História Um Príncipe em Minha Vida - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chris Evans, Demi Lovato
Tags Casamento, Chris Evans, Comedia Romantica, Demi Lovato, Principe
Visualizações 387
Palavras 1.733
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


AVISO
Motivos pelos quais não postei capítulo nesse domingo
-Não tive tempo e acabei não gostando do capítulo que eu escrevi rapidamente e enviei pra beta.
-A Beta-Reader do site, simplesmente não fazia meu pedido.
-Decidi então refazer o capítulo e enviar para outro site o FUCK DESIGNS e Isywe (Beta-Reader) fez o meu pedido, que aprontou o capítulo em apenas 1 dia. Ele foi entregue hoje, e agora estou postando.
Próximo domingo nem no outro depois desse não irei postar, pois essa semana e na outra estou tendo provas finais.
Desculpem não ter dado satisfações pois não queria fazer outro capítulo só de avisos. Espero que o capítulo compense

Capítulo 6 - Old Ways


A recente briga com minha irmã tinha me deixado abalada, mas eu não tinha tempo para

chorar. Em menos de três horas chegaria alguém para me levar ao encontro da mãe do

príncipe, o homem com quem eu não tinha trocado uma duzia de palavras que não fossem

desaforos, merecidos. Eu estava repleta de dúvidas, aquilo realmente fazia minha cabeça

doer.

 

Em qualquer hora do dia, a água quente que escorria pelo chuveiro me relaxaria. Mas eu

estava tão tensa que só tinha uma solução para me acalmar. Lembrei de quando eu era

pequena minha mãe sempre me acalmava com achocolatado e chantili, se a coisa estivesse

muito ruim, ela colocava um pouco de sorvete, e tudo parecia ter uma solução. Eu precisava beber achocolatado com chantili e sorvete... Pareceria estranho pra qualquer pessoa, uma garota de 18 anos beber achocolatado para relaxar. Mas quando eu sentia aquele sabor...

 

Parecia que o mundo parava, os problemas sumiam, e era só eu bebendo achocolatado.

 

Desliguei o chuveiro, peguei uma toalha e corri para a cozinha. Como eu não tive essa ideia

antes ? Coloquei tudo em um copo, e bebi.

 

- Nossa... Fazia quanto tempo que eu não bebia isso ?

 

­- Três dias.

 

Assustei­-me com a voz de Dallas. Ela havia aparecido na coluna da cozinha. Quase derrubei o copo.

 

- ­Pensei que você tinha saído.

 

­- Você... vai mesmo ? - Ela estava hesitante.

 

- ­Dallas, não importa o que você diga, eu vou fazer isso. E chega desse assunto!

 

- ­Demi você não pod-

 

- ­Dallas! - Ela me fitou e se dirigiu à porta.

 

­- Faça o que quiser então! - E bateu a porta. Ela vai entender. Ela tem que entender.

 

(...)

 

Uma dúvida crescia na minha mente: O que eu iria vestir? Algo sério? Algo divertido? Saia? Short ? Calça ? Eu só tinha uma hora... Vamos lá Demi! Fight! Dei socos no ar. Um hábito que eu carrego desde pequena, um gesto do tipo “Vamos, você consegue!

 

Comecei a revirar o guarda roupa inteiro. Se eu pegava uma saia, ou era curta demais, ou

longa demais. O mesmo com calças: ou era justa demais, ou larga demais. Nada parecia bom.

Eu nunca fui fresca para roupas, o jeans largado e a blusa gigante... Sempre peguei a primeira roupa que via no armário. Eu tinha um gosto estranho para roupas. Não que eu achasse as roupas que estavam na moda bonitas, mas eu só achava que elas não ficavam legais em mim. Como eu queria ser a Dallas agora!. Dallas, sim, tinha bom gosto. Suas roupas eram cheias de estilo. Não importava se era um simples trapo, porque ela sempre deixava as roupas impecáveis!

 

O quarto estava uma bagunça, eu jogava as roupas para todos os lados. Ai meu God! Cinquenta e três minutos e não sei quantos segundos para...

 

AHHHHHHHHHH!, bufei. Eu realmente estava perdida.

