História Um Só Destino - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Resident Evil
Personagens Barry Burton, Chris Redfield, Claire Redfield, Jill Valentine, Leon Scott Kennedy, Rebecca Chambers
Tags Claire Redfield, Cleon, Leon Scott Kennedy
Exibições 61
Palavras 3.914
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa tarde e início de noite, povo *--*
Pois é, dei uma deslizada no tempo, mas cheguei com a Cleon \o/
Momentinho climão, pessoal hahahah...
Espero que gostem!
Boa leitura...

Capítulo 5 - Pensamentos Traiçoeiros


Fanfic / Fanfiction Um Só Destino - Capítulo 5 - Pensamentos Traiçoeiros

            -O que é que está rolando entre vocês?

Ele perguntou com uma expressão muito séria para nós e a Claire começou a rir, mas acho que era mais por nervosismo do que por ter achado graça.

            -Deixe de ser bobo, Chris!

            -Então melhor me explicar essa história direito.

Ela respirou fundo e destrancou a porta agora parecendo estressada e entrou com ele de atrás e mesmo eu achando melhor deixar eles se entenderem, a Claire me puxou para dentro.

            -Primeiro, não pense bobagem! O Leon dormiu no meu sofá essa noite, foi só isso, algum problema?

            -Dormiu aqui?

            -É.

            -Por quê?

            -Porque ele ia alugar um quarto, mas não faziam reservas tão tarde, aí convidei ele para ficar aqui!

            -Você convidou?

            -É.

            -Você pirou?

           -Chris, fala sério! Primeiro, se eu tivesse rolado com ele na minha cama a noite toda o problema não seria seu e em segundo, por favor, não é... Você conhece ele, sabe que não me atacaria à noite e se fizesse isso eu acho que saberia colocá-lo para fora.

            -Mas não pega bem!

            -Ah, por favor... Eu vou ter 60 anos e ainda vai querer me controlar?

A discussão foi piorando e eu não via brecha para eu me meter para ajudar a Claire, então pego minha bolsa no chão e vou até a porta.

            -Nem pense em sair, Leon!

Claire me fala, mas Chris a encara feio.

            -Deixa ele sair sim, porque eu e você temos que conversar!

            -Ah, você só sabe me envergonhar!

            -Ah, claro que sim e você agindo desse jeito, não me envergonha?

            -Não!

Eu dei as costas e saí dali ouvindo a discussão aumentar e mesmo eu me sentindo mal por não ajudar a Claire, sei que aquilo era mais birra de irmão e ciúmes do que outra coisa... Se eu me envolvesse, eu com certeza pioraria.

Se for o caso, eu procuro o Chris amanhã e esclareço tudo com ele e aí fica tudo certo.

Subi ao meu apartamento e arrumei o guarda-roupas com minhas roupas novas e as velhas ainda limpas. Deixei a bolsa em um canto e fui para o banho ainda pesando nos dois discutindo por minha culpa... Eu sabia que não devia ter aceitado ficar no apartamento dela.

O Chris tem razão, mesmo não tendo rolado nada, pega mal para ela, a mulher que sempre sai prejudicada com as más aparências.

Depois do banho, fui para a sala e liguei a televisão esperando o tempo passar para ver se a Claire aparecia... Se ela não vier, eu desço. Se o Chris ainda estiver lá, eu explico tudo e digo que não vai acontecer de novo.

Alguém bate na porta.

Eu levanto rápido e vou até lá abrindo um sorriso por vê-la ali com um olhar meio sem jeito e a deixo entrar. Ela fica em pé olhando a televisão e vira pra mim me deixando apreensivo por um momento achando que talvez me mandasse embora ou algo do tipo.

Mesmo antes eu relutando em ficar aqui, agora quero ficar... Quero continuar aqui, com ela por perto.

            -Desculpe por meu irmão...

            -Tudo bem, apesar de tudo ele tinha razão.

            -Não, ele é muito ciumento, acha que pode me controlar.

            -É seu irmão e ele nunca vai mudar.

            -Eu sei, por isso me irrita... Mas enfim, desculpe por ele ter pensado mal de você, porque sei que jamais você faria algo que eu não quisesse.

            -Obrigado pela confiança. – Eu sorri – E desculpe se causei uma briga entre vocês dois.

