História Uma Nova Vida - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Alteza, Amor, Atualidade, Coroa, Dinamarca, Estados Unidos, Família, Garota, Garoto, Love, Majestade, Nova York, Originais, Paixão, Princesa, Principe, Rainha, Realeza, Romance
Exibições 33
Palavras 2.866
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Genteeeeeee!
Desculpa mesmo...

Não consegui postar esses dias porque tive alguns acontecimentos pessoais e só tive tempo de pegar no computador agora, na noite de domingo.
Mas mesmo assim eu estou postando hj!!
Bjs...

Capítulo 24 - Capítulo 22


Fanfic / Fanfiction Uma Nova Vida - Capítulo 24 - Capítulo 22

O que eu poderia descrever a minha vida?

Um caos? Não.

Uma bagunça? Talvez.

Uma gigante bagunça caótica? Perfeita descrição.

Só não bastasse da imprensa me esculachar pelo que aconteceu no dia do aeroporto, minha amiga achar que eu não ligo para ela, minha família de Nova York não me responder em nada e todos da família real provavelmente me odiar. Mas tinha que acontecer justamente o que eu mais temia, o meu pesadelo. Como se um homem com uma cerra elétrica aparecesse na minha frente, não é para tanto assim... sim, é para tanto.

O que aconteceu foi o seguinte.

Depois daquele praticamente "escândalo" do aeroporto, a família real praticamente me odiou. Falavam só o necessário como "oi", nem um "bom dia" diziam. Passei a pedir o meu café da manha no quarto para não ter que ser a causadora do silencio na mesa.

Claro que Gabriel não me ignorava, afinal, meio que ele também estava na burrada. Mas de uns tempos pra cá ele ficou distante, como se não pudesse falar comigo. Cheguei a achar que ele estava sendo obrigado, mas não era. Pelo jeito o problema era pessoal mesmo.

Samantha pelo visto me acha uma, como ela mesma descreveu, "mimada pela realeza". O que mais dói é que a minha única amiga de verdade na Dinamarca me acha uma... princesinha.

Mas até aí dava para aguentar, até o tal do jantar beneficente para crianças com alguma deficiência...

Agora aonde eu estou? Na cama, chorando como se o meu mundo estivesse prestes a acabar, se é que já não acabou pelo que aconteceu. Onde mais eu estaria, no cinema com uma pipoca de manteiga? Não, não estou. Minha única companhia é um sorvete de chocolate e morango, e o meu único cinema é uma TV, onde está passando Escrito Nas Estrelas.

Como se o nosso destino fosse escrito nas estrelas... Mas a realidade é que nós fazemos o nosso destino, e nem sempre é o que queremos.

​4 DIAS ATRÁS...

- Senhorita Morrighan! - dizia uma voz abafada pela porta. - Acorde! Você tem muitas coisas para fazer hoje.

Me mexo na cama de lençóis brancos macios e cubro a minha cabeça com o travesseiro que usava para dormir... e para babar. Solto um resmungo alto e fecho os olhos.

- Senhorita! Precisamos lhe arrumar para o dia de hoje. Temos que ter as aulas. - falava a voz extremamente fina.

Ah... as aulas... a exatamente três dias eu estou tendo as aulas de etiqueta que a Rainha tanto preza. O pior é que a mulher me faz ficar com livros antigos e pesados na cabeça durante horas do dia, e enquanto como tenho que colocar um garfo entre minhas costas e a cadeira para que eu mantenha a postura.

Chatice.

Doloroso.

- Estou começando achar que a senhorita se envenenou... - fala novamente. - vamos arrombar esta porta se você não abrir.

Abro meu olho e levanto da cama com relutância. Bato na madeira clara da escrivaninha e solto um gemido de frustação. Caminho até a porta e giro a maçaneta, revelando uma mulher. - que infelizmente eu conhecia bem a três dias. - com a cara de tédio, braços cruzados no peito e os pés batendo no chão.

- Pensei que isso não fazia parte da etiqueta Senhora Gistovisc. - falo voltando para a cama e enterrando meu rosto no travesseiro.

- Muito engraçado Senhorita Morrighan. Vamos, não temos tempo. - tira o travesseiro.

- Ei! - falo me sentando na cama. - sabia que ontem eu dormi tarde?

- Soube que a Senhorita ficou até tarde assistindo essa coisa de Netflix ​que os jovens assistem. Isso um dia vai acabar com a boa e habitual rotina do mundo.

- Só se a pessoa fazer maratona de séries...

