História Uma Nova Chance - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Chanbaek, Lemon, Mpreg
Visualizações 415
Palavras 4.447
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, Policial, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eeeee é hoje que o Siwon vai tomar uma coça!

Capítulo 13 - Capitulo 13


 

Chanyeol estava na sua mesa vendo alguns papeis que precisava para a reunião quando sua secretária Lindsay entrou com um embrulho.

- Boa tarde senhor Park. Sua mãe mandou entregar isso.

- Obrigado Lindsay.

- Disponha senhor.

Ela saiu fechando a porta calmamente. Era uma profissional extremamente competente. Chanyeol abriu o embrulho e sorriu, pegou e colocou em cima da mesa em um ângulo que ele pudesse ficar vendo enquanto trabalhava. Sua porta foi aberta de repente e por ela passou Yifan e Sehun, rindo e se esmurrando como duas crianças.

- Quando vão crescer? - Chanyeol perguntou balançando a cabeça negativamente pelo comportamentos dos dois.

- Não precisamos crescer, temos você pra limpar nossas cagadas. - Yifan falou e se jogou na cadeira em frente a sua mesa.

- E aí Chan, como foi de semana? - Sehun perguntou e movimentou a sobrancelha pra cima e pra baixo.

- Bem. E vocês?

- Ótimo! Eu e Tao fomos ao Diva ontem. - Yifan falou colocando os pés em cima da mesa dele.

- Não acha que está muito cedo pra introduzir ele no campo de BDSM? - Chanyeol falou jogando os pés dele no chão.

- Não, o Tao é um Sub maravilhoso e além do mais, eu não gosto de esperar por nada.

- O marido é seu.

Chanyeol falou dando de ombros. Não conseguia imaginar mostrando seu pequeno Baekhyun pra outros homens, vestido apenas com algumas tiras de couro que dizem se chamar de roupas.

- Chanyeol é um homem mudado Kris.

- Desde quando? Ele é o matador Sehun. Ele não muda.

- Até as montanhas sofrem mudanças Kris e o nosso amigo sofreu uma virada de 360°.

- Não me diga? E quem foi esse anjo de candura que fez esse milagre?

- Chama-se Byun Baekhyun. E tem uma filhinha chamada Yura que é a coisa mais fofinha que existe. Tem foto Chanyeol?

- Tenho. - Ele mostrou calmamente o porta retrato que sua mãe tinha mandado poucos minutos atrás com as fotos que ele tinha enviado para ela.

- São lindos. Tirou a sorte grande hein!

- Sim tirei, agora deixe minha vida particular de lado e vamos falar de negócios.

- Falar de negócios é chato Chanyeol, vamos falar de assuntos mais agradáveis. - Sehun falou sentando e colocando as mãos atrás da cabeça.

- Eu estaria fazendo algo muito mais agradável se você seu safado não tivesse me tirado da minha casa. Agora vamos ao trabalho. Quero terminar aqui logo pra poder ir pra casa. Isso me fez lembrar que eu prometi comprar um presente pra Yura.

- Calma, eu ajudo você a encontrar o presente perfeito para minha sobrinha linda. - Sehun falou despreocupado.

- Ok. Vamos ao trabalho? Não estou disposto a perder mais tempo com conversas sobre minha família não.

- Marcaremos um churrasco para comemorar?

- Claro Kris. No dia de folga de Baekhyun faremos isso. Agora onde está a pasta com os arquivos que eu preciso pra avaliar e fechar logo esse fodido negócio para poder ir pra casa?

- Os clientes são linha dura Chanyeol. Vamos ter que bajular bastante.

- É pra isso que eu lhe pago Yifan, pra bajulá-los. SEHUN! CADÊ A PORRA DOS DOCUMENTOS!

- Aqui! Eita, é falta é?

- Vá a merda.

- Está nervoso com o que?

- Estou com um mal pressentimento, desde quando acordei, não me senti bem em deixá-los sozinhos.

- Estamos aqui meu amigo. Para o que der e vier. - Yifan falou em quanto olhava para as fotos deles.

