História Um Mundo Diferente - 2a temporada - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Brooke, Bts, Espionagem, Luta
Exibições 68
Palavras 2.701
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Escolar, Ficção, Luta, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ÚLTIMO CAPÍTULOOOOO!!!
Mas eu não vou falar nada, ainda temos o epílogo para fazermos nossas despedidas e tudo o mais...

Agora vão ler!

Capítulo 21 - Capítulo 20


— Capítulo 20 — 

06 de maio de 2012 

É hoje. Hoje tudo vai ser resolvido. Minhas mãos estavam suando, e a dos meninos mais ainda, não apenas pelo fato de que iríamos na justiça pra conseguir a volta do grupo, mas também porque iríamos ter uma reunião entre nós exatamente agora na antiga casa deles. A casa que eles expulsaram o pessoal que estava aqui... 

Aqueles nojentos acabaram com toda a vida do lar. Tiraram os papeis de parede dos meninos, todos os enfeites que eram fragmentos da história dos meninos estavam enfiados numa sacola nos fundos da casa. Yoongi até ameaçou alguns deles de que, se eles aparecessem por lá de novo, iriam ter seus orifícios anais tapados com um fósforo em chamas.  

Pois é, ele ainda continua a mesma coisa... 

Mas enfim... Foi a maior cerimônia entrar aqui mais uma vez. Todos os meninos entraram em silêncio, Hoseok parecia querer chorar, mas com todas as suas forças segurou suas lágrimas. Seokjin então... Ah, esse daí abraçou Lauren com força e só se sentiu melhor de receber alguns carinhos da mesma. 

— É, estamos aqui de novo... - O líder diz para quebrar o silêncio, porém o mesmo insistia em voltar rapidamente. 

— Podemos começar? - Pergunto encarando todos, e recebendo acenos de cabeça como confirmação. Nos sentamos na sala, ainda meio calados. - Bom... Acho que é a última vez que a gente precisa tocar no assunto "Volta do Bangtan", praticamente. - Suspiro alto. - Só espero que isso nunca mais aconteça e vocês prossigam unidos. - Cada um sorri para o outro, e se eu fosse sentimental estaria chorando horrores só de assistir a cena. - Enfim, o que eu tenho pra dizer é que eu dei um toque pra minha mãe ontem a noite, e graças aos céus ela vai estar na Empresa hoje. Se acontecer alguma coisa de não concordarem com a gente, ela vai dar uma passadinha por lá e ajudar a gente, ok? - Eles confirmam com a cabeça. - Eu peguei alguns documentos de cada um, na verdade uma cópia dos documentos de você da época em que vocês criaram o grupo. - Entreguei minha pastinha para Namjoon, que recebeu com um grande sorriso. - E eu também digitei um abaixo-assinado pra vocês confirmarem a volta do grupo, então vocês precisam assinar isso pra mim. - Pego uma caneta e entrego para Jungkook, que estava ao meu lado, a folha e a caneta. 

— Brooke, como você conseguiu tudo isso? - Taehyung me pergunta enquanto olhava de soslaio as cópias que havia entregado para o líder. 

— Eu fiz uma puta de uma pesquisa. Até me infiltrei na sala das papeladas da escola pra ver se eu conseguia tudo isso. Como já tinha a copiadora perto, já fiz tudo o que pude pra que eles também não desconfiassem de nada. - Todos me olharam arregaladamente. - E minha mãe também tentou procurar alguma no coisa no trabalho, mas não tinha nada lá. Eles já tinham jogado fora depois do julgamento do Yoongi. - Eles suspiram alto. 

— E como a gente vai fazer pra conseguir atenção do pessoal da Empresa? - Lauren me pergunta. - Não marcamos nenhuma reunião, eles também tem toda uma agenda pra seguir. - Ela molha os lábios. - E se acabarmos indo pra lá por nada e perdermos tempo? - Suspiro alto, olhando para todos. 

— A gente vai pro Plano B. - Jimin diz enquanto me encara. Ele era o único que sabia disso. E eu que deveria dizer para os restantes sobre isso, também. 

— Plano B? - Todos perguntam em dúvida pra mim, e eu apenas engulo em seco. 

