História Um romance igual aos filmes. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Chen, Personagens Originais, Sehun
Exibições 88
Palavras 3.162
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Festa, Fluffy, Hentai, Josei, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Voltei!!!

Deu trabalho... não sei se está lá essas coisas... mas escrever sobre os bastidores do mundo da moda - e as coisas escusas e ill, que acontecem lá...

Me deixa com vontade de arrumar treta!?

*Brinks

Me amem, comentem, recomendem - enfim fiquem a vontade amores e amoras!!!

~Kisses from Mars~ #Saranghae!!!

Capítulo 1 - One Shot - Um romance igual aos filmes (Oh Sehun - EXO)


Fanfic / Fanfiction Um romance igual aos filmes. - Capítulo 1 - One Shot - Um romance igual aos filmes (Oh Sehun - EXO)

BASTIDORES DA ''LONDON FASHION WEEK'' 

 

A srta. Warshawn estava uma pilha de nervos!? 

Até parecia que era ela, quem desfilaria... porém seu estado de nervos precário devia-se ao fato de estar obcecada. 

A mais ou menos 4 meses, a loucura da febre 'pré-desfile' da nova coleção, apanhou a todos no estúdio de moda, de David Robertson. 

Helena Warshawn, ficou especialmente 'louca' nesse período. 

Pensava: 

"Tudo tem que sair PERFEITO! Nada menos que isso." 

Helena estava no staff de David Robertson – um estilista badalado no circuito de moda londrino - há suados 2 anos. E esta era a primeira vez, que ele a encarregara das partes mais importantes do desfile de exibição. 

Isso significava que havia sido promovida!? 

''Aleluia, até que enfim!?" - pensou excitada com a novidade. 

"Em breve, poderei expor minhas ideias, trabalhar em meus próprios projetos, expor meus croquis... o céu é o limite!?" - e Helena sonhava acordada. 

Mal sabia a pobre srta. Warshawn, que as reais intenções do Mr. Robertson – dono da marca, para a qual estava dando literalmente seu sangue - não eram nada do que ela esperava. 

David Robertson era um homem desprezível. 

E um negociante de ferro – ainda mais implacável. 

Ele tirava proveito de tudo e de todos – vivia como um marajá, e não se importava nem um pouco com os comentários a cerca de sua vida, e da maneira desregrada com que ele a vivia. 

Os planos de Mr. Robertson para a jovem e talentosa assistente escocesa – Helena Warshawn, consistiam em aproveitar-se da ingenuidade e inexperiência dela para, roubar suas melhores ideias, fazendo-a trabalhar arduamente e com afinco, a fim de receber um salário pífio - por que a grana de verdade – aquela que os astros e estrelas pagavam, para vestir 'suas criações'... desses dividendos, a garota não chegaria nem perto. 

E não parava por aí: 

Ele pretendia mantê-la em seu staff, até conseguir, o que obtinha de todas as assistentes que tivera antes dela... sexo fácil, cheio de interesse – e vez ou outra, excitação. 

Vivia entediado... um caso ou outro, se de nada valesse, ao menos o distrairia por algumas horas, quem sabe... 

Depois era simples - descartá-la. Não era bom pros negócios, misturá-los com sexo. 

Helena Warshawn era jovem e bela. 

Porém nos backstages das semanas de moda pelo mundo, o que não faltava eram mulheres jovens e belas... todas ansiosas por uma chance... 

Helena Warshawn era só mais uma ruiva bonita – em meio à tantas outras. 

 

NA MESMA SEMANA – LONDRES, DO OUTRO LADO DA CIDADE... 

 

_Sehun vagabundo!? Acorda!!! 

Chen o amigo de longa data de Sehun – e sua voz incrivelmente potente, ensurdecedora e assustadoramente alta – berrava pra Sehun voltar ao mundo dos seres vivos.  

_Caramba Chen... onde é o incêndio!? 

_Você não toma jeito mesmo né, Sehun? 

_Desembucha criatura!? Eu esqueci alguma coisa... e como acabei de acordar, não vou lembrar tão cedo... vai falando logo!? 

_A cobertura da LONDON FASHION WEEK Sehun!? A conclusão da faculdade de cinema... o nosso projeto, é filmar o evento, tipo um curta-metragem, seu débil mental!? 

_Putz!? Eu tinha esquecido completamente!? 

_Conta uma novidade, Sehun... 

 

Chen e Sehun eram amigos de infância. 