- Não me interessa o que os adolescentes fazem. Levante e lave o rosto, ou melhor, tome um belo de um banho. Temos que ir na sala de música para você aprender a tocar algum instrumento. É necessário para uma princesa ser culta na musicalização.

- Ahn... Não... - resmungo. - você já me fez ler aqueles históricos de coisas que aconteceram na Dinamarca antes e depois da segunda guerra mundial... isso conta como alguma coisa.

- Isso, minha querida. Foi só o começo.

- Querida não.

- Me esqueci que você é bem fã daquela serie de livros. - se vira para o armário. - acho melhor você vestir um vestido amarelo com girassóis delicados e um fundo branco suave. Podemos fazer também um penteado de rabo de cavalo, meio que estilo anos 60. Uma maquiagem leve e uma linda sapatilha. O que acha? - vira de volta para mim.

Por mais que Sr. Gistovisc fosse exigente e minha professora de etiqueta, ela era como uma figura... materna, eu diria. No dia em que a conheci, achei que era uma velha rabugenta, e não é mentira. Mas... com o passar dos dias eu fui acostumando com o seu jeito durão. Sei que dentro tem um grande coração, mesmo que esteja enterrado e escondido na maior camada de cimento.

- Senhorita Nikolinia Gistovisc Abraham, você está completamente certa.

- Ah não! Não me chame desse nome horrível!

- Não é horrível, sabia que aquela atriz famosa Nina Dobrev se chama na verdade Nikolina?

- Existe uma diferença entre Nikolinia e Nikolina.

- Digamos que os nomes são primos. - lança um olhar de que é para parar, se não me joga pela janela. No bom sentido.

- Vá tomar seu banho e volte maravilhosamente bem. - fala logo ajeitando os meus vestidos no closet.

- Você faz as manhãs ficarem melhores, senhorita Nikolinia. - lanço um sorriso e entro dentro do banheiro para um banho delicioso e relaxante.

Lavo meus cabelos e ensaboou meu corpo com um sabonete que tinha. Fecho o chuveiro e me enrolo na toalha, saindo do banheiro.

Sr. Gistovisc separou meu vestido e os sapatos em cima da cama. Tiro a toalha e coloco o vestido amarelo e branco de girassóis que ela separou, calço as sapatilhas delicadas combinando com a peça de roupa. Ando até a porta e dou uma batida, Sr. Gistovisc entra com mais duas meninas e elas começam a fazer o cabelo "do estilo anos 60" e depois do que pareceu um milénio eu estou pronta.

Saímos pela porta com Leticia falando o que eu teria que fazer hoje, entre elas estavam encontros e sessões de fotos com pessoas importantes no país.

- Daqui a quatro dias nós teremos o jantar beneficente das crianças com deficiência física. É daquela mulher com quem você iria ter um encontro, mas ele teve que ser desmarcado.

- Ah, sim. Adelina?

- Adeline Clark. - corrige.

- Daqui três dias? - ela concorda. - está bem.

- Precisamos arrumar uma forma para que a senhorita consiga um encontro com o Príncipe Peter Locke.

- Peter Locke?

- Sim, ele é Príncipe da... Bélgica.

- Não sabia que Bélgica tinha Príncipe... preciso estudar mais.

- Concordo. Não pode-se falar uma coisa dessas na frente desse Príncipe, dizem que o ego dele é maior do que a beleza.

- Beleza?

- Pele corada pelo sol e cabelos de surfista? Isso faz a fama na Bélgica.

- Nem sol aquele país tem para isso. É claro que elas vão se interessar em um Príncipe surfista bronzeado. - continuamos a andar.

- Continuando, temos que lhe preparar para o dia do jantar.

- Sim...

A partir daí os meus dias não tiveram mais descansos, os dois dias que se passaram foram correndo e com entrevistas. Princesa, sinônimo de afazeres.

​4 DIAS DEPOIS...

​Acordo com um estrondo na porta e uma Sr. Gistovisc entrando como se o mundo fosse acabar.

- Você tem que parar de trancar esse quarto enquanto dorme... - fala com a respiração cansada. - sabe como é difícil arrombar essa porta?

- Nem sabia que era possível. Virou o Hulk?

- Engraçadinha... levante que hoje nós temos que te arrumar para o jantar beneficente. Já são mais de 12:00, você dormiu que horas ontem?

- Já! Meu Deus! Ontem eu devo ter ido dormir umas... 01:50 da noite, por ai. Mas, a culpa é toda daquela série Lost.