- Aqui a pasta. E não se preocupe, pode contar conosco. Afinal nossa amizade é como uma bunda, estamos sempre ligados e merda nenhuma nos separa.

- Sehun, isso foi ridículo.

Começaram a rir.

 

**********

 

Já era nove da noite e nem sinal dessa reunião acabar. Chanyeol já estava nos cascos de nervoso, algo estava tirando sua paz. Verificou o celular várias vezes, nenhum deles tinham ligado, então estava tudo bem. Não estava?

- Chanyeol?

- Sim?

- O que você acha dessa proposta que a outra companhia fez para cobrir nossa?

- Eu acho...

- Desculpe interromper senhor Park, mais tem uma menininha no telefone dizendo que é sua filha.

- Yura? Por favor passe a ligação.

- Sim senhor.

- Eu não sabia que você tinha filhos Chanyeol.

- Pois tenho Paloma. Alô princesa? Aconteceu alguma coisa?

- Appa o Siwon disse que vai machucar o omma onde mais dói nele. Estou com medo.

- Aonde você estão? - ele se ergueu e foi em direção a sua sala sem dar satisfação a ninguém. Sehun o seguiu com o olhar preocupado.

- No restaurante, estou com medo appa. A omma do Siwon disse que ia mandar o filho dela bater no omma. Por favor não deixa ele machucar o omma.

- Não se preocupe princesa, Ninguém vai machucar o omma, nem a você. Appa promete. Onde está a por... O meu terno?

- Aqui. –Sehun falou lhe entregando o paletó enquanto estendia a mão para segurar o telefone sem fio.

- Oi princesa, aqui é o tio Hunnie. O que aconteceu?

- Oi tio Hunnie. O Siwon quer machucar o omma.

- Não se preocupe princesa, não deixaremos que nada aconteça com vocês.

- O senhor vai proteger o appa também? Não quero que o Siwon machuque ele.

- Vou sim. Vou proteger seu appa e vocês também.

Sehun conversava com Yura enquanto observava Chanyeol ir ao seu armário abrir uma gaveta e de lá tirar sua tão estimada Sig-Sauer p226. Colocou-a no coldre e pegou sua K-Bar e a prendeu no suporte da perna, pegou também sua Colt M1911 e colocou no cós da calça na parte de trás. Estendeu a mão pra Sehun e pegou o telefone.

- Conduza a reunião aqui.

- Conte comigo. Vai matá-lo rápido ou devagar?

- Lentamente e dolorosamente. - Chanyeol falou e saiu do prédio indo em direção ao carro.

- Princesa, o appa já está indo pra casa. Daqui a pouco o appa chega está bem?

- Está appa. O omma vem vindo, ele não sabe que eu liguei pro senhor. Vou desligar.

- Estou chegando em casa princesa. Appa te ama. Ama os dois. - Chanyeol entregou o telefone ao segurança que estava na garagem, entrou no carro e arrancou de lá.

 

*******

 

Baekhyun não soube como reagir com a ameaça que Siwon fez. “Ele vai te atingir onde dói mais”. Ele machucaria a Yura para fazê-lo sofrer. Tinha que falar com Chanyeol mas o celular só dava ocupado e não sabia o número da empresa dele. Em outra época ele tentaria resolver sozinho, mas agora não, Não podia com Siwon , nem ele nem ninguém naquela cidade, mas existia um que podia detê-lo. Tentou ligar novamente mais só dava ocupado. Droga! Subiu as escadas correndo e foi buscar Yura para irem pra casa. Sairiam pelos fundos onde o SUV estava estacionado.

- Yura querida vamos pra casa?

- Vamos. Estou com medo omma.

- Não tenha, o Siwon não fará nada conosco, o appa não vai deixar.

- E se o Siwon me levar embora?

- Quem te disse isso?

- Na escola, uma coleguinha disse que os pais dela se separaram e ela iria morar com o appa dela. E ela disse que o Siwon pode me tirar do senhor por que ele é o meu appa. Mas não tem o nome dele na minha certidão de nascimento. Então quer dizer que se o appa escrever o nome dele lá, o Siwon não pode me levar embora num é?

