História Uma doença quase incuravel - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Alexy, Ambre, Armin, Bia, Castiel, Charlotte, Dajan, Dakota, Debrah, Dimitry, Iris, Jade, Kentin, Kim, Leigh, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Nina, Peggy, Personagens Originais, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Viktor Chavalier, Violette
Exibições 72
Palavras 3.965
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Festa, Harem, Hentai, Luta, Mecha, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


genteeeeee, fiz um cap de quase 4 il palavras, vou fazer outro de pelo menos duas mil pra sexta, beijos pra voces e boa leitura,

Capítulo 35 - Uma tarde só nossa


Fanfic / Fanfiction Uma doença quase incuravel - Capítulo 35 - Uma tarde só nossa

Mei: não sei. Oque “você” quer fazer?- fiz uma carinha...

Nathaniel: eu faço tudo oque você quiser linda.

Mei: hm me deixa ver, eu quero que você vá de novo à padaria e compre mais tortas.

Nathaniel: na verdade, eu prefiro escolher oque iremos fazer- disse correndo em minha direção, me pegou no colo e me jogou no sofá subindo em cima de mim.

Mei: adoro esse seu lado.

Nathaniel: adora? Kkkk veremos se vai gostar deste aqui. - ele tirou sua blusa de uma vez só.

Mei: sim, com certeza adoro esse seu lado também, mas agora- o joguei no chão e depois subi em cima dele- quero te mostrar meu lado dominante.

Comecei a rebolar em cima dele, ele esticou o braço e pegou uma almofada, tampou a cara com ela e foi dando gemidos abafados. Peguei a almofada dele.

Mei: nada disso, quero ver sua cara enquanto mecho com você.

Nathaniel: não faz isso comigo naum.

Mei: ount, claro que não, vou fazer pior. - me levantei e saí correndo ate o quarto, ele se levantou de uma vez e correu atrás de mim. Quando eu cheguei ao quarto, eu me joguei na cama e ele se jogou por cima de mim. Eu estava de barriga pra baixo, Nathaniel ficou por cima de mim e se aproximou do meu ouvido.

Nathaniel: *sussurrando* agora você não me escapa- mordeu minha orelha.

Mei: ai- por impulso eu virei de barriga pra cima e fiquei encarando ele. Meu corpo se arrepiou todinho.

Nathaniel: você é minha agora. - eu dei um risinho abafado e empurrei-o, depois fiquei sentada na cama e ele continuou jogado pro lado da cama me olhando.

Mei: seu besta.

Nathaniel: kkkk eu sou besta?

Mei: é, muito- empurrei ele pra se deitar. Depois subi em cima dele- Nathaniel...- ele ia dizer algo, mas eu o interrompi com um beijo, ele pareceu surpreso. Colocou suas mãos nos meus cabelos e aprofundou o beijo. Quando paramos eu comecei a acariciar seu membro, ele já estava ereto. Era ótimo ver a reação de Nathaniel. Vê-lo gemendo e se contorcendo de prazer me agradava.

Nathaniel: quer parar de me fazer de marionete?

Mei: marionete?- disse zombando ele.

Nathaniel: sim, você consegue de alguma forma me manipular.

Mei: ount, que fofu, em fim, onde paramos?- comecei a rebolar em cima dele novamente.

Nathaniel: já chega- ele me jogou e subiu em cima de mim, segurou meus braços perto da minha cabeça e começou a passar a língua sobre meu corpo. Foi passando por todo ele, começou na minha barriga e depois foi subindo até chegar nos meus seios, tirou meu sutiã e começou a massageá-los, ele ficou olhando diretamente nos meus olhos.

Mei: para de me olhar assim.

Nathaniel: você fica linda assim. - Nathaniel voltou a passar a língua no meu corpo e enquanto eu gemia ele massageava meus seios, foi subindo ate chegar ao meu lábio e me deu um selinho longo. Depois começou a passar as mãos pelo meu corpo, explorando todas as curvas e ondinhas dele.