            -A culpa não foi sua, só do meu irmão obcecado.

            -Certo... O que ele queria?

           -Veio me convidar para ir na casa dele jantar essa semana... E disse para eu te convidar também, porque no final das contas ele se convenceu de que não aconteceu nada e... Enfim, comida de graça na casa dele e da Jill.

            -Disse que eu ia te levar para jantar amanhã?

            -Eu disse que ia sair para jantar, mas não falei de você... – Ela riu – Achei arriscado falar disso no estado em que ele estava.

Nós rimos e eu concordei... Se o Chris acha que tenho alguma intenção com a Claire, realmente é melhor deixar nosso jantar só entre nós.

            -Então eu vou... Nos vemos amanhã?

            -Sim, você vem aqui ou quer que eu desça lá?

            -Ah, vamos variar... Eu venho para cá.

            -Tudo bem, te espero então.

            -Ok, boa noite!

            -Boa noite, Claire.

Ela veio e me deu um beijo no rosto me deixando tonto com aquele gesto, porque se afastou rápido demais. Abri a porta para ela que me deu um aceno e mais um sorriso.

            -Durma bem.

            -Você também, Leon... Sem pesadelos!

            -Pode deixar.

Quando sumiu de vista passei a chave na porta e a solidão e escuridão do quarto me agarrou. O silêncio e a ausência do sorriso da Claire, do jeito doce e descontraído pesou uma tonelada no lugar.

Desviei daquilo e fui para o quarto tirando a camisa para dormir mais confortável e me joguei na cama macia e aconchegante.

 

...

 

            -Não devia ter deixado que isso acontecesse!

Uma voz feminina invadiu o lugar e Adam novamente estava na minha frente me encarando com os olhos vermelhos e famintos.

            -Como você pôde, Leon?

A mulher chorava ao falar, mas eu não a via porque não conseguia me mover ou desviar da visão do Adam que começou a cambalear em minha direção e mesmo tentando sair dali, não consegui. Ele veio para cima de mim e senti seus dentes perfurando a carne do meu pescoço e eu grito.

Dou um salto na cama sentindo o suor escorrer de mim e meu fôlego alterado. Abaixo a cabeça e tento respirar fundo para me acalmar e faço um travesseiro voar pelo quarto angustiado com os pesadelos que não me deixavam em paz.

Claire... Um único pensamento invadiu minha cabeça, o sorriso da única pessoa que me faz esquecer esse desespero dentro de mim.

Caio novamente na cama vendo que apenas eram três da manhã e respiro fundo tentando focar nela... É a única maneira.

Fixei seu sorriso, seu olhar e seu jeito meigo... O jeito espontâneo de falar e de agir que me encanta e me conforta.

 

...

 

Abri os olhos assustado, já como de costume.

Sem pesadelos...

Respiro fundo notando que consegui apagar sem pesadelos dessa vez e me sinto menos pior, então sigo ao banheiro.

Quando saio pego minha camisa para colocar e vou até a sala para sentar no sofá, mas quando encosto nele alguém bate na minha porta.

Meu sorriso é espontâneo em já saber quem é e corro para destrancar e abrir me deparando com aquele sorriso que vinha carregando os filmes e as gordices que compramos ontem.

            -Pronto para nossa seção cinema?

            -Completamente... Bom dia, Claire.

            -Bom dia!

Ela me dá novamente um beijo no rosto e vai para sala espalhando as coisas e fico ali observando ela até que se joga no sofá deixando os pés sobre a mesa.

            -Pode buscar uma coberta para nós?

            -Sim, claro...

Eu fui até meu quarto e peguei a minha mesmo voltando ao sofá me jogando ao lado dela que já havia colocado o filme e me estendeu um pacote de amendoim que comi junto com ela.

O dia passou voando, assistimos tudo um de atrás do outro, com pequenas pausas para ir ao banheiro e devoramos toda a comida e pipoca que compramos até ficarmos apenas assistindo em silêncio.

Ríamos nas mesmas partes, nos surpreendíamos nas mesmas partes e nos irritávamos nas mesmas partes. Era incrível como nossas mentes eram interligadas quanto aos sentimentos, então ríamos quando notávamos isso.