Baekhyun abraçou sua pequena bem forte, tentando passar força e segurança pra ela, se Siwon fizesse isso, ele lhe mataria, lhe destruiria. Meu Deus tinha que falar com Chanyeol. Tinham que viajar pra bem longe!

- Meu bem vamos embora sim?

Baekhyun pegou a bolsa de Yura e saiu do quarto, desceram as escadas em silêncio, entraram na cozinha abraçaram Suho e sairam para o estacionamento. Entraram no carro e saíram e lá as pressas. Baekhyun percebeu que tinha um carro os seguindo, acelerou e o carro acelerou junto. Baekhyun chegou em casa e o carro freou no meio fio. Siwon saiu de lá de dentro rindo sarcasticamente, indo na direção deles.

- Oi meus amores? Sentiram saudades?

- Vai embora Siwon. Deixe-nos em paz.

Baekhyun falou enquanto apertava sua pequena ao seu lado.

- Não docinho, não vê? Preciso de vocês. Precisamos ficar juntos como uma família unida que sempre fomos.

- Qual é a jogada Siwon? Você não nos suporta, não aceita a Yura. Vai embora e nos deixe em paz de uma vez.

Baekhyun falou andando pra trás enquanto ele continuava avançando na direção deles.

- Você não entendeu Baekhyun. Eu estou entrando no ramo da política. E não é de bom tom que um homem como eu tenha... Pendências por assim dizer, na sua vida. Você e Yura são prefeitas para a campanha. Quero vocês na minha vida docinho. E vou ter.

Ele avançou na direção de Baekhyun que colocou Yura as suas costas. Siwon agarrou Baekhyun empurrando Yura quando esta se jogou encima dele para livrar Baekhyun. Siwon tentou beijar Baekhyun, mas ele o mordeu. Siwon o estapeou e o derrubou no chão ficando por cima dele.

- Escute aqui sua vadiazinha. Se você não colaborar eu tiro esse nojenta de você e você sabe como minha mãe gosta dela, não sabe?

Baekhyun ficou parado, estático, sem conseguir se mover. A mãe dele espancaria Yura.

- Siwon por favor... Não.

- A escolha é sua. Você é solteiro e mal pode se sustentar sozinho, quanto mais cuidar de uma criança, qualquer juiz daria a guarda dela para mim.

Ele riu sarcasticamente e Baekhyun sentiu que sua bílis subia pela garganta.

- Pense como será bom reviver os velhos tempos.- Siwon falou se esfregando nele.

Foi tudo muito rápido, num segundo Siwon estava roçando a ereção em Baekhyun e no outro ele estava voando pelo jardim e caindo estatelado no chão.

 

*********

 

Chanyeol dirigia a 200 km por hora; na esquina ele viu uma agitação no seu jardim, parou o carro e saiu correndo de dentro, sua princesa estava jogada no chão chorando e Baekhyun estava deitado com um safado em cima se esfregando nele. Chanyeol partiu pra cima arrancando o sujeito de cima de Baekhyun de um puxão só, assim que Siwon caiu no chão Chanyeol se prostou em cima o segurou pela gola da camisa e deu o primeiro soco. Chanyeol sentiu o nariz do safado quebrar sob seu punho, deu vários socos na cara do sujeito. A vontade que tinha era de transformá-lo em uma massa disforme de pele e ossos quebrados.

- Filho da puta! Eu avisei que se encostasse neles você morreria.

- Quem é você?!

- Seu pior pesadelo. Sabe rezar? Então reza e pede perdão pois você morre hoje.

Chanyeol falou e puxou a arma do coldre que estava embaixo do paletó, colocou ela na têmpora esquerda e sentiu Siwon se molhar todo.

- Você é um fodido medroso, nem pra morrer com dignidade você serve.

Chanyeol viu pela visão periférica o amigo de Siwon correr ao encontro deles com um taco de baseball na mão.

- Saia de cima dele seu...

