História Uma história para os papais - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O
Tags Baekyeol, Chanbaek, Chanbaek!pais, Fem!kyungsoo, Fluffy, Kid!kyungsoo
Visualizações 208
Palavras 2.453
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Fluffy, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


olá *sorri*
Eu estou um pouquinho nervosa porque muita gente lá no EXO Fanfics estava esperando por esse plot, mas mesmo não sabendo se todo mundo vai ler, queria dizer desde já que dei o meu melhor para fazer algo bonitinho.

Obrigada Maria Eduarda que doou o plot e a Letícia Chicuta que deu a ideia do nome da menina que seria a versão feminina do Soo.

Desejo uma boa leitura e por favor deixem suas opiniões sinceras. Espero mesmo que gostem ♡

Capítulo 1 - Os melhores pais do mundo


É apenas mais uma tarde bonita em Busan, com o céu cheio de nuvens e um sol brilhante, carros seguindo normalmente seu caminho e muitas crianças saindo da escola depois de um longo turno durante a manhã. Entre essas crianças está Hyang-Gi, a única que caminha sem nenhum amigo e volta cabisbaixa para casa, triste e ainda sem entender qual a graça em ser ignorada e servir de motivo de piada para todos os outros alunos. Quando seus pais lhe disseram que frequentar a escola seria bom ela jamais imaginou que eles estariam errados, porque ela sempre acreditaria no que eles dissessem. O problema é que, como se já não bastasse ser uma menina de doze anos atrasada nos estudos, ela ainda é rejeitada por todos os alunos cujos pais dizem que ela com certeza será uma má influência. Tudo que ela queria era entender o motivo de seus pais serem tão julgados assim.

"Olha lá, é a filha daqueles homens estranhos." Ela ouve uma menina dizer para sua amiga, ambas explodindo em risadas logo depois. "Ei Hyang! Qual a sensação de ter sido adotada por dois homens? E ainda por cima homens como eles."

A garota a ignora e segue seu caminho, contendo as lágrimas enquanto aperta as alças da mochila e corre pelas ruas que levam ao seu condomínio. Agora o dia não parece mais tão bonito assim. Tudo que ela consegue pensar é em como as pessoas estão erradas e que nenhuma delas jamais saberá de como é feliz vivendo em sua nova casa. Ninguém jamais saberá dos sorrisos, dos jantares em família e os abraços reconfortantes que nunca pensou que um dia receberia.

Eles estão errados, e é nisso que ela pensa enquanto corre e deixa que suas lágrimas caiam ao chão.


¤


"Appa, papai... Cheguei."

A menina fecha a porta e larga a mochila em algum canto assim que entra em casa, logo sendo invadida pelo cheirinho gostoso da refeição feita por um de seus pais e também o som da música que vem da sala de instrumentos. Ela vai primeiro até a cozinha, encontrando seu pai Chanyeol de costas, cantarolando e mexendo o corpo baixinho enquanto cozinha alguam coisa que apenas pelo cheiro já parece muito boa. Qualquer um que o visse de longe jamais imaginaria o homem em uma cena dessas, mas ela sabe o quão doce seu pai pode ser.

"Papai, estou em casa!"

O Park se vira para ela no mesmo instante, oferecendo seu maior e melhor sorriso quando se abaixa um pouquinho para abraçá-la. A menina se deixa acolher por ele enquanto ri pelas cócegas leves que ele faz em sua barriga, uma brincadeira normal entre eles. Quando ele se afasta ela sente uma pontada de tristeza outra vez, finalmente reparando na aparência tão excêntrica que incomoda as pessoas.

Seu pai Chanyeol tem muitas tatuagens pelo corpo, e quando diz muitas Hyang-Gi quer mesmo dizer que há várias delas, incluindo uma no dedo que foi a primeira que ele fez e a segunda de um violão em traços diferentes, cujo significado ele diz que é o que une seu coração ao do marido: a música. Ele também tem os cabelos platinados chamativos, os olhos levemente marcados por um delineador bem feito e um piercing no lábio inferior que o deixam com uma aparência bonita, mas que para todos os seus colegas da escola é realmente repugnante. A garota apenas sente vontade de chorar outra vez.

