História Uma arma chamada amor - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Crime, Eva Green, Lésbica, Mila Kunis, Policial, Romance, Sexo, Suspense
Exibições 55
Palavras 2.042
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Fantasia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


OBRIGADA GENTE, SAUDADES DE VOCÊS <3
boa leitura...
(Hoje tem coisaaa)

Capítulo 5 - Eva em foco


Fanfic / Fanfiction Uma arma chamada amor - Capítulo 5 - Eva em foco

Acordo com o calor da manhã, como ontem mesmo, estou nuinha e com a arma bem perto de mim, sorte que tranquei a maldita porta. Apalpo tudo a baixo de mim e consigo sentir o metal friozinho do meu celular, alcanço o mesmo e tranquilizo logo: 7:45. 

Levanto mais disposta pelo tanto de horas que dormi, escolho uma calça preta, apertada (Que tenho VÁRIAS delas), uma regata e uma jaqueta de couro, em pró da pequena preguiça que estou: Escolho uma sandália rasteira preta. 

Pelo visto só tenho preto no meu guarda roupa. 

Dessa vez, escondo a arma antes de sair e amarro os cabelos. Raposa já está comendo sua marmita quando saio para o novo dia aqui, tranco a porta e vou. Todo o quadrado está silencioso, a área verde vazia. Então caminho por todo o primeiro andar:

Começo pelo lado vermelho, o meu. O azul em seguida, área organizada, acho que vi as meninas dessa ala no almoço de quando cheguei... O amarelo das briguentas, estão combinando com sua personalidade ''explosiva'' vejo lixo e bagunça e o mais engraçado é que fica exatamente no outro lado do nosso espaço. E o preto, o preto não tinha nada especial, sempre avisava a cor porém nada mais.

Outra vez em frente à porta da Kate, tenho uma vontade enlouquecedora de conhecer o ambiente, sentir o clima... 

-Está cedo para acordar elas.- uma voz conhecida me cutuca, mal percebi que já estava quase abrindo ou batendo na porta. 

Me afasto e olho para minha direita; Eva com cabelos cheios, olhos atentos como os de uma águia e pela primeira vez: com uma calça jeans. 

-Não sabia que usava isso- brinco e aponto para sua vestimenta. 

-Você não sabe de muita coisa. 

Ela ri e se vira para me deixar só. 

-Por que já vai, está cedo!- pergunto disfarçadamente. 

-Eu ia tomar café da manhã, mas bom, pelo visto você não o fez. 

Balanço a cabeça na negativa e ela sorri. 

-Eu trago para as duas. -ela se vira mais uma vez e deixa meu corpo sozinho no quadrado, caminho lentamente até a porta do seu quarto que curiosamente está aberta. 

Adentro devagar, pé ante pé, nenhum barulho. Presto atenção na tartaruga que não sai do lugar no momento.

Seu quarto tem muitos livros. Meu quarto é humilhado milhões de vezes pela quantidade de coisas que tem aqui. 

Dan brown, Stephen King, Agatha Cristie são poucos e pequenos nomes na imensidão. 

Sua estante ao lado da cama é mais vazia comparada a essa enorme que ocupa uma parede inteira. 

Passo os dedos pelo local, rastejando devagar até se chocar com uma mini cestinha, nela há fotos, brincos e até seu cheiro. 

Pego a primeira foto que alcanço, levanto em minha direção e logo distingo o que é; Eva está sentada, esticando a mão para Bater a foto, atras está um vidro da entrada da casa e um homem, de meia idade, negro. Também conhecido como IRMÃO DO MEU CHEFE. Viro a foto trêmula e marca exatamente o dia que ele morreu: 3 de setembro. 

-Vejo que já conheceu meu lar.- A voz de Eva ressoa e logo vejo uma bandeja ao meu lado, na cama. 

Trêmula, deixo a foto onde estava discretamente e viro-me para encarar a mesma.

Meus olhos transmitem confusão, suspeita e não é difícil de perceber. 

-Você está bem? Sua cor esta desaparecendo.- Ela coloca sua mão gelada no meu pescoço e em seguida na minha testa. Me mantenho calada mas logo vejo o sanduíche que ela me trouxe. 

-Me desculpe e obrigada pelo sanduíche- Analiso seu rosto desapontada e termino:- mas já vou. - Não justifico nada, pego meu lanche e disparo porta à fora.

Piso forte até cruzar as 3 portas de Annie, Lizz e Rose. Abro minha porta e bato atrás de mim. Em minha jaqueta, escondo minha Glock G25, faço um mini carinho em raposa enquanto como o sanduíche que parece não ter gosto.

