História Uma mãe, uma guerreira (REPOSTADA) - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Got7, Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Hansol, Jackson, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Kun, Mark, RenJun, Suho, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Crackfick, Família, Filhos, Jaeyeong, Jhonten, Nct
Visualizações 49
Palavras 3.561
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!!

Capítulo 7 - 7 》●A volta do todo poderoso (Embuste)●》


Eu sou o mais velho de três irmãos, todos agora estão cursando a faculdade ou arranjando um emprego bom no meu país natal. De certa forma eu fico orgulhoso, o dinheiro que ajudei nas mensalidades e com meus pais os ajudou à crescer na vida. Mas, por outro lado....Eu gostaria de estar com eles.

Meus pais deixaram à Coréia do Sul no momento em que eu anunciei meu relacionamento com Johnny, na época somente minha mãe sabia da minha opção sexual. Para meu Appa foi um baque, ele não aceitou. E até hoje custava à falar comigo normalmente. Em partes entendia o lado dele, não parece fácil, principalmente na sociedade tradicional que vivemos.

Eu só gostaria de estar perto deles agora. Nesse momento.

*

O Hamister de Jisung morreu. 

Não sei ao certo como aconteceu ou o que fez o animal cair durinho na gaiola, mas quando acordei e fui verificar se meu filho já tinha levantado lá estava à tragédia. O rato insuportável se foi. 

Estava todo azul com os olhos arregalados e a boca aberta, as quatro patas pra cima. Uma cena lamentável.

Jisung assim que acordou deu de cara com a morte do bixo, nem esperou eu limpar a gaiola. Caiu no chão berrando com o Hamister no colo. Uma perda trágica.

Até que o roedor era fofinho, dava trabalho, claro. Mas, tinha seu mérito como ser vivo.

-Hoje estamos aqui, para falar sobre um grande amigo....- Jaemin recitava com uma Bíblia na mão. Jisung soluçava abraçado em minha cintura, e eu suspirei acariciando os cabelos de meu caçula. Ele estava sofrendo. - Senhor Jujuba da Silva, um nobre Hamister e corajoso roedor. 

Mark e Haechan traziam com todo cuidado o pequeno caixão improvisado(que consistia em uma caixinha de carimbos de Hansol) com as mãos enluvadas. Chenle chorava ao lado de Hansol.

Jeno meu mais velho assistia tudo ao meu lado com a pá que seria usada para tampar o caixão na mão. Um buraco meio fundo tinha sido feito no jardim dos fundos da mansão de Yuta. Meu casal de amigos se compadeceram pela dor de meu filho, e autorizaram a cerimônia. 

De baixo de uma cerejeira roxa, lá estávamos nós.

Enterrando um rato.

-Jujuba não era qualquer Hamister, não pode ser comparado à nenhum outro. Ele era o melhor, o mais fofo e bonito. Uma companhia insubstituível, um amigo sem igual. -Jaemin falava com emoção. -Sem Jujuba nossa vida vai ficar sem sentido, mas sabíamos que essa hora chegaria. Ele estava esperando por Deus, tinha o consentimento do Pai celestial e estava pronto para sua hora. 

Jisung fungou baixinho.

-Gostaria de dizer algumas palavras. -Mark se pronunciou.

-Pode dizer amigo. -Jaemin deu a palavra. 

Mark retirou um papel amassado do bolso e limpou a garganta. Chenle soluçou. 

-Caros amigos e familiares, hoje estamos todos reunidos para lamentar pela partida do nosso honrado companheiro. Jujuba. -Fez uma pausa olhando tristemente para a caixinha lacrada. -Jujuba foi um amigo que nunca me julgou e sempre ouvia meus problemas enquanto rodava naquela rodinha dele, não é qualquer um que escuta em silêncio suas tristezas. -Suspirou fechando o papel- Gostaria de dizer que Jujuba sempre vai estar em meu coração. Obrigado!

Haechan chorava com as mãos no rosto e meu Jisung soluçava mais audível. Para as crianças aquela perca era imensa.

De certa forma comecei à ficar triste também. Jujuba só fazia bagunça com seus pó de Serra, mas era um bom mascote.

-Mais alguém tem algo à dizer para Jujuba antes de encerrar? -Jaemin perguntou olhando cada um de nós.

Hansol levantou a mão.

-Tio Sol....

