História Um trouxa chamado Park Chanyeol - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Tags Cantadas De Pedreiro, Chansoo, Kaihun, Reino Chansoo, Sekai
Exibições 594
Palavras 1.739
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Finge que não tem erro
Depois eu edito...
Bola pra frente

Capítulo 15 - Amém!


Fanfic / Fanfiction Um trouxa chamado Park Chanyeol - Capítulo 15 - Amém!

    Entre eu e KyungSoo estava indo tudo muito bem - mais que bem, bem ótimo. Aquele dia na festa do Baekhyun não afetou em nada nossa relação até mesmo porque depois daquela tirada que ele deu no Yixing o chinês nunca mais se aproximou de mim, amém. Sobre minha coleira? Uso ela firme e forte só tiro pra tonar banho, isso é como se fosse uma ligação que eu tenho com KyungSoo quando estou longe dele e impede que pessoas indesejadas se aproximem. Se tem uma coisa que eu e KyungSoo somos extremamente parecidos é a possessividade. KyungSoo é uma pessoa extremamente ciumenta e eu não estou nem um pouco atrás, antes de termos alguma coisa - ainda não temos um nome pra essa nossa relação, mas pra mim nós já namoravamos muito antes de qualquer coisa - quando KyungSoo via alguma “ameaça” ele alfinetava e me ignorava, mas agora ele fala na cara mesmo independente da pessoa, ele não tá nem ai, tenho até medo de rolar alguma briga por causa dessas loucuras que ele tem às vezes. Não vou mentir, adoro.

   Eu estava em casa deitado na minha cama pra variar fazendo vários nadas, resolvi falar com KyungSoo. Eu ia ligar pra ele, mas ele diz que sua voz fica estranha no telefone e que prefere conversar por mensagens. Tudo paranóia, porque a voz dele é linda, tudo nele é lindo e extremamente perfeito.

   

   [Eu]: 15:38- Kyunggie vem aqui em casa tomar alguma coisa.

   [Metade da minha laranja♡]: 15:39- Depende, tipo o que?

   [Eu] 15:39- Tipo um banho

   [Eu] 15:39- Comprei um sabonete líquido que é uma delícia, deixa a pele macia, vai ficar melhor se tiver em você, a água daqui é bem quentinha não é fria igual a da sua casa.

   [Eu] 15:39- Uhm? Que tal? Eu te esfrego pra você não ficar cansado. ;^)

   [Metade da minha laranja♡] 15:45- Tentadora essa sua proposta mas eu estou ocupado

   [Eu] 15:45- Ocupado com o quê? 

   [Metade da minha laranja♡] 15:47- Com as mãos… ocupadas. ;-)

   [Eu] 15:47- ...espera que eu vou ali buscar minha pressão que caiu no chão

   [Eu] 15:47- Por isso você tá demorando responder. Acho que vou ocupar minha mão também

   [Metade da minha laranja♡] 15:50- Vem aqui em casa e me ajuda 

   [Metade da minha laranja♡] 15:50- É tão difícil fazer isso sozinho Channie

   [Eu] 15:50- To nervoudsr

   [Eu] 15:50- Nervouser*

   [Eu] 15:51- Nervoso*

   [Eu] 15:51- To tremendo, desculpa

   [Metade da minha laranja♡] 15:55- Tá tão duro Channie, não consigo mais fazer isso sozinho… vem aqui em casa logo

   [Metade da minha laranja♡] 15:55- Jongin saiu com o Sehun, to aqui sozinho T︵T

   [Eu] 15:57- Carvalho

   [Eu] 15:57- Caralho*

   [Eu] 15:57- Me espera to chegando aí.

 

   Saí correndo pelo quarto pegando uma blusa e colocando no corpo, catei um perfume e taquei no corpo, corri pelas escadas, peguei minhas chaves e continuei correndo pelas ruas. Quando eu tava na metade do caminho meu cérebro começou a processar o quê tava acontecendo. Eu joguei uma cantada no KyungSoo, ele hesitou, falou que tá duro - o que já me deixa duro -, e eu to correndo pelas ruas indo pra casa dele onde Jongin não está, amém. Só podia ser um sonho, é um sonho, não pode ser real, to em um mundo paralelo onde o Kyung me convidou para sua casa de forma descarada. Se eu to bem? Se tremer mais que vara verde é estar bem então eu to ótimo porque minhas pernas parecem gelatinas. Eu subi a rua da casa do Jongin mais rápido que um jato, eu subi a porra de uma rua que parece um morro, correndo. Pulmão? Nem sei o quê é isso. Quando cheguei na casa e vi o portão e a porta aberta senti como se tivesse morrido e ido para o céu. Entrei e parei na porta da sala para recompor o ar. Quando entrei só pensei numa coisa “É hoje”.

   - Kyung? - A casa estava com as luzes apagadas e só com a luz do sol iluminando. - Kyunggie? - Fui andando pela casa tentando achar algum resquício de alguma coisa viva. Cheguei no corredor que dava para os quartos e já dava pra sentir o sabor do coração na boca. Até que, de repente… ouço ouvi um grito e alguém me empurrando. Eu dei um pulo tão alto por causa do susto que se eu fosse um gato teria parado agarrado no teto. Coloquei a mão no peito pra segurar o coração - ato bem falho -, olhei pro lado e vi KyungSoo rindo da minha cara como se não houvesse o amanhã. O filho da puta me deu um susto que nem por um caralho eu ia imaginar, só não meti um tapa na cara dele porque era o KyungSoo - porque se fosse outra pessoa eu já tinha jogado no chão e socado -, mas a risada dele é tão linda que eu só fiquei encarando feito um retardado.