 

(...)

 

Passou uma, duas e até umas 12:00, o relógio do refeitório da seu primeiro toque, avisa que a comida está na mesa. Vozes femininas já estão ecoando faz um tempo. Tomo coragem e levanto da cama.

Escrevi o relatório desses dois dias e já é muita coisa mas bola pra frente. 

-Angie?- Ouço meu nome e duas batidas na porta- 

Sei que é alguma das meninas mas não sei dizer qual. 

-Estou indo.- Levanto e guardo Raposa em baixo da cama discretamente e saio. 

Assim que escancaro a porta vejo a Lizz em frente e atrás dela estão Kate, Rose e Annie. 

-Ja está na mesa... -Ela aponta para trás sinalizando a escada. 

-Então vamos.- dou os ombros e caminho junto com as mesmas. 

Annie está com um vestido e uma botinha, Folk é seu estilo mesmo. Lizz está simples e recatada, Rose Olive é fofa, sempre com sapatilhas e laços. Kate é mais ... Flexível, depende do dia. 

Quando cheguei ao ''Salão comunal'' ainda tinha gente entrado, como sempre, fui a ultima. Todas em fila na sua mesa e a nossa estava vazia. Só é ouvido o salto de Kate, meus pés silenciosos falam muito pela maneira que o bato no chão.

-Senta aqui. -Pede uma das meninas e me sento no mesmo lugar da ultima vez que estive aqui. 

De cara meus olhos se chocam com a imagem de Eva. Ela apalpa o copo e passa seus dedos finos pela borda, pelo que vejo ela também me encara, dessa vez meio confusa. Deve ser sido pela forma que saí do seu quarto mais cedo.   

É uma guerra; ela não tira as íris azuis de cima de mim e nem desvio da imagem dela, até que alguém chama nossa atenção. A nossa e a do salão inteiro: A Coordenadora. 

-Como pedem, hoje o especial é filé à parmegiana! -Cora anuncia e todas as mesas abre em sorrisos e murmúrios.

 Cada pessoa que trabalha lá distribui uma grande travessa de carne para as mesas. No final das contas meu prato ficou abundante, meu garfo já estava mergulhado ali, minha fome era tão grande que consegui almoçar quase tudo em 5 minutos. 

Água de coco foi minha preferência, mesmo esfomeada mantive a minha ''dieta''. Não é lá grande coisa mas ajuda nos meus exercícios. 

-Vocês vão nadar de tarde?- Pergunto enquanto todas ainda comem

-Hoje é dia do filme. -Avisa Annie de cara no prato. 

-Filme?- Sussurro desentendida

-Toda terça a gente se junta com outras meninas no salão de cinema daqui, é foda!- Rose afirma rindo e Lizz joga um guardanapo nela pelo palavrão referido. 

-Qual o filme hoje? - Dou os ombros e achando uma boa opção para investigar os quartos. 

-Você não votou?- Pergunta Lizz e aponta para uma maquininha no canto da sala. 

Levanto e vou até aquela caixa de metal, nela está inserido 3 cartazes de 3 filmes diferentes em baixo de cada um tem um botão. As opções são: 

007 / Indianas Jones / Truque de mestre

Puta da vida, admito pra mim mesma que esse ultimo é meu filme favorito da vida mas não poderei prestar atenção nele, mesmo assim voto no mesmo. 

Viro as costas mas dou de cara com Eva, arregalo os olhos e logo dou uma leve esquivada para passar pela mesma. Ela segura meu braço esquerdo e sussurra pelo da minha pele do pescoço:

-Não entendi. 

-Apenas fiquei enjoada, tenho refluxo de manhã.- Minto tão bem que ela me solta. 

Brigo comigo mesma por deixar ela me soltar e continuo meu caminho. Sento ao lado de Lizz na mesa e ela já estão conversando. 

-COM O ULTIMO VOTO MEU... VAMOS VER O RESULTADO.- Eva anuncia alto para todo o salão.

Todos se viram e fixam os olhos nela, a mesma se abaixa e abre uma parte da caixa prata, dentro da mesma ela verifica o resultado e levanta com um sorriso esclarecedor e sem dentes.

-TRUQUE DE MESTRE!

A mesa da ala azul comemorou loucamente, rio das reações. Tomo um susto ao sentir uma vibração estranha. Apalpo minha calça e meu iphone da notícias; na tela aparece o nome Groove. 

Olho ao redor e como ninguém está olhando pra mim, seguro o telefone e entro no banheiro do salão. 