Nathaniel: você é muito perfeita.

Mei: não acho que sou perfeita.

Nathaniel: a questão não é achar... é ser e aceitar.

Mei: poético.

Nathaniel: posso?- perguntou massageando minha intimidade. Eu fechei os olhos de tanto prazer, depois abri e confirmei com a cabeça.

Ele tirou minha calcinha com delicadeza, eu já estava me sentindo um pimentao.

Nathaniel: não precisa ficar vermelha, já fizemos isso antes...- como ele pode ficar tão calmo?

Mei:n-não estou vermelha.

Nathaniel deu uma risadinha abafada e disse.

Nathaniel: claro que não. -senti uma leve ironia na voz dele, mas ignorei.

Ele se abaixou e começou a passar a língua e massagear minha intimidade, aquilo era ótimo, senti vontade de lha dar o mesmo prazer que ele me dera. Quando parou, ele subiu e me beijou, explorando cada canto da minha boca, cada extremidade dela. Eu comecei a massagear seu membro por cima da calça, ele deu um gemido e se arrepiou todo, acho que ele não esperava que eu fizesse esse ato.

Mei: oque foi?- disse provocando-o.

Nathaniel: m-mei... n-não faz isso comigo- disse forçando um sorriso...

Mei: isso oque??- voltei a massagear seu membro, mas com um pouco de força para poder senti-lo melhor. Nathaniel arrepiou-se novamente e junto de outro gemido mordeu minha orelha.- oque é isso???- perguntei confusa.

Nathaniel: é assim que você quer?? Que seja, então é assim que você terá.- ele tirou minha mão do seu membro e começou a lamber e da chupões no meu pescoço.

Mei: o-oque...

Nathaniel: shh...-disse calmo- vai estragar oque estou planejando...- fiquei imóvel por uns minutos, até que ele desceu e abaixou as calças lentamente, colocou a camisinha e apenas um pouquinho de seu membro na minha intimidade e ficou naquele bota não bota. Eu já estava ficando extremamente estressada.

Mei: droga Nathaniel- joguei ele pro lado e fiquei em cima dele. Mas ele revidou, me jogando pro lado e novamente ficando em cima de mim.

Nathaniel: kkkk tem que se controlar mei, acredite, estou mais excitado que você. - depois de dizer isso, ele colocou um pouco mais fundo. Eu gemi mais alto dessa vez.

Nathaniel: kkkk não seja tão apressada-eu ja não aguentava mais esse chove não molha. Nathaniel deve estar de brincadeira comigo. Ele tirou seu membro e depois colocou de vagar um pouco mais fundo, começou a aumentar a velocidade, mas ainda não era oque eu queria.

Mei: vai mais rápido. - disse sem pensar, mas era exatamente oque eu queria, e ele sabia disso. Isso vai ter volta, pensei comigo mesmo.

Mei: mais rápido Nathaniel...

Nathaniel: peça de novo.

Mei: que droga, vai mais rápido...

 Ele sorriu vitorioso mas mesmo assim continuou indo em velocidade media. Depois foi abaixando a velocidade, chagou em um ponto em que eu não aguentava mais isso.

Mei: n-Nathaniel, por favor, vai mais rápido...

Nathaniel: oque você está fazendo?- perguntou me provocando.

Mei: estou te implorando, vai mais rápido...

Nathaniel: como quiser- ele aumentou a velocidade de uma vez, era prazer de mais pra uma pessoa só. Estava muito bom, mas eu já não aguentava mais, cheguei ao meu clímax, ele gozou junto. Achei que ele iria parar, mas não, ele continuou, e gozou de novo, e continuou eu já estava acabada, mas continuava gostoso, só que eu já não tinha forças. Ele gozou novamente e ficou la por um tempo... Depois tirou seu membro e se jogou do meu lado.

Mei: estou esgotada....

Ele se inclinou e sussurrou no meu ouvido...

