História Um gatinho em minha janela - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Marinette Dupain-Cheng (Ladybug)
Tags Adrien, Adrinette, Fofos, Gato, Joaninha, Marinette
Exibições 233
Palavras 2.620
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Primeiro Hentai *^*
Aquele momento que você fica "Posta ou não posta" com o dedo no botão >< que vergonha.
Bem,espero que gostem >3< boa leitura pequeninos.

Capítulo 1 - Capitúlo único - Declarações.


Fanfic / Fanfiction Um gatinho em minha janela - Capítulo 1 - Capitúlo único - Declarações.

Adrien

"Minha curiosidade havia sido maior que a minha devoção a My Lady.Naquela noite,logo após salvarmos Paris de mais um dos akumatizados,acabamos por ser forçados a nos distanciarmos quando os nossos Miraculous começaram a fazer o seu famoso bip avisando que as nossas identidades seriam reveladas a qualquer momento.My lady sem pensar duas vezes se despediu as presas e correu para longe de mim,determinada a me esconder a sua verdadeira identidade na "vida real",o que me deixou inquieto.Não aquetava mais,eu precisava saber quem era minha joaninha misteriosa,e assim que ela correu não pensei em nenhum estante em fazer outra coisa que não fosse segui-la.O fiz,stalker eu sabia ser,e após percorrer alguns prédios a ví pular em uma sacada de um deles,o que aumentou ainda mais a minha curiosidade.Sentei como um gato em uma gargula de um prédio um pouco atrás e alí, escondido,a assistia abrir as portas que levavam-na ao quarto no mesmo instante em que um brilho percorreu todo o seu corpo e —Gélido e pálido- ví surgir a minha frente sua verdadeira identidade.E lá estava ela,o mistério havia sido resolvido, a minha frente não se encontrava mais Lady bug,e sim minha amiga Marinette".

Marinette

Sentada em uma cadeira giratória frente a minha mesa de estudos,folhear as páginas no livro era a única coisa que fazia já que não entendia porcaria nenhuma daquela maldita matéria.

Joguei meu corpo para trás ao me espreguiçar,apoiando-me no encosto da cadeira.Ergui os braços e em seguida os coloquei detrás da cabeça,olhando para Tikki que encarava meu caderno.

Ela pegou o lápis com dificuldade e rabiscou o meu caderno,consertando algumas das malditas equações e me fazendo dar um tapa na minha própria testa.Me senti ridícula.

—Ah,Tikki...—Debrucei-me sobre a minha mesa de estudos,suspirando.

—Calma Marinette...—Disse e fez um certo carinho em meus cabelos.

—Eu vou me dar mal na prova de amanhã Tikki,tudo por não ter estudado antes...—Murmurei abafado.

—Calma,não se desespere... Ao menos não estudou por uma boa causa.—Tentou me animar.

—É,mas eu não posso dizer para a professora que não estudei porque Lady bug estava salvando Paris—Disse.

—É,tem isso...—Disse,notando que a explicação não adiantaria.

—Sim,sim...—Murmurei,ainda com o rosto escondido e falando abafado.

Ela voou ao meu redor e eu a vi de relance enquanto o fazia.Tikki queria me ajudar,mas não sabia como.Aquilo me deixava feliz por saber que ela se importava,e mal por preocupa-la a toa.

—Acho que um banho te ajudaria a se acalmar um pouco,Marinette.—Ela puxou com cuidado uma mecha do meu cabelo,para me alertar.

—Hm... Tem razão...—Murmurei e me levantei em seguida.—Não demoro.—Disse e segui ao banheiro,quase me arrastando.

—Deixa comigo Marinette,eu cuido de tudo.—Tikki murmurou por fim.

***

Depois de um daqueles banhos de acabar com toda a aguá do planeta,sai do banheiro e vesti algo leve para poder voltar ao trabalho.—Um vestido branco e com desenhos de lacinhos que ia até os joelhos.

Sentei na cadeira giratória mais uma vez e penteei meus curtos cabelos, os deixando soltos por ainda estarem úmidos.Deixei a escova de lado e voltei aos estudos,mais determinada.

—Está melhor?—Perguntou Tikki.

—É,um pouco mais atenta.—Disse enquanto respondia com rapidez.

—Atenta?—Perguntou.

—É,Tikki.—Disse ainda atenta aos estudos e sem olhá-la.

