História Uma história nem tão inexpressiva assim - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Historia Original, Menina, Opinião, Romance, Yuri
Exibições 26
Palavras 733
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Escolar, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oioi
Eu de novo trazendo mais um pedaço da história :3 espero que gostem de finais trágicos.

Capítulo 7 - Reflexo.


Fanfic / Fanfiction Uma história nem tão inexpressiva assim - Capítulo 7 - Reflexo.

Olhando bem, posso tentar ver o que o espelho ta refletindo, pode ser um sinal de onde você está (eu estou chegando…). Peguei-me ouvindo Gorillaz e esse trecho faz muito sentido pra mim agora.

“Maybe in time you’ll want to be mine” (talvez a tempo, você desejará ser minha)

Eu pego-me pensando, não apenas em mim, mas em você, se está bem, prefiro pensar menos na possibilidade de você ter simplesmente saqueado-me, porque meu ego egoísta precisa de você, preciso sacia-lo de sua fome de você, já que se pararmos pra pensar  eu não quero apenas o seu bem, esse desespero tão grande é por eu não ficar tão bem assim sem você, e não apenas por querer e dever te proteger. Estou me desconcentrando de novo, isso não pode acontecer, não agora, eu não posso apenas pensar em você, tenho que te salvar, pelo seu e meu bem.

Vamos lá, aqui está muito escuro para que o espelho reflita algo interno, estou olhando por essa fresta quase microscópica para tentar ver da onde vem esse reflexo (fica meio difícil já que a fresta é extremamente pequena, o espelho está debaixo do piso e pra ajudar eu tenho problemas de visão, não é atoa que eu uso óculos, e eles estão caindo, sinto-me aquelas idosas que sentam do seu lado no ônibus pra conversar e falam até seus ouvidos sangrarem), você pode deter deixado isso para me avisar algo, onde estaria, não sei. Só imploro pra que seja o que penso ser, porque é menos pior pensar que você foi levada, do que pensar que você me enganou e foi embora por querer, é mais confortável pensar assim do que pensar que você é só mais uma vigarista, só mais uma que se aproveitou de mim.

ACHO QUE ESTOU VENDO ALGO, é um reflexo embaçado, mas parece ser de um prédio, acho que devo ir pra lá, sei que pode ser apenas um pedaço de espelho quebrado debaixo do piso de madeira de uma casa velha e abandonada, sei que posso ter vindo a cem quilômetros por hora, correndo um grande risco de morrer, vestida com o pijama que mal cobre meus grades seios, e um short tão curto quanto minha paciência, assim como da última vez que você me viu, eu não quero vê-la como uma ladra. Talvez eu esteja me engando e não queira enxergar a realidade, mas é melhor viver na ilusão de te encontrar do que cair da realidade de que só eu senti aquela coisa tão intensa quando te beijei. Vou até esse prédio, sem medo, por você, por nós, e sei que você também sentiu aquilo (eu sei disso…). Com o pé quebro o piso velho de madeira e consigo ver claramente como é o prédio e sua direção, trago o espelho junto comigo, além de ser um objeto cortante, é bem útil

 Estava andando, saindo da casa, as madeiras rangem até que alto, meu passo é firme, e sinto o vento ao sair da casa, pegando minha moto, que estava estacionada na calçada da casa velha, estou montando nela, com a bunda empinada, seios basicamente a mostra, principalmente quando batem ventos fortes (por conta da velocidade da moto), o meu sobretudo preto vai pra trás, acompanhando a ventania que faz, e cada segundo que passa eu tenho mais medo de não te achar viva, mas essa é a possibilidade que eu não penso.

A caminho do prédio, percebo que a rua é cercada por casa velhas, e prédios abandonados, o reflexo que estava no espelho era de um prédio que estava na diagonal a casa, estou indo nessa direção, a cada piscada parece que já me vejo junto com você, num local afastado onde possamos ser felizes sem que ninguém nos incomode, só nós, no meio de uma clareira, sobrevivendo de amor e frutas (clichê e mentira já que não vivo sem carne). Penso numa forma de te achar, deixe outros sinais pra mim, eu não vou desistir de te encontrar, eu não vou desistir de você, estou indo, não fique com medo porque logo você estará em meus braços.

A menina mais doce (e psicopata fofa) que eu já conheci, e que logo me mostrou novos sentimentos que eu desconhecia, estou a caminho do prédio, não sei o que pode me esperar lá, mas seja o que for eu vou enfrentar, por você Akemi (por mim…Por nós). Você voltará pra mim.


Notas Finais


Perdoe o capítulo tão curto, mas o outro surpreende! :3 posto-o ainda hoje!
Beijos da tia empada.
Dedico esse capítulo a pessoa que me ajudou de monte aqui @batatadelivery, estou meio chateada por alguns acontecimentos, então descupem se eu atrasar os próximos capítulos! Valeu <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...