História Uma Princesa Entre Nós - Capítulo 25


Escrita por: ~

Visualizações 149
Palavras 2.846
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoal tudo bem com vocês?

Me desculpem por não ter postado capítulo na semana passada, estava recheada de trabalhos da escola para fazer e acabei ficando sem tempo para terminar o capitulo 😩

Mas enfim. Espero que gostem desse capítulo

Boa leitura 📖

Capítulo 25 - Os 80 Anos da Rainha


Fanfic / Fanfiction Uma Princesa Entre Nós - Capítulo 25 - Os 80 Anos da Rainha

Já que o aniversário de minha vó está chegando, resolvi pintar alguma coisa para ela

Se vai ficar bom? Provavelmente não, já que eu não sei pintar direito

Tomara que minha mãezinha la do céu me ajude

Primeiro pensei em fazer algumas coisas abstratas, com alguns rabiscos, depois pensei em fazer um retrato dela. Passaram várias idéias em minha cabeça já estava desistindo quando me veio uma ideia

3 horas depois...

-Maria, já está acabando? -pergunta Catarina sentada na cama e com cabeça apoiada sobre as mãos -Temos que descer pro almoço

-Já vamos descer, já acabei bem...aqui -falo dando o último toque -Até que não ficou tão ruim(risos)

Catarina se aproxima para olhar

-Tá brincando? Ficou MARAVILHOSO...você estava mentindo quando disse que nunca pintou ne? -pergunta ela analisando a minha mais nova obra de perto

-Catarina, la no Brasil eu mal tinha um lápis de cor, tu acha que eu teria tinta e tela? -pergunto séria

-As vezes me esqueço desce teu passado -fala ela -Eu não conheço muito de arte mas o quadro tá bonito

-Bora descer pra comer logo, estou quase desmaiando de fome -falo

Descemos para o almoço, não tinha ninguém na mesa. Morgana e Julie viajaram para Paris em busca de vestidos para a festa

Vejo Henry vindo em minha direção o sorriso já se espalha por meu rosto

-Anda alteza temos que te preparar para a festa -fala Thomas me puxando pelo braço

Henry para no meio do caminho. Limpo minha boca com um guardanapo e acompanho Thomas

-Eai mano o que vai ser dessa vez? -pergunto

Adorava irritar ele com essas gírias paulistas

-Mano? -pergunta ele

-Nunca se deve responder uma pessoa com outra pergunta -falo

Tinha aprendido isso nas aulas de etiqueta

-Vamos escolher alguns vestidos, maquiagem, cabelo ... -falava ele

Maldita hora que eu fui perguntar. Thomas não parava mais de falar o que íamos fazer.

Catarina nos acompanhou até um dos quartos. Nesse quarto estava recheado de araras com vestidos coloridos e opacos, um espelho enorme e uma luz branca.

Começamos testando cabelos e maquiagens depois Thomas me fez vestir mais de 20 vestidos até escolhermos um

-Quem vai estar na festa? -pergunto enquanto ele ajustava o vestido no meu corpo

-Ministros e amigos -fala Thomas concentrado -Não vai ser nada chique é apenas para não passar em branco

-Não ser chique pra mim é só um bolo de chocolate com granulado por cima -falo

-Com certeza não vai ter esse tipo de coisa -fala Catarina

-Bem que poderia rolar um bolinho de chocolate com guaraná seria top -falo

Thomas me espeta com um alfinete

-Comece a falar direito -fala ele

-Irei providenciar alteza -fala Catarina saindo rindo

-Sabe Thomas eu não sei pra que essa festa. Eu realmente acho melhor fazer só um bolinho -falo -Por que aí não precisa de todos esses detalhes e todo esse trabalho. Tudo isso só para um bando de gente vir comer a nossas custa e ainda sair falando mal

-Precisamos fazer essa festa porque é tradição te-la todo ano -fala Thomas

-Mas minha vó não está em condições de ficar curtindo festa -falo

-ESCUTE PRINCESA a sua vó está morrendo e ESSA pode ser a ULTIMA festa da Rainha então iremos faze-la pra ela pelo menos se sentir feliz um dia do ano porque sabe de uma coisa? -pergunta Thomas me encarando -Talvez ano que vem ela não esteja mais aqui e talvez ano que vem estejamos comemorando UM ANO DE SUA MORTE!!

