História Uma mãe, uma guerreira (REPOSTADA) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Got7, Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Hansol, Jackson, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Kun, Mark, RenJun, Suho, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Crackfick, Família, Filhos, Jaeyeong, Jhonten, Nct
Visualizações 36
Palavras 3.898
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus bolinhos, demorei muito? Espero que não.

Capítulo sem betagem pessoal
Infelizmente.

Próximo capítulo em breve 😄

Capítulo 6 - 6 《● Os dias sem você ●》


As vezes eu penso que deveria não ter tido filhos, na verdade setenta por cento as vezes eu penso isso. Não que odeie ou ache que é um fardo na minha vida, longe disso. Meus três filhos são os tesouros da minha vida, jamais mudaria algo em nenhum deles. Mas, vendo o exemplo que sou para eles chega à ser frustrante ter cada um.

Eu também acho que casamento não foi uma boa opção na minha vida, não muito por Johnny. Ele se sacrificou mais do que à mim mesmo nessa relação, tudo o que falo dele é da boca pra fora. Youngho é um marido incrível, e um ótimo Pai. Só. ...O problema é comigo. Eu não sirvo para nenhuma dessas coisas.

Ser Omma ou ....esposo.

Eu ...Sou frustrante.

*

Chega uma época da vida da gente que não dá pra fugir, você pode correr e até nadar contra à maré. Mas, meu chapa, isso um dia vai te pegar. Para alguns se chama fundo do poço, na opinião de Jaehyun é depressão e também é nomeada de falta de louça pra lavar -segundo Yuta. Para mim ...

É a BAD!

Céus, você se sente um lixo. Acha que deve largar tudo e pegar o primeiro avião pra Disney. Você só quer gritar e mandar todo mundo para o raio que o parta, isso chega à ser decadente.

Porém, é a sua realidade.

Como eu disse pode fugir e se esconder. 

Mas, a Bad vai ir até você.

Eu sou Ten, uma cara mãe de família que faz de tudo por sua família. Ultimamente tô me sentindo meio bosta mas vou superar.

-Seu sorvete tá derretendo. -DoYoung murmurou com tédio.

Ótima observação pequeno gafanhoto.

-Deixa ele Young. -Escutei Jae reaprender o castanho.

Suspirei sem tirar meu olhar da paisagem do lado de fora, aquela vista do café é deslumbrante. Quero chorar.

Um casal sorridente acaba de passar na frente do café trocando carícias, eu realmente quero chorar.

-Aigoo...Você está péssimo Ten, pelo amor de Deus para de olhar pra barraca de churrasquinho. -Gruniu Yuta me cachoalhando pelos ombros.

Pisquei atordoado me focando nos presentes à minha frente.

-Eu não estou olhando pra barraquinha, só estava pensando. - Expliquei mexendo sem muito animo em meu sorvete.

Por que eu pedi leite ninho com frutas vermelhas mesmo?

-Sei, pensando. ....Só se for em um certo americano que viajou e te deixou aí sozinho. -Comentou ácido o japonês ao meu lado.

Era tão bom contar com o apoio dos amigos, chega à emocionar.

-Sabe se fosse pra ouvir coisas que eu já sei tinha ido pra casa da minha mãe, pelo menos lá eu ia ter um ombro pra chorar. -Falei amargo levantando o rosto para ver as expressões de meus amigos.

Suho me encarava com os braços cruzados e uma sobrancelha arqueada, em uma clara expressão de desgosto. DoYoung ao seu lado na janela só parecia entediado, com uma mão no queixo e a outra segurando o copo de milk-shake que sugava irritantemente pelo canudo. Jaehyun no canto do estofado me olhava com tanta pena que me senti um filhote de cachorro com sarna, e nem precisei virar para Yuta. Já sabia que ele me dava uma de suas miradas repreendedoras.

Qual é. ..Ninguém podia simplesmente entender meu silêncio e compadecer com a minha dor? Era pedir demais?