—Então... Me deve um biscoito de chocolate.—Disse e logo riu.

—Pelo quê?—Estava confusa.

—Te ajudar,Marinette.—Ela riu.—Te deixar atenta...—Continuou.—Isso será útil pelo que vejo...

—Não estou entendendo.—Disse.

—Você nunca entende nada não é mesmo?—Ela riu com as mãos na barriga como se fosse algo hilário.

—O que me resta é estudar...—Suspirei e me recompus na cadeira.

—Ou pedir uma ajudinha...—Disse Tikki encarando as portas da sacada.

—Você me ajudaria?—A olhei, feliz com a idéia.

—Claro que sim,Marinette.Mas a ajuda que disse não seria minha...—Ela se escondeu atrás do monitor do meu computador.

—Mas...—Inclinei a cabeça.

Foi então que escutei algumas leves batidas na porta de vidro ao meu lado,as portas da sacada.Levantei um pouco a cabeça e a virei até encarar as portas,ou melhor,além das mesmas.

E,por algum motivo lá estava ele,o gatinho preto que tanto me faz rir com suas cantadas.Cat noir,agora sentado na barra de segurança da minha sacada e batendo em minha porta.Mas ein?!

Quase caí da cadeira com o susto, encarando aquele sorriso travesso e o olhar penetrante que me fazia corar sem motivo algum.Mas o que diabos ele está fazendo parado alí?

—C-c-cat noir?—Gaguejava.

—Boa noite...—Ele sorriu e aquilo foi o bastante para me engasgar.

—M-mas... O-o que você...?—Me apoiei na mesa sem entender nada.

—Eu sei do seu segredo.—Disse ele com um sorriso sapeca.—My lady...

—N-não sei do que está falando...—Tentei enrolar e ele riu.

—Por favor,não sou idiota,eu sei que você é a minha Lady bug.—Sorriu.

—Está dizendo besteiras!—Disse.

—E você está tentando me enrolar como pode.—Mandou a real.

Levantei e segui rapidamente as portas da sacada,as abrindo com certa brutalidade.Ele sorriu e me olhou de perto,ainda com seu olhar curioso e um sorriso maroto.O empurrei e saí do quarto.

—Admita que você é minha bug maravilha ou eu vou revelar para todo mundo sua identidade secreta e não terá mais paz.—Ameaçou.

—Você não ousaria...—Disse.

—Tenta.—Sorriu,me provocando.

—.....Tá,sou eu!—Bufei,irritada.

—Há! Eu sabia que admitiria bug-bug!—Ele comemorou sua "vitória".

—Tsc...—Cruzei os braços.

—Sabia que mais cedo ou mais tarde eu descobriria tudo não é?—Riu.

—Infelizmente sim.Como soube? Me Stalkeou?—Indaguei.

—Exatamente isso.—Ele riu.

—Não acredito.E eu falei como se fosse uma piada...—Não acreditava.

—E quer saber o que mais eu ví enquanto te espionava?—Se aproximou.

—E-e-ein?—Corei forte e dei alguns passos para trás,constrangida.

—Eu também vi...—Sussurrou em meu ouvido ao me colocar contra a parede,com um braço na mesma.

Estava prestes a ter um ataque cardíaco quando escutei alguns passos arrastados que vinham em direção ao meu quarto,aquilo fez todo o meu corpo paralisar de medo.Como explicaria a situação? 

 Passos e mais passos foram dados,e em seguida algumas batidas foram dadas na porta antes de ver a maçaneta ser girada lentamente.Então fechei os olhos,sem saber o que fazer.

—Marinette,filha.Está tudo bem?—Era minha mãe,escutei sua voz.

—E-eu...—Gaguejei.

A porta foi aberta,o seu rangido me comprovou tudo.Ainda com os olhos fechados pensava em como me explicaria,e pior,como explicaria o Cat noir está na minha sacada.

—Marinette!—Exclamou.

—M-mãe... E-eu posso te explicar tudo...—Engoli em seco,nervosa.

—Acho bom mesmo ter uma boa explicação para não ter arrumado seu quarto.—Disse,irritada.

—S-sim,eu... Perai,o que?—Abri os olhos derrepente,e Cat noir não estava lá.

—Tem que ser mais responsável Marinette,já tem idade para ao menos manter seu quarto arrumado.—Disse.

—Sim mãe,tem razão...—Respondi um pouco confusa.