- Menina, você vai ficar com olheiras hoje, temos que colocar corretivo nestes olhos. E não culpe a coitada da série.

- Está bem... mas eu avisei que a culpa é da série, ou da ​Netflix.

​- Vá tomar um banho. Todos na sala de jantar devem estar preocupados com a senhorita.

- Avise para eles que ainda não é jantar. - piada mais sem graça.

- Pode deixar que avisarei, agora vá tomar o banho.

Entro no banheiro e tomo um banho quente e relaxante, lavando o cabelo e o corpo. Termino e me enrolo em um hobby que estava na porta e saio do banheiro.

O jantar só está marcado para a noite, então eu tenho a tarde inteira sem fazer nada. E é bom aproveitar isso.

Coloco uma calça de moletom cinza e uma blusa baby look do Maroon 5. Apenas solto os meus cabelos e calço chinelos de patinhos amarelos e saio do quarto em direção a cozinha.

Entro na cozinha que está vazia e acho um pão de forma, abro a geladeira e pego creme de amendoim e geleia de morango. Parece uma mistura nojenta e estranha, mas na realidade. - para mim. - é muito bom.

Faço o meu sanduiche e pego suco de laranja na geladeira. Sento-me na cadeira da bancada e começo a comer o delicioso sanduiche olhando para a parede branca e ouvindo o barulho da geladeira se refrigerando.

Ouço a porta se abrir e Gabriel aparece com uma camisa polo azul e calça jeans, com um sapatênis. E por mais que seja difícil dizer isso, o cabelo bagunçado dele está ainda mais bonito.

Ele parece... bonito e... lindo.

Minhas mastigadas que estavam lentas desde quando ele chegou pararam completamente quando ele se levantou para pegar alguma coisa no armário, revelando seu tanquinho de atleta e meu Deus... preciso ir para a igreja.

- Clary, finalmente acordou. - feliz? Ele está feliz?

- É... - o que devo dizer e... porque meu peito está doendo, como se meu coração fosse sair.

- Está bem? - se aproxima e coloca a mão na minha testa. Nesta hora meus olhos se virão para a direção de cima, onde sua mão está.

- Ahn... uhum. - tira a mão, mas é como se seu calor ainda permanecesse lá.

- Acho que deva comer e parar de assistir Netflix.

- Como... como.... como você sabe que eu assistir a... a-a-a-a...

- Netflix? - assinto a cabeça em concordância. - temos a mesma conta, então fica fácil de saber.

- Ah...

- Como está sua vida... digo, a tarefa de ser Princesa.

- Boa. - só isso? Sério?

- Que bom... - olha para o relógio. - me desculpe mas eu tenho um compromisso.

- Um compromisso?

- É... tenho que ir, boa sorte Pudim. - sai pela porta.

- Pudim... - sussurro sem saber direito.

. . . . . . . . . . . . .

Já são 18:00 e o jantar está marcado para as 20:00 da noite. Sr. Gistovisc entrou no meu quarto e começou a falar coisas rápidas, difíceis de entender.

- Você tem que estar perfeita. Não se esqueça do que lhe ensinei.

- Claro que não me esqueceria, não seria nem louca.

- Que bom que você sabe. Agora, acho que deva, acho não. Tenho certeza de que deva vestir um vestido longo preto da Dior, tenho certeza de que ele está aqui... - procura no closet. - ele é longo e tem uma fenda nas costas, comportada o bastante, mas para sua idade. Ele até tem uma fenda na perna... você viu?

- Não.

- Então deixe que eles arrumem seu cabelo enquanto eu procuro.

- Deixe que eu lhe ajude...

- Não, você tem que ficar pronta para hoje. Perfeita.

- Então, acalme-se... eu iriei arrumar o cabelo. - me viro para dois homens que estão segurando malas com produtos e aparelhos. - Ok... com certeza não vai ter um corpo aí... não né? - pregunto para eles.

- Não seriamos tão fanáticos assim.

- Uhum... - concordo e me sento na cadeira de frente para o espelho.

- Vamos fazer a nossa princesa ficar linda. - disse um.

- Ela já é linda! - fala o outro.

- Beleza igual não existe. - o outro puxa mais o saco.

- A mais bela de todas.

- Olhe esses cabelos dourados como o ouro.

E assim é o processo. - tortura. - de arrumação de cabelo. Eles falando de como eu era bonita, só faltava dizer que a parede era bonita.