Nathaniel: poxa, você estava muito bem hoje, me casei. Acho que seria bem legal repetir isso algumas vezes.- sorri com seu comentário, ele me abraçou por traz e dormimos a tarde toda, quando acordei, já estava escuro, eram sete da noite. Nathaniel ainda estava deitado do meu lado, estava bastante frio, então me deitei em cima dele e coloquei a coberta sobre nós. Pude ver ele dar um sorriso, e depois me envolveu em seus braços, e num abraço apertado voltamos a dormir... Depois acordei, já era de manha. Ia me levantar, mas nathaniel não deixou.

Nathaniel: bom dia.

Mei: bom dia- disse retribuindo o abraço que o mesmo acabara de me dar.

Nathaniel: sonhou comigo?

Mei: sonhei... e você? Sonhou comigo??

Nathaniel: mei... você É um sonho.

Mei: oun, você também é um sonho...

Nathaniel: mei...

Mei: fala- disse deitada em cima dele de olhos fechados.

Nathaniel: eu tenho uma noticia boa e uma ruim.

Mei: uma noticia boa e uma ruim?

Nathaniel: é... qual você quer ouvir primeiro?

Mei: ... a boa.

Nathaniel: a boa é que não tem noticia ruim, e a ruim é que não tem noticia boa kkkkkk.

Mei: kkkk seu besta, achei que era uma coisa importante.

Nathaniel: kkkk- ele apertou mais seus braços contra mim- eu gosto muito de você...

Mei: também gosto muito de você...

Rosalya: então, vocês dormiram bem?- Rosalya disse surgindo do nada e me assustando, Nathaniel parecia não se importar.

Nathaniel: perfeitamente rosa.

Rosalya deu um risinho e saiu dizendo...

Rosalya: vocês acordaram tarde em? vamos sair para almoçar juntos daqui a meia hora, vao se arrumar logo se não vao ficar pra traz.

Mei: estamos indo rosa.- me levantei e me cobri com um lençol.

Nathaniel: porque esta se cobrindo? Não acha que eu já vi o suficiente?

Mei: você sim, os outros meninos não.

Nathaniel: kkkk sendo assim.

Fiz como disse, peguei o lençol e saí pela porta ate meu quarto tentando passar despercebida.

Lysandre: porque esta assim?

Me virei com o susto.

Mei: assim como?

Lysandre: com esse lençol.

Mei: ata, ehr, eu estou com frio.

Lysandre: serio? Está 29 graus la fora, la bem quente pra mim.

Mei: e você continua com essas roupas longas.- disse apontando pra roupas.

Lysandre: tuxe...- Lysandre sorriu e foi pro seu quarto. Mas antes de entrar ele disse.- vamos fazer o seguinte, eu vou usar outra roupa, que não seja no estilo vitoriano, e você vai tirar esse lençol.

Mei: kkkkkk combinado, mas deixa eu me trocar primeiro.

Lysandre: ta bom, até daqui a pouco- ele entrou no quarto.

Fiz o mesmo e entrei no meu quarto. Troquei de roupa, coloquei um vestido rodado branco cheio de flores vermelhas. Pus uma sapatilha vermelha com a frente aberta, alguns assessórios e um batom roxo matte.

Mei: acho que assim ta bom.- disse me olhando no espelho que por algum motivo eu ainda o via quebrado.- por que isso ta acontecendo comigo? Sera que estou sendo assombrada?- disso com o menor animo. Pra mim essas coisas eram normais, vai saber se meus pais biológicos são espíritos ou alguma coisa assim... bom, ainda tenho que ver esse negocio do meu pingente. Peguei o pingente e coloquei em um cordão e botei no meu pescoço.

Mei: estou pronta.- saí do meu quarto e logo me deparei com Lysandre, ele estava com uma camisa longa branca que parecia ter o tecido fino, era bem geladinha, ele também usava uma calça jeans e um sapato preto da adidas, eu podia sentir seu perfume de longe, mas nem se comparava com o cheiro de Nathaniel, um cheiro ótimo de rosas, um aroma de lavanda ou coisa do tipo.

