História Uma Nova Vida - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Alteza, Amor, Atualidade, Coroa, Dinamarca, Estados Unidos, Família, Garota, Garoto, Love, Majestade, Nova York, Originais, Paixão, Princesa, Principe, Rainha, Realeza, Romance
Exibições 58
Palavras 2.548
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


OLÁ! Este é um bônus sobre a historia para vcs ficarem bem ligados na historia :) Será narrado em terceira pessoa.
Pessoal, eu vou começar a postar a historia no Wattpad também, mas também postarei aqui

Ps.: O bônus esta bem dramático
O BÔNUS TRATA DE HISTÓRIAS ANTES DA PRINCESA

Capítulo 6 - Bônus - Do começo ao fim de tudo


 

BÔNUS

 

 

Segunda-Feira  11\10\1960

Hoje, segunda- feira, seria o dia em que a herdeira de George Morrighan Campbell retornaria á família real sendo nomeada como rainha da Dinamarca. Elizabeth estava preocupada, afinal, sempre foi criada como uma dama, mas uma dama que brinca na lama e joga futebol com seus amigos e as crianças. Até onde ela sabe isso não é uma atitude de rainha. Sua mãe Beatrice sempre lhe disse que deve se orgulhar da família e honra-la, ser princesa ou rainha não significa coroa, vestidos, títulos, bailes... Ser rainha significa se importar com a população. Mas Elizabeth tem apenas 18 anos, não sabe nada além de dividir balas entre crianças quanto mais saber governar um país.

20:00

Os belos cabelos loiros de Elizabeth fazia um belo conjunto com sua capa. Seus olhos estavam mais abertos do que nunca enquanto o padre falava e colocava a coroa em sua cabeça. Elizabeth se virou diante das pessoas que lá estavam e falou seu juramento como rainha, olhando para cada pessoa que aparentava uma esperança, uma fé, ou uma felicidade de um país. Diante daqueles olhares ela fez um juramento mentalmente para ela. 

´´ Irei cuidar desta população e deste país. Estes olhares de esperança nunca se apagaram, enquanto eu estiver neste trono a esperança reinará na Dinamarca juntamente com a fé e a felicidade´´

Diante daquela grande população ela percebeu que poderia ser uma grande rainha, ela poderia ser a rainha da Dinamarca

29\09\1962   Sexta- Feira 

 Elizabeth estava cansada de governar a Dinamarca sozinha. A população ficava cada vez mais impaciente querendo um rei para governar junto com a rainha.

E foi exatamente em uma tarde chuvosa do dia 29\09\1962 que a rainha Elizabeth estava indo visitar um orfanato de crianças que a chuva começou a ficar forte e decidiram que o melhor a fazer era parar na casa Real dos Linffort  e esperar a chuva passar. Elizabeth estava vestindo um vestido de uma marca muito famosa em toda Europa, com seu vestido Channel, seu sobretudo cor de pele, e o cabelo arrumado de uma forma sofisticada que estava muito na moda. Elizabeth nunca ligou muito para a moda, mas uma rainha deve sempre andar com roupas bonitas.

Elizabeth foi recebida na casa dos Linffort com muito conforto, lá ela conheceu a todos. Conversou muito com o duque Louis Harisson, este aparentava ter a idade dela - 20 anos - e também era muito bonito, com seus cabelos pretos e seus olhos claros. Parecia um príncipe, Elizabeth não sabia, mas esta tarde chuvosa iria mudar a vida dela completamente. Nesta tarde Elizabeth conheceu seu melhor amigo, seu amor, namorado, noivo, marido e o futuro rei da Dinamarca, o duque Louis Harisson.

01\12\1965  - Domingo   - Dia do casamento de Rainha Elizabeth e Duque Louis Harisson De Linffort

Elizabeth estava bela em seu vestido branco como a neve e rendado. Seu vestido veio de uma estilista renomada da Dinamarca. Se olhou no espelho e desta vez não via uma menina loira de olhos claros ou a rainha da Dinamarca, Elizabeth via a noiva apaixonada de Louis Harisson. Pela primeira vez na vida ela teve a certeza de aquele era o seu conto de fadas com um felizes para sempre. Agora ela teria um nome de apaixonada, não um nome de casada.