— Eu estava conversando com Jimin ontem sobre isso... - Coço minha nuca. - E a única coisa que veio em minha mente, caso não desse certo, fosse esse tal plano B. - Estralo o pescoço. - Que no caso é fazer uma bela de uma baderna. - Todos franzam a testa, não entendendo. - Tipo quebrar tudo o que ver pela frente, sei lá, coisas que chamem a atenção. - Todo mundo me encara assustado. - Claro, só se for o último caso... - Engulo em seco. - Mas eu tenho fé de que tudo vai dar certo. 

— Ainda bem. - Lauren dá um pequeno sorriso. - Sempre que Brooke diz que tem fé, tudo acontece da melhor forma possível. - Lanço um sorriso para ela, e os meninos ficam nos encarando esquisitos. 

— Acho que se Lauren não estivesse com nosso hyung, ela seria louquinha pela Brooke. - Hoseok diz rindo e, como era de costume, lanço um olhar mortal para ele, e o mesmo para na hora. Acabo rindo. 

— Hoseok, como você ainda tem medo de mim? - Começo a rir mais ainda junto de Kookie, Jiminnie e Tae. - De verdade, eu ainda não entendo o porquê de você me ver assim. - Ele engole em seco. - Tudo bem que antes eu era bem grossa e até de dar medo... - Yoongi dá uma risadinha baixa. É, as coisas realmente não mudaram por completo. - Mas agora eu estou melhor, você viu muito bem como estou me dando bem com o branquelo do seu lado. - O mesmo citado fecha a cara pra mim e me manda um dedo do meio, acabo sorrindo. 

— Eu que sou medroso mesmo, você que não se acostumou ainda... - Dou um pequeno sorriso e me levanto. 

— Ok, eu vou no banheiro e já volto. - Vou andando e, antes que eu pudesse me esquecer, dou um cutucão no ombro de Hoseok, que dá um grito de tão assustado. Me direciono ao banheiro rindo. 

[...] 

Seokjin e Lauren faziam alguns sanduíches para todos, enquanto os restantes, incluindo eu, ficamos apenas encarando o teto. No caso eu e Park ficamos sonolentos, passei a noite em claro conversando com ele sobre tudo que aconteceria hoje, e mesmo depois de ele ter saído da conversa, eu continuei acordada. Eu realmente sou muito ansiosa para as coisas. 

— Brooke, acorda! - Jungkook chacoalha a mão na frente do meu rosto, tentando me ajudar a não pregar os olhos. - Você não quer ir dormir na cama? Quando der a hora de irmos, a gente vai te chamar. 

— Eu não preciso não, Kookie, fique sossegado... - Digo em meio a bocejos, e acabo pregando definitivamente os olhos. A única coisa que pude entender foi Kookie negando com a cabeça e me pegando em seu colo, me levando ao que parecia ser um quarto e me deitando na cama. 

— Descanse o quanto precisar. Daqui a pouco eu te busco. - Ele dá um breve selar em minha testa e só posso ouvir a porta ser fechada. 

Tínhamos terminado o que começamos ontem, se é que começamos algo pra ser bem sincera. Pra falar a verdade, ele já percebeu tudo quando cheguei nele de uma forma estranha, e ainda mais que eu comecei a falar demais sobre o Jimin e, diz ele, que meus olhos começaram a brilhar de um jeito inexplicável. Não sei não... 

Ele aceitou numa boa, até porque ele não sentia nada por mim, apenas me achava "gostosa", em suas palavras. Porém ele afirmou que o fato de que eu poderia voltar com Park não mudaria os olhares dele pra partes indecentes minhas, e muito menos ele esqueceria como é me beijar. Mas o importante é que no final ficamos amigos, e eu até gostei mesmo disso. 

Nunca vi Jungkook como algo a mais que um amigo, por mais que ele seja uma oitava maravilha do mundo de tão maravilhoso... Mas ele continua sendo infantil e pesado demais ao mesmo tempo. E quando eu digo "pesado", tento dizer algo parecido com Cinquenta Tons De Cinza. Aquele garoto... Só se faz de santo perto dos pais, e não duvido muito que ficava com outras meninas enquanto passamos por aquela fase de... Uma semana, talvez? 