Lysandre: olha, até que não está feia.

Mei: kkkk, só não estou bonita- Lysandre ia dizer alguma coisa mas Nathaniel chegou e logo disse.

Nathaniel: está sim, está muito linda- olhei pro Lysandre e ele estava se sentindo contrariado.

Mei: você também está muito bonito- Nathaniel estava usando uma blusa verde agua com mangas até o cotovelo, também usava uma bermuda jeans branca e um tênis branco.

Castiel: andem logo vocês três, Rosalya está chamando a gente.

Logo me toquei que Lysandre ainda estava ali, ele se virou e acompanhou Castiel, Nathaniel estendeu a mão e nós saímos juntos.

Encontramos todos na frente da casa.

Rosa: eita, demoraram ne?

Mei: kkkk mas, já estamos aqui, podemos ir?

Castiel: podemos sim, ne Rosalya?

Rosa: ai que chato, podemos sim.

Mei: então, onde é esse restaurante que vamos?

Rosa: perto da faculdade do lys.

Mei: legal, então vamos.

Lysandre: eu podia mostrar ela pra vocês verem.

Kentin: ia ser legal.

Mei: então combinado, mas vamos logo, se não eu vou morrer de fome.

Nathaniel: kkkkkk

Fomos caminhando até um restaurante que não era muito longe.

Mei: gostei daqui, parece bem elegante.

Rosalya: kkkk é quase isso

Resumindo, comemos e depois fomos até a faculdade do Lysandre.

Mei: aqui é bem grande lys.

Lysandre: sim, bastante. Vamos entrando, aqui é aberto 24 horas.

Mei: interessante.

Entramos na faculdade e realimente, ela é bem interessante. Passamos por uma sala que estava com a porta encostada, até eu ouvir um barulho muito auto. Com o susto eu segurei a mão do Lysandre forte. Quando uma fumaça saiu da sala parecendo nevoa.

Duas pessoas saíram da sala, na verdade, dois meninos, um de cabelos pretos e longos e outro de cabelos louros e trançados atrás.

Lysandre: oque aconteceu com vocês?

?????: kkkk fizemos bagunça.

Lysandre: melhor arrumarem isso logo- disse sorrindo- acho que vi a Susana ai perto.- cochichou um pouco auto pros rapazes. Eles fizeram cara de espantados depois sorriram.

????: kkkk acho que vamos arrumar a sala kkk

Lysandre: vamos, já vimos o suficiente por hoje- após dizer isso, Lysandre olhou pra mim e depois pra minha mão. Ao perceber que ainda estávamos de mãos dadas então eu o soltei. Ele sorriu e pegou minha mão novamente com as duas mãos.

Lysandre: não precisa ficar com vergonha, eu gosto de sentir sua mão.- disse olhando profundamente em meus olhos, ate que Nathaniel passou entre nós separando nossas mãos. Olhei pro Lysandre e ele estava escondendo seu sorriso, parecia achar graça da situação.

Rosalya: kkkk acho que já podemos ir.

Nathaniel: mei, eu preciso falar com você.

 Sem dar uma resposta, Nathaniel pegou minha mão e me puxou para um corredor

Nathaniel: oque foi isso?

Mei: eu que pergunto, porque empurrou Lysandre?

Nathaniel: quer dizer que você queria continuar de mãos dadas com ele?

Mei: não é isso, mas foi meio grosso da sua parte.

Nathaniel: vendo por esse lado- ele desceu sua cabeça olhando pro chão- me desculpe.

Mei: ta tudo bem, me desculpe também.

Nathaniel: e-eu não sou assim...

Mei: vamos, acho que já vimos bastante coisa por hoje- respondi ainda sorrindo. Ele olhou pra mim e sorriu ao ver meu rosto.

Saímos e fomos pra casa. Assim que chegamos eu me joguei no sofá e coloquei as mãos sobre os olhos.

Mei: ai, to com preguiça.

Nathaniel: quer alguma coisa?

