História Uma nova chance. - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Drama, Romance
Exibições 21
Palavras 1.503
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Escolar, Mistério, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oieee \o/

Capítulo 15 - E ele que eu amo.


Tae pegou no sono acho que ele estava exausto,  olhei e mordi o lábio inferior,  eu tinha prometido que não aprontaria mas tinha que ver meu pai. Me levantei com todo cuidado para não acordar o Tae, mas ele apenas se mexeu e continuou dormindo,  segurei no ferro que segurava o soro e caminhei até a porta abri e sai, caminhei pelo corredor, até que uma enfermeira me viu.

- Senhorita Li o que faz aqui?  Ele me olhou.

- Preciso ver meu pai por favor.  Meus olhos estavam marejados.

- Ok,  mas só por um instante.  Assenti

Ela me acompanhou até a uti, fez a esterilização e eu entrei,  passei meus olhos pela sala e o vejo no último leito, caminho até a sua maca e o olhei.

- Pai, por favor acorda.  Comecei a chorar.

- O senhor não pode me deixar,  não agora.  Peguei na mão dele.

- Pai acorda por favor.  Eu o olhava.

- Senhorita Li,  já acabou o tempo. A enfermeira veio me avisar.

- Não posso ficar mais um pouco?  A olhei.

- Infelizmente não,  mas você pode voltar amanhã ok? Ela sorriu e me ajudou a chegar até a porta do quarto.

Entro e fecho a porta,  quando me viro Tae está em pé me olhando com os braços cruzados.

- Foi mal Taetae.  Falei fazendo bico.

- Nem adianta fazer esse bico,  você está querendo me matar?  Se a enfermeira não me informasse onde você estava eu estava revirando esse hospital todo. Ele continuava de braços cruzados.

- Tae eu precisava vê-lo.  Me aproximei dele

- Li você prometeu se comportar. Ele jogou os braços do lado do corpo.

- Eu não faço mais isso,  mas eu precisava muito vê-lo. Me aproximei dele e olhava para ele.

- Promete? Ele segurou meu rosto.

- Prometo. Coloquei meus braços envolta da cintura dele.

- Se algo acontecer com você eu não sei o que vai ser de mim. Ele me olhava com os olhos marejados. - Tae.  Ele não deixou eu falar.

- Quando eu recebi a notícia do seu acidente,  foi como se uma parte de mim desaparece-se, Li eu não quero sentir isso nunca mais, eu te amo e não quero te perder,  por isso me preocupo. Ele chorava. - Tae eu te amo, e prometo me comportar e ter cuidado, não quero ver você assim. O abracei forte. Ele aproximou seus lábios dos meus e os selou, Tae me ajudou a me deitar na cama e se deitou ao meu lado.

- Cadê o soro? Ele me olhou.

- A enfermeira tirou para eu visitar meu pai, ela disse que já estava na hora de tirar mesmo. Sorri.

Acabamos pegando no sono,  não sei como consegui pois minha mente estava a mil, mas acho que foi por ter o Tae junto a mim, ele me dava segurança de que tudo ia ficar bem, acordei escutando risadas altas.

- Bom dia Hope.  Sorri.

- Desculpas não queria te acordar. Ele deu um grande sorriso.

- Não foi nada, mas o porque desses risos? O olhei.

- Olhe você mesmo. Ele apontou para o Tae, que estava com uma blusa acima do umbigo.

- Que blusa é essa. Coloquei a mão na boca e ria.

- Eu trouxe a blusa do Chimchim enganado. Hope ria junto comigo.

Tae tirou a camisa e foi pegar a outra que ele ja estava no hospital.

- Eu prefiro sem ela. Sorri e o mesmo me olha sorrindo.

- Acho melhor eu ir. Hope disse rindo alto.

- Não fica Hope, estou com saudades de vocês.  Sorri e Tae colocou a blusa.

- Eu tenho aula mas, mais tarde eu volto com os outros.  Ele beijou minha testa e foi embora.

- E você não vai para aula? Olhei para o Tae.

- Não, enquanto você estiver aqui não.  Ele sorriu quadrado e sentou na cama me olhando.

- Mas você vai ganhar muitas faltas. Me ajeitei.

- Não importa,  aliás o Namjoon ia avisa que eu não ia. Ele sorriu e se aproximou.

Estávamos bem próximos e virou a cabeça de lado e me olhava com um sorriso nos lábios.

- Tae?  Sorri .

- Hum?  Ele olhou nos meus olhos.

- Dá para me beijar logo. Mordi o lábio inferior.

- Seu desejo e uma ordem. Ele sorriu e me beijou.

Nos beijamos tranquilamente, coloquei meu braço em seu pescoço e o mesmo me puxou para o seu colo.