Assim que começo a ouvir passos vindo em direção ao quarto, fecho os olhos por completo, viro de costas para a porta e torço para que não tivesse que ir agora. Meus olhos ainda estavam pesados, e eu precisava descansá-los. Acabo não vendo quem entrou, porém a pessoa se deitou ao meu lado e me abraçou pela cintura. 

Ok, isso não é nada normal. 

Me viro para a pessoa e quase beijo o ser a minha frente, que só pude reconhecer pelos lábios cheios. E é exatamente essa pessoa que você está pensando agora, pelo menos eu acho... 

— Para de se mexer... - Ele diz rouco e quase tenho um troço quando ele esconde sua cara no vão do meu pescoço. - Eu só preciso dormir um pouco. 

— Ok. - Sussurro para ele e continuo em estado de choque.  

Ah, mas é agora que eu não vou conseguir dormir mesmo! Não dá, a respiração quente dele bate em minha orelha, meus pelos estão arrepiados e o aperto dele em minha cintura é muito forte. Depois de uns dez minutos nesse estado, decido acordá-lo. 

— Jiminnie? - Ele reclama um "hm" e abre um único olho, quase dou risada. - Não acha melhor... Irmos? - Ele nega com a cabeça e se aperta ainda mais em meu corpo. - Jimin, é sério. O que os outros vão pensar quando entrarem aqui e nos verem assim? - Ele ergue o rosto, me encara por um tempo e nega com a cabeça, voltando a se deitar em meu pescoço. - Jimin, é sério, se a gente continuar assim, eles... - Minha frase morre assim que os lábios de Park atacam os meus, numa forma violenta, como se ele precisasse daquilo. 

No começo, fiquei paralisada e não sabia o que fazer. Mas quando o desgraçado me deitou na cama e ficou por cima de mim, não tive como me controlar. Correspondi o beijo, tirando suspiros altos do mesmo, que até fez um carinho em minha testa. Aquilo tudo estava me fazendo sentir tudo o que eu sentia antes, joguei tudo pro alto e me senti feliz, realmente feliz. O beijo pode ter sido inesperado, mas foi como uma chave para mergulhar de volta no mundinho de Park Jimin.  

E não vou reclamar. Realmente foi bom. 

— Eu só precisava fazer isso... - Ele diz com a respiração descompassada, encostando sua testa na minha. - Porra, Broo, eu senti muito a sua falta. - Ele dá um beijo na minha bochecha e eu apenas o encaro enquanto recuperava o fôlego. 

— Eu sei que essa foi a melhor coisa que pude fazer nessa semana inteira, mas... - Acaricio suas bochechas e ele beija as costas de minha mão no final. - Não podemos mais fazer isso. - Ele para congelado. - Eu te prometi que poderíamos voltar, mas não a nossa relação mais alta que já tivemos... - Ele abaixa o olhar, meio triste. - Claro que vai ser maravilhoso se voltarmos a ter o que tínhamos antes, mas ainda está muito cedo pra isso. - Me levanto do colchão, abraçando Park e beijando sua testa. - Eu juro que, se eu sentir pronta, te dou o melhor presente do mundo, ok? - Ele afirma com a cabeça e beija minha testa. 

— Então vamos... - Afirmo com a cabeça e levantamos da cama. 

[...] 

A Empresa estava lotada de pessoas. Foram precisos quatro pessoas diferentes para poderem nos mostrar onde os superiores ficavam. E fomos direto pra lá, dane-se que a gente precisava pegar uma senha e esperar ser chamado. Não tinha ninguém na nossa frente mesmo! 

Yoongi é o que vai na frente, e ele abre a porta com tudo. 

— O que faz aqui, Yoongi? - Ah não. A velha não, pelo amor de Deus... - Eu te falei para não sair de casa hoje! 

— Desculpe omma, mas é um caso urgente. - Ela ergue uma sobrancelha e cruza os braços, esperando que o branquelo se explicasse. - Vim aqui concertar um erro que cometi, e eu espero que todos me compreendam e concordem comigo. - A velha revira os olhos. 

— Por favor, você não veio aqui pra chamar atenção, não é? Isso é o que você menos vai ganhar, sabe muito bem que está proibido de ficar saindo de casa e me desobedeceu. - Bufo alto e acabo não me aguentando, entro na sala com tudo e a encaro, quase a matando pelo olhar. 

