História Um Sonho Real... - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Festa, Formatura, Gay, Lesbicas, Romance, Yaoi, Yuri
Visualizações 98
Palavras 3.928
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Ecchi, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


É pessoas isso é uma one shot, minha primeira na verdade e ela vai ser bem longa, ja vou logo avisando.
Eu ia esperar mais pra fazer isso mas devido a muita pressão sofrida por algumas pessoas eu vou postar essa fic agora. Nos vemos la no final

Capítulo 1 - Capítulo único


Fanfic / Fanfiction Um Sonho Real... - Capítulo 1 - Capítulo único

Como viver no mundo em que seu crush maravilhoso amor da sua vida é hetero e nem te da bola? Essa é minha vida por mais ou menos um ano.

Vou contar pra vocês a minha situação:

Tudo começou ano passado em um campeonato de basquete inter-escolar, onde nossa escola competia contra uma escola militar da puta que pariu.

E lá estava nosso time masculino de basquete entrando na quadra quando nossos olhos se encontraram. Não podia dizer ao certo o que aconteceu ali, mas meu corpo todo reagiu a aqueles lindos olhos verdes.

Desde então não pude risistir não olhar para aquele rapaz alto de olhos claros que tanto me chamavam a atenção e segui-lo com o olhar. As vezes ele olhava de volta sorria e acenava, só me faltava cair duro no chão.

No meio do ano ele arranjou uma namorada. Deus por que você gosta de me ver sofrer assim? A garota nem para ser bonita para eu pelo menos me sentir inferior. E também era chata, quase ninguém gostava dela, como eles acabaram juntos?

Enfim, minha situação atual é: estou na cantina ouvindo o povo chato do violão tocar a porra do violão deles acompanhado por meus amigos sonhando acordado com o dia que ele iria deixar aquela guria chata.

-vei pra onde você ta olhando?- maria luiza pergunta cutucando meu ombro

-para minha felicidade e tristeza ao mesmo tempo- respondo suspirando

-credo, quanto drama- Júlia  diz tirando seus olhos do celular pela primeira vez no dia

-gente não entendo o que ele vê nela- digo vendo que a namorada horrível do meu boy o abraçar por trás. "Meu" ne, por que aquela puta não larga dele nem a pau.

-ah, tá falando do boy- malu (vulgo maria luiza) diz sorrindo olhando para mim.- concordo com você, acho aquela guria uma baita de uma vadia.

-quem é vadia?- rene, o rapaz de cabelos colorido aparece se sentando na mesa.

-oi rene- o comprimento- ali- aponto com a cabeça e o rapaz demora até achar o ponto da minha dor.

-aaahh, vadia mesmo- diz e todos concordamos- ainda bem que essa ai já vai embora.

Não sei se foi só eu mas o mundo paro naquele segundo. Ela vai embora? Como assim? Olho para o garoto sentado na mesa que bebia água pedindo uma explicação com os olhos.

-vocês não sabem? - pergunta sorrindo

-não- dizemos os três em uníssono

-ela vai mudar de cidade, vai mudar de estado na verdade- olha na diagonal superior direita como se confirmasse a informação na cabeça- dizem que o relacionamento deles vai acabar antes.

- GLÓRIA - malu praticamente grita- AMÉM ESSA PUTA VAI EMBORA- estende suas mãos para o ar agradecendo aos deuses.

-calma malu- Júlia tenta acalmar a guria que comemorava, rene ria da situação.

Eu estava paralisado incapaz de produzir qualquer movimento. Ela ia embora. Eles iam terminar. Não sei se fico feliz ou triste. Não sei se é um sonho ou realidade. Júlia pareceu perceber minha indecisão pois logo me pergunta no que eu estava pensando

-eles vão terminar- afirmo olhando para um ponto no além perdendo o foco da visão.

-sim, não tá feliz?- malu volta para a mesa

-em parte sim- digo perdido em pensamentos.

-como assim?- Júlia pergunta.

- além dele ser lindo e disputado ele é hetero gente. Nunca vai me aceitar- caio sobre a mesa.

O universo gosta de me fuder. Esfregar na minha cara que o boy tá solteiro é muita sacanagem com a minha pessoa. Vou sofrer eternamente.






Nem se passou um mês e os dois já haviam terminado e ela já havia se mudado. Nunca vi uma pessoa tão feliz quanto a malu e a ariadne, irmã do boy, quando ela parou de vir para a escola.