Com o letreiro do último filme subindo, ficamos ali parados e reparei que começou a escurecer. Ouvindo o suspiro da Claire, eu viro para ela.

            -E aí, o que achou?

            -Inspirador... Somos muito parecidos.

            -Verdade!

Ela levantou deixando apenas eu debaixo da coberta e me olhou som as mãos na cintura e um sorriso.

            -Vou me arrumar para o jantar...

            -Não precisamos reservar?

            -Reservei de manhã

            -Legal.

            -Eu já vou, passa lá no meu apartamento em... Umas... Umas duas horas.

            -Duas horas?

            -É, sou enrolada... Não que eu demore para me arrumar, mas me enrolo demais, preciso de tempo!

Eu ri dela que me empurrou com o pé e ri mais ainda da cara brava dela.

            -Devíamos ter acabado o filme mais cedo...

            -Nem comece com piadas, vá tomar um banho e se arrumar!

            -Agora vem me dizer que estou fedendo!

Eu ri mais ainda e ela me acompanhou com aquele olhar de travessa dela.

            -Eu não queria ser tão direta, mas...

Eu joguei uma almofada nela a fazendo sair correndo para porta e me virei para falar mais.

            -Ei... Esse restaurante é de que tipo? Preciso me arrumar médio ou demais?

            -Médio.

            -Beleza.

            -E vá para o banho!

Jogo mais uma almofada na direção dela que sai rapidamente batendo a porta e me deixando rir sozinho.

Levanto e jogo as embalagens no lixo e sigo reto ao banho sabendo que eu NÃO estava fedendo. Mas mesmo assim, caprichei.

Coloco uma calça jeans escura e uma camisa social preta. Arrumo o cabelo, faço a barba e coloco meu perfume na medida certa para ela sentir já de longe... Mas se quiser chegar mais perto para sentir, também pode.

Depois de pronto, pego a carteira e as chaves e espero dar o tempo que ela disse assistindo televisão. Quando olho no relógio de novo, vejo que deu o tempo e saio de lá trancando a porta e carregando minha jaqueta nas mãos.

Desço com calma até seu apartamento e quando chego, bato na porta e vou do outro lado do corredor me encostando na parede imaginando que talvez demore para abrir.

Mas escuto passos apressados lá dentro e sorrio até que abre a porta e surge com um sorriso... Eu fico perplexo.

Nossa...

Ela estava... Esplêndida. Maravilhosa.

Usava um vestido preto, não justo, mas modelava o corpo gracioso e com tudo no lugar que ela tinha. A maquiagem leve, mas destacava seus olhos azuis brilhantes e o cabelo ruivo caia ondulado nos ombros com um pedaço preso ao alto. Também estava de salto alto, a fazendo ficar ainda mais perto de mim.

Eu não sabia o que dizer e tinha me esquecido de como fazia para sair do lugar, então fiquei a admirando enquanto trancava a porta com um sorriso no rosto. Quando me olhou ela riu.

            -Para de me olhar assim que fico sem jeito...

            -Você está...

Me faltaram palavras para defini-la, então apenas apontei para ela e suspirei a fazendo rir corando agora.

            -Você também.

Ela deu um sorriso leve e quando prendeu seus olhos nos meus eu flutuei um minuto notando como não tinha percebido que ela era ainda mais linda do que eu já tinha percebido antes.

Caminhamos pelo corredor e meus olhos não desgrudavam dela que encarava o chão parecendo pensativa.

Ela está linda demais... E o perfume dela me persegue me fazendo ter devaneios que prefiro desviar antes que “piorem”.

No elevador não sei se fui só eu, mas senti uma tensão que me fez tremer ali do lado dela que continuava pensativa e calada.

            -Tudo bem?

            -Sim...

A resposta dela não pareceu muito convincente, então ela ri meigamente ao levantar os olhos para mim.

            -Levou a sério quando eu disse que precisava de um banho, hein...

            -Me esforcei para você.

Ela sorri sem jeito e as portas se abrem. Seguimos para o meu carro e ela sorri agradecida quando abro a porta para ela entrar.

Vou para o volante e sigo o caminho que ela novamente indicou até o restaurante, com ela agora voltando a conversar normalmente.

