História Uma P... Vingativa - Capítulo 12


Escrita por: ~ e ~JoonJye

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Personagens Originais, Suga, V
Tags Comedia, Hoseok Crush Delicia, Jikook, Jimin Libriano, Jungkook Vacilão, Justin Minhoquinha, Suga Hétero Ou Não, Taehyung Puta, Traição
Exibições 132
Palavras 1.944
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 12 - Vai para a puta que pariu


Fanfic / Fanfiction Uma P... Vingativa - Capítulo 12 - Vai para a puta que pariu

Tipo assim, né, eram duas da tarde de uma linda quinta-feira. Linda só na minha mente, pois ‘tava chovendo mais que a desgraça. Sério, as ruas perto da empresa não são cheias de lixos no chão, mas era bem capaz de ocorrer uma enchente. Trovões altos e, infelizmente, uma queda de energia.

Mas, para mim, o dia continuava sendo maravilhoso. Porque, em nome de Jesus? Porque Jung HoSeok, meu crush lindo, dispensou todos antes do horário normal, preocupado se chegaríamos em casa bem. Assim bem, eu estaria na cama dele, mas já que ele não quer e eu tenho namorado, quem sabe na próxima?

Já que não tinha energia, lá se foi um bando de sedentário descer quinze lances de escadas, foi hilário ver o povo ameaçando descer tudo rolando. Ri demais. Como eu sou fitness. nem tive esse problema. Desceria e subiria tudo umas quinze vezes, certo? Não, uma só é o suficiente. Ainda mais para o meu ser que vai enfrentar ônibus lotado.

Falando nisso, será que tem ônibus circulando? Sei lá, né, não tem energia, vai que…

- Quietinho. - Eu ouvi alguém dizer, enquanto sentia alguma coisa cutucando minha costa. Por Deus, eu estava rezando para ser uma arma e não a piroca do cara. Que foi? Sou gay e rodado, mas não quero ser estuprado (Uhul, rimou 0/). - Passa tudo que você tem. - Sabe quando você começa a lembrar de toda a sua vida? Eu estava me sentindo do mesmo jeito, só que as memórias eram relacionadas a tudo que eu tinha na bolsa.

- Não! - Exclamei, querendo subir a porra dos quinze lances de escadas e me jogar da janela.

Eu não falei mais nada, ele também não e, para mim, ok. Desde que eu não morresse, fosse estuprado ou roubado, ok ele ficar em silêncio.

- Você tem certeza, Park JiMin? - Rapaz, tudo que estava ok, deixou de ficar ok no mesmo segundo. Tirei minha mochila, meu celular do bolso e tirei a minha blusa. - Pode ficar com essa blusa barata! - Exclamou e eu congelei na hora. Ele. Não. Falou. Isso.

- Escuta aqui, pedaço de gente do caralho. - Virei-me e congelei de novo, vendo aquela cabeleira verde e mais duas num, literal, arco-íris. - Vai se foder, YoonGi. - Falei pegando as minhas coisas do chão. - Eu quase infartei! Se eu tivesse sequelas, você que ia cuidar de mim, sua puta feia. - Reclamei e ele fez uma cara de “Comué?” e eu fiz que nem aquelas patricinhas, estralei meus dedos e mexi meu pescoço.

Dei uma jogadinha de cabelo (não deu certo, meu cabelo é curto T.T) , virei e fui embora, lacrando e sambando na cara desse gasparzinho. Hã, onde já se viu, brincar com os sentimentos de uma socialite fina e educadíssima como eu? Pediu para ser ignorado, apenas.

- Park JiMin, volta aqui agora, seu projeto mal sucedido de mini-tanajura. - Sabe quando você congela? Você ainda está respirando e piscando, mas seu corpo e sua mente estão completamente parados? É eu nesse exato momento. Essa folha de papel sulfite acha que pode me xingar!

- Escuta aqui, sua albina desnutrida. - Falei,  olhei para cara dele e minha voz não sai mais. - Vai para puta que pariu, tá? - Falei, irritado e fui embora, escutei YoonGi gritar meu nome, mas ignorei mesmo! Affs, eu estava tão feliz. Por que Min YoonGi sempre faz o meu dia maravilhoso ficar uma bosta?