Quando decidiram que cinema era a vida deles – ambos tentaram uma vaga na Academia de Artes e Cinema Londrina – o que foi uma puta jogada de mestre, pois com o desempenho acadêmico impecável de ambos (os coreanos são bem rígidos com educação) - não foi complicado ingressar nessa universidade. 

A mudança pra Londres já foram outros 500... 

Enquanto Chen se habitual às mil maravilhas... Sehun apanhou do fuso horário. 

Depois veio as 'confraternizações infernais' e intermináveis, da república a qual eles pertenceriam durante o primeiro ano – ser calouro é fogo! 

No segundo ano – Sehun fez questão de ir morar na cidade - não era esse o objetivo, quando saíram de Seoul? Conhecer o velho continente? A faculdade era bem mais puxada do que ambos esperavam... mas compensava. 

Chen e Sehun eram completos opostos. 

Enquanto Sehun era na dele, focado apenas em sua arte – e completamente desligado das pessoas a seu redor... Chen era um aluno brilhante, e um sucesso absoluto entre as alunas!? 

As garotas tentavam de tudo pra captar a atenção de Sehun – mas ele simplesmente não se dava conta. Não que ele não se interessasse por garotas, ele apenas não havia topado com uma garota realmente cativante. 

E ele não perdia tempo, com conquistas frugais. 

Isso não fazia o estilo dele. 

Não se envolvera à sério com ninguém até então. 

Chen, pelo contrário, também não havia tido qualquer tipo de relacionamento sério com quem quer que fosse – mas não via mal algum, em dormir com uma garota diferente, a cada noite. Era solteiro – nada o impedia. 

E as garotas se jogavam em cima dele. 

O engraçado desses dois dividirem um apartamento no centro de Londres, é que um não se incomodava com os hábitos do outro. Sehun tinha um sono pesado – dormia feito uma pedra! Logo, os sons advindos do quarto do seu amigo, não o perturbavam de maneira alguma. 

E era sempre com uma expressão desconcertada, que as moças iam embora no dia seguinte, ao darem de cara, com o outro morador do apartamento 603, em Camden. Sehun era bonito demais pra ser tão indiferente... mas a verdade, é que ele não fazia o menor caso, do jeito exuberante de Chen. O outro caçoava do jeito avoado do dele: 

_Sério mesmo, que você não ouviu nada, Sehun? 

_Já disse que não!? Qual é o seu problema, Chen? Quer se tornar um astro pornô? 

_Aish, não seja desagradável... se bem que - você não dorme Sehun, você entra em coma todas as noites. 

_Melhor que ficar ouvindo os gritos das suas garotas, amigão... fala sério. 

Sehun não se compadecia das colegas de faculdade – que arrastavam uma Picadilly Circus inteira por ele... no que dizia respeito àquele coreano misterioso – nenhuma delas era interessante. 

Chame de destino – bem... chame do que quiser – mas tudo estava pra acontecer na LONDON FASHION WEEK. Alguém perderia a inocência. Alguém se sentiria útil... alguém esbarraria no amor de sua vida – tudo ao mesmo tempo agora. 

E é necessário muita coragem pra arriscar tudo – instintivamente. 

 

O DIA DA CAÇA: 

Helena se adiantou em cada detalhe do desfile da Robertson Creats. 

Tudo estava impecável - seu espírito diligente, não a deixou descansar, enquanto não conferiu peça por peça, das roupas que iriam para a exibição. 

Ela estava orgulhosa... modéstia à parte (bem à parte!) as peças que entrariam na passarela – no corpo das lindas modelos – estavam deslumbrantes! 

Mas as coisas estavam longe de atingir a perfeição. 

Na cabeça de Helena, ser uma profissional competente era mais que suficiente. Então não entendeu as más respostas de Mr. Robertson, assim como a chuva de críticas (todas infundadas!) à sua maneira de organizar o evento. 

E o pior de tudo, é que apesar da maneira abominável com que David Robertson se portava – o desfile estava sendo um sucesso absoluto. Helena já não sabia o que fazer – o homem estava fora de si! Era muito estresse...  

Mas ela continuou realizando seu trabalhando – e evitando chegar perto dele. 

Helena não se dava conta, que instintivamente mantinha aquele homem à distância - algo na aparência e nos maus modos dele, a amedrontavam, e ela não sabia dizer exatamente o quê. 

No ultimo dia de desfiles... 

David Robertson finalmente revelou o motivo de seus ataques histéricos de fúria. 