Chanyeol ainda segurando Siwon com uma mão mirou e atirou no taco que se fez em pedaços pela força do projétil. Yesung parou imediatamente. Chanyeol voltou a colocar a arma na cabeça do safado.

- Pronto pra morrer desgraçado?

- Eu...

- Chanyeol. Querido, não faça isso, não gaste balas com ele, ele não merece.

Baekhyun falou com uma mão em seu ombro. Chanyeol se sentiu tranquilizar imediatamente.

- Agradeça a Baekhyun eu não estourar seus miolos agora mesmo seu filho da puta, descarado. Mais fique avisado. Se você voltar a encostar um dedo neles... - Chanyeol tirou sua faca K-Bar e colocou encima do membro murcho dele. -  Eu arranco suas bolas e faço você comê-las.

Saiu de cima de Siwon e ficou esperando o sujeito se levantar. Siwon estava todo quebrado.

- Suma do meu jardim e não volte mais nessa rua ou eu não vou mais ter pena de você.

Chanyeol abraçou Baekhyun e com Yura no seu braço entraram em casa. Sua filha estava com um corte no supercílio e Chanyeol estava se segurando para não ir atrás daquele desgraçado e corta-lhe a cabeça fora. Ele os sentou no sofá e foi em busca da maleta de primeiros socorros. Voltou minutos depois e trouxe junto cobertores e travesseiros. Acomodou os dois no sofá grande e começou a preparar o material, olhou pra sua filha e seu corpo todo tremeu de fúria ao vê-la encolhidinha no sofá com um corte e arranhados nos cotovelos observando tudo o que ele fazia. Teria que levá-la ao médico, mas, Baekhyun disse que Yura tinha medo de médicos.

- Princesa? Princesa linda do appa?

- Oi appa. –ela falou se virando para olhá-lo ainda agarrada a Baekhyun.

- O corte que você tem aí meu bem, ele... ele precisa de pontos e...

Chanyeol observou sua filha ir do cansaço ao desespero em questão de segundos, olhou pra ele com os olhos cheios de lágrimas e se agarrou mais ainda a Baekhyun.

- Eu não quero ir no hospital appa, por favor não me leve lá. Por favor não. Vai passar, eu prometo ao senhor que eu fico quietinha aqui no sofá e coloco um papel ou algodão no corte até ele parar, mais não me leve. Por favor appa.

Como em nome de Deus Chanyeol iria levá-la ao bendito hospital depois de ouvir isso? A reposta era óbvia, não levaria e mataria quem se atrevesse a levá-la. Mas tinha que dar pontos, então, ele mesmo daria. Afinal estava acostumado a pontear seus homens e diga-se de passagem muito melhor que muito carniceiro que se diz medico por aí.

- Meu bem e se o appa costurasse? Não vai doer eu prometo. O appa tem a mão levinha, você não vai sentir nada. Você deixa?

Yura olhou para Baekhyun procurando força. Baekhyun assentiu e sua pequena virou pra ele, respirou fundo e assentiu. Chanyeol sorriu e ficou orgulhoso da coragem dela, era uma menina maravilhosa e era sua. Só tinha o que agradecer a Deus. Chanyeol preparou todo o aparato para a sutura, desde a agulha até o algodão para enxugar o sangue.

- Venha aqui meu bem.

Ela se levantou do sofá e foi ao seu encontro. Chanyeol a levou para sala de jantar e Baekhyun foi junto, ele colocou Yura deitada na mesa que era enorme, colocou também um travesseiro sob sua cabeça e a cobriu com um cobertor. Yura respirou fundo.

- Faça appa, eu prometo que eu serei tão corajosa quanto o senhor e o omma.

- Você é corajosa meu bem, sou afortunado por ter você como filha e seu omma como companheiro.

Depois de dita as palavras Chanyeol começou a trabalhar, passou uma pomada que anestesiou o local, em seguida pegou a seringa com a anestesia propriamente dita e aplicou, mas, Yura não sentiu nada, Pegou as pinças e a agulha com a linha e sua mão tremeu quando começou o trabalho. Ele levou exatos vinte minutos para fazer a sutura, o certo seria cinco, mas Chanyeol não queria que ficasse nenhuma cicatriz, não queria nenhum indício do que ocorreu hoje à noite com ela.