Fiquei irritado até com o guarda-chuva, o bichinho era tão colorido, esbanjava alegria com as cores do arco-íris e as flores em branco, mas, merda!, eu tava puto da vida!

- Para de frescura, viado! - Esse alface podre segurou meu braço e me puxou para debaixo de uma marquise, passou um vento tão forte que a porra da lona voou junto com o meu guarda-chuva. Ambos indo para longe enroscados como dois amantes fugindo juntos. - Olha, eu vim aqui, nesse dia maravilhoso, com esse sol de você colocar uma leiteira com água e ovo dentro, o bang cozinha, nessa benção de calor dos infernos, eu saí. SAÍ de casa para te buscar e você ainda faz isso?

- Olha aqui, meus sentimentos de Kim Kardashian contrariam sua boa vontade de sair da cama. - Retruquei, ficando todo molhado. Óbvio né, tanajura, você ‘tá na chuva, ficar seco é que não vai ocorrer. Bicho burro da peste, impressiono-me comigo mesmo às vezes. - De qualquer forma, o que você quer? - Ele olhou com uma cara de “Comué?” de novo e eu revirei os olhos. - Você não viria me buscar só porque quis, algum motivo tem que ter!

- Olha, vai para puta que pariu, tá? - Falou irritado e revirando os olhos também. - Eu preciso de um favor seu e você vai fazer! - Pegou um dedo e começou a cutucar meu ombro enquanto falava, como se fosse a vadia mais assustadora do pedaço. - Eu preciso que você pare de frescura, compre um teste de gravidez e faça a SooYoung usá-lo e traga-o para mim depois.

- Olha, monamour, tem duas coisas que eu não sou. Obrigado e tuas negas. Passar bem. - Não era como se eu estivesse realmente muito bravo ou que eu não fosse ajudá-lo, eu iria, mas ele não iria precisar saber.

- JiMin, por favor. - Ele falou segurando o meu braço quase chorando, suspirei e confirmei. Ele me abraçou e agradeceu muito.

- Agora eu quero saber como eu vou fazer a menina fazer xixi no bang sem ela perceber! - Ditei pensativo. Não ia chegar nela, arrastá-la para o banheiro e dizer “Isso é quase um sequestro, faz xixi no teste!”, pô, num dá, né?!

- Sabe o que você precisa fazer? - Perguntou vendo a chuva começar a ficar mais forte ainda e não ter nenhuma chance de sobrevivermos ou chegarmos em casa com todos os membros intactos. - Tomar medidas drásticas. - Falou.

- Really, nigga? - Perguntei suspirando de novo e prevendo como eu faria isso. - Não tem como fazer isso. Sei lá, fica com ela, marca uma consulta e leva ela.

- Eu já tentei, mas ela não quer ir comigo. Por que você acha que eu estou estranhando essa história?

- Meu Deus, com tanto tipo de preservativos, com ou sem gosto, pílulas e outras coisas… Como você fez isso?! - Perguntei indignado.

- Foi assim ó, ela estava só de lingerie e-

- Cala a boca, senão eu vou tomar as medidas drásticas com a minha mão na sua cara! - Usei a frase dele. Porra, bem desnecessário essa informação. Amigo meu é que nem mãe, a gente sabe que fode, mas não queremos realmente acreditar, isso fica bem profundo no coração e na mente.

- Como você acha que foi feito?

- Meu pai fez um desenho meu no computador e minha mãe imprimiu. - Falei como se fosse óbvio. - Você achou que eu acreditava na história da cegonha ainda? Buff, isso é tão dez anos de idade. - Falei rindo cínico. - Como você acha que foi feito?

- Pelas cegonhas é que não foi! - Exclamou rindo junto comigo. - Mas, falando sério, você sabe que nasceu de parto natural, não é?

- É claro, não há impressora no mundo que precise de uma cesária! A não ser quando o papel encalha, aí não tem escolha, mas um deles sempre morre. Como eu tô firme e forte e a impressora também… - Ele negou com a cabeça enquanto ria.

Que é, minha mãe é uma santa? Vai morrer como nasceu, virgem, em nome de Jesus. Me recuso a  pensar que minha mãe… Só me recuso!

- Você não vale um centavo! - Falou enquanto ria.

- Claro, eu valho um trilhão deles. Só as mais importantíssimas são assim. - Falei jogando o que dava do meu cabelo para trás e respirando profundamente como uma linda dama.

