfeito para ela e ela sabia que ele nunca sentiria prazer dessa forma com nenhuma outra mulher. Era realmente perfeito, e ela não conseguia aceitar que isso havia se perdido por coisas tão bobas. 


Abaixou a cabeça com pesar e viu o pratinho onde costumava por ração para Lucy vazio. Aquilo encheu-a ainda mais de tristeza e ela sentiu que ia perder o chão. Respirou fundo, foi até a escrivaninha e escreveu um papelzinho "te amo, meu lindo". Colocou dentro do potinho na prateleira e fechou o potinho. Uma luz bem fina refletia os dizeres do papel, e quando ela fechou, essa luz parece ter envolvido o potinho e em seguida se apagou. 


Juvia queria apenas que Lucy estivesse ali. Lucy acalmava ela, e elas pareciam consolar uma a outra pela falta que ele fazia. Juvia foi até o quarto e abraçou seu velho travesseiro. Dentro dele, havia uma camiseta de Gray, e ainda que anos tivessem se passado, ela conseguia sentir o cheiro dele. Era ali que Lucy dormia sempre, pois ela também sentia falta. Juvia não conseguiria trabalhar aquele dia, então resolveu assistir a um anime de que tanto Gray falava antigamente. Fazer as coisas que ele gostava fazia com que ela também se sentisse perto dele. Cansada, acabou adormecendo novamente.
 


Notas Finais


As lembranças de Juvia são QUENTES. Nitidamente o potinho envolve algum tipo de magia de amor, mas ainda não dá pra saber ao certo como isso funciona, não é mesmo? O sumiço de Lucy também é estranho, elas eram companheiras demais, não faz muito sentido.


Eu procurei loucamente sua camiseta e fui encontrar bem onde a Lucy gosta de deixar. Eu não sou a única a sentir sua falta, sabe? Fico pensando que talvez a Lucy fosse mais feliz ao seu lado, ela gostava mais do seu colo do que do meu quando você tava aqui, ela era louca por você (e tarada também, diga-se de passagem). Ela espera que você volte, e eu também. Te amo, G, meu lindo. Beijos, R, sua linda.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...