Chegando lá, meus olhos estão livres para admirá-la novamente e estendo o braço para ela que sorri ao aceitar. O garçom nos guia até a reserva que a Claire fez para nós e quando vemos a mesa ela ri para mim.

            -Acho que eles levaram a sério quando eu disse “jantar a dois”.

Era uma mesa exclusiva mais ao canto com um ar romântico incomparável que também me fez rir. A mesa estava muito bem colocada e decorada com uma toalha de renda branca e um vaso com rosas vermelhas ao lado.

            -Se queria dar em cima de mim, Claire, não precisava me trazer até aqui!

Ela riu e me empurrou pelo ombro e fui até a mesa puxando a cadeira para ela sentar e fui até a minha.

Seu sorriso era gracioso enquanto observava tudo ali e eu observava ela.

Seus olhos percorriam o lugar e suas mãos se mexiam impacientes, parecendo nervosa por estar ali.

Eu fiquei apenas a observando até que o garçom chegou nos entregando o cardápio e oferecendo as bebidas.

Deixei a critério da Claire que pediu um vinho e olhou para mim para ver minha confirmação já que eu ia pagar. Quando confirmei ela sorriu e o garçom saiu.

            -O que vai pedir para comer?

            -Você escolhe...

Ela sorriu novamente com minha resposta e pediu dois pratos da mesma coisa que não identifiquei pelo nome.

Quando olhou para mim eu ainda a olhava e não desviei, fiquei me perdendo naqueles olhos azuis sem desviar desta vez.

            -O que foi?

Ela perguntou timidamente, então apenas sorri ainda a admirando e me perguntando o que era aquilo também...

Desde que eu a revi, minha vida ganhou um toque diferente. Ela me anima e me deixa feliz com uma facilidade incrível, conseguiu me tirar da escuridão com esse jeito que ela tem e que apenas me faz querer estar mais tempo com ela... E talvez mais próximo.

Eu a conheço há anos, por que nunca senti isso antes? Essa atração que eu sinto me puxar a ela apareceu do nada e de repente seu sorriso se tornou a minha fonte de energia, seus olhos se tornaram a fonte dos meus devaneios e ela... A Claire... Se tornou a fonte onde habitam meus mais profundos desejos que deverão acima de tudo ser mantidos em segredo.

Finalmente desvio dela e encaro a taça de vinho ao meu lado querendo ignorar meus pensamentos e principalmente minhas conclusões... Essa mulher na minha frente me ajudou muito mais do que poderia imaginar. Ela não só está me tirando da minha escuridão, como está me puxando para um mundo novo... Até então desconhecido para mim. Um mundo onde não vejo sentido sem ela.

Deixe de bobagem! É a Claire! A garota que conheceu há anos e cultivou uma amizade e agora quer destruir tudo?

            -Você está bem?

A voz suave dela me fez voltar a encará-la e me perder novamente naqueles olhos encantadores e hipnotizantes que ela tem.

Ela é... Incrível. Adorável... Amável... Apaixonante.

Como não se apaixonar... Como?

            -Pensamentos traiçoeiros...

            -Quais pensamentos?

Os que querem me fazer enxergar uma coisa que já aconteceu e estou tentando fingir que não.

            -Não quero te assustar...

            -Não me assusto fácil.

Eu ri sabendo que aquilo era uma completa verdade, mas mesmo assim eu desviei olhando ao redor e me perguntando se foi o ambiente, o clima romântico ou se apenas somos nós dois que me fizeram pensar nessas coisas agora.

É a Claire... Isso não é um encontro!

E não haja como se ela quisesse alguma coisa, se falasse ia rir da tua cara e sair correndo de você!

Espera, para tudo isso! O que está pensando? Dá para parar?

Ela é sua amiga e confia em você, não tem direito nenhum de se aproveitar da amizade dela para ter pensamentos desrespeitosos...

Bobagem!

Ela é linda e sabe como atiça o sentido de toda a raça masculina e eu não seria diferente, ela sabe que mexe comigo!

Espera, o quê?

Sacudo a cabeça querendo arrancar cada neurônio meu por travar uma batalha mental e ouço a Claire rir.

            -Você está bem mesmo?

            -Vou ficar.

