História Uma Intrusa Na História - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Abaddon, Adam Milligan, Alex Jones (Annie Jones), Anna Milton, Bela Talbot, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Chuck Shurley, Claire Novak, Crowley, Dean Winchester, Gabriel, Jo Harvelle, Jody Mills, Kevin Tran, Lilith, Lúcifer, Mary Winchester, Meg Masters, Miguel, Personagens Originais, Rowena MacLeod, Ruby, Sam Winchester, Samandriel
Tags Anjos, Demonios, Original, Romance, Supernatural, Suspense
Exibições 4
Palavras 1.025
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello Hunters, tudo bem? espero que sim, bem aqui esta mas um capitulo e eu espero que gostem ele foi mais logo que os outros e eu não sei se vou conseguir publicar o próximo hoje ainda, pois eu ainda nem escrevi, mas... aqui está espero que gostem.

Capítulo 3 - O nascimento


Fanfic / Fanfiction Uma Intrusa Na História - Capítulo 3 - O nascimento

NARRADORA POV’S

            8 meses se passaram e a barriga da Anne já aparecia de montão, Mylla estava preocupada com a sua amiga pois em poucos dias sua sobrinha nasceria e ela ainda não contou para Josoel que estava gravida, geralmente as mulheres gravidas de 8 meses e algumas semanas tem contrações e dores, mas ela não, dava nem sequer um piu, não sabia se era pelo fato de ser um demônio, pelo qual ela não se importava, ou por outro motivo desconhecido. Anne estava sentada no sofá de uma camisola branca, assistindo um filme, alisando sua barriga, pensando “como criaria o pequenino bebé”, ela ainda não sabia se era menina ou menino, “como a cuidaria e por que está preocupada com ela, passou anos perseguindo e matando demônios e pessoas, acabando com a alegria das pessoas e lutando pelo mal, e agora... estou parecendo uma humana fraca e inútil que tem medo até de sua própria sombra”.

            Sim ela tinha enfraquecido, quando vai dormir tem que ter alguém ao seu lado ou tem que ficar com a luz acesa, parecendo uma criança de 5 anos de idade, coloca sal todas as noites nas portas, janelas e envolta da própria cama, faz pentagramas debaixo dos tapetes e ao amanhecer pede para sua amiga para que a solte, e além disso espalhava óleo santo por todo o quarto, as vezes pois achava enjoativo, seria complicado viver assim com o bebezinho.

— Já pensou no nome? — interrompeu Mylla de seus pensamentos

— Não — falou pensativa

— Posso ajudar! — se levantou — espere aqui, vou pegar um bloco e uma caneta... achei o bloco, mas cadê a caneta... — saiu correndo atrás da própria — porcaria cadê? — Anne riu pois havia um bem na sua frente.

— Aqui sua lerda! — se recuperou dos risos e apontando para a mesa no centro da casa.

— Ah valeu, e então? Que tal Helena? — perguntou pegando um livro onde tinha o significado de cada nome.

— Helena?!

— Sim, seu nome significa “a reluzente” ou “a resplandecente” se originou do grego “helene” que significa tocha, o termo helê quer dizer “raio de sol” — falou lendo um parágrafo.

— Hum! Não acho isso uma tolice... que tal Olivia?

— Nem pensar, se originou de azeitona, eu não quero uma sobrinha com o nome originado de azeitona! — ambas riram — e que tal Pietra?

— Deixa eu ver — estendeu a mão e ela entregou o livro — veio de pedra e significa “firmeza” talvez seja bom ao decorrer dos anos ela irá precisar dessa força.

— Vou adiciona na lista de meninas... — começou a escrever o nome — e que tal você fazer uma homenagem a alguém que morreu ou está viva colocando seu nome na criança?

— Bem... o nome da minha mãe é Meredith, do meu avô é Lúcifer e da minha avó Abadon e todos estão putos comigo depois que desiste de lutar, então acho que nem um desses nomes serviria bem.

— Ah qual é? Deve ter algum ai, pensa — Falou fazendo com que ela caísse na gargalhada

            Elas conversaram durante horas sobre o nome do bebê e não sabiam se seria menino ou menina, então juntas fizeram uma lista de nomes para ambos os sexos, quando deu 2 horas da manhã, Mylla foi dormir e Anne sentiu a presença de alguém na casa, ficou apavorada e se fosse sua mãe? Ou Josoel? Ou até um dos seus irmãos? Mas o que ela não sabia era que na verdade era um anjo, amigo de Josoel, que desde que ele não pode mais visitar sua amada, pediu para que a olhasse comunicasse se algo de ruim a acontecesse, o nome dele era Samandriel, que estava sorrindo, encantado com o bebê que estava vendo na barriga dela. 5 dias se passaram e Mylla iria se casar com o seu melhor amigo, Louis, estavam todas no jantar de ensaios e Anne foi buscar um vinho sem álcool para brindar o grande casamento, quando ela sentiu uma água escorrer pelas suas pernas e ela sentiu uma dor enorme, maior que ela já sentiu e poderia imaginar, soltou as garrafas no chão fazendo todos a virem.

            Estava assustada, nunca tinha feito isso, sentia contrações mais fortes que antes, Mylla a olhou e percebeu um liquido no chão no mesmo estante pediu para ligarem para a ambulância, mandou sua amiga respirar fundo, nunca tinha passado por isso, mas era como se ela solvesse o que fazer.

— A ambulância chegou — alguém gritou

— Rápido, venha querida — a mãe da noiva ordenou

— Mylla vem comigo, você é a única família que eu tenho.

— Claro, amiga, nos momentos ruins e bons lembra?! — ela falou isso pois elas haviam feito um juramento desde que elas se conheceram, não importando a situação, sempre estariam uma do lado da outra.

Os paramédicos a colocaram na maca, onde deram a máscara de oxigênio para a própria, enquanto faziam perguntas simples e típicas, como “qual o nome dela?”, “quantos anos ela tem?”, “qual o nome dos familiares?” ... 5 minutos depois estavam na sala de parto, Anne gritava estava fazendo muita força para a criança nascer. Mas ao invés de gritar saia risos macabros, os médicos não intendiam o que era isso, mas Mylla sabia como convencer alguém e os convenceu que eram gritou de felicidade. Porem mesmo ela tendo melhorado com o passar dos meses no fundo ela sentia que ainda existia o mal em seu coração mesmo ele estando bem lá no fundo.

            Ela fez mais força e finalmente a bebe nasceu era uma garotinha, uma linda menina de cabelos ruivos cacheados e olhos verdes esmeraldas, assim que ela viu sua filha lembrou de seu grande amor, seus cachos eram parecidos com o dele mesmo os dele sendo mais definido, os olhos eram lindos, ela pensou em vários nomes antes do parto, como, Elisa, Isabelly, Mayla e principalmente Pietra, mas naquele momento nem um daqueles nomes combinava com ela e quando o médico perguntou qual seria o nome ela hesitou e logo respondeu.

— Lucy


Notas Finais


E então? o que acharam?
BEIJINHOS <3<3<3 até o próximo capitulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...