6\11\1973  - Terça - Feira   - Nascimento da Princesa Gabrielle Marie Morrighan Campbell Linffort 

O país estava em festa! Gabrielle nasceu saudável com os olhos do pai e os cabelos da mãe. Depois de muitas especulações sobre a rainha ser estéril, Elizabeth deu á luz a uma linda menina que seria a herdeira do trono da Dinamarca. Em seus olhos ela viu a esperança que ela havia prometido no dia de sua coroação. 

08\01\1976  - Sexta - Feira  - Nascimento do Príncipe Philip Morrighan Campbell Linffort 

23\07\1983  -  Segunda - Feira   - Nascimento da Princesa Amélia Morrighan Campbell Linffort  e infelizmente o último suspiro da Rainha Elizabeth Charlotte Morrighan Campbell Linffort da Dinamarca.

Durante a gravidez da Princesa Amélia, Elizabeth já sabia dos riscos que teria. O médico tinha lhe recomendado aborto, mas ela não queria que aquela criança que não tinha culpa de nada morresse por livre e espontânea vontade de uma mãe. A gravidez não foi fácil, Elizabeth teve que aguentar muitos desmaios, vômitos, tosses que vinham com sangue... Ela já não conseguia comer direito, mas fazia um esforço para não deixar que o bebê saia prejudicado. Ela não queria que ninguém sofresse, somente ela sabia que estava morrendo aos poucos e fazia de tudo para esconder. Enquanto algumas pessoas não sabem que dia vão morrer ela sabia exatamente o dia, ela iria morrer no dia em que sua filha nascesse. Elizabeth deixou tudo pronto para quando ela nascesse, o quarto era digno de uma princesa, o enxoval que ela tinha escolhido com tanto carinho, o nome que ela escolheu era em homenagem a primeira mulher a pilotar um avião, Amélia, um nome americano que simbolizava força de vontade e coragem e era o que ela desejava para a filha, coragem para crescer sem a mãe. 

No parto Elizabeth perdeu muito sangue e acabou tendo um parada cardíaca. Ela morreu ás 00:16 segurando a mão de seu amado e olhando para a última coisa que viria na sua vida, sua filha Amélia com seus olhos azuis e sussurrou suas últimas palavras

- Eu amo vocês - Agora o país não tinha apenas perdido a Rainha Elizabeth, o país tinha perdido a Elizabeth, mulher, mãe, esposa, e acima de tudo uma cidadã.

 11\10\1991 - Sábado  - Coroação de Gabrielle Marie Morrighan Campbell Linffort 

Gabrielle já tinha chorado todas as suas lágrimas, ela achava uma injustiça ter que se tornar rainha aos 18 anos. Desde que perdeu sua mãe ela não conseguiu fazer nada, ela tinha apenas 10 anos quando seu pai chegou com o olho vermelho de tanto chorar e lhe contou que sua mãe tinha ido morar com os anjos, de inicio ela não entendeu o que era ´´morar com os anjos´´, mas depois de perceber que sua irmã Amélia tinha chegado do hospital e sua mãe não estava junto que ela percebeu o que era ´´morar com os anjos´´. Gabrielle teve que crescer rápido, ela era como uma mãe para Philip - que na época tinha apenas 7 anos - e para a pequena Amélia, que nunca veria o rosto angelical de Elizabeth. Sua adolescência foi simplesmente aprender a como ser rainha, aulas de etiqueta, bailes, reuniões, além de cuidar de seus irmãos, ela é como uma mãe para eles. Gabrielle se lembra de quando tinha 16 anos e seu irmão tinha sofrido a sua primeira decepção amorosa da vida dele e ela quem consolou ele, também se lembra de quando sua irmã Amélia aprendeu a andar e ela quem lhe ensinava, cuidava de seus machucados quando brincava de bicicleta nos jardins do palácios e caia. 

Gabrielle ajeitou seu vestido rosa delicado e se preparou para governar o país. Ela pensa que nunca será como a mãe, sua mãe era a governante perfeita junto com seu pai Louis. Seu pai havia falecido um ano antes e por isso que agora, com 18 anos já que atingiu maioridade ela vai ser coroada rainha da Dinamarca. Se olhou no espelho e tentou limpar as lágrimas que insistiam em cair, seus cabelos loiros iguais os da mãe estavam presos em um coque que não tinha nenhum fio solto. Seus olhos verdes azulados estavam iguais vidros devido ás lágrimas que ameaçavam cair.

