História Uma nova vida - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroshitsuji
Personagens Alois Trancy, Ciel Phantomhive, Claude Faustus, Elizabeth Midford, Hannah Annafellows, Personagens Originais, Sebastian Michaelis
Tags Ciel, Sabastianxciel, Sebastian
Exibições 180
Palavras 2.125
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Gente mil desculpa por demorar mas em compensação o cap esta bem maior. Erros me avisem.
Aqui vai ser sobre os pensamentos do nosso querido Ciel.

Se mais !



Boa Leitura !.

Capítulo 15 - Capítulo 15


Povs Ciel on

Depois de tudo parece que sebastian ficou triste? Não sei bem o que dizer. Fiquei com medo por ser uma coisa nova para mim e isso me deixa completamente vulnerável. Eu sei que sebastian nunca me fará mal, mas mesmo assim tenho receio. É melhor deixar esses pensamentos de lado, por fim me deito na cama e sebastian me abraça por trás e me aconchego mais próximo de si e assim eu durmo rapidamente.

Poucos minutos depois sinto sebastian saindo da cama, eu estava meio que acordado e assim me levanto. Ouço o som da porta e vejo que é do banheiro, por fim me deito novamente pensando no que aconteceu e logo ouço uns gemidos de sebastian tento me conter para não espiar, mas é inevitável. Me levanto e vou até a porta do banheiro abro silenciosamente e vejo ele mexendo em seu membro, arregalei meus olhos pois não estava acreditando no tamanha daquela coisa, logo meu corpo ficou quente e sem jeito, com cuidado fechei a porta novamente e me deitei na cama em busca de meu sono.

Quando acordo novamente sinto sebastian me apertando, fico tão próximo do seu corpo que consigo sentir tudo.

- Sebas-tian não me aperte. – Tento dizer.

- Desculpa anjo – Falou por fim.

Sebastian se aconchega bem perto de mim e assim eu durmo em seguida.

“ As mãos de sebastian percorria pelo meu corpo fazendo meu corpo se esquentar. Sinto sua boca envolvendo meu membro completamente ereto e ao mesmo tempo sinto algo cutucando meu ânus me fazendo desperta um novo desejo. Vejo sebastian se afastando e assim se despindo em seguida vejo seu corpo musculoso, mas nada exagerado depois de alguns segundos meus olhos cai sobre seu membro tão grande que me deixa tão, tão sei lá ….

Quente? Não sei a palavra certa. Ele se aproxima de mim e fala:

- Preparado? ”

Acordei me sentindo tão quente ainda sinto sebastian me abraçando, sinto algo me incomodando e logo sinto meu membro ereto…. Calma. Muita calma. Que porra. Saiu da cama e vou direto para o banheiro e nem passou pela minha cabeça de trancar a porta. Tiro minha box e abro minha camisa, abro o chuveiro fico por um tempo, mas não adiantou nada. O que faço? Por que está assim? Dói...isso estranho. Me sento no chão e encosto minha costa na banheira olho para meu membro dolorido. Vejo a porta se abrindo e sebastian começa a me fitar. Não conseguia pensar em nada e as palavras saíram sem ao menor eu pensar.

- Sebastian....Me ajuda.

- Ciel, o que você estava tentando fazer?

- E-eu. Não sei sebastian. Está doendo. Me ajuda.

- Tudo bem, mas não é assim que isso vai abaixar – Sebastian se aproxima de mim e tira minha camisa e em seguida colocou a tolha em volta do meu corpo – assim você vai ficar resfriado –Ele me pega no colo e me leva até o quarto – Você tem que se aliviar.

- Como? – Aliviar? Eu nunca fiz isso. Ah! Isso é tão estranho. Sebastian me coloca na cama e fala

 - Vem vou lhe ajudar. Abre um pouco as pernas.

Fiquei todo corado, mas por fim me ajeitei na cama e fiz o que ele me pediu. Sebastian começou a passar sua mão pela minha coxa e foi subindo até meu membro e novamente o medo veio. Me senti inseguro, mas porquê? Eu me odeio ser assim. Sebastian me olha e fala.

- Confie em mim, relaxa.

Sebastian falou de um jeito tão carinhoso e ao mesmo tempo transmitindo confiança por fim deixei esses pensamentos de medo e me entreguei a ele. Pouco a pouco sebastian se aproximou de mim e começou a me beijar, era tão bom sentir esse carinho e ao mesmo tempo estranho? Mas antes de eu pensar algo o desejo fala mais alto sinto sebastian descendo os beijos em meu pescoço e logo chega aos meus mamilos. Ele começa a lamber e assim meu corpo começa a ficar em êxtase. Sinto sua mão descer em meu membro e assim fazendo movimentos para cima e para baixo aquilo era tão bom e gostoso. Eu estava ofegante e totalmente delirado em seus toques. E novamente sebastian começa e me beijar. Sebastian se afastou e me fez uma pergunta.