"P-papai... O que você faz quando alguém te olha feio por causa das suas tatuagens?"

O mais velho franze o cenho e finge pensar, mas logo seu grande sorriso está de volta e ele nem parece se importar com o assunto tão delicado.

"Eu simplesmente ignoro. O que eles veêm por fora não diz o que eu sou por dentro."

Ela sorri e assente, embora a tristeza ainda esteja presente.

"Tudo bem, papai."

Chanyeol dá mais um abraço e afaga os cabelos da filha antes de se levantar, vendo ela se afastar ainda cabisbaixa. Ele sabe exatamente o que está acontecendo.

"Vá ver o Baekkie e depois tome um banho para vir almoçar, okay?" Ele diz, e embora sua voz seja grave e ele tenha toda essa aparência e altura um tanto intimidadora, não há nenhum sinal de ordem em sua voz. "E não fique triste, pequena. Se quiser conversar a gente 'tá aqui."

Ela sorri e concorda mais uma vez, saindo da cozinha para encontrar seu outro pai.

Quando Hyang-Gi chega à sala de instrumentos seu sorriso cresce com a imagem de Baekhyun sentado diante do piano, os cabelos tingidos de preto e vermelho desgrenhados e a boca que também contém um piercing aberta enquanto canta alguma coisa. Ele tem todo esse visual destruidão, com roupas rasgadas e o corpo cheio de tatuagens, os pés cobertos com coturnos e os olhos muito, muito marcados por um delineador preto forte. Apesar disso ele tem um sorriso gentil e olho brilhantes que logo são direcionados à filha quando percebe sua presença, e não demora nem dez segundos para ele se levantar e segurar a menina nos braços para girar com ela por toda a sala. Quando ele pára ambos estão rindo, e agora quem tem os cabelos bagunçados é Hyang-Gi.

"Senti sua falta, corujinha." Ele brinca com sua voz gentil. É engraçado a forma fofa como ele fala, porque sua aparência faz parecer que ele tem uma voz rouca e autoritária, mas na verdade ele fala de um jeitinho alto e animado, mas manso e cheio de um carinho que se une ao seu sotaque forte da capital. "Como foi na aula hoje?"

A garota senta-se no banquinho ao lado dele no piano e mantém os olhos fixos nas teclas brancas, brincando com os dedos para tentar se distrair do sentimento ruim. E ela até pensa em fingir que nada está acontecendo para poupar seus pais, mas Baekhyun sempre foi bom em perceber quando algo está errado.

"Bem... As pessoas não querem se aproximar de mim. Todo mundo evita ser meu amigo, Appa."

Ela não tem coragem de erguer os olhos para encará-lo, mas pela demora do seu pai sabe que ele está triste. E ela sabe também que ele sabe o motivo de estar sendo rejeitada.

"O que eles dizem para você, meu amor?"

Hyang-Gi respira fundo e se lembra de todas as palavras ruins, os olhinhos grandes cheios de lágrimae e a boca trêmula. Tudo que ela queria era se dar bem na escola e que as pessoas conhecessem melhor quem seus pais são de verdade.

"A-as meninas dizem que é feio eu ter sido adotada por dois homens e que sou tão inútil que nem meus pais biológicos me quiseram e ainda demorei muito tempo para sair do orfanato. Mas não é isso que machuca, e sim quando eles dizem que vocês devem ser pessoas ruins e malvadas por causa da aparência, que o papai Chan é assustador e você deve ser um rebelde. É injusto com vocês que sempre foram tão bons comigo."

A menina finalmente ergue os olhos para olhar para seu pai, encontrando no olhar dele uma tristeza que ele tenta disfarçar com um sorriso. Ela se sente mal e pensa que deveria ter ficado quieta, mas quando ele a abraça e beija sua testa carinhosamente a menina se permite sorrir. É muito bom perceber que finalmente tem um lar.