-Quero dizer que não pude conhecer Jujuba em seus melhores tempos, mas sei que ele era um fiel amigo. -Falou comovido se calando em seguida.

Os únicos adultos naquela cerimônia eram Jaehyun, Hansol e eu. Consequentemente os únicos com coração.

-Jujuba vai fazer falta, mas vai estar olhando para cada um de vocês onde quer que esteja. -Falei beijando a cabeça de meu filho.

-Jisung? Quer dizer algo? -Jeno tocou o ombro do irmão.

Estavam prestes a enterrar a caixinha. 

-Eu....sempre vou amar você Jujuba. -Sussurrou choroso meu menor.

Mark depositou a caixinha no buraco, em seguida Jaehyun jogou uma rosa tirada do jardim de Yuta.  

-Do pó viemos, e dele retornaremos. -Jaemin falou solene fechando sua Bíblia.

-Amém. -Recitamos juntos enquanto Jeno começava a jogar terra no buraco.

Jujuba foi um bom rato, espero que no paraíso dele haja bastante queijo.

*

Estamos todos comendo alguns sanduíches sentados sobre uma toalha vermelha e branca no jardim, Hansol e Yuta saíram à poucos minutos para resolver um problema com o café. Deixando Jaehyun e eu com a responsabilidade de cuidar das crianças, acho que está tudo sobre controle.

-Quer mais morango? -Jaehyun pergunta doce para Haechan. O menor nega se encolhendo no colo de Mark.

Jisung, Chenle e Haechan foram os mais afetados pela perda de Jujuba, nem estão conversando direito.

-O dia está ótimo para uma Selfie. -Comentou Jeno tentando amenizar o clima.

Jaemin sorriu animado.

-Excelente idéia, vamos tirar pessoal? -Olhou para os outros com a face alegre, mas essa logo se desfez ao ver o estado dos pequenos.

Jisung fungava tomando seu todinho em meu colo, Haechan abraçava Mark chupando o dedo. O mais velho só comia um sanduíche enquanto Chenle mastigava sem animo um pedaço de bolo. Nenhum dos quatro pareciam com cabeça para fotos. Nem para o nosso pequenique. 

-Eu vou tirar algumas com vocês meninos. -Jaehyun se levantou.

Os maiores o imitaram.

-A piscina é um bom lugar para Selfies. -Jeno falava puxando Jaemin pelo pulso. 

Sorri vendo Jae dizer que já voltaria. Acenti abraçando meu pequeno com mais força.

Os três se foram pelo quintal da mansão sumindo de vista, enquanto eu ficava para supervisionar os menores.

Eles me lembravam à mim mesmo semanas atrás. Quando meu marido viajou.

Me achei no direito de animar a situação. 

-Um dia fui limpar a gaiola de Jujuba e esqueci ela aberta. -Comecei vendo que todos tiveram a atenção em minha fala. -O Hamister saiu da gaiola e começou a andar pela casa, fui achar ele em cima do sofá. -Terminei com um sorriso notando os repuxares nos lábios dos pequenos.

Jisung se remexeu em meu colo.

-Jujuba sempre fugia da gaiola, papai um dia tava tomando banho e ele deu o maior susto aparecendo no box. -Chenle relembrou rindo baixinho.

Johnny quase matou o rato aos gritos. Tinha se revelado. Hehe.

-Me lembro da vez que fui dormir na casa de vocês e o Jujuba sumiu. -Mark comentou.

-Ele tava em cima da cara do Haechan. -Jisung murmurou risonho.

-Jujuba adorava dormir na testa do Hae. -Riu Chenle.

De repente o pequeno também estava rindo.

-Ele não gostava de mim. -Resmungou. 

-Só da sua testa. -Implicou Mark. 

Logo as crianças estavam conversando e relembrando as trapalhadas com o mascote da família, e sem perceber a dor tinha dado lugar à saudade. Que era melhor ainda.

*

Sabe quando você sai da depressão básica e volta ao mundo real? Eu também não sabia. Mas, tinha me recuperado.

Johnny? Quem era Johnny na fila do pão? Eu estava super bem. Não existia choro, lembranças ou crepúsculo.

Ten tinha voltado, melhor, forte e inabalável.

Há estaca zero!

-Você está gordo. -Taeyong comentou assim que eu cheguei na piscina somente de sunga e uma blusinha de renda preta. 

Bufei indignado com a falta de consideração do platinado.

