História Uma Noite... - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lu Han, Tao
Tags Kaisoo, Menção Chanbaek, Menção Jookyun
Visualizações 17
Palavras 2.108
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi gente, tudo bom? Bem, se algumas pessoas vieram ler aqui porque estejam lendo My Name is Yoongina! Quero dizer que, eu prometo que irei atualiza-la, e só estou postando esta porque já tinha o capítulo pronto.

Bom e quanto à Uma Noite... bem... não posso prometer o mesmo, mas prometo que se puder eu irei atualiza-la. E não será grande, eu acho que só será esse capítulo e mais um, com as sacanagens! Enton, mandem boas energias, pois com lemons eu sou péssima!

Bora ler essa bagaça.

Béjus #NTigre

Capítulo 1 - Maldito Moreno!


             Capítulo Um






    "_Kyung, deixe de ser frouxo!_ dizia o amigo de cabelos róseos_ O ChanYeol já partiu pra outra! E... por falar nele, olhe lá_ apontou para a entrada do recinto, onde estava o mais alto acompanhado por um ser baixinho_ Mas olha que víbora... ele estava doido pra traçar o seu ex, mas você burro não quis proteger seu macho, agora fica aqui! Chorando as pitangas! 


  Ah! KyungSoo o achou tão lindo naquele terno e, lamentou o ter perdido para o seu amigo. 


   Ambos vestido de preto, BaekHyun com seus cabelos descoloridos e ChanYeol com os dele avermelhado.

  

    Conversavam a vontade com seus sócios, amigos e clientes.


  Esse era o problema! 


  Trabalhava junto com seu ex-marido.


  Se conheceram na entrevista de emprego, o interesse se aflorou por ambos as partes, cada um com seus motivos. Mas nenhum dos dois tinha coragem de dar o primeiro passo. Os dois com medo de terem criado falsas expectativas.

  Mas quando viram já estavam se atracando na mesa de sinuca do mais novo.


   Namoraram, e nesse meio tempo KyungSoo engravidou, fato que os fizeram se casar. Sendo que o namoro naqueles tempos não ia tão bem como diziam para suas famílias.


   A criança veio para tentar restaurar algo que era para ter acabado.


 BaekHyun seu amigo, até então naquele momento, esteve fielmente ao seu lado. Tanto que foi padrinho de ChangKyun, seu filho.


  O loiro não fez o que fez por mal ou por inveja. Simplesmente se apaixonou pelo Alfa e ele lhe deu algo que nem em sonhos KyungSoo achava que conseguiria do orelhudo.


  A marca.


  O moreno esteve casado com o mais novo por 7 anos e, em uma noite, BaekHyun foi capaz de destruir tudo o que construiu em seu casamento.

  Afinal, não era fácil manter um Alfa não atado fiel ao seu lado sem haver amor entre os dois.


  O orelhudo era o CEO de uma grande empresa de marketing, que trabalhava em parceria à mais outas três, tão grandes quanto a do mesmo.


  Era fato que o mais velho não era muito de sorrir ou de se expressar bem, antes do seu filho era até mais agressivo, pois claro com um filho daqueles, haja paciência! O que viveu com o ex foram coisas maravilhosas e intensas, foi ele quem lhe deu seu filho, poderia ter o rejeitado, mas ele o assumiu mesmo querendo se atirar numa ponte com uma pedra amarrada ao pescoço.


  E o divórcio o deixou mais abalado do que imaginava.

  Já não era o mesmo D.O. eficiente e prestativo da empresa.


  E com esses pensamentos se pegou virando várias taças do Champanhe caro e de nome difícil que só Tao conseguia dizer sem tropeçar nas palavras francesas.


 Se levantou e começou a andar pelo grande salão, cheio de pessoas vestidas com roupas de grife, e garçons parencendo pinguins, se portando de maneira pomposa.


  Sentiu sua nuca arrepiar.


 E lá estava ele.


  O moreno de olhos felinos, e boca preenchida. Olhava o despindo, como se importasse o que o baixinho usasse, ele ainda conseguiria o desvendar.


  E por causa disso, KyungSoo não aguentou sustentar o olhar e sentiu suas bochechas queimarem .


  Do outro lado do salão o mais novo sorria lascivo para o Ômega com cara de bravinho.


  Se apresentava a todos que o desconhecia como Kai, e era assim que os demais que sabiam quem ele era o chamava.


 Sabia que o amigo tinha se separado, mas não sabia que o Ômega era tão atraente. A única coisa que sabia dele era o nome, que o som dele ao sair dos seus lábios, soava harmoniosamente, como um gemido rouco e luxúrioso da boca vermelha. 


_KyungSoo...!


O moreno era um belíssimo pecado!


 Sua boca alcançou a borda do copo e bebeu do líquido forte.


   Foi quase imperceptível, mas o mais velho jurou ter visto os lábios daquele moreno se curvarem minimamente.