Mei: sim, quero ir ao meu quarto, mas to com preguiça- estendi meus braços- pode me levar?- fiz cara de cachorro pidão.

Nathaniel: kkkk como dizer não pra essa carinha- Nathaniel me segurou e me levou pro quarto. Colocou-me gentilmente na cama, se levantou, fechou a porta e foi se aproximando, ele subiu em cima da cama e foi deslizando ate chegar nos meus lábios, foi quando ele me deu um selinho longo e se deitou do meu lado.

Mei: pelo jeito ta mais cansado que eu.

Nathaniel: você não faz ideia.- ele se virou e me abraçou, eu virei ao contrario para ficar na pose de conchinha. Nathaniel enfiou seu rosto em meus cabelos e fez um comentário.

Nathaniel: você está muito cheirosa.

Mei: obrigada- virei de volta pra ele. Ficamos nos olhando por um tempo. Nathaniel se levantou e fechou a cortina do meu quarto, o quarto ficou um pouco escuro, não dava pra enxergar muito bem, mas pude sentir a cama balançando e ele se deitando novamente em minha frente, consegui sentir a respiração dele perto do meu pescoço.

Nathaniel: não quer me dar um beijo agora não?

Mei: quero sim- dei um selinho nele, Nathaniel colocou suas mãos em meus cabelos e começamos a usar a língua, explorando a boca um do outro.

 Nathaniel: sua boca é muito doce.- ele instantaneamente passou a língua nos meus lábios.

Deixei escapar uma risada.

Nathaniel: oque foi agora? Ta rindo atoa?

Mei: kkkk nada não- meu telefone começou a tocar.

Mei: espera um pouco, eu vou atender.- peguei meu celular, era um numer desconhecido.

LIGAÇAO ON

Mei: alo?

????: eu te avisei.

Mei: oque?

????: avisei que iria acabar com seu amiguinho.

Mei: thales...

????: exatamente ...

TU-TU-TU...

LIGAÇAO OFF

Coloquei o celular em cima da cama de vagar... comecei a chorar...

Nathaniel: oque foi? Mei, você ta bem?

Mei: não, eu tão to bem, eu não estou nada bem- peguei o celular correndo e disquei o numero do thales.

Ate que alguém atendeu.

LIGAÇAO ON

Mei: alo?- disse ainda em lagrimas.

????: alo, quem fala?

Mei: e-é a mei.

????: mei?? Foi você, foi culpa sua.

Mei: oque foi culpa minha?

?????: meu namorado, morreu por sua causa.

Mei: o-oque?, não acredito... e-e verdade.

?????: é claro que é, sua inútil.

TU-TU-TU...

LIGAÇAO OFF

Nathaniel: mei, você ta me assustando, oque aconteceu?

Sem dizer mais nada eu abracei Nathaniel com todas as minhas forças.

Mei: o thales, ele morreu- disse aos prantos.

Ao ouvir isso Nathaniel aprofundou mais o abraço.

Um tempinho depois, descemos para contar aos outros, mas todos já sabiam.

Rosa: recebemos um e-mail dizendo, acho que foi....

Mei: a Melody, tenho certeza que foi ela.- disse gritando.

Rosa: amiga, não chora- Rosalya veio me abraçar, todos ainda estavam em choque.

Ate que alguém entra na minha casa correndo, e de repente começa a chover.

Susan: ela disse, que thales morreu, por sua culpa, foi culpa sua, sua nojenta, ele morreu, e você tem toda culpa do mundo. Seu monstro, como deixou isso acontecer com ele?

Mei: e-eu, não queria, a culpa não foi minha.

Susan: sim, a culpa foi sua. Toda sua.

Nathaniel me abraçou, mas eu recusei.

Nathaniel: a culpa não foi da mei, foi da Melody.

Susan: não quero nem saber, eu tenho certeza que a culpa toda é dela.

Eu já não aguentava mais ouvir isso, aproveitei que a porta estava aberta e sai com a chuva me molhando toda, nthaniel saiu correndo atrás de mim, ele me alcançou.