Tudo foi muito rápido... os bastidores dos desfiles, são verdadeiros labirintos... quando Helena se deu conta, estava trancada em uma sala, com Mr. Robertson, e ele apresentava uma atitude estranhamente insinuante, e se aproximando demais – atitude essa, que Helena não aprovava, nem dava seu consentimento. 

Quando notou que ele planejava algum tipo de jogo erótico - Helena ficou enojada. E ficou furiosa, quando ele tentou beijá-la à força, enquanto espalmava suas mãos tentando mantê-lo à distância, e ele passava as mãos por seu corpo – Helena o empurrou com toda a força! 

_Mr. Robertson!? O que o sr. acha que está fazendo? 

_Achei que você fosse mais esperta, Warshawn... não é evidente? 

Ele foi mais uma vez, pro rumo dela: 

_Não se aproxime de mim!? Nem mais um passo!? 

_Ou o quê Helena? Você vai gritar? Vá em frente... ninguém vai te ouvir, sua estúpida! 

_Não se aproxime, David Robertson!? Eu não sou uma prostituta, sou sua assistente – e a mais talentosa que você tem em seu cast! 

_Por isso mesmo tonta... quer ser assistente pra sempre? Ou quer me fazer um sexo oral – e ser promovida? 

_Seu porco... eu prefiro enfiar uma tesoura na sua jugular... Chega mais perto pra você ver o que te acontece!? Abra essa porcaria de porta agora! 

_Olha, e ainda por cima, é brava... ruivas!? O que é Helena? O que há demais em transar comigo - só porque sou seu chefe? Qual é... 

_Eu mato você! Estou avisando... 

Algo na maneira como Helena falava – o avisou que ela não estava blefando. 

"É bem capaz dessa caipira destemida, passar essa tesoura na minha jugular... selvagem!" - Robertson pensou com raiva – e ainda excitado pela mulher que o encarava com olhos insanos. 

_Abra a porra da porta, Mr. Robertson!? Nesse minuto!? 

Ele abriu a porta, e ficou encarando-a com uma expressão lasciva repugnante... e a desafiou a passar por ele: 

_Não vai sair Helena? 

Helena o encarou nos olhos, com toda a fúria e repulsa que podia expressar: 

_Você é miserável David Robertson. E caso não tenha ficado evidente – eu me demito. 

E passou por ele de cabeça erguida – ainda que estivesse mortificada. 

Não foi só pelo assédio - mas por todo o seu trabalho, tudo ficaria na surdina... jamais seria reconhecida. Aquilo a entristeceu de verdade... 

Sem mais nada que fazer – Helena ficou em uma parte do camarim perto da saída, sentou-se lá - e deixou rolar um pranto sentido. 

Ali perto - alguém a observava... 

 

O DIA DO CAÇADOR: 

 

Sehun e Chen, já haviam concluído as filmagens do documentário deles – a respeito da badalada semana de moda de Londres. Chen estava todo entusiasmado no meio das modelos, enquanto Sehun estava morto de tédio... até bater os olhos em uma menina muito bonita, que estava de lado, sem compartilhar da felicidade dos demais presentes. 

Estava tão deslocada quanto ele mesmo. 

Ele ficou ainda mais vidrado nela, quando percebeu pequenas e finas lágrimas escorrerem de seus olhos... por que alguém choraria nos bastidores de um evento como aquele? E porque cargas d'água, ela aparentava aquela tristeza tão grande? 

Sehun se aproximou dela... e sem esperar convite, sentou-se ao lado dela – lhe estendendo um lenço para que ela pudesse secar as lágrimas. 

_Oi, desculpe a intromissão - mas vi você chorando, e não pude ficar longe... qual o problema? 

Helena encarou aquele rapaz tão bonito, e tão gentil, e não foi capaz de afastá-lo – ou de fabricar uma mentira: 

_Meu chefe... oops, meu EX- CHEFE, é um imbecil. 

_Nossa, e o chefe de quem não é? Todos são uns cretinos babacas – qual a novidade? 

Ambos riram. 

_A novidade, é que o meu ex-chefe, me ofereceu uma promoção em troca de sexo. 

_Nossa, meu Deus!? Então esse cara é o babaca mór... 

_Obrigada... o babaca mór, é o estilista homenageado da noite. E eu sou a mais nova desempregada da área... a vida, as vezes é bem sacana!? 

Ele lhe estendeu a mão, cumprimentando-a e a ajudando a levantar-se: 

_Oh sehun. 

_Helena Warshawn, prazer em te conhecer Sehun. 

_Espera... Warsol? 

_Warshawn... hahahahahahhaha ninguém acerta de primeira, Sr. Oh!? 