   - Channie... você levou um susto muito grande. - Parou de rir e limpou as lágrimas que escorriam de tanto que ele riu, eu já tinha me recomposto um pouco, bem pouco mesmo - Pensei que nem ia conseguir chegar perto de você pra te assustar.

   - Você me deu o susto mais filha da puta de toda minha vida. Onde você se escondeu?

   - Atrás da porta da sala, você passou e nem me viu. Pensei que você não ia vir e eu ia ficar te esperando pra te assustar. - Falou fazendo um biquinho infantil e passando os braços no meu pescoço puxando meu rosto para mais perto do seu.

   - Mas eu disse que ia vir. - Dei um selinho em sua boca, e outro, depois outro,e mais outro, e ele sempre retribuia rindo. 

   - E se você me enganasse?

   - Claro que não. - Puxei sua cintura e comecei a beijar seus lábios, porque ficar dando selinho na boca de KyungSoo só faz a vontade de o beijar crescer mais. Passei minha língua entre seus lábios e ele logo abriu a boca para retribuir o beijo, sua língua tava com gosto de hortelã e laranja, um sabor bem gostoso. Ele mordeu meu lábio e parou o beijo me dando um selo na bochecha. - Vim te ajudar. 

   - Perfeito. - Tirou os braços do meu pescoço e segurou em minha mão me guiando pela casa até me levar para… cozinha? Oi? É fetiche isso aqui?

   - Seu irmão saiu mesmo? 

   - Ele foi na casa do Sehun, “fazer um trabalho”. Sei muito bem o trabalho que ele foi fazer. 

   - Vamos fazer um trabalho aqui também… vai ser de Anatomia humana. - Puxei sua cintura novamente e fui o empurrando em direção à mesa até que seu corpo se encostou no móvel.

   - Tenho uma ideia melhor. - Passou as mãos pelos meus ombros descendo até chegar em minhas mãos e as tirar de sua cintura. - Vamos fazer trabalho de culinária e é pra isso que você veio aqui, pra cortar aquela carne dura que eu não consegui preparar até agora, hum? - Fui ludibriado, enganado, mentiram pra mim, eu aqui achando que eu ia chegar e conseguir experimentar a cama nova que o Kyung comprou e na verdade eu corri até queimar os pulmões pra cortar carne. Minha cara de incredulidade de certo foi impagável porque KyungSoo ficou me encarando por um bom tempo, isso só pode ser brincadeira comigo.

   - Quê? Eu corri isso tudo pra cortar carne? Do KyungSoo, isso não vai ficar assim. 

   - Você esta me ameaçando, Park Chanyeol? - Peguei KyungSoo pelas coxas e o joguei na mesa e só pude ouvir ele dar um grito de espanto pelo ato inesperado. Eu tava puto, muito puto.

   - Sim, e se acha que vai ficar fazendo joguinhos até quando quiser você está muito enganado. Sou em quem manda nesse jogo KyungSoo, sou eu quem comanda. - Peguei em sua cintura com força e puxei seu corpo para mais perto, aproximei meu rosto de seu pescoço e comecei a distribuir chupões, peguei a barra de sua blusa e a tirei jogando a peça de roupa no chão. 

   - Chanye-

   - Agora eu quero você calado. - Passei minha língua de seu queixo até sua boca o beijando como se fosse a última coisa que eu faria na minha vida, nossas línguas se encontravam do lado de fora das bocas, chupei sua língua no meio do beijo e pude sentir aquele sabor delicioso de laranja com hortelã, KyungSoo tinha uma mania bem gostosa de morder minha boca durante o beijo, o que eu acho bem excitante. Senti meus fios de cabelo serem puxados com certa força pelas mãos de KyungSoo que não paravam um minuto.

   - Você quer mesmo fazer isso aqui na mesa? - Falou assim que dei trégua do beijo para podermos respirar. KyungSoo ainda se encontrava deitado em cima da mesa com as pernas entrelaçadas em minha cintura enquanto eu debruçava meu corpo sobre o seu com as mãos espalmadas ao lado de sua cabeça.

   - Sou uma pessoa com muitos fetiches meu bem. Você pode sanar pelo menos esse hoje, uhm? 

   - Eu sei disso. - Me puxou pelo colarinho da minha blusa e começou a se erguer na mesa fazendo meu corpo ir no sentido contrário. Fiquei em pé enquanto o mesmo jazia sentado com as pernas pelas em minha cintura que me puxavam cada vez mais, desceu as mãos pelos meus braços até chegar na ponta da minha blusa a tirando e jogando em qualquer canto. Voltamos a nos beijar e eu podia sentir KyungSoo se esfregando incessantemente em meu corpo e eu já tava praticamente duro, suas unhas roidas arranhavam minhas costas de cima a baixo me fazendo sentir uma ardência gostosa. Passei a mão por seus cabelos linsinhos e puxei com certa brutalidade alguns fios que estavam em seus olhos fazendo sua cabeça pender para trás e seu pescoço ficar bem exposto. KyungSoo gemia - ainda contido - em meu ouvido e isso tava me enlouquecendo, passei a lamber seu pescoço e descer uma trilha de beijos para seu tórax.

   - Channie…

   - O que tá acontecendo aqui? - Ouvi uma voz atrás da gente.

   - M-Mãe? - KyungSoo falou com os olhos arregalados passando o olhar da mulher atrás de mim para minha pessoa.

   - Sogra? - Eu estava sem reação e duro.

 

   

 

 


Notas Finais


🌚🌝🌚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...