-Você é feio e nem por isso eu fico comentando. -Falei irritado passando pelo gangster e fazendo questão de chutar sua canela.

-INFANTIL. -Gritou.

Revirei meus olhos.

-BABACA. 

Jaehyun passava protetor solar em Haechan na espreguiçadeira ao longe, meu amigo é tão branco que parece um copo de leite.

-Seu marido é insuportável. -Resmunguei me sentando na cadeira de baixo do guarda sol, cruzando as pernas em seguida.

-Trocando carinhos com ele de novo? -Riu o castanho dando um tapinha na bunda da criança dizendo que estava pronto. Haechan saiu igual um frango cheio de creme no corpo e com uma bóia de patinho na cintura.

Seria fofo mas só meu Jisung era fofo nessa área.

-Taeyong é um imbecil, você deveria ter permanecido namorando o Kun quando teve chance. -Falei.

Depois do pequenique resolvemos arrumar tudo e ir para a piscina, Taeyong havia chegado juntamente com seus capangas e trouxeram algumas carnes para assar. Estava um belo dia para  churrasco ao redor da piscina.

Jaehyun revirou os olhos.

-Kun era legal, mas nunca fez meu coração bater forte. -Murmurou pondo seu óculos escuros.

Bufei. 

Fala sério!

-Quem faz coração bater forte é infante, homem só da dor de cabeça mesmo. -Resmunguei vendo Jeno pular na piscina. -GAROTO VOCÊ ACABOU DE COMER, SAI DESSA ÁGUA ANTES QUE MORRA. -Gritei me levantando.

Vê se pode uma coisa dessas, a gente paga uma fortuna em uma barriga de aluguel para esperar nove meses e nascer um cabra burro como esse.

-MÃE EU TÔ LEGAL, POSSO NADAR...E. ...Aiaiaiai. ...-Começou a se debater.

Coloquei minhas mãos na cabeça.

-OLHA AÍ. ...TÁ COM CÃIBRA. ALGUÉM AJUDA GENTE....-Olhei desesperado para todos os lados. Jaehyun também estava perto com um olhar aflito.

Eu já tinha perdido um marido, agora perder um dos filhos era sacanagem. 

-Calma, eu vou ajudar. -Uma voz rouca falou atrás de mim.

Me virei à tempo de ver o Deus grego tirar a camisa e pular na água em seu esplendor.

Taeil pegou meu filho com cuidado nadando até a borda da piscina. Parecia até cena de cinema, o lindo da nossa adolescência vindo com minha cria chorosa até mim. 

Me possua boy!

-Mãe tá doendo...-Reclamou Jeno sendo posto na espreguiçadeira. 

-Você vai ficar legal campeão. -Taeil sorriu se virando em minha direção. -Ainda bem que seu mamãe viu rápido, ele foi esperto. -Falou me olhando.

Cara, faz isso não.

Eu vou cair durinho no chão. 

-Oh. ...Obrigado. -Agradeci com as bochechas vermelhas. Me aproximei de Jeno acariciando seu cabelo. -O meu bebê. ..vai ficar tudo bem. -Sorri esperando o gostosinho se afastar. 

-Mãe isso dói. ...-Gemeu meu filho. Taeil se afastou indo conversar com Taeyong, ótimo.

-Que idéia foi essa de entrar na piscina sem passar o efeito da comida moleque? -Danei-lhe o croque na cabeça de Jeno falando entre dentes. -Tá querendo se matar criatura? Já falei mil vezes que precisa passar duas horas antes de entrar na água, duas horas imundice. -Gruni puxando a orelha do menor.

-Ai mãe ...Não em bate. -Pediu choroso.

-Não me bate...Eu deveria chamar o Yuta para dar uma surra em você. -Falei irritado começando a massagear a perna do jumento Junior. Vê se pode uma coisa dessas.

Jaemin se aproximou preocupado.

-Você tá bem Je? -Perguntou pegando na mão de meu filho. 

Jaehyun e eu nos olhamos de modo significativo. Que? Nossos babys?

-Eu tô bem Minie. ..Vou ficar bem. -Meu mais velho puxou o amigo para deitar a cabeça no colo deste.

-VOLTEI AMORES....-Escutei a gasela do Yuta. 

Esse daí é igual Satanás, fala no nome e aparece.