_Então Helena... quer sair e tomar um café comigo? 

_Café? São umas 4:00 horas da manhã! 

_Café, mais duas horas e o sol nasce, e aí - vamos? 

 

Helena nada tinha a perder. 

Seu emprego? 

Sua dignidade? 

Tudo já tinha ido pelo ralo mesmo... quê que tinha, sair com aquele cara gato, e gentil pra desanuviar a cabeça? 

Era melhor do que ficar ali chorando, desamparada como estava. 

E saíram. 

Sehun nem ao menos se deu ao trabalho de avisar Chen, que estava indo embora. 

"Ah ele já é adulto – sabe se cuidar..." 

Foram vagar pelas ruas, ainda desertas do centro de Londres. Estava frio, como na maior parte do tempo na capital inglesa – ou é frio e chuvoso, ou frio e com ventos cortantes. 

Mas nenhum dos dois ligou. 

Tomaram café as 05:00 da manhã. Foram conversando durante o trajeto a esmo que traçaram. E descobriram muitas coisas intrigantes a respeito de si mesmos... como eram ridiculamente parecidos.  

Gentis com todos - porém, extremamente reservados. 

Ambos saíram de seu respectivo país e cidade natal – perseguindo sonhos. 

Tinham tido certo êxito. 

Sehun estava prestes a se formar em cinema. 

Helena já era graduada em moda – mas o estágio na 'Robertson Creats' era um ponto crucial em sua carreira... e isso a deixava deprimida. Aquele verme poderia arruinar suas chances nesse ramo. 

Helena não soube dizer como, ou porque – mas sentia-se segura na companhia de Sehun, como não se sentia fazia um certo tempo. 

E viu-se contando coisas íntimas pra ele. 

Simplesmente porque não podia mais guardar suas preocupações e sucessos pra si mesma. 

Sehun era um ouvinte atento e interessado. 

A verdade é que Sehun sentia-se enfeitiçado por Helena. Nunca sentira aquela necessidade de proteger alguém, e de assegurar pra essa mesma pessoa que tudo ia ficar bem – por mais que ele não soubesse. 

Ele se abriu pra ela. 

Contou que sair de Seoul foi a melhor decisão que tomou – ainda que não tenha sido a mais fácil. 

Que amava criar, escrever e dirigir filmes – ainda que sua experiência fosse pouca. 

Ele sempre soube, que era atrás das câmeras que sua vida finalmente entraria nos eixos. 

Isso surpreendeu Helena... o que a levou a perguntar: 

_Você não sente que sua vida é estável, Sehun? 

_Não é isso... é que... a deixa pra lá!? 

_Deixa pra lá, nada!? Me conta – o que te perturba? 

_Não é uma perturbação... eu me sinto diferente. 

_Diferente como? 

_Veja o meu amigo, o Chen. Ele trabalha na mesma área que eu. E é um casanova... eu não sei ser assim!? E as vezes, sinto que é exatamente o que as pessoas com quem eu convivo, querem que eu seja – um casanova irresponsável... 

_Ah Sehun... eu entendo você... não sei se deveria, mas entendo. - e o abraçou. 

Ele a encarou no fundo dos olhos... aqueles olhos de gato, profundamente verdes... 

_Eu nunca me apaixonei de verdade por ninguém Helena. 

Ela ficou presa no olhar dele – e não foi capaz de lhe dar uma resposta. 

_Pelo menos... não até agora. 

_Sehun... 

_Shiiiiiu... 

E a puxou de encontro a si mesmo, dando-lhe um longo – e luxurioso beijo. 

Eles se sentiram atraídos um pelo outro – do momento em que trocaram as primeiras palavras, ainda nos bastidores do desfile. 

Terem passado o dia seguinte inteiro vagando por Londres - e parando ocasionalmente para comer alguma coisa, foi só mais uma constatação do óbvio. 

O dia passou, e a noite foi chegando de mansinho... colorindo o horizonte com cores púrpura em várias tonalidades... e antes que a magia de se encontrar com o amor (talvez, aquele amor da vida inteira) se dissipasse, Sehun resolveu levar Helena pra casa... pra 'sua' casa. 

E ela apenas o seguiu. 

Estranhamente (''graças ao bom Deus!'' - Sehun pensou com certo alívio) Chen não estava... nem qualquer uma de suas 'ficantes'. 

O que veio a seguir, foi tão natural quanto respirar. 

 

UM DIA SABEREMOS... 