—Então arrume tudo.—Ela veio a mim e me beijou a testa.—Depois durma,amanhã sei que tem prova.—Se dirigiu a porta.—E feche a porta da sua sacada,está frio hoje.—Saiu.

Encarei a noite ao olhar através da porta aberta.Ainda confusa,balancei a cabeça e entrei,fechando as portas e as cortinas,ficando em seguida de costas a porta,suspirando baixo.

—Hey,seu quarto é muito maneiro.—Escutei a voz dele novamente.

Ergui a cabeça e encarei o gatinho preto agora deitado em minha cama,me olhando.Arregalei um pouco os olhos e ele começou a bolar na cama e a cheira-la,como se fosse super normal.

—Mas o que raios está fazendo?—Me aproximei quase correndo,pegando-o pela perna e o puxando.—Saí!

—Ah,o cheiro de My lady é tão doce.—Se agarrou na cabeceira da cama para não sair.—Deixe-me!

—Cala a boca desgraçado,meus país estão dormindo!—O puxava.

—Me deixe ser feliz!—Indagou.

—Cat!—O repreendi.

—Bug!—Confrontou.

—Você é tão irritante!—O puxei.

—E você tão linda!—Esperneou.

—Mas do que você está falando?!—Senti minhas bochechas corarem.

—Da verdade ué.—Riu de mim.

Continuei o puxando até cansar,o largando de vez,o mesmo me olhou de relance,sorrindo irônico.Fechei a cara e Cruzei os braços,o que o fez rir,parecia gostar de me irritar ou algo assim.

—Tá bom,fala logo o que quer.—Disse,ainda o encarando.

—Conversar...—Começou.

—Sobre o que?—Perguntei.

—Sobre "nós"...—Disse.

—Do que está esta falando? Não existe "nós"—Disse,direta como sempre.

—Quero você.—Disse sem rodeios.

—Falo sério,Cat.—Suspirei.

—Eu também.—Disse.

—Hm... eu não entendo...—Disse, mas na verdade entendia,só não sabia o que fazer ao certo.

—Ah... Eu...—Ele se sentou.—Não é surpresa para ninguém que eu gosto de você... E desde que descobri quem era, bom,não te tiro da cabeça.Eu... Eu estou me declarando Marinette...—Corou.

—Ah,fala sério...—Corei,o olhando.

—Eu te amo tá bom? Queria dizer isso para você,por isso estou aqui... Amo a Lady bug,amo seu jeito.

—Lady bug é só um dos meus lados,você não me conhece totalmente para dizer que me ama.—Disse.

—Mas é claro que eu conheço.Eu te conheço Marinette Dupain-cheng.—Disse,me olhando.

—Me stalkeou mesmo.Mas acha que saber o meu nome completo faz com que me conheça?—Perguntei.

—Não,eu te conheci.Sem Lady bug ou Cat noir,eu te conheci sendo você mesma.Abriu meus olhos quando soube sua identidade...—Disse.

—Não estou entendendo.—Disse.

Ele engatinhou pela cama até mim,ficando de joelhos e me olhando nos olhos com o rosto bem próximo ao meu.Não sei porque,mas corei e senti um arrepio me percorrer.

—Então vou te fazer entender...—Ele sussurrou e quase morri.

—C-como?—Me encolhi.

—Marinette...—Ele sussurrou,me olhando nos olhos.—Estavamos tão próximos...—Disse e tocou meu rosto.

—E-espera...—Corei um pouco mais,nervosa.—Próximos demais...!

Ele sorriu para mim com doçura e contornou meus lábios com o dedo,com cuidado e fazendo um certo carinho.Eu estava corada,ele me olhava e eu me sentia indefesa,mas não queria fugir.

Ele se aproximou ainda mais,sem sair da cama,e roçou seus lábios nos meus,então corei como um tomate —Tomates não coram,eu quis dizer que fiquem vermelha como um—e cedi a ele.

Seu beijo era doce,calmo e quente ao mesmo tempo,o que me fazia não querer mais que ele acabasse.Fechei os olhos e deixei rolar,afinal ele quem tinha me beijado,então que me guiasse.

Alguns segundos se passaram e nós ainda estavamos grudados.Aquilo passava a se tornar bom para mim,eu passei a pensar em beijo como algo agradável em vez de troca de saliva.

Ele então segurou minha cintura com ambas as mãos e me puxou para sí,me fazendo arfar baixinho e levar as mãos ao seu rosto,o apoiando.Então um bip soou,e nós ignoramos.