-Vish. ...Trouxe companhia. -Jaehyun avisou se sentando na outra espreguiçadeira. 

Quem será?

Me virei olhando para a entrada da piscina, Yuta vinha de óculos escuros conversando as risadas com uma certa cobra. 

DoYoung. 

-Que diabos aquela cascavel está fazendo aqui? -Perguntei me pondo de pé.

Jae me imitou cruzando os braços.

-Yuta deve ter encontrado ela na esquina, sabe como é. Puta começa à trabalhar cedo. -Soltou meu amigo me surpreendendo. 

Olhei espantado para Jaehyun. Nossa amiga santa havia acabado de falar palavrão e xingar alguém ao mesmo tempo? Alguém chama Jesus? Isso é milagre gente.

-Bixa, que foi isso? 

Ele deu de ombros.

-DoYoung mandou um nude para o celular do Taeyong. -Explicou raivoso.

Franzi a testa. Que nojo!

-Quem tem coragem de mandar nude pro Taeyong? -Perguntei perplexo olhando o esposo de meu amigo de longe, o platinado tirava meleca no nariz. Credo!

Jaehyun bufou.

-Foi isso que eu pensei, o Tae é meu marido. Isso é uma falta de respeito comigo. -Falou indignado.

Ainda bem que ele não percebeu o sentido da minha fala.

-Quer que eu bata nele? -Arqueei uma sobrancelha sorrindo maldoso.

Eu queria meter a mão no DoYoung, e não era de hoje.

-Nah. ...Vou ver se faço ele engasgar com um pedaço de carne e depois jogar o corpo na piscina. -Ditou calmo. 

Arregalei meus olhos, Jaehyun estava me dando medo.

Yuta se aproximou sorrindo alegre para nós, trazendo DoYoung cascavel de braços dados consigo.

-Migas, olha quem eu encontrei do outro lado da rua. -Anunciou feliz.

Escutei Jaehyun rir anasalado. Comprovando que sua tese estava certa.

-DoYoung, que surpresa. -Falei fingindo animo me aproximando do castanho. 

Ele teve a cara de pau de me puxar para um abraço apertado e beijar minha bochecha. 

Falsa!

-Ain Ten, fiquei achando que você tinha ficado magoado com o que eu falei no café aquele dia...Sabe, pensei bastante e cheguei a conclusão de que estava errado. Não foi certo falar aquelas coisas. -Confessou fazendo aquela carinha de bixa falsa com remorso.

Já acabou DoYoung?

-Fica tranquilo migo, não tenho mágoa de ninguém não. -Forcei um sorriso segurando suas mãos.

-Então me perdoa? -Perguntou em expectativa. 

NÃO!

QUEM PERDOA É DEUS, A GENTE QUER SANGUE MESMO!

-Claro! Como não perdoar você. -O abracei novamente. 

Sou ou não sou uma ótima atriz?

Me afastei de DoYoung vendo ele fitar com medo Jaehyun. 

-Jae. ..Sobre aquela foto...-Começou baixinho. 

Yuta fez uma cara de confuso.

-Que foto? -Me cutucou. 

Sorri prevendo minha vingança. 

-Nada não, DoYoung só mandou um nude pro Taeyong. -Comentei olhando para minhas unhas.

Tô precisando ir na manicure. 

-COMO É QUE É? VOCÊ MANDOU FOTO PELADO PRO TAEYONG SUA FALSIANE? -O japonês gritou arremessando a bolsa no castanho.

Ri comigo mesmo, era hora da treta.

*

As crianças brincam na piscina menor, já que a de adultos é muito fundo e perigosa. Taeyong e Hansol cuidam do churrasco, mas tô achando que eles estão produzindo o carvão. Oh churrasquinho demorado da gota.

-Vocês não tem à menor graça, eu disse que foi uma montagem gente. Só fiz aquilo pra zombar. -Falava DoYoung pela décima vez.

Eis que o falsiane do grupo levou uns tapa de Yuta, mas quando tentou bater de volta no nosso Sushi eu parti para à briga. Puxei cabelo e chutei costela mesmo, se Jaehyun não tivesse separado eu tinha cometido um assassinato. Nem ligo! Ninguém cobiça o marido do meu amigo e bate na nossa bixa sem levar pra casa um pouco do meu ódio.