Nathaniel: onde você vai?

Mei: embora, não aguento mais.

Nathaniel: não posso deixar que vá embora- ele me puxou e me deu um beijo profundo, um beijo carinhoso, até ser interrompido pela Rosalya.

Rosalya: temos que voltar.

Mei: NÃO, NÃO VOU VOLTAR.

Rosalya virou o rosto pensando no que fazer. Enquanto ela ainda estava de costas, disse.

Rosalya: Susan está destruindo tudo em casa, Lysandre e Castiel estão tentando acalma-la.

NATHANIEL POV

Eu na sei oque fazer para reconfortar mei, eu soltei- a por um tempo, fui falar com Rosalya.

Nathaniel: temos que voltar, ver se todos estão bem.

Rosalya: sim...

Nathaniel: vamos mei... mei???

Rosalya: mei?? Cade você???

MEI POV’S

Eu juro que não aguentava mais, saí correndo enquanto estavam todos distraídos.

Mei: a culpa não foi minha, a culpa não foi minha eu tenho certeza que foi da Melody...

Eu caí, tropecei e bati a cabeça no meio-fiu. Um senhor veio me ajudar.

????: você está bem senhorita?

Mei: s-sim... estou.

?????: venha, vamos te ajudar- disse uma garotinha que saia de traz do homem.

Mei: o-obrigada- eu sabia que não podia confiar em qualquer um, mas eu estava desesperada, melhore dois estranhos do que Melody e Armin.

Eu os acompanhei até uma casinha que aparentava ser bem humilde. Mas eu não ligava porque, primeiro, eu não ligo pra essas coisas, e segundo, eu estava desesperada, não podia voltar pra casa com o clima desse jeito.

?????: moça...- disse a garotinha- vem ver meu quarto.

Mei: está bem- a garotinha me puxou pra dentro de um quartinho que nele tinha uma cama de solteiro, um guarda roupas pequenininho e um ursinho na cama.

Me sentei na cama dela e pude sentir que não era muito confortável, a cama rangia um pouquinho.

???: você pode dormir aqui se quiser.

Mei: gentileza sua mas...

?????: não tem problema- disse o senhor- pode ficar o quanto quiser.

Mei: poxa, obrigada.

?????: prazer- ele esticou sua mão- meu nome é carlos- eu assenti sorrindo e o cumprimentei.

Mei: chamo-me mei.

????: Eu sou a Ana.

Mei: muito bonito seu nome.

Ana: obrigada.

Mei: você tem quantos anos?

Ana: tenho sete.

Mei: você estuda?

Ana: não, papai não tem dinheiro pra comprar meus materiais e nem o uniforme. - ela fez uma expressão triste. - mas ele me ensina tudo oque sabe. Ensinou-me a ler e escrever, eu também aprendi a fazer somas básicas.

Mei: que bom, pode me mostrar oque sabe?- ela faz que sim com a cabeça e me mostrou um livro e começou a ler pra mim, depois brincamos de escolinha enquanto o pai dela ia comprar leite.

Ana: obrigada por brincar comigo mei, você é muito gentil, as outras meninas não querem brincar comigo, porque eu não tenho boneca.

Mei: quem sabe um dia você ganhe uma boneca?

Ana: acho que não. Mas gosto do seu pessimismo.

NATHANIEL POV

Eu não acredito que deixei isso acontecer, não preguei os olhos nem uma vez se quer. Não vou pra faculdade se não encontrar mei, vou usar todo esse tempo para encontra-la. Se Melody e armin encontrar ela primeiro eu juro que mato eles.

Rosalya: não conseguiu nada ainda nath?

Nathaniel: ainda não rosa, mas não vou descansar ate encontra-la.

Lysandre: ela ainda não voltou não é mesmo?

Nathaniel: infelizmente não Lysandre, mas como eu disse, eu vou acha-la.

Lysandre: pode contar comigo pra tudo que precisar.

Nathaniel: obrigada- é disso que eu tenho medo...