BURRA! RETARDADA! IDIOTA! CAVALA! MALDITA HORA EM QUE EU RECUSEI “AULAS DE COMO SE VESTIR BY DALLAS LOVATO”!

 

Olho para o guarda-­roupa, o inimigo da força! PARA DEMI! ESSAS TUAS NERDICES AGORA NÃO!

 

Já sei! Fecho os olhos e enfio a mão no guarda­-roupa e tiro uma peça de roupa. Era um vestido rosa cheio de babados. Era o que tinha. Se a rainha achar ruim, problema dela, pois ela não paga minhas contas... Ainda. Demi! Se não tem você, vai você mesmo! Vamos lá!

 

Eu olhava aquele vestido com certo receio. Ele era meio... estranho.

 

- ­Não vista - Dallas passou por mim e olhou o vestido com desgosto­. - isso.

 

­- Dallas vo-

 

- ­Eu não concordo com o que você esta fazendo, mas eu não vou te deixar ir encontrar a rainha que nem uma… - ­Ela olhou o vestido novamente. -­ Isso...

 

- ­Da-

 

­- Olha, veste isso­ - Ela tirou um vestido cor de pêssego do meio de uma pilha que

estava do lado da cama­. - Isso, esta fazendo frio. -­ Pegou um sobretudo azul marinho dentro do guarda-­roupa­. - E..­ - Começou a chutar as roupas que estavam no caminho­. - Isso, é só um número maior que o seu pé. O cabelo e a maquiagem eu faço.

 

- ­Dallas, eu...

 

- ­Nada de “Dallas”, você está sem tempo. Anda, veste, eu quero ver como fica.

 

Comecei a colocar o vestido. Ele era lindo. Era um pêssego rosado bem suave, as mangas eram curtas em formato de uma pétala, com decote quadrado. Até a cintura era justo. Depois, solto com um pano bem leve, a um palmo do joelho. Comecei a calçar os sapatos. Eram salto ­alto com o bico fechado e redondo, da mesma cor do vestido. Um pouco desconfortáveis, afinal, eu não era acostumada a usar salto. Coloquei o sobretudo, que era

 

lindo. Ele tinha 4 botões prateados fazendo um quadrado no centro, embaixo do busto. Ele era uns dois dedos menor que o vestido. A barra do vestido ficava aparecendo.

 

Olhei-me no espelho. Nossa! Eu estava parecendo outra garota. A roupa era tão linda! Havia ficado perfeita. Eu estava me achando até bonitinha. Com certeza a Dallas deve ficar linda com essa roupa!

 

­- Venha, Demi!

 

Sentei no chão e ela, com seus dedos ágeis e anos de prática, começou a fazer um rabo de

cavalo alto nos meus cabelos. Não demorou dois minutos e ela já começava a fazer minhas

sobrancelhas.

 

Alguns minutos depois, alguém começou á bater na porta. Ah não! Eu aposto que é “o carinha” que a rainha mandaria. Dallas já estava terminando.

 

A porta bateu de novo. Pronto. Eu estava pronta. Corri para a sala e abri a porta.

 

­- Boa tarde. Senhorita Demi Lovato?

 

­- Sim.

 

­- Sou Jarbas. A rainha está à sua espera.

 

(...)

 

Estava coçando minha nuca feito uma desesperada. Sempre faço isso quando estou nervosa. O tempo parecia que não passava. O carro preto luxuoso que, com certeza devia ter muitos cavalos, parecia naquele momento, que em vez de cavalos pareciam mulas. Ele mal andava!

 

Eu realmente estava muito nervosa.

 

­- Com licença, o senhor sabe me dizer aonde estamos indo ?

 

­- Nós vamos ao Cavallian, um clube de polo.

 

­- Oi? Eu pensei que eu iria me encontrar com a rainha em algum castelo, palácio, ou algo do tipo.

 

­- Oh, realmente, de início o encontro seria no Palácio de Kensington. Mas, infelizmente, o príncipe Justin não poderia estar presente, pois hoje ele está no polo, então para que ele pudesse participar, o encontro acontecerá no polo.

 

Meu coração saltou. Oh não! Meu nervosismo triplicou.

 

- ­Espere. O príncipe vai estar neste encontro?

 

- ­Sim.