Estava na biblioteca procurando a porra do livro da anne frank mas a miserável deve ter voltado pra segunda guerra, por que eu não achava ela nem que eu revirasse aquela porra toda.

-onde tá essa puta dessa anne frank- digo baixinho olhando na estante em que ela deveria estar

-aham...- alguem tosse do meu lado - esta procurando o diario de anne frank?- ouço uma voz feminina do meu lado.

Me viro e me deparo com uma garota um pouco mais alta, tipo uns centimetros que pareciam metros, de cabelos castanhos claros olhos verdes com o bendito livro nas mãos.

-oi ariadne hehe- coço a nuca nervoso, nunca falei com a irmã dele mas bateu um nervoso.

-pera... eu te conheço- me olha de cima a baixo e temi pelo meu cu- voce é o bruninho ne? Amigo da julia?- confirmo- aahhh, ela me falou algumas coisas sobre você!- diz sorrindo

-ah sério- o que aquela sedentaria falou de mim pra irmã do meu boy?!

-ela me conto do seu crush secreto no meu irmão- diz sorrindo que nem aquela lua do Whatsapp e minha alma sai do meu corpo.

Estava sem palavras, fo-deu. Ela iria contar pra ele e meu futuro casamento com o boy estaria arruinado para sempre.

-se preocupa não, não contei pra ninguém sobre isso- sussurra tentando me acalmar





-então você e a Júlia são primas?- pergunto para a garota.

-sim. Achei que ela já havia te contado- diz com um tom confuso.

-ah.. eu... devo não ter prestado atenção....- sério? Era essa a minha desculpa? Que grande bosta.

-graças ao FSM aquela guria foi embora- diz aliviada jogando a cabeça para trás.

-não gostava dela também?- pergunto mas já sabia a resposta, todos sabiam a resposta

-eu odiava ela- confessa voltando a me olhar nos olhos- eu te contei que ela era do meu time de volei?- nego- vei, ela achava que mandava em mim, sempre pagando uma de mandona pra cima das outras gurias dava nos nervos. E quando ela me olhava, eu te juro, ela me olhava como se fosse comer minha alma numa bandeija de prata.

-uau- a garota quase não  respirava de tão rápido  que falava.

-nossa ainda bem que acabou, vai embora e não volta mais- diz como se a outra pudesse ouvir de alguma forma.

Me sinto um pouco mal de ter pensado que ela poderia em algum momento me delatar para o irmão mais velho, ela era tão  de boa além  de ser legal pra conversar ela me emprestou a anne frank, lagrimas, vou poder fazer o trabalho de redação em paz( levantando o punho no ar mentalmente. )







Por motivos de trouxisse aqui estou eu sentado num banco perto da quadra de basquete assistindo o time treinar arremessos, porém eu não me importava com quantas pessoas estivesem na quadra ou quem estivesse na frente, meus olhos tinham um lugar especial para olhar.

-tá frioooo- uma garota pequena senta do meu lado se tremendo de frio

-quer meu casaco?- ofereço meu casaco e a mesma aceita

-qual seu nome?- me pergunta diminuindo a tremedeira

-sou o bruno, me chamam de bruninho, e você?- pergunto me virando um pouco para a garota de oculos.

-mariana- diz sorrindo.- prazer

-prazer -repito e volto a olhar para o boy magia.

-não sei como eles aguentam ficar no frio treinando- puxa assunto

-tão se mexendo, eles não estão com tanto frio assim- digo sem desviar o olhar.

-verdade, mas deve duer quando bater o joelho no chão, eu não faria isso pra pegar apenas uma bola- diz e atrai minha atenção.

-você tá esperando alguém? - pergunto olhando para a garota

-sim, ali oh- aponta para uma garota alta de rabo de cavalo que realizava um saque na quadra de volei- minha amiga.

Demoro pra perceber que a tal amiga se tratava justamente da Ariadne. Por um momento fico surpreso, to conhecendo muita gente numa semana só.

Abro minha boca para falar mas sou cortado por uma outra garota de cabelos curtos e blusa rosa que brota do cu suada respirando pesadamente.

-oi... ma...ri..-diz surpirando o nome da garota com as mãos na cintura- ta... esperando a ari?- pergunta secando o suor que pingava no queixo.