— Com licença, senhora Min, mas acho que não preciso te lembrar de que ele é o seu filho e você precisa tratá-lo melhor. - Ela arregala os olhos e se põe de pé, vermelha de raiva. 

— O que ela está fazendo aqui?! - A velha pergunta para Yoongi, soltando fumaça pelos ouvidos. - Min Yoongi, me diga porque trouxe ela aqui agora! - Ele trinca seu maxilar e pega na minha mão. 

— Ela me perdoou, mãe. - Ela engole em seco e me encara. 

— Você. - Ela aponta o dedo na minha cara, meço ela dos pés à cabeça e no fim a encaro com um sobrancelha erguida. - Você está destruindo a minha vida. - A cara da mesma começa a ficar estranha, parecia que estava sendo possuída. - VOCÊ PRECISA MORRER! - Ao dizer isso a mesma ergue o braço para dar um tapa em minha cara, porém percebo e a seguro pelo pulso. O mesmo acontece com seu outro braço. 

— Acho que a senhora está errada. - Digo calmamente, a encarando nos olhos. - Eu desejei o mesmo do seu filho quando brigamos, e agora eu perdoei ele, do mesmo jeito que ele aceitou o meu. - Começo a ver veias sobressaltadas em sua testa, ela fazia força pra tentar se soltar de minhas mãos, mas não conseguia. - E eu espero que você faça o mesmo. - Ela engole em seco. - Que tal começar sendo uma mãe de verdade? Porque até eu, que ainda sou jovem e não tenho experiências como mãe, sei muito bem que o que você está fazendo não é ser mãe. - A olho com nojo e a mesma tenta desviar o olhar, o que eu não deixava. - Então pare de ser mesquinha e se orgulhe do seu filho. Ele pode ter feito uma burrada, mas juntos nós vamos tentar consertá-la, começando pela volta do Bangtan Sonyeondan. - A sala inteira entra num silêncio, e até mesmo a velha se solta de mim, assustada. 

— Como é? - Um dos superiores me pergunta, ainda não conseguindo compreender. 

— Queremos o Bangtan Sonyeondan de volta. - Namjoon entra na sala com os restantes, que encaram cada um do grande Conselho, mostrando que eles realmente queriam aquilo. - Pegamos tudo o que vocês quiserem, documentos, abaixo-assinado... 

— Não precisam se preocupar. - Todo mundo fica de pé, e eu até franzo a testa desentendida. - Nós também queríamos isso. - Arregalo os olhos e fico petrificada. - Ficamos realmente tristes por vocês terem acabado com o grupo, vocês eram a nossa esperança, e se vocês concordassem em voltar, estaríamos de braços abertos para ajudar vocês. 

— Então... Quer dizer que vocês concordam? - Todos eles afirmam com a cabeça e apenas consigo sentir várias pessoas me agarrando num abraço coletivo, que logo foi diminuindo até restar somente Yoongi me abraçando. 

— Obrigado. - Ele me olha, porém eu ainda não conseguia analisar as coisas. - Muito obrigado mesmo, butterfly... - Ele beija minha bochecha e vai abraçar os outros meninos. 

— VOCÊ CONSEGUIU, BROO!!! - Jimin vem com tudo em cima de mim, me abraçando com tudo e até me erguendo do chão. - Você é incrível! - Ele sorri enquanto nossas testas são coladas. Sinto suas lágrimas serem passadas para a minha bochecha. 

— Jimin? - Eu o encaro e é aí que cai a ficha. Foi depois de ver ele chorando por causa do grupo que eu comecei a me empenhar. Park foi a real razão por eu tentar juntar o grupo. E nós conseguimos. - Ah meu Deus, Jiminnie! - O abraço pelo pescoço e me grudo em seu corpo, envolvendo minhas pernas em sua cintura e ele fica nos girando por toda a sala, ficamos dando risada feito dois retardados. 

Acabou. Tudo o que fizemos chegaram num final, e ainda bem que foi um final bom. Agora tudo voltou ao normal. 

Quer dizer, assim espero...


Notas Finais


PIREIIIII!!!!!!!

O que acharam desse finalzinho?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...