História Um Segredo Obscuro - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Amor Doce, Nathaniel
Visualizações 36
Palavras 941
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hellou, hellou lindo leitores, como estão? Dormiram bem?
Trago rapidamente mais um capítulo de Um Segredo Obscuro. Pareço ate locutora de novela, senhor >U>

Espero que gostem do capítulo de hoje, beijos ^3^

Capítulo 2 - Eu cometi um erro


Fanfic / Fanfiction Um Segredo Obscuro - Capítulo 2 - Eu cometi um erro

— Relatório escolar, horário... — pronunciava as poucas palavras que surgiam em meu cérebro, como se fosse um ato para eu me lembrar melhor, enquanto caminhava pelo corredor da escola, que no momento, não se encontrava totalmente vazio.

Estava fazendo meu máximo para não me esbarrar com alguém, mas estava virando uma tarefa difícil, pois mantinha meus olhos mais concentrados nas folhas em minhas mãos, do que em alguém que passava quase me levando junto. E talvez, esse poderia ter sido um dos meus erros nessa manhã.

— Caralho, ta com o olho na bunda? — a voz rouca soou grosseiramente.

Logo por escutar sua voz, já sabia quem havia se esbarrado em mim. Bufei, tirando meu olhar das folhas e me virei para encara-lo, sem muita emoção, com uma expressão mais séria do que costumo ter.

— Não, porque ao contrário de você, estou fazendo algo de útil! — respondi, pronto para dar as costas, quando o sinto segurar meu pulso com certa força. 

O encarei, com a mesma expressão séria.

— Quem você pensa que é Nathaniel? — sua voz parecia ter soado em raiva.

— Ninguém...!! 

O respondi, com uma certa ironia na minha expressão, e para a finalização de todo aquele show, onde grande parte da maioria havia parado de fazer o que estavam fazendo para nos observar, eu sorri de canto, me soltando da sua mão forte, a qual dava visões de suas veias. 

Tomei novamente o mesmo rumo o qual eu prosseguia, antes de me esbarrar com Castiel. Podia ser visível o meu tanto faz para o que acabará de acontecer, mas já para outros, estava rolando comentários e ate mesmo dedos apontados para mim.

— Nathaniel, o representante de tumar, o que tem a dizer sobre o que acabou de acontecer e sobre suas ações??

Com um piscar de olhos Peggy havia se posicionado ou ate mesmo aparecido em minha frente sem ao menos eu perceber, o que acabou fazendo eu simplesmente me assustar e soltar um suspiro, o qual alertava que minha paciência não estava nas alturas nessa manhã.

— Peggy, eu não estou mui.... — fui interrompido pela mesma, que ainda esbanjava seu sorriso.

— Como foi deixar o Castiel sem palavras? — piscou os olhos em curiosidade — Sabemos o quanto isso é difícil acontecer...

Fechei meus olhos e respirei fundo, podia perceber meu cérebro contar até 10. Não poderia perder a linha com uma garota, ou ate mesmo com Peggy, que escreveria sobre isso mais tarde.

— Sem tempo para isso Peggy, licença!

Tentei ser educado, sorrindo falsamente para a mesma, que acabou desmanchando o sorriso que estava esbanjado em seus lábios. Desviei da mesma, e continuei o meu caminho. 

"Só gostaria de levar esses papeis a diretoria, será que é tão difícil assim?"

[...]

Fechei a porta atrás de mim, levemente em seguida escorando minhas costas sobre ela. Fechei meus olhos e soltei um longo suspiro, notando que mais um dia, havia chegado ao fim. Porém, minha felicidade duraria pouco, pois teria que voltar para casa e encarar a minha dura realidade como todas as outras vezes.

Abri meus olhos, olhando para a sala do grêmio em si, enquanto vários pensamentos invadiam minha cabeça. 

Tudo o que eu mais desejava, era que aquele tipo de vida, acabasse. Tudo parecia extremamente pesado para mim, e era pesado, porém, todos os dias eu vinha a aguentar, sem tomar certas atitudes.

Me perguntava: "como eu poderia amar uma família a qual apenas me maltrata?"

Como um toque para a minha volta a realidade, a porta praticamente se abriu, me fazendo dar um pulo para frente e logo olhar para ver quem adentrava no local. 

"Melody.."

— Fiquei sabendo o que se ocorreu no corredor hoje mais cedo, esta tudo bem? — a mesma parecia preocupada.

Assenti, com os cenhos franzidos e olhos vidrados ao chão. Espremi um pouco meus lábios, antes de encara-la de uma vez. 

Eu estava bem sobre a história que aconteceu hoje mais cedo, para mim não era importante ou ate mesmo drástico o que aconteceu entre mim e o ruivo, não podia entender como as pessoas levavam tão a sério uma pequena discussão, e como poderiam me ver tão submisso a esse ponto. 

— Que bom, Castiel é meio sem noção mesmo. — sorriu simpática, tentando ser amigável.

Sem tomar controle das minhas ações, abracei Melody, com uma certa força e aconchego. Ela era a única ali, naquele momento, que parecia poder me dar conforto e um certo amor. A mesma parecia espantada, o que não seria novidade, pois o abraço havia sido um tanto inesperado e eu nunca havia feito isso antes, pelo menos, não com ela.

Após alguns segundos, pude sentir seus braços rodearem meu corpo, em um abraço com conforto. 

Fechei meus olhos, como se algo que pesasse em minhas costas, haviam sumido. 

Cessei o abraço, e então a encarei. Olhei profundamente em seus olhos, e pude vê-la tentar formar um sorriso em seus lábios, um sorriso de conformidade, tentando trazer conforto para aquela situação. Quando percebi, meus lábios já estavam grudados ao seus. 

Parecia ridículo, mas estava descontando de um certa forma, tudo que eu já havia passado, "brincando" com os sentimentos de Melody, a qual já havia um dia me contado. Mas naquele momento, nem pensei sobre isso, apenas desejei que meus problemas sumissem, e a beijei, como se aquilo fosse resolver. 

Eu não parecia ter controle sobre mim, meu corpo parecia reagir sozinho em busca de conforto e carinho de uma pessoa a qual nunca vi, além de uma boa amiga e companheira. 

Deixei que o beijo fosse envolvente, pude sentir a paixão de Melody sobre mim, mas eu não poderia dizer o mesmo ao me respeito.

Eu havia cometido um erro.


Notas Finais


Eu sei, eu sei. Mas, por favor, não me xinguem e não desistam de mim (por mais que eu por um lado, gostei dessa cena de beijo >U>)
Estou tentando desviar das pedras, mas tá difícil sauhsuhuhs
Me desculpem, também não gosto da Melody, mas não resisti a uma cena de beijo entre eles dois haha

Espero que tenham gostado acima de tudo, o capítulo foi pequeno, me desculpem ><
Um beijo (da Melody) e até a próxima ^3^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...