-Sua mãe ia dizer o mesmo que eu, para de ser uma bixa burra. Se lamentar pelo que aconteceu e ficar conferindo se o Mister América mandou alguma mensagem não vai adiantar de nada. -Yuta bufou batendo as mãos na mesa. -Ten, ele é um idiota. -Falou como se fosse óbvio.

-Você também é. -Resmunguei pondo uma colherada de sorvete na boca sem o olhar.

Houve um suspiro pela parte de Jae.

-Essa é a diferença meu bem, você sabe que eu sou um idiota e aceita isso. Agora o Johnny é um baita idiota, mas você insiste em não querer ver. -Meu amigo falava zombeteiro.

Sério que ele achava que aquilo ia me ajudar? Eu só queria deitar e nunca mais acordar, não era daquela forma que tava ajudando.

-Homens em geral são idiotas, vamos ser sinceros. -Suho comentou rindo irônico fazendo pouco caso.

Jaehyun bufou.

-Não é hora de falar sobre como os caras do mundo são um lixo. -Advertiu Jae sem paciência.

-Até porque fazemos parte desse índice. -DoYoung comentou baixo.

Arqueei uma sobrancelha em dúvida.

-O que você tá fazendo aqui, afinal? -Perguntei me referindo à DoYoung.

O de olhos pequenos me mirou incrédulo.

-Suas boas vindas me comovem Tailandês. -Falou irônico.

Dei de ombros.

DoYoung nem era considerado mais do grupo, não sei o que ele estava fazendo ali.

-Pensei que Yuta queria quebrar sua cara. -Resmunguei sem animo.

Na semana retrasada os dois quase foram parar rolando no chão do Shopping por conta de Hansol, e hoje adentraram o café parecendo amigos de anos. Duas bixas falsas.

-Eu quero quebrar a cara de todo mundo, DoYoung não é exclusividade não. -Yuta falou em descaso.

É isso já é de se esperar.

-Me admira você nunca querer me quebrar. -Jaehyun comentou pensativo.

Ouvi meu amigo japonês bufar.

-Nem tem graça bater em uma bixa sonsa igual você Jae, nem sei como Ten se sentiu puxando seus cabelos aquele dia no restaurante. -Murmurou.

Fiz uma careta ainda mexendo no sorvete sem a mínima vontade de provar mais.

-Me senti decepcionado. Ele não revida. -Falei.

-É muito bom saber que vocês dois me vêem como um bocô. -Jaehyun gruniu, enfiando um amendoim que estava sobre a travessa na boca com raiva.

Nada contra migo, mas você é meio bocô sim.

-Como assim você puxou os cabelos do Jaehyun, Ten? -DoYoung de repente pareceu bastante interessado na conversa.

Bom saber, da próxima bato em você cara de peixe.

-Ten chegou no restaurante como uma fera, você precisava ver Young. Catou o Jaehyun pela cabeleira e meteu o tapa. -Suho falava espalhando seu veneno. -Eu tinha gravado, mas o Taeyong jogou meu celular na fonte da saída do restaurante. -Bufou o loiro olhando feio pra Jae. Esse que sorria orgulhoso.

-Ninguém envergonha a primeira dama do crime mona. -Yuta riu fazendo um High five com Jaehyun por cima da mesa.

Pensar em como Taeyong trouxe Jaehyun em seu carro esportivo, e o modo que ele beijou o moreno dizendo para o mesmo deixar o celular ligado me fez ficar pra baixo. Os dois se acertaram depois daquela confusão, assim como Yuta e Hansol. Esses aí ficavam trocando mensagens toda hora pelo Kakao, mesmo que eu visse as patada que o loiro levava, ainda tinha vários corações na conversa.

Todos meus amigos estavam felizes com seus relacionamentos, até mesmo DoYoung desencalhou e esqueceu o Hansol. Todo mundo seguindo em frente, deixando pra trás o que não soma na vida. Só eu aqui

....sendo patético.