 

­- Já estamos chegando?

 

- ­Sim, é logo aqui na frente.

 

Ele apontou para um enorme muro com hastes de metal preto ornamentando galhos e rosas de metal da mesma cor, e um enorme portão preto parecido com o muro, por trás dava para ver o enorme gramado.

 

Logo passamos pela entrada e nos aproximamos de carro do que parecia ser uma mansão toda branca.

 

- ­Senhorita.

 

Jarbas abriu a porta do carro para que eu descesse. Começamos a andar para um pouco longe da mansão e logo nos aproximamos de um jardim onde havia algumas mesas e cadeiras, e pouco mais de cinco pessoas. Pude avistar a rainha sentada em uma mesa conversando com um rapaz. Ou melhor o Príncipe Justin. Por que esse jumento tem que estar perto dela ?

 

Embora houvesse uma repulsa inicial em relação ao príncipe. Ele realmente era lindo, e naquela roupa... Ele estava com uma blusa polo azul escuro, que se ajustavam perfeitamente em seus braços malhados. A calça colada branca coladas em suas pernas grossas e torneadas e botas pretas.

 

A medida que eu me aproximava, meu coração saltava mais. Ele estava de pé e tirava os fios de cabelo loiros rebeldes, que insistiam em ficar na frente de seus penetrantes olhos cor de mel. Senti um arrepio percorrer minha espinha ao ver aqueles olhos se direcionarem a mim.

 

Meu coração já batia feito um louco querendo sair do lugar.

 

- ­Senhorita Lovato! - A voz calma e limpa da Rainha fez eu desviar minha atenção para ela.

 

­- O-Olá, Vossa Majestade. - Fiz uma reverência.

 

- ­Por favor, me chame apenas de Pattie. Sente-­se. - Ela fez menção para que eu me sentasse na cadeira na sua frente.

 

- ­Sim. - Sentei.

 

- ­Senhorita Lovato eu gostaria de...

 

- ­Demi.  Chame-me apenas de Demi. - Ela sorriu.

 

- ­Demi, eu gostaria de, em primeiro lugar, agradecer por ter aceitado minha proposta.

 

­- Como ela não iria...

 

­- Justin! Sente, por favor. - Ele sentou ao lado dela. - Eu sei que deve ser difícil. Desistir da sua vida para se casar com um estranho. Mas eu gostaria de saber porque você decidiu aceitar.

 

- ­Vossa Majestade, eu vou abrir o jo-

­Idiota! Ela é a Rainha, como é que você fala isso? Dou um tapinha na boca.­ Eu irei falar a verdade. Eu e a minha irmã estamos passando por um problema e eu não vi outra solução a não ser casar por dinheiro. Se eu tinha alguma dúvida em relação ao seu caráter, elas se dissiparam agora. Você é apenas mais uma vigarista interessada em dar o golpe do baú.

 

- Mãe, a senhora vai mesmo cair na ladainha dessa aí?

 

Meu sangue começou a ferver.

 

­- Justin, se eu disse você vai casar com ela, você vai casar com ela. Eu já aceitei todas as tuas condições e você me deu sua palavra!

 

­- ESCUTA AQUI! - Eu não poderia gritar aqui, então baixei o tom de voz. - ­Escuta aqui! seu playboyzinho metido, que só quer saber de vadiar, você não tem o direito de falar assim comigo, quando você não é melhor que eu!

 

Meu rosto estava queimando. A única coisa que eu queria era dar um tapa na cara dele. Eu estava me segurando.

 

­- Como ?

 

Suspirei. Tinha que ganhar dele, apenas.

 

- ­Isso mesmo, você esta tão alienado a essa vidinha, que sua mãe teve que vir atrás de mim, para fazer um casamento, para ver se consegue resolver esse seu problema. Portanto, você não tem o direito de falar isso comigo, e eu posso até estar casando mas é para resolver meus problemas. E você, está vadiando assim por quê ?

 

Eu comecei a encará-­lo. Parecia que eu havia atingido meu objetivo, porque ele estava bufando de raiva.

 


Notas Finais


Espero que gostem, podem criticar (Criticas construtivas) e comentem, vocês não sabem a importância de um simples comentário


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...