- Pronto meu bem, appa terminou, nem doeu não é?

- Não appa, não doeu. Tô com sono.

- Venha meu bem, vamos para cama. Eu você e o omma.

Subiram a escada e foram para o quarto dela, a cama que tinha lá era de casal, deitaram os três, Yura no meio, ela agarrou a mão dos dois.

- Conta uma história omma?

- Sim meu bem, omma conta...

- Vamos fazer assim, omma conta um pedaço e o appa outro. – Chanyeol falou.

- Pode ser.

- Era uma vez. – ele começou.

- Uma princesa. – Baekhyun sorriu.

- Que morava em um lindo castelo. Sua vez amor. – ele falou e Baekhyun sorriu.

- Ela se chamava Yura. Ela morava com seus pais e...

- Podemos ter um cachorro na história? – Yura perguntou e bocejou.

- Claro que podemos. Não podemos amor? – Chanyeol falou e Baekhyun assentiu.

- Podemos sim. Podemos ter tudo o que desejamos.

- Eu já tenho tudo o que eu desejo.

- E o que é? – Chanyeol perguntou interessado na resposta dela.

- Vocês dois... – Yura falou a adormeceu.

Eles ficaram se olhando por um longo tempo. Saíram do quarto da sua pequena abraçados e foram para o deles. Baekhyun estava muito calado e isso estava deixando Chanyeol nervoso. Entraram no quarto e ele se sentou na cama com as pernas cruzadas e ficou observando como Chanyeol calmamente retirava a arma do cós da calça na parte de trás e a guardava na primeira gaveta; fez a mesma coisa com a outra pistola e o coldre, retirou a faca com a bainha e guardou-a no mesmo lugar. Virou-se pra ela e ficou a observando.

- Quer tomar um banho comigo? – ele perguntou afrouxando a gravata e abrindo os botões da camisa, seu paletó estava jogado em algum canto da sala.

- Quero sim. – Baekhyun falou e começou a tirar a roupa. Ficou nu na sua frente.

Chanyeol apreciou a visão daquele garoto, sua pequeno, se livrou das roupas, o pegou nos braços e foram para o chuveiro. Não fizeram amor, apenas se abraçaram enquanto a água caia sobre seus corpos, se passou vários minutos para começarem de fato a tomar banho. Chanyeol lavou os cabelos de Baekhyun, o ensaboou, tirou toda a espuma e sabão, saíram do box e ele o enrolou na toalha o levando para cama, deixou ele sentadinho e foi procurar por roupas para ambos, voltou já vestido em uma calça de seda negra e sem camisa, nas mãos ele trazia uma calça branca de seda. Vestiu nele com todo carinho e cuidado, penteou os cabelos dele. Se deitaram na cama abraçados e em silêncio.

- Fale comigo carinho, por favor, esse seu silêncio está me matando.

- Ele vai tirá-la da gente Chan.

Chanyeol não precisou perguntar quem era que tinha feito a ameaça. Apertou seu amado em seus braços como se assim pudesse passar toda a segurança do mundo pra ele.

- Ninguém tocará na nossa menina carinho. Eu prometo isso.

- É sempre ele Chan, é sempre ele que me faz ter pesadelos, me faz chorar, me faz ter medo dia a dia. É sempre ele.

Baekhyun falou e começou a chorar. Chanyeol o abraçou mais apertado.

- Ele não vai nos deixar em paz. Será que ele fará algo contra você? E ele disse que tiraria Yura de nós se eu não ficasse com ele. Ele prometeu isso.

Baekhyun se ergueu e ficou de frente pra ele, lágrimas grossas caíam por seu rosto.