-sim, você tava jogando com os meninos do basquete?- pergunta ignorando minha existencia.

-sim... o treinador... ele me deixou jogar... já que ele me conhecia- ainda tinha dificuldades de respirar. Finalmente ela olha na minha direção- oi.. sou a Sofia- estica a mão

-oi... bruno- aperto sentindo a mão  quente contra a minha fria.

-Sofia!!- alguns garotos a chamam e a mesma solta a minha mão indo na direção do time falando com eles.

-quem é?  Nunca vi aqui na escola- pergunto para a mariana com a intimidade que não  tinha.

-ah ela? E prima da ari, ela vem aqui as vezes quando ta livre jogar com os meninos.- diz apontando para as pessoas em questão.

-ela estuda aonde?- pergunto ainda avaliando a garota suada

-ela? Ta na unb já,(N/A:meu sonho) mas ela gosta de vir aqui as vezes- diz me empurrando de leve

Olho para a garota de novo olho para ari, depois para seu irmão. Como ela pode tá  na unb sendo ela tão menor que eles?

Guardo essa pergunta para mim mesmo seria muito ruim da minha parte julgar mais alguém  da familia do boy.

-oi mari- ariadne estava parada na nossa frente -oi bruninho- me comprimenta amigavel porém suada.

-oi- dizemos juntos.

-ari minha priminha linda- Sofia  brota abraçando a mais alta esfregando seu suor na outra que gritava em reprovação.

-bom acho que já vou- digo baixinho sem querer chamar atenção e saio de fininho

-ei espera- a tal Sofia me chama de novo, olho devagar para a garota ainda montada na ariadne -vem cá rapidão.

Me aproximo, tomará  que não  me ataque que nem fez com a prima

-você é o tal ne?- pergunta

Estou confuso, como assim o tal? Sou algo além do cara na fila do pão?

-?- a olho duvidoso

-você, não é o tal de bruninho, o do segredo?- assim que ela diz aquilo um instindo que estava escondido dentro de mim aflora me fazendo pular em cima da garota tapando sua boca, porém logo me arrependo pois sua cara ainda estava suada

-aha troxa- diz me vendo limpar a mão na blusa.-e você mesmo, e você duvidando que eu não  ia achar ele.- se vira para a prima

-shiu..- a acastanhada a repreende- ele não sabe de nada ainda- diz baixinho olhando para o irmão.

-aahh... faz muito sentido. Enfim prazer pessoa- acena - ei, vamos logo ou te deixo ai- grita para o mozão que se agiliza todo.

Agradeço a mais nova conhecida prima do mozão por fazer o mesmo passar correndo na minha frente me dando a oportunidade de ve-lo de perto pela primeira vez em muito tempo.

Puta que me pariu, como se não  bastasse o filha da mãe  passar do meu lado o miseravi ainda passa sorrindo olhando para mim. Não é possivel, tinha alguém  atrás, ele não sorriu pra mim. Não  é possivel ele ter feito isso pra mim.

O choque foi tao grande que tudo que fiz foi ficar parado pensando naquela imagem dele sorrindo para mim... podem me enterrar que eu já  estou feliz.


                     PVO SOFIA


estavamos no carro, meu carro, meu fusquinha preto com vermelho e branco lindo, ari e mariana no banco de trás fazendo gaysisses enquanto seu irmão a olhava pelo retrovisor.

-sabe que não  pode fazer essas coisas lá em casa- adverte o mais velho.

-claro que sei- responde grossa

-deixa ela seu chato- digo batendo em sua coxa -todo mundo tem suas gaysisse.

-pff- bufa olhando pela janela

-como já dizia nossa prima- começo

-ninguem é 100% hetero- completa

-você devia adotar isso pra sua vida- ariadne diz provocando porém eu e a mari sabiamos qual era o seu objetivo.

-e você deveria adotar os estudos pra sua- diz revidando a provocação.

Uma pequena discussão nasceu ali me fazendo rir, serio tenho dó do/a meu/minha futuro/a marido/a, não vou levar nossas brigas a sério, vou rir no meio delas kkkk





                    PVO BRUNO


Já se passaram alguns dias e finalmente as ferias de meio de ano acabaram e as aulas voltaram. Foi meio dificil passar dois meses sem ver o mozão mas to vivo não to?

Enfim, o ano esta quase acabando e as pessoas já  se preparam para as provas finais, vestibulares, pas e enem e eu aqui só  querendo ver mozão.