 E se virou denovo...


 Se martirizava por ficar agindo igual as moçinhas dos doramas que sua empregada e seu filho asistiam. 

 Já não era mais nenhum colegial, muito pelo contrário, KyungSoo já tinha seus 32 anos.

  E se o que aquele homem tinha era interesse sexual, aproveitaria o momento mais oportuno para deixar claro que não tinha nenhum interesse naquele senhor.


  Mas isso estava longe de ser verdade.


   O corpo másculo atraia seu olhar era tão tentador ficar encarando seus braços bem delineados pelo paletó.


   Seus olhos... Aquele olhar...!


   Fez o mais velho viajar no seu subconsciente, revelando seus fetiches.


   Ter o pênis dele lhe socando a próstata pareceu tão prazeroso e libertador, que seu ventre deu fisgadas e, para não acabar con uma ereção, passou a ignorar, ou tentar ignorar, seus pensamentos pevertidos.


   Mas andando por aquele local escuro, sentiu uma forte presença, com um perfume amadeirado que se aspirasse bem, poderia sentir um cheiro de sexo, mesmo que bem fraco empregnado no seu corpo.

 O mais baixo tremeu e sua lubrificação já dava sinais, somente pela prasença do Alfa.


 KyungSoo quando virou o seu pescoço quase teve um ataque.


_Você não é nem um pouco discreto, sabia?_ disse o moreno com um sorriso ladino no rosto. KyungSoo engoliu seco, pensando que fora pego em sua admiração ao corpo forte do maior. Mas simpatia não era muito o seu forte.

_ Se sou ou se não sou é problema meu! Não preciso de que estranhos fiquem cuidando da minha vida!_ respondeu com seu mau humor característico, coisa que fez o sorriso do mais novo se alargar em satisfação.


  Talvez não foi todo ruim vir a essa comemoração. O mais velho estava o distraindo.


_Aish... não queria te ofender mas, está bem claro que você quer arrancar a cabeça do seu ex, que por acaso é meu amigo e, não quero que ele morra tão cedo_ realmente, quando não olhava para o mais alto, olhava para ChanYeol e seu namorado, odiava ser sempre o excluído, muitos já disseram que ele ia acabar sozinho. E lá estava ele, sendo importunado por um moreno bonitão, enquanto se lamentava sozinho com sua taça modesta de Champanhe, e seu amigo dava uns amassos no diretor de design, um Alfa com cara de porta que nem sabia o nome. Com certeza a vida fez dele um ser irritado e agressivo.

_Arrg, tanto faz, só me deixe sozinho!_ estava vermelho de raiva e de vergonha só queria ir para sua casa.

_ Nah, estava pensando numa brincadeira, você quer jogar?_ Disse rouco, tão sexy aos ouvidos de KyungSoo, aquela sensação de fisgadas havia voltado, sua respiração ficou pesada e não percebeu, mas respondeu o moreno automaticamente.

_Não!_ e agradeceu ao seu corpo por ser tão teimoso, mas sua mão logo fora entrelaçada com a do maior, que o puxou para a garagem, aonde estava estacionado seu carro_ O que você está fazendo? 

_ Quero ir ao um lugar mais reservado com você_ respondeu simplista.

_Por acaso você não sabe o que é 'não'?

_Não!_ disse o moreno com uam certa ironia.

_Mas deveria saber_ se livrou da mão do maior e se pôs a caminhar em direção a saída daquela festa_Passar bem!


 E saiu andando para longe do local, adentrando o primeiro táxi que apareceu na sua frente." 


E foi assim que eu dei um fora nele.

_ O QUE? Como assim você deu um fora nele Kyung? Me responde uma coisa!

_Hum?_ disse rolando os olhos.

_Há quanto tempo não esfolam a tua bunda?_ o loiro dizia indignado.

_Tao! Não fale essas coisas, ChangKyun logo vai chegar!

_Até quando irá bancar a virgem santa?_ disse ZiTao sem se preocupar com a opinião do amigo, mas no fundo só queria seu bem.

_Ah, me poupe, Tao!_ a porta fora aberta, duas crianças entraram de mãos dadas, ChangKyun e JooHeon, o seu namoradinho. Coitado do garoto mais velho, mal tirava catotas do nariz e o baixinho lhe exigiu um compromisso, sendo que nenhum dos dois sabiam o sentido da palavra, o baixinho só havia ouvido falar isso em um dos seus doramas e resolveu usar a palavra que o moçinho tanto insistia em dizer antes de enfim conquistar a garota.

_Omma! O Honey vai dormir aqui!_ era sempre assim a palavra do baixinho era lei.

_Meu filho! Já falei que tem que pedir antes e _ cortou a própria frase para não passar vergonha na frente da pequena, não tão pequena, visita_Querido, sua Omma deixou?