Senti então meu corpo ser jogado sobre a cama e numa rapidez incrível o senti se acomodar entre minhas pernas, o que me fez subir um calor pelo corpo, o que nunca havia sentido na vida.

—Marinette...—Ele acariciou minha bochecha com carinho,me dando um selinho demorado após o beijo.

—Hm...—Abri os olhos lentamente.

O susto quase me garantiu um infarto.Ao abrir o olhos,em vez de ver Cat noir,eu agora via Adrien Agreste.Ele sorria para mim,corado e sorrindo de lado,o que me deixou trêmula.

—A-adrien...—Escondi meu rosto com as mãos,estava envergonhada.

—Oi...—Ele riu,um pouco corado.—Surpresa?—Acariciou meus cabelos.

—M-mas como? Quando?—Estava pasma com a revelação.

—Acho que igual a você...—Sorriu.

—Ai,que vergonha...—Murmurei enquando balançava a cabeça.

—Ei,está tudo bem...—Disse.—Agora você também sabe do meu segredo My lady...—Sussurrou.

—E-e-eu...—Não sábia o que falar.

Estava corada,constrangida e envergonhada.Mas a única coisa que me veio a cabeça foi beijá-lo e beijá-lo sem parar,não podia acreditar que Cat noir era Adrien Agreste,ou o contrário.

—Tudo bem,apenas me beije e não pense em mais nada.Se somos correspondidos então no amamos,qual o problema?—Disse.

—Correspondidos...—Repeti.

—Sim... Eu sou correspondido,né?—Ele me olhava,duvidoso.

—Hm...—Murmurei.

—Marinette,se me ama,me beije agora.—Ele estava apreencivo,tanto que prensava os lençóis da cama entre os dedos.E eu o olhava,em silêncio.

Ele suspirou e desviou o olhar meio perdido.Sorri de lado e segurei em seu rosto,o fiz me encarar e então o beijei com vontade,o surpreendendo com a atitude que tirei sabe-se de onde.

Adrien então correspondeu,e logo estavamos um roçando no outro.Ele entre minhas pernas e eu me movendo abaixo dele,ambos constrangidos,mas também ambos com desejo.

Os beijos faziam estalos e se tornaram cada vez mais intensos.Logo ele passou os mesmos ao meu rosto e depois pescoço,puxando a alça do meu vestido para baixo e beijando meu ombro.

Ele me beijava de forma ardente, deixando também marcas bem visíveis.Em um momento até desamarrou o laço do meu vestido e mordeu meu ombro,me fazendo gemer.

—A-adrien,não...—Sussurrei em seu ouvido enquanto ele tentava me despir.

—Por que?—Ele sussurrou ao soltar o laço do vestido,beijando meu queixo em seguida.—Você quer...

—E-eu não posso...—Sussurrei.

—Ninguém precisa saber além de nós dois...—Senti sua mão descer por minha coxa.

—D-desde quando é safado?—Um pouco corada,perguntei.

—Desde que tive você a minha disposição...—Ele disse me olhando.

—Está dizendo que sou culpada por sua tara medonha?—Murmurei.

—Estou dizendo que você me atiça.—Ele disse,sério.

E então ficamos em silêncio,um olhando para o outro.Não sabia quem era o mais corado entre nós,mas sabia que eu o amava e sabia o que eu queria naquele momento.E ele me daria.

—Isso é errado?—Perguntei.

—E eles podem nos impedir de amar um ao outro?—Disse por fim,e isso foi o bastante para que nos atacassemos novamente.

Voltamos a nos beijar e logo eu tirei sua camisa,arranhando seu peito e abdômen enquanto ele me mordia.(Sim, ele adorava morder.)Ele me fez sentar e tirou o meu vestido,me deixando semi-nua.

Não demorou muito para ele se livrar do meu sutiã e se divertir com meus seios,os acariciando,apertando e passando a lingua nos mamilos.Aquilo me dava um prazer indescritível.

Entre beijos e caricias eu retirei sua calça e por fim ambos retiramos nossas últimas peças de roupas,nos encontrando nus.Separamos do beijo e, ambos sentados,olhavamos o corpo um do outro.

Ele não parava de dizer o quanto meu corpo era lindo e Sexy,o que me deixava envergonhada,mas acrescento dizer que ele não ficava para trás,ele era realmente lindo sem roupa.