"Não se preocupe, corujinha. Eu vou falar com o Chan, e se quiser podemos mudar você de escola."

"M-mas papai, eu não quero deixar o Yeol triste também!"

Baekhyun ri e bagunça os cabelos dela, já se levantando enquanto oferece um olhar que tranquiliza sua filha.

"Relaxe, Hyang-Gi. Nós não ficaremos tristes, hm? E mesmo se ficarmos, o que importa é a sua felicidade."

O mais velho sai da sala e a menina observa como ele está cabisbaixo, percebendo que precisa fazer algo para que eles não sintam culpa por serem como são. Afinal, se eles se importam com sua felicidade, ela também se importa bastante em vê-los sorrir.


¤


Baekhyun e Chanyeol continuam no sofá após uma longa conversa sobre a situação pela qual a filha está passando, decidindo que talvez seja melhor deixar suas aparência diferentes de lado para o bem de sua filha. Todo o visual e tatuagens tem um significado, e embora elas não possam ser tiradas talvez consigam um jeito de escondê-las. Eles não se importam se precisarão camuflar a tatuagem que fizeram juntos quando completaram um ano de namoro, nem o nome da filha que tem no meio de algumas das rosas no braço de Baekhyun, muito menos a primeira assinatura que a menina conseguiu fazer marcada para sempre na pele de Chanyeol. Eles não se importam em tirar os piercings, cortar seus cabelos de um jeito mais comum e deixá-los em um preto comum, não se sua menina puder conseguir amizades e parar de ser rejeitada no colégio.

Porém, antes que eles realmente se deixem abalar pela decisão recém tomada uma garota sorridente e saltitante sai de dentro do quarto, carregando váriss folhas e surpreendendo os pais quando eles veêm seus braços cheios de desenhos feitos com canetinhas coloridas. Chanyeol arregala os olhos e fica sem entender, até a menina finalmente parar em frente a eles, desligar a televisão já esquecida e abrir o maior sorriso de sua vida.

"Hyang-Gi, o que você está fazendo?"

Ela ignora a pergunta de Chanyeol e pega o primeiro papel, mostrando aos pais de forma que consigam ver seu lindo desenho.

"Prestem atenção, eu vou contar uma história para vocês."

Baekhyun e Chanyeol ajeitam-se melhor no sofá e o mais velho já tem um sorriso de lado no rosto. Tudo que ele consegue pensar ao reconhecer a si mesmo e seu marido no primeiro desenho é em como a menina que escolheram para ser sua filha é especial e preciosa.

"O nome da história é: os papais roqueiros mais legais do mundo." Hyang-Gi começa, a voz cheia de um tom teatral. "Era uma vez uma menina muito triste e solitária que vivia em uma casa cheia de outras crianças." Ela muda para o próximo desenho, onde uma menina está sentada sozinha em um pátio cheio de outras pessoas. "Essa menina vivia triste porque todos acabavam encontrando uma família enquanto ela vivia sem ninguém, sendo rejeitada por todo mundo que chegava para conhecê-la. Todo mundo sempre dizia que era por causa da sua aparência e seus olhos de coruja, o que machucava muito essa menina. Outros diziam que era porque ela vivia lendo e ouvindo música japonesa e isso era muito, muito estranho."

Ela mostra outro desenho de uma menina com fones de ouvido, lágrimas nos olhos e livros empilhados ao seu redor. Em um dos cantinhos da folha há crianças com expressões de riso apontando para a menina, e Hyang-Gi respira fundo antes de continuar.

"Um dia dois rapazes muito legais chegaram na casa onde a menina morava. As crianças e as tias que cuidavam delas ficaram com medo porque eles eram cheios de desenhos no corpo e pareciam assustadores, mas a menina ficou muito empolgada porque eles pareciam os cantores japoneses que gostava. O mais alto tinha um sorriso e voz bonita e cabelos legais, e o baixinho tinha olhos fofos e desenhos de rosas no braço! Tem algo mais legal que isso?"