-  Ele vai te machucar e será por minha culpa. Não aguentaria te perder. Eu morreria se isso acontecesse. É sempre ele, não sei por que não nos deixa em paz. Não entendo o porquê. Nunca quis saber de Yura e agora volta querendo que sejamos uma família perfeita, e se eu não aceitar ele disse que tirará nossa pequena. Ele te matará se você ficar no caminho, eu sei disso. Ele disse que eu não tenho condições de criar ela, que o juiz daria a guarda de Yura pra ele. Estava tudo tão bem Chan. Tudo tão bem e ele vem e estraga tudo.

Chanyeol ficou olhando para aquela menino guerreiro na sua frente, apenas um garoto que abriu mão de tudo pela filha, que aguentou todo o escárnio de uma cidadezinha e permaneceu firme e de pé mesmo quando tudo ao redor se desmoronava, seus sonhos, sua família, seus amigos, sua vida. Amava Baekhyun, não iria descansar enquanto não eliminasse todos os medos dele. Um por um faria cair por terra.

- Venha cá neném. Não fique longe de mim assim, não vê que se eu não tiver você no abrigo dos meus braços eu poderei morrer? Venha pra mim carinho.

Baekhyun foi pra ele, se jogando em seus braços e chorando desesperado. Chanyeol deixou que ele chorasse. Pela última vez. Ele derramaria lágrimas de tristeza pela última vez na vida dele. Ele moveria montanhas por eles. Yura e Baekhyun jamais chorariam novamente. Não por causa daquele bastardo. Nem por nada.

- Estou aqui neném, estou aqui por vocês. Eu te amo, ninguém me tirará de vocês. Somente Deus, mas acho que ele não faria isso, pelo menos não antes de vermos nossos bisnetos, ai sim ele nos levará juntos, separados não. Não vivo sem você meu amor, não sobrevivo sem vocês dois. São minha vida. Não quero que sinta medo por mim, eu não deixarei que nada atrapalhe nossa felicidade. Não quero que sinta medo de nada. Quero afugentar seus pesadelos, não quero que chore por nada, lágrimas só de felicidade. Confie em mim neném. Deixe-me cuidar de tudo está bem? Estou aqui, sempre estarei aqui. Não se preocupe, estarei sempre aqui pra vocês. Sempre.

- Acredito em você. Eu te amo.

- Eu sei e fico muito feliz de ouvir essas palavras. Eu também te amo neném. Pra sempre.

- Pra sempre.

Horas mais tarde Chanyeol desceu as escadas e foi para o escritório. Pegou o telefone e discou um número tão conhecido. Três toques e uma voz rouca pelo sono falou do outro lado da linha.

- O que você quer Park? Sabe que horas são?

- Oi Travis. Ou será que devo lhe chamar Juiz Steven .

- Não, Travis está de bom tamanho. O que inferno você quer me ligando as duas da manhã, se minha patroa acorda vai pensar besteira, você sabe como Nicole é.

- É, eu sei como Nicole é.

- E então o quê? Matou alguém?

- Quase, mais não é sobre isso que eu quero falar não.

- E é sobre o quê?

- Vou me casar e você vai celebrar a cerimônia.

- Ó, mais que maravilha! Finalmente resolveu se assentar foi? E pra quando é?

- Pra hoje de manhã, no máximo as nove da manhã eu quero estar casado. Consegue os papéis pra mim sim?

- Tá maluco? Isso leva no mínimo quinze dias pra...

- Não tenho quinze dias! O desgraçado do ex do meu namorado está tentando tirar nossa pequena de nós e como Baekhyun é solteiro e ele vai conseguir se eu não me mexer e rápido. Entende minha situação?

- Perfeitamente. Ás nove, estará casado meu amigo. Precisa de ajuda com esse filho da puta?

- Obrigado meu amigo. Mas isso é a assunto pessoal.

- Entendo, até amanhã amigo.

Desligaram e Chanyeol foi pra sala, pegou uma garrafa de whisky e colocou uma dose considerável, sentou-se no sofá e ficou pensado no dia que se passou, como em nome de Deus um dia tão bom foi se transformar num pandemônio desses? Não importa, hoje as nove da manhã estaria casado e Yura teria seu sobrenome. Queria ver quem seria o filho da puta que faria alguma coisa contra. Queria só ver. Chanyeol ouviu uns passinhos incertos na escada, ele sorriu, sua pequena estava escondida atrás do vaso de samambaias.