- Ciel eu posso fazer isso de um jeito diferente? – Eu apenas confirmei que sim com a cabeça. Não sabia o iria acontecer. Mas se for com sebastian não ligaria.

Ele apenas se abaixou entre minhas pernas e logo tomou meu membro em sua boca, eu realmente não pude me controlar minha voz. Aquilo estava tão bom que começei a gemer alto e assim ele começou a fazer movimentos bem rápidos eu estava sentindo algo que estava para vim e assim passei minhas mãos em seus cabelos sedosos e sebastian aumento a velocidade. Em poucos segundos soltei algo na boca de sebastian, senti meu corpo ficar mole. Vi sebastian engolindo e perguntei.

- Sebastian.... Porque você fez isso?

- Porque não gostou?

- Não...quer dizer isso é novo para mim, mas como foi você...e-eu gos-tei. – Confessei.

- Sabe isso é normal de seu corpo. Você ficou excitado.

- Isso é tão trabalhoso. – E era verdade. Nunca fiz isso e ó que não fiz nada e me cansei.

- Relaxa eu sempre estarei aqui para ajudar. Mas sou eu que pode fazer isso.

- S-sabe eu gosto muito de você, mas não como irmão – Resolvi me confessar. Não queria esconder isso – Sebastian?

- Eu estou tão feliz – sebastian me abraçou – eu também gosto de ti desta mesma maneira.

- Isso é normal? Gostar de alguém do mesmo sexo?  - Perguntei curioso pois eu realmente não sabia se era certo ou errado.

- É, mas muitas pessoas não aceitam isso. Eles acham errado. Mas não é. estar bem? Eu sempre estarei aqui com você.

- Está bem. Então é melhor deixar isso entre e gente. Não quero a sociedade me criticando. – Fiquei um pouco triste em saber isso. Mas eu não iria desistir.

- Tudo bem, vamos descasar. Amanhã é seu primeiro dia de aula.

E assim trocamos alguns beijos e dormimos em seguida.

(...)

 

Acordei com sebastian me chamando, mas nem liguei, pois, meu corpo estava tão cansado e passaria o dia inteiro dormindo. A cama estava tão macia e quentinha tão boa. Novamente sebastian me chama.

- Ciel acorde. Ciel?

- Sebastian, deixa eu dormi – Me virei para outro lado.

- Sabe hoje é seu primeiro dia de aula. – Em um pulo acordo, tinha me esquecido da Maldita aula. Que coisa viu.

- Merda, tinha me esquecido. – Me levantei e fui para o banheiro.

- Que folga é essa? Nem um bom dia eu recebo. – Ouço sebastian falar.

- Desculpa, bom dia.- abri a porta e lhe dei bom dia.

- Vem cá. – Sebastian me chamou antes de fechar a porta novamente.

Me aproximei dele e simplesmente me puxou para seu colo e me beijou. Correspondi o beijo e depois de alguns segundos ele se afastou.

- Pronto, agora vai lá tomar seu banho. – Mas que folga essa sebastian. Tenho que dizer que amo seus beijos.

Após o banho coloquei meu uniforme que no caso era uma calça preta que ficou um pouco apertado, mas tudo bem, e uma camisa social com o símbolo da escola juntamente com um moletom preto. Depois de alguns minutos tomei o meu café e sebastian me levou para escola. Chegando lá ele estacionou o carro.

- Pronto, está entregue. Me liga quando estiver de saída.

- Ta’ bom – Mantive minha coragem e me aproximei de sebastian e lhe dei um selinho – até mais tarde. - Sai do carro em direção ao portão da escola.

Assim vejo o carro se afastando e começo a caminha para secretaria. La me informaram a sala e as aulas que eu iria ter no decorrer da semana.  Por fim sai em direção a minha sala, estava andando distraidamente quando sinto uma mão em meu ombro me viro rapidamente e vejo o loirinho.

- Ciel, estou tão feliz de ti reencontrar. Em qual sala você está?

- 2 º D – Informei.

- Eu também, viva!  Vamos.

E assim seguimos para sala. O professor já estava lá esperando os alunos entrarem. Me sentei perto do Alois e depois de um tempo o professo me pediu para se apresentar.

- Meu nome é Ciel Pamthomhive tenho 16 anos. E vim de Londres.