Sem perceber meu rosto começou a ficar molhado. E não era suor não.

-Aí não Ten....-Escutei Jae falar aflito. Provavelmente percebeu minhas lágrimas.

-Não ouse chorar Chita. -Yuta segurou meu rosto limpando minhas bochechas. -Sem derramar lágrimas ouviu? -Me olhava firme.

Um soluço saiu sem querer.

-Eu....Eu. ..-Tentei reprimir o choro, mas parecia impossível.

Vai tomar no meu cú...Que droga! Minha maquiagem super cara estava indo pro lixo por conta dessa minha choradeira.

-Toda bixa sabe que não pode chorar se não for em velórios ou casamentos. Fazer isso sem estar em uma dessas ocasiões é burrice. -Suho comentou.

AMIGO VOCÊ NÃO TÁ AJUDANDO, SAI DO CLUBINHO.

Abaixei a cabeça escondendo minha face no ombro de meu melhor amigo. Estava sendo barra segurar isso.

-Se olharmos por outro lado, isso é tipo o velório do casamento do Ten. Sabe....-DoYoung começou me fazendo chorar ainda mais.

Escutei um gemido de dor.

-Se você não calar à merda da boca daqui a pouco vou preparar o seu velório, pois vou fazer o possível pra te matar. -Yuta ameaçou me apertando em seus braços.

-E eu peço pro Tae ajudar. -Escutei Jaehyun murmurar enquanto acariciava meus cabelos.

Esses são meus melhores amigos.

-Credo, vocês nem merecem minha preocupação. Tô caindo fora! -DoYoung falou ranzinza. Preocupação?

Escutei um barulho de cadeira se arrastando.

-Faz o favor de ir pra puta que pariu. -Mandei com a voz abafada pela jaqueta de Yuta.

Morra peste!

-Pelo menos eu não tô com a vida enfiada no rabo e sem marido. -Gargalhou o escorpião peçonhento. -Beijos de luz pessoal. 

Yuta gruniu.

-Vou me vingar desse aí. -Prometeu.

Tô tão na merda que nem fiquei pensando em ferver DoYoung no óleo quente, só queria me derramar em lágrimas e assistir crepúsculo.

Senti um beijo na minha cabeça e foi com espanto que levantei a face para ver o rosto plastificado de Suho. Não estava sorrindo maléfico e nem me dando um olhar maldoso, só parecia calmo. Ele bebeu?

-Não me olha assim Baby, eu sei muito bem o que é a dor de perder um marido. Posso ter sangue frio, mas ainda sou humano. -Sorriu de um jeito nostálgico. Como se lembrasse de algo. - Fica tranquilo hoje Ten, descanse um pouco sua mente que eu cuido das suas crias. -Falou se levantando.

Observei confuso o loiro por os óculos escuros e ajeitar a bolsa de grife enquanto jogava algumas notas na mesa.

-O que significa isso? -Jaehyun pergunta abobado.

Leu meus pensamentos. Quem era aquele loiro? Não parecia o Suho que conhecemos.

-Isso é dinheiro oras, hoje foi por minha conta. Por mais que esse estabelecimento não esteja à minha altura. -O milionário olhou em volta desenhoso.

Yuta bufou.

-Eu não te convidei. -Lembrou com irrigação.

-Calma aí, chefe das panteras. Não estou fazendo pouco caso do lugar onde seu marido é dono. Só disse que não é o meu estilo. -Sorriu de lado. - Bom, vou indo gatas ...Tenho depilação agora as duas. Beijos no coração e força com os machos. -Falou nos dando as costas saindo rebolando.

Pela primeira vez eu não quis chutar a bunda dele.

-Eu quero chutar a bunda dele. -Yuta resmungou.

*

Na semana passada Jaehyun e Yuta sumiram do mapa, ninguém sabia onde os dois estavam e nem mesmo eu tinha alguma pista do paradeiro dos dois. Tudo era um mistério.