Agora que a confusão acabou estamos de bem de novo. Jaehyun na espreguiçadeira da ponta bebê um suco de laranja natural e tem seus óculos de sol no rosto, eu estou folheando uma revista de moda comendo alguns salgados, e Yuta com seu enorme chapéu de palha estilo musa do verão aguenta o chato do DoYoung se desculpando.

-Ta tá. ...Já entendi. Não me enche. -Escutei meu amigo ao lado resmungar.

Suspirei. 

-O churrasco não vai ficar pronto não? -Perguntei já cansado de tanto comer coxinha. 

Fala sério, eles já tinham assado várias carnes e nada de trazer pra cá. 

-Pelo amor de Lady Gaga Ten, você tá comendo igual um porco. -Yuta falou irritado.

Oxe, não posso mais comer não?!

-A boca foi feita pra comer, não sou obrigado à ser magro de doente. -Comentei tomando o copo de Jaehyun para beber.

-Hey ....-Reclamou o moreno.

DoYoung sorriu maléfico para mim.

-Cuidado Ten, homens como o Taeil não gostam de bixa gorda. -Comentou olhando para algo atrás de mim.

Fiquei estático por um momento. Hum? O que ele queria dizer com isso?

-Hey pessoal, vocês querem carne? Desculpa a demora em trazer. -O dito cujo Taeil aparecerá sem camisa com uma travessa de pedaços na mesma.

Era ou não era meu sonho de consumo? Um homem sarado e ainda por cima me oferecendo comida?

-Por enquanto vou ficar só no suco mesmo. -Jaehyun sorriu simpático.

Yuta deu de ombros.

-To de dieta. -Falou sem olhar o moreno. 

Taeil arqueou uma sobrancelha. 

-Na época que a gente namorava você faltava comer os pratos. -Comentou risonho. 

Vish! Apertou o calo do japonês.

Yuta sorriu de lado tirando seu chapéu e mirando de cima à baixo Taeil.

A bixa ia expelir o veneno. Vai vendo.

-Na época que a gente tinha "um lance", eu não estava no meu juízo perfeito, dá para ver que agora meu patamar elevou. -Disparou ácido.

Oh...Isso foi meio cruel. Olhei para Taeil, me surpreendendo com seu sorriso calmo. Ele não parecia afetado.

-Fico feliz em saber que está se cuidando melhor agora Yuta, sabemos como é difícil conviver no mundo do seu marido. Ser bonito e de acordo com os padrões da sociedade é o mínimo não é? Até porque, quando se é rico e interesseiro precisa se preocupar com a opinião dos outros. -Falou normalmente.

MEU DEUS DO CÉU!!

ABAIXA QUE ISSO FOI UM TIROTEIO DOS FEIOS!!

DoYoung, Jaehyun e eu estávamos sem palavras olhando de um para o outro. Yuta tinha os olhos semicerrados e pronto para contra atacar, se alguém não fizesse algo com certeza iria acontecer uma chacina.

-HEY CRIANÇAS, QUEM QUER CARNE? -Me levantei tomando a travessa da mão do moreno e indo até onde os pequenos estavam. 

-EU TIO TEN...-Mark gritou saindo da piscina sendo seguido por meu Jisung. 

Sorri orgulhoso do meu feito ao olhar para trás. Yuta resmungava palavrões enquanto Taeil se afastava de onde eu estava à pouco.

Esses dois ainda vão dar o que falar viu.

Sorri alimentando meu Jisung na boca, o pintinho da família tinha duas bóias nos bracinhos e o cabelo todo encharcado. 

-Mamãe eu preciso ficar quanto tempo fora da piscina? -Me perguntou se sentando no banquinho ao lado da mesa. Sorri orgulhoso da sabedoria do menor.

O tapado do irmão mais velho não tinha esse mesmo raciocínio, infelizmente. 

-Precisa esperar duas ho. ....CHENLE SAIA DESSA PISCINA. -Berrei ao ver meu filho do meio mastigando e brincando na água.

-Mãe eu vou ficar....-Interrompi sua reclamação. 

-SAIA DAÍ OU VOU FAZER SUAS FÉRIAS NO ACAMPAMENTO DE VERÃO IREM POR ÁGUA ABAIXO. -Ameacei com as mãos na cintura. 

O de cabelos castanhos bufou indo até a borda e se erguendo.

-Você é muito chata mamãe. -Falou passando bravo por mim.

Eu salvo a vida dessa criança e ainda escuto reclamação? Vê se pode.