Me assusto com todas essas informações, e de pensar nesse futuro...queria minha vó para sempre comigo aqui do meu lado. Essas palavras soaram como um facada em meu coração. As lágrimas chegam aos meus olhos e embaçam tudo

-Thomas! THOMAS! -Vem gritando de longe Abigail que entra no quarto -A Rainha (respiração) A Rainha (respiração) Vá ver a Rainha

Abigail estava bem ofegante ela vinha correndo

Thomas larga tudo e sai correndo para o quarto de minha avó, me deixando sozinha em cima de um banco bem alto.

Abigail me olha de cima a baixo e vira as costas

Não conseguia descer dali. O vestido me impedia de pular. Fora que o chão estava lotado de agulhas e alfinetes

-Quer ajuda ai?

-Se ajudar a Princesa indefesa ganha recompensa -falo

Henry entra me pega pela cintura e me coloca no chão, longe dos alfinetes

O dou um beijo demorado e um abraço apertado

-Queria esse beijo desde de manhã -fala ele

Sorrio levemente

-Princesa? -entra Abigail com tudo na sala

Vou para o lado de Henry. Nos olhavamos. Esperávamos alguma reação de Abigail

-Thomas ordena que a alteza suba agora -fala ela

Saio correndo e esbarro sem querer nela que estava parada na porta empatando a passagem

Subo as escadas com dificuldade, essa merda de vestido era pesado pacas

POV ABIGAIL

-Não vai me dizer nada? -pergunto encarando Henry

-Não devo explicações a você -fala ele passando por mim

-Como assim não deve explicação a mim, eu sou a mãe do seu filho...

Henry ia andando sem me dar atenção

-Henry, volta aqui! -grito

POV MARIA

-O que aconteceu? -pergunto ofegante abrindo a porta

Minha vó estava em uma cadeira de rodas e o médico do seu lado

-Mais uma recaída? -pergunto

-Sim -fala o médico- A senhora precisará andar nessa cadeira tente não fazer tanto esforço

-Menos do que eu já faço? -pergunta ela

-Sim Majestade -fala o médico saindo em seguida

-Como a senhora irá se locomover pelo castelo agora? Não tem rampas e nem nada -pergunto me sentando na cama

-Thomas? O elevador ainda funciona? -pergunta ela

-Posso ver Majestade -fala Thomas saindo

-Eu não sabia que tinha um elevador aqui -falo

-Não utilizamos muito, preferimos a escada que é mais prática -fala ela

-Vou desistir de fazer essa festa

-Como assim? -pergunto

-Maria não tem como eu dar uma festa assim, numa cadeira de rodas, não irei me sentir confortável -fala ela

Tá bem que eu não queria essa festa mas percebi que seria muito importante comemorar essa data e eu só pensava em sua felicidade ao ver os seus amigos

-A senhora tem que comemorar o aniversário vó, 80 anos só fazemos uma vez -falo tentando arrancar algum riso do seu rosto -Anda, não desista assim tão fácil, não deixe ela (a doença) te vencer

-Irei tentar só mais um pouco mas se eu me irritar com alguma coisa, eu juro que... -ia falando quando a interrompi

-Calma vó respira, vamos descer -falo me levantando

Realmente tudo que eu pedia ela fazia, ou pelo menos tentava

Levei minha vó dirigindo a cadeira pelos corredores. Encontramos com Thomas que afirmou que o elevador estava funcionando. O testamos e depois fomos para o quarto onde eu estava escolhendo o meu vestido

-Vamos escolher o seu vestido majestade -falo- O que a senhora acha de um vestido vermelho? -pergunto pegando um da arara

-Detesto vermelho -fala ela muzumbunda

-Claro! Já sabia disso -falo rindo meio sem graça

Ela e Thomas ficaram decidindo o vestido enquanto eu me trocava para o simples de todo dia

A ajudei a escolher um para a festa e a escolher as comidas.

-Vai ter brigadeiro? -pergunto

-Como assim? O que é isso? -pergunta Thomas

-Ah não, eu vou me retirar daqui -falo me levantando -Como assim o brigadeiro é o melhor doce DO MUNDO

-Calma Maria senta aqui e nos explica o que é isso -fala a minha avó

Expliquei para eles sobre os ingredientes, conversei com Adão e o ensinei a fazer um brigadeiro de panela

Ficamos até tarde da noite decidindo tudo acompanhados do bolo de chocolate

-Desculpe alteza mas o guaraná não encontramos -fala Catarina

-Tudo bem, sem problemas -falo

No dia seguinte...