MEI POV

Eu e ana estávamos lanchando quando o pai dela chegou.

Carlos: ola meninas.

Mei/ana: oi

Ana: papai, você trouxe frutas?

Carlos: apenas laranja

Ana: não tem problema, eu gosto de laranja.

Carlos: eu sei que gosta princesa. Voce gosta de laranja mei?

Mei: sim- ele me estendeu uma laranja- obrigada.

Observei ana comendo a laranja, ela comeu, retirou a semente e guardou em um potinho.

Mei: porque você guarda as sementes?

Ana: porque quando morarmos em uma casa com quintal, eu vou plantar muitas arvores.

 Mei: ount- que fofa

NATHANIEL POV

Sai andando or toda cidade enquanto meus amigos foram pra faculdade, Lysandre ficou em casa com Castiel por preguiça mesmo, eu espero. Fui no mercado comprar algo para comer, eu já estava com fome.

Quando ia saindo, encontrei uma conhecida minha.

Kumi: oi nath-ela veio e me deu um abraço.

Nathaniel: oi.

Kumi: quanto tempo.

Nathaniel: pois é- disse coçando a cabeça, eu ainda estava muito apressado.

Kumi: oque foi? Algo te encomoda?

Nathaniel: sim, uma amiga minha fugiu.

Kumi: amiga Nathaniel?

Nathaniel: bom kkkk, na verdade um pouco mais que isso.

Kumi: entendi.

Nathaniel: então, se não se importar.

Kumi: eu não acredito que você esta procurando por ela.

Nathaniel: sim, estou sim. Bom, eu preciso ir, desculpe- sai correndo antes que ela pudesse dizer alguma coisa. Ainda não acredito que deixei ela sair despercebida... que aperto no coração, se alguma coisa acontecer com ela... a culpa vai ser toda minha...

MEI POVS

Ana: mei... porque você estava correndo daquele jeito?

Carlos: ana, não faça perguntas assim.

Mei: não tem problema, eu explico. (contei tudo pra ela, menos a parte da Melody e do armin)

Ana: então você fugiu?

Mei: kkkk, basicamente isso.

Ana: fugiu dos problemas?

Mei: bom, eu não fugi dos meus problemas.

Ana: se eu fosse você, ficaria em casa, porque quando você voltar, seus amigos irão te encher de perguntas. Vai ser pior pra você.

Mei:... você é bem espertinha pra sua idade não acha?

Ana: kkkk um pouquinho.

Mei: mas de qualquer forma...(interrompida)

Ana: você matou ele?

Mei: n-não, eu nunca faria isso.

Ana: então porque fugiu?- disse comendo a laranja.

Mei: e-eu... estava cansada, estava ficando biruta com tantas coisas acontecendo.

Ana: entendi, e o Nathaniel?

Mei: oque tem ele?

Ana: parece que ele se preocupa bastante com você.

Mei: sim, ele é um máximo, é super protetor comigo.

Ana: poxa, ele deve estar muito preocupado, na verdade, todos os seus amigos.

Quando ela disse isso, me toquei de que todos poderiam estar me procurando agora, Nathaniel principalmente, oque ele iria dizer quando me visse...

Carlos: pare de pressionar a menina ana.

Mei: e-eu... eu preciso ir.

Ana: isso ana, encare tudo isso como uma perfeita guerreira que você é...

Mei: obrigada ana, obrigada senhor carlos, eu juro oque ainda irei recompensar vocês.- disse saindo pela porta correndo, comecei a chorar e correr mais e mais rápido... Eu estava super feliz que iria ver meus amigos, já não aguentava mais. Mesmo tendo sido apenas uma noite, parecia que eu ia ficar pra sempre... Enquanto pensava e corria de volta pra casa, eu fui virar em uma curva fechada, mas esbarrei em alguém e caí no chão... Essa pessoa me ajudou a me levantar.

?????: mei???...

Mei: armin??

CONTINUA...


Notas Finais


leiam as notas iniciais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...