19:00  - Gabrielle foi coroada rainha da Dinamarca diante do povo dinamarquês 

00:00  

Gabrielle estava cansada da festa que estavam dando em sua homenagem devido a coroação. Então foi ao jardim e se sentou em um banco em frente a fonte que mostrava anjos jorrando água

- Você parece cansada - Falou uma voz que logo fez Gabrielle se levantar em alerta - Calma, não vou fazer nada princesa

- E quem seria o cavalheiro? - Falou tentando se fazer de autoridade

- Me desculpe, sou Henry Edwards. Filho de Madalene Edwards - Claro, pensou Gabrielle, Madalene era a criada de sua mãe e melhor amiga da mesma. 

- Claro. Você sabe que eu não sou mais princesa... Infelizmente - Gabrielle desta vez falou tentando não ser muito convencida, afinal, ela estaria jogando na cara dele que ela era sua rainha e Gabrielle não queria passar esta impressão 

- Sim eu sei. Mas eu acho que Princesa seria um bom apelido para você, afinal, você não quer que eu te chame de rainha... 

- Claro que não, mas porque você acha que princesa é bom para mim. Você mal me conhece

- Princesa é bom para você pois princesas são lindas e você é a princesa mais bonita

Gabrielle sorriu e sentiu dentro de si uma explosão no seu coração, e não sabia o que era. Mal ela sabia que aquele era só o começo de uma grande historia de amor entre um princesa e o filho de uma criada que futuramente viraria o rei da Dinamarca.

07\02\1992 - Domingo  - Casamento de Gabrielle Marie Morrighan Campbell Linffort e Henry Edwards Wright Moore

Gabrielle estava vestindo um belo vestido leve no tom off-white, sua maquiagem era simples, afinal, ela iria se casar na praia. A decisão de se casar na praia foi muito contrariada pelos irmãos e pelo povo que insistiam que ela tinha que ter uma cerimônia digna de uma princesa, mas ela sabe que não é necessário uma grande cerimônia com vestidos grandes para ser feliz. O único desejo dela era felicidade e muito amor nesta nova fase da vida.

03\08\1963 - Quinta - Feira   -Coroação de Henry Edwards Wright Moore, futuro rei da Dinamarca 

21\05\1997 - Quarta - Feira   - Nascimento dos gêmeos Victor Morrighan Edwards Campbell Philip e Clarissa Eliza Morrighan Campbell Edwards 

Os gêmeos mais queridos do país nasceram! O país inteiro festejou até tarde naquele dia. Gabrielle e Henry estavam mais felizes do que nunca, seus filhos nasceram saudáveis e fortes, Gabrielle teve todo o apoio do amado durante o parto, ela teve uma pequena crise de pânico antes de dar a luz devido a última gestação de sua mãe Elizabeth mas ocorreu tudo certo. Era a maior felicidade que ela teve na vida, agora ela poderia cuidar de seus filhos com todo carinho e futuramente aumentar a família. 

30\08\1997 - Quinta - Feira  - Último dia dos Morrighan no trono Dinamarquês

Depois de checar pela milésima vez os seus filhos no quarto, Gabrielle voltou para sua sala onde o marido também estava. Ela estava sentindo que alguma coisa de ruim iria acontecer e não desgrudava os olhos dos filhos por nenhum momento, mas como ela é rainha, ela não pode ficar o dia inteiro no quarto de seus filhos. Gabrielle estava conversando com seu amado quando a sirene vermelha estava tocando por todo palácio. O vidro da janela da sala foi quebrado no momento em que homens de preto entraram no local, Gabrielle levou um susto e seu marido Henry virou bruscamente para trás enquanto os homens entraram. Pegaram Henry e deram um tiro em sua cabeça, Gabrielle não conseguia acreditar que o seu marido havia levado um tiro, o sangue vermelho de Henry se espalhava pela sala enquanto na mente dela passava todos os momentos de sua vida com o amado, desde o encontro no jardim que ela foi dormir com um sorriso enorme no rosto até as últimas palavras dele neste dia. A porta foi bruscamente arrombada revelando os guardas que começaram uma troca de tiros enquanto um homem ia levando Gabrielle para fora da sala, ela estava em choque, em um momento estava com Henry e em outro o sangue vermelho do mesmo estava sendo deixado como uma marca pela sala e pelo resto da vida de Gabrielle. Ela estava a ponto de ter um ataque de pânico quando as lágrimas quentes em seu rosto lhe fez lembrar do carinho das mãos quentes de seus filhos, a herança que seu amado havia deixado.