 

Helena estava despida – e com os cabelos maravilhosamente desalinhados, sua cabeça repousava mansamente no ombro de Sehun. 

Sehun... 

Sehun... 

Sehun... 

 

Ele era seu Adônis particular. 

Um deus grego – em carne e osso. 

E vigor, e volúpia - e que loucura!? 

 

Sua vida dera uma guinada de 180º graus!!! Relembrava agora, deitada na cama daquele ser fabuloso demais, quase um ser mitológico - que se não a tivesse satisfeito daquela maneira, a pouco tempo antes, seria capaz de jurar, que era bom demais pra ser real. 

 

E era. 

Ele era tudo de bom – e muito mais.  

 

Desde o dia fatídico em que se demitira da 'Robertson Creats' - e conhecera Sehun, sua vida mudou. 

Pra muito melhor!? 

Depois de passar o dia com Sehun – ficou evidente pra ambos, que a atração mútua que sentiam terminaria por levá-los pra algum lugar mais reservado... o quarto de Sehun, no apartamento 603, em Camden. 

Daí, sua mente girava - só de lembrar, os arrepios de prazer que sentiu, quando ele tocou sua pele exposta, pela primeira vez – com  a boca, com as mãos, como ele a marcara como sua – e como fizeram amor intensamente. 

Verdadeiramente. 

Até altas horas da madrugada. 

Como nunca havia se sentido tão feminina e atraente como mulher – antes de ser tocada por ele. 

Como ele a possuíra loucamente. 

E como a partir daí - ele passou a fazer isso sempre. 

E sempre a levando as raias da loucura – antes de atingir o ápice... Helena se tornou dona e serva, daquele ser inacreditável. 

 

Sehun se tornou cineasta. 

E tomou a peito a causa de Helena - não permitindo que David Robertson a atacasse, ou a prejudicasse de qualquer maneira. 

Sem as mazelas de um inimigo influente nos bastidores dos desfiles (graças à Sehun) - Helena abriu a própria empresa. 

E como estilista talentosa que era – mas o trabalho árduo, ao qual já estava habituada, os resultados logo vieram. 

Em menos de um ano, Helena Warshawn conseguiu imprimir credibilidade em sua marca. E em menos de três anos - já era uma estilistas mais badaladas do circuito fashion londrino. 

Tudo conseguido com talento e trabalho. 

Nada de envolvimentos sórdidos, com velhos decrépitos - e afoitos por tirar uma casquinha de você. 

Helena ficou muito orgulhosa de sua vitória - suada e digna. 

E ficou toda boba, ao chegar em casa – o apartamento que passou a dividir com o amor de sua vida, e o encontrou a sua espera, tocando uma canção, meio triste – mas que se tornou a canção dos dois. 

Pois era a música que tocava, naquele café, a quase quatro anos atrás - ás 05:00 da manhã, enquanto eles tomavam café. 

"Someday we'll know 

If love can move a mountain 

Someday we'll know 

Why the sky is blue 

Someday we'll know 

Why I wasn't meant for you 

(Yeah, yeah, yeah, yeah) 

Someday we'll know 

Why Samson loved Delilah 

One day I'll go 

Dancing on the moon 

Someday you'll know 

That I was the one for you" 

 

_Você é o único pra mim, amor... - Helena o beijou, com olhos cheios de lágrimas, de uma gratidão que ela não sabia por em palavras. 

_Você também, foi feita pra mim, Helena Warshawn... e eu te amo. 

 

Chen entendeu quando os pombinhos resolveram morar juntos. 

Ficou feliz por Sehun, finalmente ter desencantado!? 

E ele mesmo, parou pra pensar... estava na hora de trocar todos aqueles relacionamentos de uma noite só - por algum assim. 

 

Sólido e permanente. 

 

Sehun era um cara de sorte. 

 

E ele mesmo queria ser também um cara de sorte...  

"É só olhar pros lados, Chen!?" - Sehun sorriu. 

"Sugestão anotada, Sehun! Se funcionou pra você..." 

 

 

                                                /\/\/\  FIM /\/\/\ 

 
 

 


Notas Finais


A música do casalzinho arco-íris se chama: SOMEDAY WE'LL KNOW de uma banda extinta - o New Radicals. Recomendo fortemente que vocês ouçam (se possível lendo a fic - essa música é perfeita!)

Então...

Digam-me leitores abiguinhos... curtiram?

Favoritem, espalhem que curtiram - se não curtiu, fique a vontade pra falar também!!! Eu amo ler review, sério.

Até mais pessoinhas!!! Mars says: Good Bye!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...