-Senhor?- Atendo

-Angelique! Como anda aí? Alguma novidade?- Pergunta animado em me ouvir

Imediatamente lembro da foto que vi hoje mais cedo. 

-Eu só constato fatos, então precisa esperar pelo menos 1 semana. - Reclamo de sua ansiedade- Mas sim, vi algo sobre seu irmão mas vai ter que esperar, Ed.

Ele solta o ar do outro lado da linha e fica uns segundos calado. 

-Nada esclarecedor?-Pergunta ansioso

-por parte! Trate de ficar tranquilo. 

A porta atrás de mim estrala levemente como se alguém tivesse entrando...

-Desligo.- Aviso  e aperto o botão vermelho na tela. 

No espelho o reflexo de Eva aparece, sua imagem refletida é tão bonita quando a realidade, luto para não me virar até que ela se aproxima.

-imaginei que estivesse enjoada novamente. Que susto.- Ela solta o ar e segura o coração por fora da blusa verde, sua calça jeans está lá. Parecida com a minha. Desenha seu quadriu louco para ser segurado com força.

OPA.

Meu subconsciente quase me faz escorregar e bater com a cabeça no chão de vez. Porra...

-Não, está tudo certo. -Rapidamente lembro do filme- Vai para o negócio do cinema ou sei lá?

Ela ri e se apoia na pia.

-É, irei. Sempre vou com as meninas. Você vai, não é? -Tenta confirmar.

-Claro, claro. Desculpa a pergunta...- Me aproximo da mesma e desenho com a água respingada no balcão- Você é casada?

Nunca me constrangi tanto perguntando algo. Ela ri, abaixa o olhar e depois me encara de outra maneira.

-Não, Angie. Estou solteira.

-Nossa, pergunta estranha, não é?- Percebo-me corando- Mas é por que vi uma foto sua com um cara.

-Não quero falar disso...-Ela se encolhe no seu canto e espera.

Me aproximo da mesma e seguro sua mão gelada que está apoiada no mámore braco.

-Pode falar qualquer coisa.- Tento transmitir o máximo de confiança. Não só como detetive mas como pessoa.

Eva não diz nada, hesitante como qualquer pessoa. Infelizmente não consigo me manter na personagem . Angelique está no ar.

-Me apaixonei muito, correspondida poucas vezes, tive apenas um namoro, durante 3 anos. 

Ela observa minha mão ainda colada na dela. 

-Ainda está com ele?- pergunta curiosa, a voz dela é tão suave que quase desandei a falar.

Mexo a cabeça negado e finalmente, chegou a hora de me mandar, estou suando e nunca tive problema com questionários. 

-Estarei aqui se precisar.- sussurro e me aproximo da sua pele cheirosa ; 

Daqueles cheiros que é difícil esquecer. 

Beijo o canto da sua bochecha, quase em seus lábios vermelhos que pareciam pedir outros. 

Encaro seu olhar azul e saio. 

Solto o ar assim que vejo que as meninas já estão indo para quarto, e, depois, sala de cinema. 

Acelero o passo, mas é quase impossível andar um metro sem diminuir a velocidade, todas querem conversar e andar ao mesmo tempo; sem querer, tropeço em alguém, levanto meu queixo e dou de cara com as meninas do bloco amarelo. 

Meus pulsos se formam luvas de boxe quando cerro os punhos. 

-Não olha não, sua cobrinha?- Pergunta a maior de altura e de musculos debochando do meu tamanho. 

Ela é como a lutadora Barb Honchat fisicamente, queria rir mas me controlei. 

-Não anda não, seu rinoceronte?- Debocho do mesmo jeito. 

Até que escuto um "ahh" atras de mim, as meninas do vermelho estão trêmulas, mas ao meu lado. 

O restante das pessoas que sobe a escada não tem coragem de encarar o bloco amarelo, um respeito conseguido pela violência. 

-Pede desculpa e vamos embora.- quase implora Rose sussurrando no meu ouvido.

A grande menina na minha frente aponta o dedo diretamente para a minha garganta:

-Guardei seu rosto, mocinha.- Ela sorri maldosa e me da as costas. 

Discretamente, sussurro um ''PORRA'' e volto a caminhar brava. 

Vou ter que bater em alguém? Eu não vou dizer nada, nem agredir ninguém; apenas esperar

-Se me baterem a culpa é sua.- Murmura Kate puta da vida.

-Ninguém vai bater em vocês.- Reviro os olhos e sigo para meu quarto pensando em Eva. 


Notas Finais


E AÍ? OPINIÕES NOVAS? MUAHAHAHHHAA
<3 COMENTEM MINHAS LINDAS.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...