História Um trouxa chamado Park Chanyeol - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Tags Cantadas De Pedreiro, Chansoo, Kaihun, Reino Chansoo, Sekai
Exibições 580
Palavras 1.284
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Logo aviso para não desistirem de mim
Sigam o ritual de fingir que tá tudo bem
Quase esqueci de agradecer aos 200 favoritos pela sofrência de Park Chanyeol e por isso resolvi quebrar um pouco isso.
Agradeço os favoritos, os comentários, às pessoas que só passam aqui e as que não desistem de mim.
Amém

Capítulo 16 - Pecado Capital


Fanfic / Fanfiction Um trouxa chamado Park Chanyeol - Capítulo 16 - Pecado Capital

    Fiquei sem reação, afinal de contas era a mãe de KyungSoo ali na minha frente nos vendo praticamente semi nu. Minha cara caiu no chão e eu não sabia o que fazer, só voltei a mim quando KyungSoo segurou minha mão e falou pra eu ficar calmo. Ficar calmo. Como alguém ficaria calmo nessa situação? É impossível. Minha mão suava e eu não sabia se corria ou me matava. KyungSoo pegou nossas blusas no chão e começou a me guiar para seu quarto. Parecia que tudo acontecia em câmera lenta mas na verdade foi questão de segundos. Entrei em seu quarto e me sentei em sua cama enquanto ele ainda fechava a porta. Fodido era a palavra certa para definir meu estado.

  - Chanyeol fica calmo. - Ele falou se sentando ao meu lado na cama e passando a mão pela minha coxa como forma de conforto. 

  - Sua mãe pegou nós dois, nem deu tempo de eu falar “Não é nada disso que você está pensando”, nem pro Jongin atrapalhar na hora certa ele serve.- Cruzei os braços e fiquei olhando pro nada pensando na vida.

  - Então quer dizer que você queria que aquilo acontecesse? Que ele fosse interrompido pelo meu irmão? - Senti a mão de KyungSoo saindo da minha perna e o olhei.

   - Muito pelo contrário, mas né, entre sua mãe e o Jongin, eu prefiro nenhum dos dois. - Pousei minha mão em sua nuca e fui me aproximando devagar. - Prefiro nós dois aqui nessa cama. - Me aproximei cortando a distância e o beijando. 

   Não demorou para KyungSoo começar a morder meus lábios e empurrar meu corpo levemente para trás. Desci minhas mãos para sua cintura e fui o puxando juntamente comigo enquanto o beijo ficava cada vez mais rápido. 

  - Esse colchão é muito bom. Não faz barulho. - KyungSoo falou quando meu corpo já estava completamente deitado na cama e ele sentado em minhas coxas. 

   Senti beijos serem distribuídos pelo meu pescoço enquanto ele descia os lábios pelo meu tórax. Não tinha nem como falar que eu tava ficando duro, porque eu já tava duro há muito tempo. Enquanto sua boca descia por minha pele eu sentia cada toque queimar a superfície do meu corpo, conforme seu corpo ia descendo para beijar mais partes eu sentia sua bunda roçando em meu membro de uma forma que fazia meu inconsciente tomar conta da minha cabeça. Passei minhas mãos por suas costas até chegar em sua bunda e a apertar fazendo seu corpo se juntar mais ao meu e nossos membros se friccionar de uma forma gostosa mesmo ainda usando calças. Uma de suas mãos vieram até minha cabeça e puxou meus fios para trás deixei um breve gemido escapar e logo depois sua língua foi lambendo do meu pescoço até minha boca, suguei sua língua o instigando para mais um beijo. Em uma mistura de beijos, gemidos e saliva sua mão esquerda pousou no fecho de minha calça que logo foi aberta e tirada do meu corpo, olhei para KyungSoo e seus olhos passavam uma quantidade de malícia que eu ainda não tinha visto até aquele momento. Continuei deitado na cama apenas o observando ficar entre minhas pernas, minha cabeça rodava e tudo parecia ser surreal, quando KyungSoo colocou a mão na barra da minha cueca eu entendi o que ele ia fazer, ergui o meu quadril para facilitar a saída da última peça de roupa que quando foi tirada minha boca se abriu para liberar um gemido, mas logo foi tampada por sua mão livre.