Taeyong e Hansol, os pseudônimos maridos das peças, apareceram desesperados na porta de meu apartamento. No começo achei que era só mais uma brincadeira, mas com o passar do tempo fui ficando preocupado.

Rodamos Seul toda atrás das duas madames, e acabamos por os achar em um restaurante de carne. Claro...fiquei furioso com a falta de consideração.

Meti o tapa em todo mundo mesmo.

No fim, deu tudo certo. Juntamos as famílias e viemos almoçar em um dos vários restaurantes em que Hansol é dono. Estava tudo muito lindo e belo, mas como alegria de pobre dura pouco ...Eis que eu tomei no rabicó.

Uma peça bastante inesquecível de meu passado apareceu do nada no restaurante, sentado à exatamente algumas mesas de distância da nossa. Lá estava ele, bonito, charmoso, com aquele sorriso de arrasar meu coração e olhar 43. Wang Jackson.

O chinês bonitão.

Jackson tinha sido o meu primeiro em tudo, primeiro beijo, primeiro encontro, primeiro namorado e até mesmo....primeira transa. Sim, ele era o homem com quem eu experimentei um relacionamento homoafetivo, e também descobri minha real natureza. Mas, de repente dar de cara com seu ex com a presença de toda sua família e conhecidos não me parecia algo agradável. Na verdade, era o cúmulo.

O cúmulo do absurdo.

Chenle, meu pobre filho inocente percebeu as miradas nada discretas do chinês para nossa mesa. Eu até tentei correr pro banheiro quando vi aquele monumento de homem se erguer do acento e começar à andar em nossa direção, mas Yuta segurou meu braço. Acho que ele pensou que me segurando ali talvez não desse na cara que eu ainda sentia algo por Jackson.

Péssima idéia amigo.

Não foi só as crianças que perceberam o interesse do China em minha pessoa, depois do cumprimento malicioso do moreno até mesmo o casal da mesa ao lado percebeu que ele me queria.

Infelizmente, meu marido também estava no território.

Foi uma bagunça tremenda.

"Olá Ten, lembra de mim gostosa? " foi essa a frase pronunciada pelo chinês, antes de ter o corpo levantado pela gola da camiseta e um soco bem lindo desferido contra sua fuça.

Oh Deus! Ele caiu por cima da mesa. Foi molho, carne e ensopado pra tudo quanto é lado.

Jisung começou à chorar sendo pego da cadeirinha por Jaehyun, Jaemin caiu no chão assustado sendo amparado por meu filho Jeno. Yuta pegou Haechan no colo rapidamente antes desse ser atingido pelo corpo do adulto e em seguida veio o pior.

Johnny puxou o moreno coberto de sopa de cima da mesa, e começou a bater nele furiosamente. Eu via à dificuldade do chinês em se defender, até pudera. Meu marido tem 1,90 de altura e mais músculos do que pode ser contado. Ser carregador de peças, pesadas de carro dava à ele essa vantagem.

Eu tinha ficado em estado de choque, olhando tudo com as mãos na boca e olhos esbugalhados. Não acreditava que meu marido vociferava descontrolado para o homem aprender à não mexer no que não era dele, aquilo parecia surreal.

Não podia ser verdade.

Não podia ser meu Johnny.

Hansol foi o primeiro a sair do torpor, separando a briga. Ou melhor, tirando o estrangeiro das mãos de meu esposo. Esse que ainda tentou partir pra cima do homem ensanguentado, mas foi parado por Taeyong que segurou em seu peito.

Jackson saiu mancando do restaurante. Algumas pessoas filmaram a cena, e teve uma senhora que saiu do estabelecimento para ir ajudar Jackson na calçada.

Eu ainda me encontrava imóvel.

'Não foi nada, podem voltar à comer' -Yuta tomou à rédea da situação, como bom marido de um empresário e segundo na linha de comando.