- Princesa? – ele se levantou colocou o copo ainda intacto no bar e foi ao seu encontro.

- Está sem sono appa? – ela falou saindo de detrás do vaso de plantas.

- Estou e você? – ele perguntou enquanto a pegava no colo e iam para o sofá e aninhava-a em seus braços.

- Também, não consigo dormir. Tive um pesadelo e acordei, quando o senhor passou pela porta do meu quarto eu me levantei, eu vim aqui ver se podia ficar com o senhor.

- Sempre pode ficar comigo princesa. Sempre.

Chanyeol lhe beijou os cabelos e a acomodou melhor em seus braços, ele colocou o queixo sobre a cabeça dela, Yura abraçou ele e ficaram em silêncio.

- Quer me contar sobre o sonho ruim? Foi com o... foi sobre o que aconteceu?

- Também.

Ela não falou nada e Chanyeol esperou pacientemente pelo relato do sonho. Ela suspirou e Chanyeol teva certeza que agora ela estava mais confiante para falar.

- Appa, eu sou uma menina má?

- Não, quem disse isso?

- Eu me acho... Por que eu fiz coisas feias. Deus fica triste quando fazemos coisas feias num é?

- Sim, mas...

- Então ele está triste comigo.

- O que você fez meu bem? Diga para o appa.

- Eu... O senhor promete que não vai gritar comigo nem me bater?

Chanyeol tremeu com esse pensamento e a abraçou mais apertado.

- Nunca querida, Appa nunca vai levantar a mão pra você.

- Nem gritar comigo?

- Nem gritar com você.

- É uma promessa?

- Sim, é uma promessa.

- Então levante o dedinho. – Chanyeol fez o que ela pediu. Yura entrelaçou seu dedinho com o dele e balançou três vezes.

- Pronto. A promessa está feita. – ele riu e concordou.

- Sim, a promessa está feita, mas não precisava, appa nunca vai erguer a mão pra você, nem gritar com você.

- Eu acredito. Appa... eu fiz um montão de coisas que estão pesando aqui – ela falou e colocou a mão no coração.

- O que você fez meu bem?

- Eu... Eu mostrei a língua para Sunhee quando estávamos indo embora do restaurante e o omma disse que isso era feio e eu desobedeci. Eu também derrubei um pacote de açúcar do carrinho da mulher que xingou o omma no supermercado e o omma disse que nós nunca devemos pagar o mal com o mal e eu desobedeci de novo. E eu chutei e mordi a canela do Siwon quando ele agarrou o omma. Deus está bravo comigo appa. E o omma vai ficar triste quando souber o que eu fiz. O senhor me perdoa?

Chanyeol olhou pra sua garotinha e ficou com a garganta apertada. Baekhyun tinha ensinado valores à ela que eram raros nos dias de hoje, não mentir, não agredir, seu amado tinha um caráter e tanto.

- Meu bem, eu lhe perdoo e eu tenho certeza que Deus também a perdoou no momento em você se arrependeu e o omma também vai te perdoar. Venha cá meu bem, deite-se aqui com o appa. Que tal se assistíssimos os Dvd’s que eu comprei? Podemos comer os mm’s que tal?

- É uma boa ideia! Vou buscar os doces.

- E eu vou colocar o dvd.

Meia hora depois estavam os dois esparramados no sofá dormindo, o dvd ligado e os doces jogados no tapete.

 


Notas Finais


* BDSM é uma abreviatura para a expressão Bondage, Disciplina, Sadismo e Masoquismo um grupo de padrões de comportamento sexual humano. A sigla descreve os maiores subgrupos: Bondage e Disciplina (BD), Dominação e Submissão (DS) Sadismo e Masoquismo / ou Sadomasoquismo (SM).*


É isso pessoal, chanbaek vai casar e nosso queridíssimo HunHan vai chegar no próximo capitulo. Ansiosos? Comentem bastante. Bjos e até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...