Comia meu lanche na sala tranquilamente quando ouço alguém  gritar meu nome na porta

-que foi porra, to cumedo- falo de boca cheia

-tão te chamando perto da maria.- grita de volta sumindo no ar antes que pudesse responder.

-cuzão-  resmungo pegando meu sanduba me direcionando para a estatua da maria rotatoria que tinha no centro do patio da escola.

Desço as escadas e no último  lance esbarro em alguém  que fez cair sentado em um dos degraus. 

-porra- digo vendo meu amor sanduba morto no chão do meu lado- seu- me levando para xingar a pessoa que fez isso mas minha voz se perde ao ver aqueles olhos verdes.

-oi... desculpa- diz olhando para o sanduiche e depois nos meus olhos- foi... foi sem querer.

- ah.. ahm.. nada não tem- digo e percebo que deu uma de yoda e falei tudo errado.

-mas era seu lanche- responde como se tivesse entendido, sua voz era tão poderosa e grave meu corpo se arrepiava só com um simples oi

-ah... Não tem problema, eram dois já comi um e esse nem tava tão  bom- digo apressado falando as primeiras palavras que me vinham a mente.

Ele ri. Eu o fiz rir. Meu deus alguém me mata eu devo estar vermelho já puta que panelson alguém me salva.

-enfim.. eu tinha te chamado mas o caio demora um seculo para passar informação-  diz pegando o corpo a base de trigo do chão - por isso resolvi subir para ver se você tinha recebido meu convite.

-ah, não sabia que era você, teria andado um pouco mais rápido...- digo baixinho vendo o outro jogar meu bb no lixo. Meu Coração se partiu um pouquinho.

-teria corrido?- pergunta sorrindo. Caralhou ele me ouviu!- se soubesse que era eu?- fica um degrau abaixo do meu.

-ah... eh...- perco toda a minha linha de raciocínio quando olho para frente novamente ele já esta no mesmo degrau que eu seu pé  entre os meus, sua respiração se mesclava com a minha e só então percebi o quão alto ele era.

Devo parecer um ridiculo. Eu, aqui, literalmente jogado no chão so porque  o crush estava muito perto. Sério, é pedir demais pra alguém me matar?

-que foi por que caiu?- pergunta se fazendo de inocente como se ele não  fosse a causa da minha queda, queda não, acidente.

-ah.. err... um inseto- serio cérebro? Esse é o seu melhor?- um mosquito passo muito perto e ai eu cai tentando... des...viar?- quero me esconder no centro da terra.

-ah... enfim- mexe os ombros se sentando ao meu lado.- vamos conversar...

Começamos uma estranha e suspeita conversa sobre filmes e séries. Era estranho estar tão próximo dele pois nunca conversamos antes mas.... seja lá o que aconteceu estou grato... finalmente estamos conversando, quem sabe isso não é um... um avanço na minha situação.






Quase fim do ano, reta final e minha situação com ele mudou como um passe de mágica, sério!

Antes nos nem nos falavamos, mal olhava para mim e agora? Ele estava sempre do meu lado conversando e me ajudando com algumas materias, claro que eu também o ajudava em algumas mas só tudo que eu queria era que ele estudasse geografia em mim, ou somasse nossas bocas, ou podiamos tentar fazer algo além....

Mas eu tenho medo.

Porra de personalidade triste que tem medo de falar pro boy que gosto dele. Aff, vou morrer sozinho de coração partido sem boy por causa do meu medo.

Estava tão ocupado me martirizando que não vi o diretor entrar na sala.

-espero que estejam estudando muito para essas provas que vem e....- bla bla bla bla aquele papo que todos conhecem de "se esforce e vai ganhar o mundo". Todo mundo já ouviu isso na vida pelo menos umas 3425698 vezes.

-enfim, após as provas como tradição teremos o baile de formatura para os alunos do nono e do terceiro ano. Aquela mesmice que os alunos cuidam da decoração, alimemtos e a escola ira providenciar o espaço, dj, fotografo e fundos para o resto.

Pessoas começam a falar empolgadas já planejando coisas, talvez eu nem vá....

-quem de vocês vai?- ouço um dos garotos perguntar e antes de responder meu belo não o boy fala que vai. Fo-deu

-eu também - digo em seguida sem pensar.