As crianças choravam assustadas enquanto Jaemin e Jeno sendo os mais velhos tentavam acalmar os menores, Jaehyun balançava Jisung para tentar o acalentar. Porém, meu filho chorava pedindo meu colo com as mãozinhas no ar.

Só que ....Eu não tinha condições de nada no momento. Aquilo fora muito pesado pra processar.

-O QUE FOI? -O grito de Johnny me fez pular de susto. Meus olhos de repente tinham ficado molhados. -ESTÁ COM PENA DELE? DO SEU AMANTE? VAI LÁ TEN, VAI ABRAÇAR O SEU CHINÊS BONITÃO. -Vociferou Youngho com ódio no olhar. Ele tirou as mãos de Hansol e Taeyong de si passando por mim no processo e fazendo questão de esbarrar em meu ombro.

Aquilo doeu ...Doeu de verdade. Não porque ele gritou comigo na frente de várias pessoas ou por não ter se importado com meus sentimentos me ridicularizando na presença de nossos filhos. Mas, sim por me deixar perceber que em todos esses anos ele sabia.

Johnny sabia das minhas conversas sobre Jackson.

Sabia que eu fofocava, ria e relembrava momentos com os garotos pelo telefone. Sabia do apelido que eu tinha dado para o chinês, também sabia que eu me arrependia de não ter seguido em frente com Jackson. E arrisco dizer que Johnny sabia que no silêncio da noite eu ia para a galeria do meu celular que era protegida por senha, e ficava admirando uma foto antiga minha e de Jackson. 

Aquilo me deixou tão afetado que eu ignorei os pedidos de colo de Jisung, ignorei Jeno e Chenle pedindo para eu ir atrás de seu pai e também ignorei meus amigos falando comigo preocupados. Ignorei tudo e sai atordoado do restaurante.

Encontrando Johnny em pé perto da saída vendo Jackson pegar um táxi e ir embora dali. Meu marido tinha um olhar vazio enquanto suas mãos estavam apertadas em punhos.

Pela primeira vez eu não consegui gritar com ele e dizer que era um idiota, não consegui.

"Vou ir pra casa da minha irmã, não me espere para o jantar" Ele disse sem se virar. Sem olhar nos meus olhos.

Então eu soube.

Aquele era o fim.

*

-Odeio essa parte, porque ela não fica com o lobo gostoso? Tá na cara que o vampiro é um imbecil. -Yuta reclamava enfiando um punhado de pipoca na boca.

Jaehyun suspirou tomando um gole de seu refrigerante.

-A bella se apaixonou pelo Edward, eles são almas gêmeas. Não se pode querer outro alguém além de quem amamos de verdade. -Falou romântico o moreno.

Yuta fez uma careta.

-Esse negócio de alma gêmea é o que gente sem opção e encalhado fala, mude seus conceitos colega. Uma boa foda nunca vai ser substituída por melação de amor. -Comentou mostrando a língua.

-Você deve dar vários chifres para o Hansol. -Murmurei sem tirar o olhar da televisão.

O japonês deu de ombros.

-Nunca trai o girafa se quer saber, mas não posso negar que fico tendo pensamentos pecaminosos com o Taeyong. -Brincou se esquivando de uma almofada.

-YAH...Pare de cobiçar meu marido. -Jaehyun se levantou para bater no menor que gargalhava.

Suspirei.

Queria encontrar alguma animação para estar entrando na brincadeira e bater em Yuta como Jaehyun fazia. Até tentei chutar o japonês, mas só conseguir bater o pé no sofá.

Me senti ainda mais decadente.

Tínhamos deixado o café à algumas horas, peguei as crianças na escola juntamente com meus amigos. Jaemin e Jeno andavam próximos depois da confusão do restaurante, então não foi difícil pedir para meu filho dormir na casa de Jaehyun. Chenle fez um pouco de birra para ir até a casa de Suho, mas depois de dar algumas besteiras para comer meu filho concordou. O grande problema era Jisung.