Chanyeol e Baekhyun sorriem, agora com os olhos cheios de lágrimas e grandes sorrisos no rosto. O maior quase chora de verdade quando ela mostra um desenho que representa eles e Hyang-Gi passeando pelos jardins do orfanato.

"Eles não demoraram a fazer amizade com a menina que se sentia muito feliz com a esperança de ser adotada, embora pensasse que talvez fosse mais uma daquelas visitas frustradas que recebeu antes. Mas aí eles passaram a vê-la toda semana e passear com ela no orfanato, às vezes até recebendo autorização das tias para lanchar na sorveteria do outro lado da rua. Ah, a menina ficou tão feliz! E ficou mais feliz ainda quando soube que eles eram casados e ouviu uma das tias dizer que ela finalmente havia encontrado um lar."

Ela mostra em seguida um desenho de uma garota sorridente ouvindo alguma coisa atrás da porta, e quando muda para a última folha que agora mostra a foto que tiraram no dia em que ela chegou à sua casa nova, Baekhyun e Chanyeol finalmente deixam as lágrimas caírem.

"A menina foi morar com esses dois rapazes, agora seu Papai Chan e Appa Baekkie, e descobriu que eles são muito diferentes do que todo mundo pensa. O papai Chan é o mais novo mesmo que não pareça, e ele é sempre sorridente, engraçado e adora cozinhar as melhores comidas. Ele também é meio bobinho às vezes, quando Hyang-Gi esconde as palhetas de seu violão quando quer fazer uma brincadeirinha. Já o Appa Baekkie tem uma voz bonita quando canta, e mesmo sendo o mais velho ainda é baixinho, o que é muito engraçado. A menina descobriu também que ele é muito paciente para ensiná-la a tocar música, e que é sério para tomar as decisões que precisam ser tomadas. Eles são mais do que pais para ela, na verdade parecem mais como anjos da guarda, e sem eles talvez a menina jamais pudesse descobrir o que é ter uma família de verdade."

A menina mostra uma última folha dizendo fim, e depois de deixar todas elas na mesinha de centro vai se sentar com os pais no sofá, fazendo questão de olhar para eles e confirmar com o olhar a veracidade de suas palavras.

"O que eu quero dizer é que vocês não precisam mudar, papais. Eu fico triste quando as pessoas me rejeitam porque pensam que tenho pais ruins, mas só eu sei que vocês são bons de verdade. E aí que está a graça da coisa, porque é como um segredo que só a gente sabe. Então, por favor, se estão pensando em mudar a aparência ou alguma coisa para que meus amigos se aproximem de mim, não façam isso. Eu prefiro ter vocês que sempre me amaram como sou do que amigos que precisam que alguém mude para gostar da pessoa de verdade."

Chanyeol e Baekhyun sorriem para ela e abraçam, acolhendo a menina no melhor calor fraternal que ela já sentiu, acariciando seus cabelos escuros e agradecendo por ser a melhor filha do mundo inteirinho.

"Você é a melhor, sabia?" Chanyeol diz quando o abraço termina, todo sorridente enquanto olha para a filha. "A cada dia que passa eu tenho mais e mais orgulho de ser seu pai."

"Eu também tenho." Baekhyun diz. "Nós não poderíamos ter escolhido uma filha melhor."

Hyang-Gi sorri e os abraça outra vez, agora também derramando lágrimas de felicidade. Nesse momento nada é mais relevante do que ter Chanyeol e Baekhyun como seus pais, porque não importa o que seus colegas da escola dizem, só ela realmente sabe o quão feliz é com sua família.

E mesmo se pudesse ela nunca, nunca mudaria nada em seus pais.


Notas Finais


espero que tenham gostado.
adoraria saber suas opiniões ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...