Tomo metade da taça de vinho e ela me acompanha erguendo a dela para mim e faço o mesmo para ela.

            -Um brinde?

            -À quê?

            -A nós dois... Merecemos coisas boas em nossas vidas.

            -Tem toda razão!

            -Mesmo que pareçam pensamentos traiçoeiros e errados, talvez esses sejam a melhor escolha a ser tomada...

Eu me senti como se minha cabeça estivesse escancarada para ela enquanto eu pensava e até me senti sem jeito ao levar a taça a boca.

Não seja ridículo, se ela soubesse o que estava pensando não estaria mais a sua frente!

Viro a taça sentindo um nervosismo e uma ansiedade para eu poder voltar para casa para não cometer bobagens impensadas ou falar alguma coisa que possa estragar tudo... Ou simplesmente agir de maneira que ela perceba.

Mas ela tem uma magia dominante sobre mim... Quando começou a puxar minha atenção para assuntos sem sentido eu segui e já havia perdido as preocupações. A ansiedade dela pela comida me fazia rir sem limites e as histórias que me contava sobre tudo da sua vida não me deixavam tirar o sorriso do rosto.

Ela é a mulher mais incrível que já conheci...

Os pratos chegaram e foi só alegria. Ela comia como um trator e eu não entendia como não se engasgava com a pressa que ela tinha, mas sua risada alegre e sincera me deixava mais bobo...

Quando acabamos ela pediu uma segunda garrafa de vinho e comecei a tomar mais devagar, afinal, se sóbrio já estou com os pensamentos na Lua, imagina meio tomado... Tenho que pelo menos controlar minha bebida.

Ela admirava a pista de dança no meio do salão e mesmo com nossa mesa meio afastada, podíamos ver alguns casais dançando e pelo jeito dela era óbvio que queria ir para lá.

            -Quer dançar?

Eu ri com seu olhar surpreso e o jeito de desconfiada dela.

            -Você dança?

            -Só tem um jeito de você descobrir...

Eu levanto e estendo a mão para ela que naquele momento me olha de um jeito completamente diferente, de um jeito profundo e... Não sei dizer.

Mas quando pega minha mão, eu sorrio e a levo até a pista.

Então... Automaticamente a puxo para perto, coloco uma mão na dela e a outra em suas costas e nossos olhos dão de cara um com o outro no estado mais próximo em que já estiveram.

Ela não sorri... Eu não sorri... Talvez não foi uma boa ideia... Ou talvez tenha sido a melhor.

Eu a guiei ao ritmo lento da música e meus olhos não desgrudaram dos dela nem por um instante e por pior ou melhor que seja... Os dela também não desviaram dos meus.

Senti meu coração acelerar como um desesperado dentro do peito e meu nervosismo aumentou. Meu corpo tremeu tão próximo ao seu, eu sentia que eu a queria mais próxima de mim, eu queria mergulhar no mar de seus olhos e me perder entre seus lábios.

Tudo o que eu via em minha frente era uma mulher linda e espetacular que me tirava a seriedade e dominava meus sentidos.

Eu a guiava pelo salão sem ver direito para onde íamos porque meus olhos estavam ocupados com os dela e aquela atração voltou com tudo em mim me fazendo olhar instintivamente para sua boca... Parecia macia... Doce... Suave... Deliciosa.

Minha garganta queimou e engoli em seco imaginando como seria a fuga dela se eu cometesse uma loucura agora.

Um beijo?

Eu a conheço há anos... Como agiria se eu tentasse algo do tipo?

Quando volto aos seus olhos, vejo que ela olhava para minha boca e desvia quando me nota... Minha cabeça gira e meu coração grita mais alto me deixando ouvir apenas as batidas desenfreadas dele.

Sem pensar mais aproximo meu rosto do dela e vejo que faz o mesmo, mas com meu segundo de descuido ela se desequilibra quando piso no pé dela e me apoio na parede próxima a segurando para não cairmos e ela cai na gargalhada.

Eu a acompanho a colocando em pé novamente e nos separamos, o que me causa um mal tremendo e um desconforto incomparável... Mas finjo tudo estar bem e sinto que o clima se rompeu definitivamente.

Quando olho para ela, ela desvia sabendo o que ia rolar se eu não fosse estúpido o suficiente para pisar no pé dela na hora em que eu ia... Nós íamos...