-mas eu to no voluntariado, iria de qualquer forma. Vou ajudar na decoração- diz e logo eles começam um assunto do voluntariado que eu sinceramente não entendi porra nenhuma.

Me viro para frente. Caralho como sou trouxa. Eu vou no evento da escola so porque  mozão vai, tem alguém mais trouxa que eu? (N/A: população mundial é de aproximadamente de 7,2 BILHÕES, certeza que tem gente mais trouxa que você)(bruno: cala boq dexa eu fazer meu drama)

-cada um de vocês irá  receber dois convites, na entrada podem levar duas pessoas e para entrar so mostrem sua carteirinha da escola ou o convite. Como sabem é um baile ent venham apresentaveis por favor. Só isso até mais, qualquer duvida fale com....- parei de ouvir ali.

Seria muito trouxa de mim mesmo se eu tentasse entrar no voluntariado só  pra trabalhar do lado do boy? Não precisa responder eu mesmo falo: SIM, É SER TROUXA SIM.

Fim das provas, todas, agora só esperar as notas do pas e enem. Era sexta-feira, e eu como sempre estava jogado no sofá  assistindo Netflix  tendo que aguentar minha vizinha gritar com o cachorro porque ele fez coco no lugar errado.

Meu celular, jogado no meu peito, começa a vibrar indicando novas mensagens. Desbloqueio a tela vendo quem me mandava mensagens.

Familia

Mãe 

Familia

Amigos

Mozão 

Pera que? Mozão  me mando mensagem? Socorro alguém  me ajuda.


                    -=CELULAR=-


Boy♡♡: oi :)

Eu:oi

Boy♡♡: posso te pedir um favor?

Eu:claro

(Pra você eu faço mil favores)

Boy♡♡:no dia da festa, amanhã, pode vir mais cedo? Tipo duas horas antes? Pra me ajudar com algumas coisas...

Eu:claro! Passa a hora que eu vo ai

(Nem que eu va a pe eu vou)

Boy♡♡:obg. Realmente vai ser de grande ajuda.

Não sabia como responder aquilo mandei um ok seguido de uns k e desliguei o celular. Começo a me remexer no sofa como se estivesse possuido pelo capeta. (N/A: esse capeta tem nome. Fogo no cu) Talvez seja fogo no cu msm....(N/A: to falando) enfim to ansioso pra amanhã. Meu deus socorro to entrando em desespero, calma, vai dar tudo certo. Tudo vai dar certo.


Fo


Deu





A festa começava as 21, logo lá  estava eu as sete entrando na escola e estou chocado, achei que estaria um vazio morbito mas ao contrario do meu pensamento ela estava muito movimentada!

Pessoas corriam de um lado para o outro outras carregavam coisas leves e/ou pesadas. Me aproximo da única  pessoa que eu conhecia aqui.

-karla, sabe onde tá  o povo do voluntariado responsavel pela decoração ?- pergunto para a mulher que carregava copos de plástico.

-estão no outro portão descarregando o carro com os enfeites de mesa- aponta para o outro portão  e assim que ela volta para me olhar eu já sumi no ar.

Chego lá e vejo três  pessoas tirando caixas de dentro do carro chego lá  comprimentando as pessoas e logo me entregam uma caixa mandando eu entregar dentro do ginasio. Assim que me viro meus braços enfraquecem e a caixa quase cai no chão.

Quase. Por que o mozão seguro ela bem a tempo. Olho nos olhos dele e sinto meu rosto ficar vermelho. Sorrindo ele diz:

-reflexo de gato- "tu é um baita de um gatão de qualquer jeito" penso, tive que  sacudir a cabeça para afastar pensamentos piores.

-eu carrego- digo tomando o controle sobre a caixa novamente começando a andar. Talvez tenha sido covarde da minha parte sair correndo com a caixa na mão maaaassss nossas mãos  haviam se tocado precisava de um lugar pra me apoiar em alguma coisa rápido.

Passamos as duas horas apenas ajudando e eu juro, juro juradinho, que ele tava me provocando. Sempre tocava em minhas mãos ou brotava atrás de mim ou me olhava estranho e piscava, meu cu tremia a cada piscada, deveriam prender esse filho da mãe por ser sedutor demais.

-finalmente- diz uma garota no meio de todos os voluntarios e todos começam a aplaudir e a fazer sons- terminamos porra.