Terminado eles se retiram. Posso dizer que fizeram um ótimo trabalho, colocando meu cabelo em um verdadeiro cabelo de estrela de Hollywood, com direito a estatueta no Oscar.

O vestido que Sr. Gistovisc tanto procurava foi achado e ele é lindo... maravilhoso. Aposto que se os dois cabelereiros puxa saco virem o vestido iriam falar mais adjetivos que a própria regra de português permite e conhece.

O vestido é preto e em um tecido sofisticado, com uma fenda modesta nas costas e uma que vai até o joelho na perna. As mangas são longas e ele é no estilo tubinho. Me sinto a Angelina Jolie.

Visto-o e depois coloco os sapatos dourados com pedrinhas que ela tinha separado para mim.

- Você está linda... - suspira com as mãos na boca.

- Obrigada... - me olho novamente no espelho.

- Acho que você poderia colocar alguma joia... assim, para parecer uma Princesa.

- Mas... - sou interrompida com uma batida na porta. - entre.

Gabriel entra no quarto com um smoking do estilo James Bond de 007​ e posso dizer que ele está lindo, como se fosse um... príncipe. Olho para ele e ele me olha até que ouvimos um pigarreio que veio da Senhorita Gistovisc.

- Acho melhor me retirar. - fala andando até a porta. - Vossa Alteza. - sai pelo corredor.

- Ahn... você está bonita. - fala se aproximando. E cada vez que fica mais perto eu fico encantada com os olhos azuis, como se fosse um ponto fixo.

- Obrigada... você está bonito.

- Obrigado... é... eu trouxe isso para você. - coça a cabeça com uma mão e me estende uma caixa de veludo preto com a outra.

Abro a caixa e uma corrente com uma borboleta dourada perfeitamente desenhada é revelada, pequenas pedrinhas azuis quase não notável se apresentam em alguns detalhes. Eu olho encantada para aquela borboleta.

- É para mim?

- Se eu estou te dando, sim, é para você.

Retiro a correntinha e a observo no ar. Tão linda e delicada.

- Porque uma borboleta?

- Porque quando as borboletas estão no casulo, elas se transformam em lindas e sábias borboletas que são libertadas naturalmente. Pela vida.

- E elas voam durante dias... até... - morrerem, borboletas morrem em quatro dias.

- Elas voam durante dias ajudando na natureza.

- Obrigada... não sei como agradecer.

- Não precisa...

- Pode... pode coloca-lo para mim?

- Claro.

Ele pega a correntinha da minha mão e eu me viro de costas, segurando meus cabelos, fazendo com que meu pescoço fique a mostra. Ele contorna o braço para que possa coloca-la no pescoço e a fecha quando termina.

- Linda... - falo enquanto pego na correntinha.

- Ahn... - coça a cabeça. - te vejo no jantar, Puddim.

- Te vejo no jantar, Puddim.

Assim ele sai do quarto, deixando no ar um perfume delicioso, e não era só o seu... era outro, como se eu sentisse cheiro de... amor. Não, não é isso.

Saio do quarto e ando no corredor para chegar até o final do castelo. Chegando na escadaria eu só encontro a Rainha e alguns membros da família sentados sofisticadamente no sofá. Me aproximo e os comprimento.

- Está linda, Clarissa. - fala a pequena Eliza.

- Obrigada. - digo.

- Concordo. - elogia a Rainha. - mas também estamos atrasados, então vamos.

Vamos até a parte de fora do palácio e vejo uns três carros pretos acompanhados por motos e outros carros de segurança. Andamos até um carro a família se divide em grupos para que possam caber nos carros.

Entro no carro acompanhada de Eliza, Anne, Phoebe e Mary. O motorista engata o carro e em um instante estamos a caminho do jantar que irá acontecer em um importante hotel da Dinamarca. Royale I´ntertic Cambrigigk of Denmark. Demorei um dia só para pronunciar uma silaba, imagina o nome inteiro.

O caminho é rápido e em um instante estamos na frente do hotel com câmeras e jornalistas para todo lado. Saio do carro e escuto os flashs sendo disparados contra mim e como Sr. Gistovisc me ensinou, sorrio e aceno com delicadeza com uma mão. A outra eu segura a minha bolsinha preta pequena.

Subo as escadas e entro no hotel com o pé direito. Esse jantar tem que ser perfeito, como Sr. Gistovisc disse.

 

 

​CONTINUA....

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Esse jantar... muitas coisas vão acontecer...!!!
O que vcs acham que aconteceu?
E porque ela estava chorando?
;0 :)
Só nos próximos caps!!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...