Gabrielle foi correndo para o quarto dos filhos e pegou uma manta branca para cada e os enrolou. Pegou papel e caneta e escreveu uma única frase em cada papel ´´Vocês são a esperança que a Dinamarca precisa, amo vocês incondicionalmente.´´ Desabotoou seu pingente do pescoço e colocou junto com uma das cartas no manto de Clarissa, e pegou seu anel e colocou no manto junto com a carta de Victor, beijou seus rostos e chamou suas mais próximas criadas, Alice e Donna. As três mulheres sairão do quarto, Alice estava carregando Clarisse e Gabrielle estava carregando Victor, Donna estava com uma pequena mala com roupas de sua rainha e das crianças caso precisassem. As três foram para o carro mas antes de chegarem Donna foi baleada na costela e falou para elas irem pois ela não iria aguentar, Gabrielle foi mas com o coração despedaçado. Alice foi dirigindo e Gabrielle foi no banco de trás chorando e segurando os bebês que choravam histericamente, ela estava a beira de um ataque de pânico, mas se mantinha firme. Elas estavam perto da casa Real Linffort e Garielle falou para parrarem lá pois teria que deixar as crianças a salvo. Gabrielle saiu do carro segurando Victor e correndo com seu vestido de seda até a porta, deixou Victor e voltou para pegar Clarissa e entrarem na casa, por tanto um tiro a impediu de fazer isso. A primeira coisa que ela sentiu foi um incomodo, depois veio uma dor forte que nunca tinha tido na vida, naquele momento ela soube que tinha levado um tiro nas costas e não daria tempo de salvar sua filha Clarissa. Seu joelho caiu no chão com o peso de seu corpo, depois ela caiu deitada no gramado do lindo jardim Linffort, Gabrielle morreu olhando para o céu azul, o mesmo céu que um dia ela estava observando as nuvens e seus formatos com os irmãos, o mesmo céu que um dia deu seu primeiro beijo debaixo das estrelas, o céu, a última coisa que ela viu antes de dar o seu último suspiro e se juntar a seu amado, sua mãe e seu pai e ir ´´morar com os anjos´´

Alice percebeu que sua rainha havia morrido por um tiro que um rebelde tinha atirado de longe. Não pensou duas vezes antes de acelerar o carro e ir com a pequena Clarissa para fora da Dinamarca. Alice dirigiu durante horas até uma rodoviária, comprou uma passagem para ela e para Clarissa, foram até o aeroporto mais próximo e comprou uma passagem para os EUA. Quando chegou em Nova York, era uma noite chuvosa e fria, estava passando com o taxi novaiorquino pelas ruas. Clarissa estava chorando de fome, Alice pensou e viu uma casa acolhedora na rua

- Pare! - falou ao taxista que logo parou com um solavanco 

Alice estava cansada demais para pensar em outra opção. Deixou a pequena na porta da casa e tocou a campainha, correu para o taxi e falou para esperar. A porta foi atendida por um casal jovem que logo depois de um minuto pegou a bebê e levou para dentro.

                                                                                                                                                                                                                                  

´´Aquela bebê é a herdeira do trono da Dinamarca e um dia ela voltará, assim como sua avó Rainha Elizabeth voltou um dia.´´

 

 

 

 


Notas Finais


Woooowww!!!!! Esse bônus esta bem dramático em? O que vcs acharam dele. Futuramente que pretendo fazer outros bônus pois tem muita historia a ser explorada e descoberta.
Como já falei, eu vou começar a postar esta historia no aplicativo do Wattpad :) :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...