Ele me deitou após mais um beijo e me acomodou,em seguida se pós entre minhas pernas,se apoiando na cama e me olhando em seguida,como se perguntasse se podia continuar.

Ele segurou uma de minhas mãos e enlaçou nossos dedos,me olhando nos olhos,e assim que assenti ele me penetrou,me fazendo gemer alto e tapar a própria boca para não me conter.

Doía,doía muito.Mas não deixei que isso nos atrapalhasse.Ele aguardou um breve momento para que me eu me acostumasse,e assim que fiz um jesto com a cabeça,ele começou a se mover.

Ele suspirava em prazer a cada estocada que dava,arfando próximo ao meu pesçoco enquanto eu gemia baixo, aquilo era tão bom,que "ver estrelas" não se aplicava a isso,e sim ver constelação inteiras.

Adrien continuava e estocar e me encher de beijos,sussurrando vez ou outra coisas safadas em meu ouvido,o que me deixava ainda mais vermelha. Cadê o meu Adrien tímido? ><

As estocadas eram cada vez mais rápidas e profundas,o que só nos dava mais prazer.Estava em êxtase,gemendo seu nome de forma manhosa e arranhando suas costas,e ele ria.

A loucura tomou conta de mim e eu já não sentia tanta vergonha,tanto que pedia por mais e mais prazer,sendo atendida por ele,que nunca me deixava na mão.Ele é ótimo nisso.

Após um tempo naquilo ambos nos esgotamos,exaustos após atingir o ápice.Ele saiu de dentro de mim e deitou ao meu lado,ambos estávamos corados e ofegantes,péssimo estado.

—E-eu te amo...—Ele disse ao me olhar,em seguida segurou minha mão.

—Eu também te amo...—Sussurrei.

—Vem cá...—Ele sorria bobamente, estava feliz em ouvir aquilo.

Engatinhei a ele e deitei a cabeça em seu peito,recebendo um "cafuné" que me fez fechar os olhos e me deu sono.Ele beijou minha testa e sussurrou mais um "Eu te amo",e eu sorri.

Estava tão exausta que acabei por cair no sono abraçada a ele,o usando como um travesseiro.A noite havia sido longa e maravilhosa,tanto que nem lembrava mais da minha tal prova.

Adrien

Não podia acreditar que agora a observava de tão perto,e muito menos que havíamos feito aquilo.Acariciei seu rosto com carinho,a olhando dormir,e a cobri com a coberta,beijando-a por fim.

—Boa noite,princesa...—Sussurrei.

Assim que me "despedi" dela que dormia,segui as portas da sacada e as abri,olhando para trás uma última vez antes de sair e sumir na escuridão da noite ao tomar meu rumo.

O gatinho preto agora pulava sobre os prédios com o sorriso bobo em sua face,ele estava feliz com o que havia te acontecido.Tamanha era sua felicidade que não parava de pensar nela.

***

A olhava novamente,sentado ao lado de uma velha gargula que me era tão familiar.Ela estava na nossa sacada, observava a noite com um ar perdido,o que me fez sorrir.Ela me encantava.

Encaramos ao mesmo tempo a torre Eiffel que ficava um tanto distante dalí,mas que ainda podíamos ver.A lua cheia estava em seu cume,era o meu sinal,era quando voltaríamos a nos ver.

Pulei sobre os prédios e logo estava na sua sacada,onde ela já me esperava com um sorriso no rosto.Nos beijamos antes de palavras serem ditas, uma mania entre nós dois.

—Safado,eu já disse para não me fazer esperar.—Fez bico.

—Ah,me perdoe,é que eu sou um menino muito malvado.—Disse e sorri.

—É mesmo? Interessante...—Disse e enlaçou meu pescoço.—Então eu tenho que te ensinar uma lição não é mesmo?—Sussurrou e mordeu o lábio.

—Oh,sim,sim.Eu sou mesmo mal criado,me castigue.—Sorri safado e enlacei sua cintura.

Rimos e em seguida voltamos a nos beijar.Logo a peguei em meus braços e seguimos para dentro,onde viríamos a começar mais uma rodada.Ah,parece que as noites de inverno serão mais quentes que nunca.

~Fim? Não,apenas o início.


Notas Finais


Obrigada por ler até aqui ><
Desculpe os erros,postar por celular é foda :/ enfim,espero que isso não tenha atrapalhado a leitura.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...