  - Melhor não fazer barulho Channie, minha mãe ainda tá lá fora. - Puta que pariu eu tinha me esquecido desse pequeno grande detalhe, segurei o pulso de sua mão que ainda tampava minha boca para poder protestar contra o que ele ia fazer, mas assim que forcei seu braço para tira-lo de lá ele segurou de forma firme a base do meu membro e minha mente voltou a se fechar.

   KyungSoo se agachou entre minhas pernas e sugou de uma forma lenta todo meu pau, fechei meus olhos pra ele não ver como eles rolaram. Sua boca começou a subir e descer rapidamente, o calor e humidade me faziam querer gritar, mas sua mão ainda me forçava a ficar em silêncio, em um rompante de curiosidade abri meus olhos com certa dificuldade pelo prazer e o olhei, quando nossos olhos se encontraram ele deu piscadela e engoliu todo meu membro o fazendo tocar sua garganta e foi impossível meus olhos não se arregalarem com um contato tão gostoso, impulsionei meu quadril para cima praticamente estocando sua boca e a visão do meu pau entrando e saindo de sua boca era apenas mais uma das coisas que faziam gemidos e mais gemidos ficarem presos em minha garganta. Com a mistura de sucções, lambidas, estocadas, aquela cara maliciosa de KyungSoo e a visão do meu membro entrando e saindo de sua boca freneticamente foi uma mistura mais do que perfeita para eu ter o melhor orgasmo da minha vida. Fechei os olhos com força ainda sentindo sua boca quente envolta do meu pênis, assim que senti sua boca saindo daquela parte do meu corpo, ainda com a cabeça em outro lugar abri meus olhos e pude ter a maravilhosa visão dele engolindo tudo que tinha chegado e ainda lamber os lábios. Do KyungSoo com certeza é meu pecado capital. Ele veio em minha direção e deixou um selar em minha boca que se estendeu até minha orelha onde ele chupou o lóbulo e começou a sussurrar coisas obscenas que me fizeram agarra-lo e inverter nossas posições o deixando por baixo do meu corpo. Peguei seus braços e os prendi a cima de sua cabeça usando apenas uma das minhas mãos.

  - Você é um pervertido Do KyungSoo. -Falei dando beijos em sua clavícula.

   - Bom que percebeu. Uhm… Channie, espero que não ache que isso acabou por aqui.

   - Sua mãe tá do lado de fora e você me pede para te foder? Você realmente não sabe o significado das palavras limites. - Deixei um chupão em seu pescoço e o olhei.

  - Você também não fica para trás, se faz de bom moço mas fica falando palavras sujas. Que feio.

  - Você é um sem vergonha, adora falar coisas obscenas.

   - Sempre fui boca suja, você mesmo disse isso naquele dia na sorveteria. Deixemos isso para outro dia afinal de contas minha mãe deve estar nos esperando para explicações. - Soltei seus braços e o deixei levantar.

   - Se fez de difícil todos esses anos pra depois de alguns dias já querer ir para cama. - Falei enquanto começava a me vestir e ele fazia o mesmo com sua blusa.

   - Vou me fazer de difícil de novo. Isso nao foi nada Chanyeol, não foi nem a ponta do que eu quero que realmente façamos. Se você rolou os olhos só com isso não sei se aguenta a realidade. - Que grande filho da puta, só de ouvir isso minha vontade era de joga-lo na cama e mostrar que eu aguentaria muito bem o que ele diz que vai mostrar. Sentado na cama ele começou a me observar com aquela conhecida cara de desafio. Me aproximei de si e tentei o beijar.as ele empurrou meu rosto para o lado - Sai, sou difícil. Anda logo quero falar com minha mãe.

   - Não parecia que queria isso à algum tempo atrás. - Falei e ele me empurrou e abriu a porta do quarto e começou a andar em direção a cozinha, fui atrás né. E foi então que bateu a realidade na minha cara, a mãe do KyungSoo tá lá.

   

 

   

 


Notas Finais


https://spiritfanfics.com/historia/a-mangueira-de-park-chanyeol-6746524
O link de outra fanfic ChanSoo que escrevi 🌚🌝


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...