-Respeite seu Omma Chenle. -Ouvi uma voz conhecida na entrada do jardim. 

Minha expressão foi de irritação para espanto em segundos, senti minhas pernas vacilarem. 

Jisung largou o pedaço de carne que comia correndo até a figura autoritária que chegava no recinto. Não demorou para Jeno e Chenle fazerem o mesmo.

-PAPAI ....-Gritaram se jogando nos braços do meu esposo. Esse que agora tinha madeixas escuras, diferente do castanho claro tão conhecido por mim.

 Johnny havia voltado.

E eu não estava preparado para isso.

*

Como assim ele voltou? Não tinha ido para Chicago visitar os parentes? Não foi sem ao menos me avisar ou deixar um recado? 

POR QUÊ VOCÊ VOLTOU? 

Era tudo o que eu pensava enquanto ele abraçava e beijava nossos filhos, nem parecia o mesmo homem que deixou o restaurante raivoso e não foi ver as crias no dia seguinte. 

Ele parecia mudado. 

-Seu marido? -Escutei a voz de Taeil. Me virei dando de cara com o moreno ao meu lado, estendendo um copo de sujo.

Sorri sem graça aceitando.

-Pra falar à verdade eu não sei mais, brigamos antes dele ir viajar a dois meses. -Murmurei desviando o olhar.

Tínham se passado dois meses, dois meses sem falar com Johnny, sem ter respostas ou algum sinal dele. Simplesmente sua irmã apareceu em casa, ele pegou suas roupas, disse que iria viajar à trabalho (e nem falou pra mim, só avisou Jeno na sala) e saiu. Sem sorriso, beijo de despedida ou um até logo.

Só se foi. 

Fiquei um mês triste me sentindo um merda, culpando a mim mesmo por pensar em Jackson em todos esses anos de casado. Exclui o chinês das minhas redes sociais, apaguei suas fotos e também fiz questão de tirar ele dá minha mente. 

Tudo para provar à Johnny que tinha sido um erro. Eu errei em ficar brincando sobre me arrepender de ter deixado Jackson.

Eu ao menos pensava nele no dia à dia. Só gostava de brincar com a situação. 

Mas, me dei conta que aquilo afetou meu marido. E ele enfim ....Me deixou.

Para ser sincero as primeiras semanas foram bem difíceis, Jaehyun e Yuta quem seguraram minha vida enquanto eu me desmanchava em lágrimas. Na última semana eu estava um pouco mais conformado.

Na primeira semana do segundo mês eu ao menos olhava para o celular, não parecia certo verificar se Johnny me mandou algo. Ele não ia mandar, eu conhecia meu marido. Quando ficava bravo, ele ia ser infantil até o final.

Só que Youngho não lembrou de um pequeno detalhe. 

Eu já cuido de três crianças. Um pré-adolescente de onze anos, um garotinho de oito e um bebê de cinco. 

Já estou acostumado com birra. Então, mandei o foda-se pra ele.

Eu não fiz nada de errado, não beijei ou transei com Jackson. Minha consciência estava limpa, fui fiel no meu casamento. Quem era o paranóico é ele.

Johnny meu bem, eu posso até ter levado um baita tombo quando você se foi. Mas, sabe como é. ...

Gato cai de pé. 

Para você que achava que eu estava na pior, tomou no rabicó.

-Isso é bem difícil né, vocês dois pensam em separação? -Taeil chamou minha atenção. 

Suspirei bebendo um gole de meu suco.

-Eu não pensava antes sabe, mas essa semana tomei uma decisão.  -Sorri pondo o copo na mesinha.

O moreno se aproximou um pouco do meu corpo.

-Sério? E qual é? -Ele está flertando comigo?

Uiui. ..Não tem medo do perigo

Gostei.

-Vou parar pra pensar no futuro depois e só viver no presente. -Falei olhando malicioso para o mais alto.

A vida é assim, se um não quer. Tem quem queira. 

Senti uma mão na minha cintura me fazendo arregalar os olhos ao bater com minhas costas no peito largo.

O...O quê?

-Desculpa amigo, ele já tem dono. -Johnny avisou sério firmando sua mão em meu quadril.

COMO É QUE É? EU SOU UM CACHORRO AGORA?



Olá, eu sou Ten, uma mãe de família dedicada que no momento está mais perdida do que pinto em tiroteio.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...