Leon, se controle.

            -Vamos para casa?

Pergunto rapidamente sabendo que eu precisava ficar longe dela para recuperar meu juízo e ela concorda com um sorriso forçado.

Voltamos a mesa e deixo o dinheiro com o garçom que vem rapidamente nos atender, então saímos.

O vento frio lá fora faz a Claire passar os braços ao redor de si mesma e imediatamente coloco minha jaqueta em seus ombros e passo meus braços ao redor dela que fica sem jeito, mas desta vez apenas quero mantê-la quente.

Abro a porta do carro e ela entra, então vou rapidamente ao volante. O caminho é completamente silencioso, nenhum de nós fala nada e ambos provavelmente temos o mesmo pensamento.

No que estava pensando, Leon?

Ela... Ela também veio ou foi impressão minha? Talvez enxerguei demais porque era o que eu queria ver... Porque era o que eu queria.

Chegamos no prédio e chutei os pensamentos para longe a levando de volta para o apartamento, mas afastado dessa vez. Ainda continuamos em silêncio, parecia que assim como eu, ela não sabia direito o que dizer.

Parabéns, Leon... Conseguiu acabar com o clima saudável e aconchegante que rolava entre vocês, a amizade espontânea e o jeito dela... Você pode ter jogado tudo isso ao vento por um momento impensado.

Paramos diante do apartamento dela e ela me devolveu a jaqueta com um sorriso doce e tremi por dentro com a probabilidade dela me mandar embora ou simplesmente me abandonar.

            -Eu gostei muito do jantar... Obrigada.

            -Eu também.

Continuamos ali com aquele momento de colegial onde nenhum de nós sabia o que fazer direito na despedida, então ela volta a sorrir.

            -O que quer fazer amanhã?

Amanhã? Isso quer dizer que não está me mandando embora?

Meu sorriso sai espontaneamente agora, enquanto sinto um alívio e uma alegria imensa em saber disso.

            -Eu não sei... Alguma ideia?

            -Tem um parque... No centro da cidade, um campo lindo onde as pessoas fazem piqueniques, jogam bola... Tocam violão.

            -Adorei a ideia... Parque. Comida.

Ela riu do meu jeito e a acompanhei sentindo a tensão passar e ela destrancou a porta olhando para mim do mesmo jeito quando a convidei para dançar.

            -Durma bem, Leon...

            -Você também, Claire.

Desviando de mim, ela entra e fico ali parado desacorçoado. Então saio voltando ao meu apartamento e ao chegar, me jogo no sofá.

Eu ia beijar ela... Não ia me segurar... O que diabos estou mantendo na cabeça?

É a Claire, minha amiga, parceira... Temos uma amizade e só! E não é colorida, é preta e branca, envolvendo respeito e admiração, só!

Coloco as mãos na cabeça me punindo severamente por quase ter estragado tudo e por ter ficado pensando bobagens... Foi o vinho! Foi isso!

Eu não sabia no que pensar, foram bobagens... A Claire é linda, é claro. E me chama a atenção também, é normal.

Mas é só!

Uma atração. Acho que estou muito tempo sozinho... Preciso afastar esse instinto masculino quando estou perto dela ou vou estragar tudo!

Burro, Leon! Burro!

Levanto irritado comigo mesmo quando meu celular toca e reviro os olhos impaciente o levando a orelha sem nem olhar no visor.

            -Alô?

            -Por que não responde minhas mensagens, Leon?

Eu congelei no lugar agora encarando a parede mais distante me punindo mentalmente por não olhar antes de atender.

Droga... Dessa vez ela me pegou.


Notas Finais


Ah, escrever o momentinho da dança dos dois, os olhares e pensamentos do Leon me fez ficar toda derretida e espero que tenham gostado também!
Mas e essa pessoa ligando para o Leon?
A mesma pessoa das mensagens...
Hum, quem será?
Espero que tenham curtido!
Até a próxima!
Bjooon :-)
...
MAIS UMA COISA ! ! !
Para quem curte colegial galera, dá uma olhada nessa:
https://spiritfanfics.com/historia/high-school-umbrella-6943460
Intrigas, bagunça, romance e muita zoeira *--*
Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...