Meu pequeno desde à viagem inesperada do Pai tinha ficado amuado, só sabia ficar grudado comigo pra onde eu fosse e chorava sempre para ir à escolinha. Algo me dizia que a cena daquela noite causou certo trauma em Jisung, e a falta do Pai fez essa situação se agravar.

Depois de muito choro e pedidos desesperados de meu caçula para que eu não o abandonasse, enfim decidi somente mandar Chenle para casa de Suho. Jisung ficaria comigo.

Este que agora estava no quarto como eu pedi, deitado depois de tomar banho e jantar assistindo seus desenhos. Mas, que depois iria dormir sem que eu precisasse pedir. Tudo um trato que fizemos para ele poder ficar comigo.

Me sentia meio desprovido de energia para tudo, minha casa só estava limpa por conta de Jaehyun que sempre vinha dar uma mãozinha depois do trabalho. Algo que eu quase chorava de emoção, mesmo cansado meu amigo encontrava forças para me ajudar e isso era um ato de amor.

Yuta também fazia o possível para estar presente, pegava as crianças na escola e sempre aparecia aqui no apartamento com Hansol. Os dois eram a alegria que faltava na nossa casa, e a única fonte de carinho que meus filhos tinham no momento.

Eu estava um lixo depois que Johnny se foi.

-Vocês deixaram a porta aberta de novo. -Um Taeyong mal humorado adentrou meu apartamento cheio de sacolas.

Mais do que rapidamente Jaehyun se recompôs indo até o esposo saltitante.

-Hey Honey, o que você trouxe? -Perguntava seguindo o platinado até a cozinha.

Fiquei observando o jeito como 

Taeyong mesmo sendo um anacefalo para sentimentos, ainda conseguia ser gentil com o doce Jae. Ele é bruto e reclama com Jaehyun quase o tempo todo, mas pelo modo como protege o cabeça oca do meu amigo se vê que o ama.

-Aish...Você tá chorando de novo Ten. -Yuta resmungou se jogando ao meu lado. -O que foi Hein? -Perguntou passando o braço por meu ombro e me puxando para um abraço.

Yuta poderia ser um idiota como amigo grande maioria do tempo, mas era o melhor quando eu precisava.

-Eu só tô achando bonitinho o jeito que o Taeyong manda o Jaehyun tomar no rabo. -Solucei.

-Tudo bem, você está realmente mal. Achar aqueles dois psicopatas bonitinhos não é algo que uma pessoa normal faça. -Yuta beijou minha testa. -Você só está imaginando o seu americano ali não é? -Suspirou cansado.

Engoli o choro.

Eu estava fazendo isso? Imaginando Johnny ali?

《 As crianças brigam pelo controle remoto na sala, Jisung faz a maior bagunça com a papinha de banana em sua cadeirinha enquanto isso eu estou lavando os legumes.

-Sua bunda fica linda desse ângulo. -Os pelos da minha nuca ficam em pé ao ouvir o sussurro em meu ouvido.

Me viro vermelho vendo o sorriso galanteador de meu marido. Aish! Johnny não presta.

-Você podia dizer algo mais gentil. -Sugeri me fingindo de bravo.

Youngho riu enlaçando minha cintura e me puxando com força para si.

-Sua bunda ficaria maravilhosa toda descoberta na minha cama, meu amor. -Brincou beijando meu nariz.

Revirei meus olhos.

-Meu Deus, vou vomitar com tanto romantismo. -Bufei me afastando de seus braços. - Vá ver seus filhos na sala, tenho certeza que Jeno está matando Chenle.

Funguei com as memórias que vinham em minha mente. Parecia tão recente, tão bonito vendo por agora.

-Acredita que o Tae não comprou amendoim? Não é reunião do clube das bixas sem amendoim. -Jaehyun aparecia emburrado na sala. Com um Taeyong com cara de paisagem atrás.

Yuta bufou.