- Bom dia Li vim ver como você… Yugyeon parou de falar e nós o olhamos.

- Bom dia Yugyeon.  Sorri e Tae me ajudou a sentar na cama.

- Como você está?  Yugyeon me olhou e estendeu a mão e em sua mão tinha um buquê de flores.

- Obrigada Yugyeon. Eu peguei o buquê e Tae revirou os olhos saindo do quarto.

- Eu estou bem, dolorida mais bem. Sorri. Tae voltou correndo para o quarto.

- Li,  Li,  seu pai acordou. Ele me olhava.

- Posso vê-lo? Olhava para Tae.

- a enfermeira disse que visitas só mais tarde,  bom vou deixar você conversar com seus amigo. Tae deu um meio sorriso e saiu de novo.

- Li? Ele me olhou.

- Você?  Bem ? Tem certeza que gosta mesmo de kim Taehyung?  

- Claro que eu tenho Yugyeon,  o porque dessa pergunta?  O olhei.

- Pensei que você podia estar enganada e quem sabe me dar uma chance. Ele se sentou na cadeira próximo a minha cama.

- Não eu não me enganei,  eu amo o Tae, desculpas Yugyeon mas e o Tae que eu amo. Olhei

- Pelo menos vocês não dormiram juntos, então tenho esperanças.  Ele segurou minha mão e eu abaixei a cabeça.

- Vocês não fizeram né?  Ele me olhava

- Já sim Yugyeon, eu disse e ele que eu amo, me desculpe por não retribuir o que você sente por mim. Ele se levantou e ficou me olhando.

Tae entrou no quarto e Yugyeon foi para cima dele e socou o rosto do Tae, os dois começaram a rolar no chão do quarto de hospital.

- Para vocês dois. Me levantei da cama.

- Yugyeon para por favor. Eu tentava tirar ele de cima do Tae.

- Já chega. Grito e os dois me olham.

- Yugyeon, eu sinto muito mas Tae não tem culpa de nada, eu que decidi amá-lo e me entregar a ele. Olhava para os dois.

- Então e por isso que você me bateu? Tae o empurra e se levanta.

- Mas Li.  Yugyeon me olha.

- Mas nada Yugyeon,  o que posso te oferecer e minha amizade,  e pegar ou largar. Ele me olhou,  se levantou e foi embora.

- Droga.  Falei e joguei os braços ao lado do corpo.

- Posso saber que raios eu fiz para ele me agredir? Tae Limpava o canto da boca com o dorso da mão.

- Dormiu comigo.  Arqueei uma sobrancelha.

- E sério?  Apanhei por isso? Ele me olhou.

- E isso é qualquer coisa para você?  Olhei ja cruzando os braços.

- Não,  foi a noite mais importante para mim. Ele falou se aproximando.

- Não pareceu. Bati no braço dele.

- Mas foi, ali eu descobri que era você que eu queria para sempre.  Ele sorriu e me abraçou.

Eu apenas sorri e ele me beijou,  entrelacei meus braços envolta do seu pescoço.

- Ai,  ai. Ele dizia entre os beijos.

A tarde chegou e finalmente pude ver meu pai, Tae me ajudou a chegar até o quarto dele, ele abriu a porta e entramos,  minha mãe estava ao lado dele, ela se levantou e me abraçou forte.  Fui até a cama onde ele estava e o olhei.

- Oi.  Sorri

- Oi filha.  Ele me olhou e sorriu de volta.

- Eu pensei que ia te perder.  O abracei chorando.

- Eu estou aqui minha pequena,  ainda tenho que te dar muitas broncas. Ele  sorriu e eu ri.

- Pai te amo. O olhei.

- Também te amo filha. Ele sorriu.

- O que foi isso Taehyung?  Meu pai o olhava.

- Um engraçadinho que gosta da sua filha me bateu. Tae se aproximou.

- Pelo visto você ficou na pior.  Meu pai riu.

- Que nada o senhor tem que ver ele. Todos estávamos rindo.

Ficamos ali mais algumas horas e depois voltei para o meu quarto.

- Tae,  você não prefere ir para casa descansar?  O olhei e sentei na cama

- Só vou para casa quando você for nanica insuportável.  Ele sorriu de lado e se aproximou ficando no meio das minhas pernas.

- Mas Tae.  Ele me beijou para que eu não terminasse de falar.

A enfermeira entrou e nós, nos separamos, Tae sentou no sofá e eu abaixei a cabeça corada.

- Bom vamos ver esses ferimentos?  Ela sorriu

Ela fez o curativo e me deu os medicamento e saiu, me deitei e Tae se deitou ao meu lado, ficamos nos olhando até  pegar no sono.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...