-uuuuuuuhuuuu- gritou um corno do meu lado quase fico surdo.

-estão todos dispensados para se arrumarem para a festa e espero ver todos aqui.

Foi nesse momento que parei, olhei em volta, as mesas, a decoração nas paredes, mesas de comida e bebida, tava tudo pronto. E eu ajudei a ficar pronto. Estava feliz foi legal trabalhar junto desse pessoal e talz...

-bruno posso falar com você? - aquela voz grave me chama e ja viro sorrindo acenando que sim com a cabeça.

Me chama com o dedo me guiando para algum canto da escola. Escadas, nós fomos para as escadas. 

-então...- começa se encostando na parede - a maioria das pessoas aqui do voluntariado não ganham nada em troca do trabalho- tá mas pra que me contra isso?- e você não faz parte do voluntariado- o incentivo a continuar- queria lhe dar uma recompensa. 

Ai meu cu. Medo

-mas não posso te dar ela agora, só na festa- cruza os braços- você vem mesmo ne?

-agora que eu venho mesmo.-falo sem perceber.

-otimo.-afirma esticando uma mão para eu apertar.

Ao apertar sua mão ele me puxa me abraçando bem forte- espero muito que venha- diz por fim me soltando e sumindo no ar.

Fudeo.




Musica alta, pessoas dançando, outras escondidas se pegando, pessoas de fora, uma zona só e eu não achava mozão. 

-cadê  ele? -pergunto para o vento olhando para os lados

-sofia disse que ja estava chegando, devem- para de falar para atender o telefone que tocava-alo? Sim? Claro ue...aham... estamos dentro... do lado direito... SUA DIREITA NE ANTA...ta.. ta.. tchau- desliga se levantando

Olho para a entrada e vejo quatro pessoas entrarem. Uma era ariadne num vestido preto com babados, sofia com um vestido cheio de flores vermelhas e mariana com um vestido azul e por fim mozão de terno e gravata vermelha.

Deus como ele estava lindo. Eles se aproximam comprimentando todos na mesa me deixando para o fim.

-muito bem, quem vai me apresentar para as minas- sofia diz e todos vazam da mesa deixando apenas eu e mozão. 

-oi- digo e ele sorri me respondendo com um oi- fizemos um bom trabalho nao?- olho em volta tentando aliviar a tensão. 

-sim, mas eu tava interessado em outro assunto- diz e eu me arrepio.

Pega em meu pulso e começa a me levar para outro lugar e acabou que paramos em uma sala. 

-como minha travessura de formando deixei essa sala aberta para nós dois.-confessa soltando minha mão. 

-ta mas por que..

Tava tentando entender o por que de estarmos ali mas fui interrompido por um beijo. Estava surpreso nao esperava aquilo mas então sedi dao toque carinhosoque recebia.

Passo minhas mãos por cima de seus ombros chegando em sua nuca o puxando para mais perto, ele corresponde laçando seus braços em minha cintura me puxando para mais perto de si. 

Nos separamos pela falta de ar e o olho confuso

-achei que...

-muita coisa aconteceu. Digamos que eu mudei..- diz olhando ora para meus olhos ora para minha boca.

-e o que foi isso?- pergunto olhando para seus olhos

-seu pagamento pelo trabalho.- suspiro um ah

-gostei do pagamento.

-tem mais de onde veio- diz e volta a me beijar saindo de minha boca distribuindo beijos pelo meu pescoço dando leves mordidas.

-sabe uma coisa que eu percebi?- pergunta ainda em meu pescoço.

-o que?-suspiro. Devo ta parecendo uma putinha

-você nunca disse meu nome em voz alta.- diz e percebo so então como aquilo era uma verdade- quero ouvir você falar ele... gemer ele.. implorar usando ele...

Ok me assustou mas dada as circunstâncias da minha pessoa estar tao entregue e apaixonada, vou fazer o que? Correr? Meu cu que eu saio daqui.

Foi então que sinto sua mão por cima de meu membro e sem demora desliza para dentro da minha calça apertando meu pau com força e solto um gemido baixo no ouvido do maior

-lorenzo... ah...






FIM. 


Notas Finais


Vai ficar por ai msm porque sou dessas muahahahahaha
Finalmente esse ship foi real pelo menos em uma fic. Espero que tenham gostado, comentem, favoritem, espalhem e nao se esqueça....
#BRENZO_IS_REAL


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...