-Seu marido é um incompetente. -Falou irritado.

Escutei um grunhido.

-Ainda estou aqui bolinho de arroz. -Zombou o gangster se jogando em uma poltrona.

Suspirei vendo Jaehyun beijar a bochecha do marido.

-Vocês poderiam por favor não se abraçarem, tocarem ou beijarem na frente do Ten? Ele está sensível. -Yuta falou cansado.

Me senti péssimo por de certa forma privar meus amigos disso, não era a minha intenção.

-Es. .está tudo bem gente. -Fingi um sorriso. -Sério, podem ficar à vontade.

Jaehyun me olhou daquele jeito novamente. Com pena e se afastou de Taeyong.

-Foi mal aí. ..Esqueço que você e o Johnny se separaram. -O platinado falou pegando um punhado de pipoca da vasilha de Yuta.

Aquilo me atingiu como um soco.

Eu e Johnny nos separamos?

Mas, ele só ficou na casa da irmã por um tempo e depois veio para casa pegar algumas roupas pra viajar. Ele saiu ainda de aliança no dedo.

Youngho poderia ter falado algo com Taeyong? Não era possível. ..Eles nem eram próximos.

-Não fale isso. -Jaehyun bateu no ombro do marido. - Eles só tiveram uma briga. -Tentou amenizar.

Eu sei Jae, mas acho que seu marido tem razão ...Só dessa vez.

-Enfim, foi mal ....Vou indo pra casa. As crianças ficaram com o Taeil. -Avisou 

Tae se levantando.

Yuta engoliu em seco ao meu lado.

-Aquele homem ainda trabalha pra você? -Perguntou acanhado.

Taeyong sorriu de lado.

-Ele é meu melhor assassino de aluguel. -Piscou um olho.

Reprimi um ofegar.

-Vá imediatamente ficar de olho no meu filho. -Falei entre dentes para Jaehyun. Esse que riu acentindo.

*

Já é bem tarde, os meninos se foram à algum tempo. Yuta foi o que demorou mais, segundo ele, eu não poderia ficar sozinho por muito tempo. Poderia cortar meus pulsos.

Impossível, jamais deixaria meus filhos sozinhos ou minha coleção de Sailor Moon incompleta antes de bater as botas.

Terminei de lavar a louça, algo que realmente encontrei forças para fazer durante aqueles dias e apaguei as luzes da sala. Adentrei o corredor para os quartos e percebi uma luz acessa.

Oh Jisung. Me desobedeceu.

Andei até o quarto de meu caçula pronto para lhe dar uma bronca ao chegar na porta, mas parando ao ouvir as palavras inocentes de minha criança.

-Deus, não deixe que meu Papai fique muito tempo longe da gente. Minha mamãe está sofrendo, eu e meus irmaozinhos queremos ele de volta. -Jisung estava de olhinhos fechados com as mãos juntas ajoelhado em frente sua cama. -Peço que traga meu Papai de volta, nunca mais vou colar chiclete debaixo do banco da igreja na missa e nem pegar o celular do meu irmão escondido se me ajudar. -Sorri ao ouvir suas confissões, meu bebê era tão doce. -Ah....Não se esqueça do meu pedido do último aniversário, quero que a mamãe lembre do meu concurso de dança na escola e vá à minha apresentação com o papai. -O pequeno se levantou correndo pra cama e se acomodando debaixo das cobertas para depois desligar o abajur abraçando seu ursinho.

E eu fiquei ali, escorado no batente da porta com lágrimas nos olhos. E vendo que realmente eu estava pensando tanto em mim mesmo, que acabei esquecendo do mais importante.

Que era pensar em minha família!

Olá, eu sou Ten. Uma mãe que acha que é dedicada, mas que está fazendo tudo errado.

Será que poderei concertar tudo no próximo encontro com Johnny?


Notas Finais


Comentem para deixar essa autora feliz ☺😄

Até o próximo meus bebês ><


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...