- Ótimo Ciel. Meu nome é Grell Sutcliff sou professor de história.

(...)

As aulas ocorreram calmamente Alois ficou o tempo inteiro conversando comigo. Descobri várias coisas sobre ele. Primeiro ele era Gay, mas não tive nenhum preconceito e outra ele tinha uma queda pelo enfermeiro da escola o tal de Undertaker, mas conhecido como Undy.

Estavamos no intervalo sentados em baixo de uma arvore de cerejeira.

- Então Shieru me fala quem era aquela gatão que veio te buscar ?

- Alois tu tem amnesia ? – perguntei em um tom de brincadeira.

- Não.

- Eu lhe disse que era meu irmão.

- Ah, é verdade. Mas voces nem se parece.

- Ele não é meu irmão de sangue.

Comecei a explicar como tudo aconteceu, é claro não tudo. Só algumas partes. Ele me ouvi atendamente. Assim o sinal bate e voltamos para sala. Me sentei e abaxei a cabeça, não estava me sentindo muito bem. Minha cabeça começou a doer. Ouço alois me chamando.

- Gatinho ? esta tudo bem ?

- Não muito, minha cabeça doe.

- Vem vou lhe levar para enfermaria.

Ele se afastou e foi falar com o professor. Depois de alguns sengudos  Alois voltou e seguimos pelos corredores até a enfermaria.

- Undy – Alois chamava.

- Olá meu Lorinho.

- Olá, esse é ciel o aluno novo. Ele está com dor de cabeça.

- Oh, certo venha vou lhe dá o medicamento.

Tomei o remedio e fiquei descando e logo adormeci. Quando acordei ouvi uns gemidos. Esranho ? Me levantei vagarosamente sai da cama olhei para o canto na enfermaria e vi Alois e o Undy se beijando. Ele passava a mão pelo corpo de Alois que gemia sem se importar. Só de olhar fiquei vermelho e rapidamente voltei a me deitar, fiquei até bater o ultimo sinal e assim vejo Alois se aproximando com seus cabelos bem desarrumados.

- Eai aproveitou bem? - Perguntei para Alois e logo me contive a rir de sua cara.

- Hum...então você anda me espiando?

- Claro que não. Acho que seus gemidos davam para escutar lá de fora.

- Oh sério? Nem ligo. Estava tão bom. Pena que o sinal tocou, se não já estaríamos transado aqui mesmo.

- Não tem vergonha na cama mesmo neh?

- Claro que não.

Depois conversamos pegamos nossas mochilas e saímos em direção ao portão Alois ficou agarrado em meu ombro. Lá vejo sebastian me esperando como uma cara nada boa.

- Olha lá seu irmão gostosão lhe esperando.

- Alois!

- Mas ele é mesmo. Se fosse você cairia nos braços dele e mandava a ver logo.

Fiquei vermelho só de pensar nisso. Alois me encarou e falou.

- Me passa seu número. – Passei o número e depois ele se despediu dando um beijo em minha bochecha.

Caminhei até o carro e assim entrei. Sebastian estava estranho nem ao menor falou comigo. Porque será? Ciúmes talvez. Ri comigo mesmo com esses pensamentos.

(...)

Já estávamos em casa sebastian ainda não falou comigo. Quando chegamos ele foi direto para seu quarto. Esse sebastian parasse uma criança. Bom melhor falar com ele, mas antes irei tomar um belo banho.

Assim o fiz tomei meu banho e já coloquei meu pijama estava com preguiça de colocar uma roupa decente. Coloque minha camisa que ficava parecido com um vestido e uma box. Fui até o quarto e bati na porta, mas ele não respondia nada. Então resolvi entrar, vi ele deitado na cama dormindo somente com uma box preta e um lençol cobrindo uma parte de seu corpo.

- Sebastian – lhe chamei. Mas nada de ele me responder.

Aproximei e me sentei ao seu lado. Em um rápido movimento sebastian me puxa para seu colo e me abraça.

- Sebastian, o que foi? Porque está assim? – Lhe perguntei.

- Sinceramente? Fiquei com ciúmes daquele loiro oxigenado.

- Sebastian, para com isso. Ele é sou meu amigo.

- Mesmo assim.

- Para com isso. Está bem ele é só meu amigo. A pessoa que gosto é você.

E assim ele se aproximou de meu rosto e me beijou. Foi um beijo rápido.

- Te amo meu pequeno. - Fiquei tão feliz em ouvir essas palavras. E então apenas respondi.

- Também  te amo. - E assim sebastian novamente me beijou.


Notas Finais


Eai gostaram ? Mereço bastante comentários ?

até aproximo !!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...