- Mais importantíssimas das putas, né?! Só se for! - Exclamou rindo mais ainda da cara que eu fiz. O que me irrita é que eu nunca tenho argumento contra Min YoonGi, nunca mesmo. Quando tenho, ele consegue pensar num  contra-argumento e acabar com a minha vida. “I’m God, you know?”é o que ele me diz toda vez que eu reclamo disso, então eu apenas aceito e uso minha frase de sempre.

- Vai para puta que pariu, ok? - Esse é o máximo de um argumento bem articulado que eu tenho.

 

E aqui estava eu, sentado na minha mesa, olhando para a tripa seca, que estava lixando a unha dela enquanto lia um jornal jogado na mesa dela. Meu ódio estava tão grande, ela tem o meu emprego dos sonhos! Ser paga para não fazer porra nenhuma!

Balancei a cabeça, não era momento para ficar pensando nisso. Eu tinha que arranjar alguma desculpa para que ela faça xixi no meu pau. Não compreendam mal, eu comprei a porra do teste então ele é meu, foi com o meu dinheiro, porque nem para isso YoonGi prestou.

Fiquei mordendo a tampa da caneta, olhando para o papel em minha mão e acabei por me distrair e fiz o meu trabalho sem perceber. Não tinha muita coisa, ontem acabou a luz e era para ter muita coisa. Ou eu estava rápido demais ou os outros estão trabalhando devagar de menos -uns nem trabalhando estavam.

Sério, se eu fosse o dono da porra toda, ela ia sofrer na minha mão. Não ia demitir ela logo de cara, ah, não, eu ia fazer ela sofrer. Eu fui mandado ao mundo para sofrer, então alguém tem que sofrer junto comigo e ela está no topo da minha lista negra. Eu não ia fazê-la sofrer, ela que se colocou nisso, agora ela que aguente.

Aliás, não vai aguentar nada, não sou o dono da porra toda.

- Dá, por favor, para fazer seu trabalho? - Pergunto irritado, ela faz uma bolha em seu chiclete, me olha e volta a fazer o que estava fazendo, dando de ombros.

- Nah, não. - Falou baixo.

- Anda! - Reclamo irritado.

- Você não é dono dessa empresa, muito menos meu chefe. - Falou debochando de mim e, touché, amiga, essa foi bem no lugar certo. Bem que eu queria ser, pelo menos, o chefe.

- Pelo menos, meu namorado não me trocou por ninguém. - Falei, vendo-a ficar vermelha de raiva e eu finalmente me toquei do que eu tinha falado. Puta merda, autodestruição rolando solta por aqui, me fodi e, por incrível que pareça, foi por mim mesmo. - Ah, quase me esqueci. Preciso que você faça xixi nesse pote.

- Para que? - Ela pegou o copinho que eu estendi. Ela estava desconfiada.

- Você não fez o Check Up antes de entrar aqui. - Falei e ela abriu a boca para me contrariar, apenas levantei a mão e fiz um não. - Por favor, se poupe, me poupe, nos poupe, ok? Eu dei uma olhada nos resultados que você entregou para o RH, então eu sei da verdade. Vai logo fazer a merda do Xixi. - Menina, mas eu joguei um verde tão grande, que não me surpreenderia se o Hulk viesse reclamar. Eu menti tanto, mas tanto, que -se eu fosse o pinóquio- eu teria um nariz quilométrico. E, no entanto, ela levantou e foi para o banheiro.

Eu fiquei tipo “Whaaaaat?!”, mas coloquei minha melhor poker face quando ela voltou e me entregou o pote, coloquei uma luva de borracha -como ela apareceu lá, eu não sei-, peguei o pote e sai andando.

- Você conseguiu?


Notas Finais


QUEM SERÁ ESTA ALMA PENADA NO FIM DO CAPÍTULO? SERÁ MIM YOONGI OU UM OUTRO PERSONAGEM MISTERIOSO??? /eu falo que odeio quando alguma autora faz isso, mas eu sou igualzinha o.O eu não presto.
JiMin, a bisha mais mentirosa que você respeita!!!!
Min YoonGi simplesmente não dá uma dentro, sério, engravidou a mina!!!! Ou não engravidou? *risinho maligno*

Enfim, até o próximo ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...