_Sim!_ respondeu o menor sorridente, balançando a mochilinha dos vingadores, contendo roupas de dormir e íntimas, uma toalha estampada com o escudo do Capitão América e uma escova de dentes do Batman. As covinhas bonitas das bochechinhas salientes a mostra, fez os mais velhos se derreterem.

_Awn! Que fofinho o seu genro! ChangKyun, meu filho! Aprendeu bem com o titio a como enlaçar um boy, e é lindinho, Hein?! Tô orgulhoso!_ o loiro limpava as falsas lágrimas, enquanto KyungSoo revirava os olhos, não gostando nada do que estavam ensinando ao seu filho_ Diferente do seu Omma que só me dá desgosto!

_Por quê?_ o menor correu em direção a fofoca.

_ Não sabia?_ Chang balançou a cabeça freneticamente com os olhinhos arregalados, e JooHeon, em seu encalço, já que o menor não o largava nem por decreto. Estavam curiosos_ Seu Omma deu um fora num bonitão ontem a noite_ o menino ficou chocado e olhou para o seu progenitor.

_Como assim? O senhor tá loco?

_É ele está, com certeza!_ Disse Tao de olhos fechados e uma cara de pura indignação, balançando o indicador na cara do amigo.

_Tio? Por que num chega nele e faiz que nem o Chag feiz com migo?_ o Ômega até teve medo de perguntar, mas ainda assim falou.

_ Como?_ JooHeon se livrou da mão do namoradinho, colocou a mão na cintura, afinou a voz e disse:

_"Ou você namora comigo, ou te faço comer areia, Hyung!" Eu fiquei com medo e não me desgrudo mais do Saeng!_ O menor deu um sorrisão e beijou a bochecha do mais novo, que ficou ruborizado, tanto quanto o maior.

  KyungSoo até teria se rendido a esse momento meigo, mas ficou enfurecido com seu filho. Parecia que o menor não recebia educação, isso tudo por causa de ZiTao e JuuMyeon que ficava ensinando essas coisas pra criança, além de mimá-la bastante. Mas quando percebeu ruborizou, o namoradino de seu filho achava que ele gostava do moreno. 

_Oh, não, meu querido, não! Eu não gosto desse homem, na verdade quero distância. E além disso, acabei de me separar!

_O Appa tá cagando pro senhor!_ disse o baixinho atrevido, que ganhou um belo dum surdão. 

_Oha a boca, menino! 

_Aish... mais é verdade!_ respondeu seu filho acariciando a orelha e fazendo bico. JooHeon arregalou os pequenos olhos e trato de abraçar o menino, para que ele não abrisse o berreiro. ChangKyun tinha fortes sinais de que seria um Ômega, no abraço, mal batia no peito do mais velho. Mas não se estrapolavam ou criavam ilusões, pois poderia ser mentira, somente uma fase.

_Não! Não, JooHeon-ah, não o abraçe, esse menino mal educado merece mesmo é umas palmadas.

_ Não desconte na criança a sua frustação, pois você sabe que ele só está falando a verdade!

_Chang, não fala com a sua Omma assim, é feio! Se continuar a fazê isso eu vou... eu vou... eu não vou mais dividir com você o doce da minha Omma, e vô come tudo!_ o menino disse sério, se impondo. Espetacularmente, ChangKyun abaixou a cabeça e apertou o abraço.

_Não, Hyung! Como vou viver sem o doce do tio?_ dizia choroso. Os mais velhos estavam prendendo a risada.

_Tá bom! Já chega por hoje, gente! E você_ apontou para o loiro_ Tchau!_ e saiu empurrando o Beta porta à fora. 

_Mas o que...

_ Vamos, ZiTao! Já me encheu o saco, agora volte para o seu marido!

_Ingrato!_ dito isso, saiu e pegou seu carro, indo de encontro ao seu esposo num barzinho próximo, aonde sabia que o danado estava bebendo.

   KyungSoo se virou olhando para as duas crianças que o encaravam. 

_Que foi? 

_ Tô com fome, Uai!_ respondeu seu filho com seu jeito recatado de ser.

_Ai, menino! Se deixar você come até mobília.

_Mas tio... tô com fome também! _ disse o mais novo fazendo biquinho.

_O que você quer comer, meu anjo?

_ Suquinho de morango e browne de chocolate_ respondeu JooHeon sorrindo, mostrando suas belas, e fofas, covinhas.

_Pra ele cê faiz, né?_ estava emburrado e com um biquinho nos lábios fininhos.

_Chang, eu divido meus brownes com você._ disse o maior acariciando os cabelos do menininho extravagante. O Ômega se aproximou dos dois e apertou as bochechas do menino de olhos extremamente puxados.

_Melhor genro!_ e riu abobalhado.


  Alimentou as crianças e as pôs para dormir, depois de horas de correria e risadas altas, tanto das crianças como de si próprio.


  Deitou-se e fechou os olhos, mas o sono não vinha.



   Maldito Moreno!







Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...