O reino amanheceu em em festa. Volta e meia soltavam fogos e o sino da igreja tocava.

E foi em uma dessas badaladas que eu despertei assustada

-Bom dia -diz Catarina sem me olhar, ela estava focada em dobrar as roupas

-Bom dia -digo ainda meio sonolenta

Fui para o banho e depois para café

O povo já se reunia de frente a varanda onde a Rainha apareceria. As câmeras de alguns meios de comunicação também já se posicionaram na frente.

Na TV só se falava sobre o aniversário da Rainha

No mesmo dia ainda aprimorei o meu inglês, espanhol, francês e algumas coisas de etiqueta que a própria Catarina me ensinava já que Thomas estava ocupado com a festa. E Henry também me ajudava

-Aqui está ela, façam tudo o que eu disse para vocês -fala Thomas entrando no meu quarto, com uma prancheta nas mãos e uma equipe de 5 mulheres

-EPA EPA EPA o que é isso? -pergunto me levantando

-Elas iram cuidar da alteza hoje -fala Thomas -Henry me acompanhe, irei precisar de homens fortes lá embaixo

Thomas antes de sair nos apresentou todas elas e eu as comprimentei.

Não tínhamos visto as horas passarem. Já era mais de quatro horas da tarde

Me sentei na poltrona e elas começaram os trabalhos. Começamos pelo cabelo e unhas. Depois as meninas se dividiram, duas ficaram na maquiagem e três faziam alguns ajustes no vestido.

A maquiagem era simples e meiga o vestido era verde esmeralda sem manga

Chegou finalmente a hora de vesti-lo. Talvez um dos momentos mais difíceis (risos). Foi um puxa pra lá e um puxa pra cá até que finalmente consegui. Ainda houve os últimos ajustes no corpo e finalmente terminamos

POV CATARINA

-Obrigado meninas -fala Maria dando adeuzinhos e fechando a porta

A ajudei a calçar uma sandália alta. Era meio que impossível ela fazer movimentos muito bruscos com aquele vestidão

-Por umas partes é muito bom ser princesa agora por outras...-falo- Acho que já está na hora de descermos

-Será que já chegou alguém? -pergunta ela se referindo aos convidados

-Creio que sim, a festa ia começar as 18hrs -falo

-Vamos passar no quarto de minha avó antes -fala ela abrindo a porta e saindo

-Meu Deus em que chuchu -fala Henry nos fazendo rir e dando um beijo demorado em Maria- Aonde vocês estão indo?

-No quarto de minha avó -fala ela

-Ixi vi o Thomas entrando depressa lá -fala Henry coçando a nuca

Olho para Henry para ele ficar calado

Maria sai correndo em direção ao quarto

-Maria nos espere -falo

Saímos correndo atrás dela

POV MARIA

Ai meu Deus, o que foi dessa vez? Qualquer coisa que acontece no quarto de minha avó eu já penso no pior

Abro a porta com tudo e me deparo com uma das cenas mais chocantes e que talvez nunca irei me esquecer.

Minha vó estava sentada na cadeira de rodas em frente a sua penteadeira e Thomas penteava o seu cabelo calmamente

O que tinha de chocante nisso? Os cabelos de minha vó estavam caindo, por causa das medicações fortes. Em sua cabeça só restava alguns ralos fios e no chão tinha uma montoeira cabelos brancos

No reflexo do espelho via a sua expressão triste, sua magreza e sua palidez

Minha vó sempre foi muito vaidosa e a perda de seus cabelos provavelmente não estava sendo fácil

Não me atrevia a fazer nenhuma pergunta

Thomas logo que me viu caminhou até a mim

-Não deixe ela desistir da festa -cochicha ele saindo em seguida do quarto

Não sabia o que falar. Me aproximo dela e me sento na cama perto dela

-Sei que Thomas falou para você, mas já está decidido não irá ter festa -fala ela ainda se olhando no espelho

-Vó a gente já conversou isso antes -falo -Já está tudo pronto todos já estão lá embaixo

-Maria olhe para mim, olhe bem para mim -ela me encarava -Você acha que eu estou em condições de participar de festas? Eu estou morrendo....eu estou morrendo (choro)

A abraço e ela soluça. Era tão triste a ver assim. Aquela mulher alegre com o semblante feliz e as vezes megero não estava mais ali

-O que o pessoal vai achar de mim ao me ver sem cabelo, ao me ver tão pálida desse jeito? -pergunta ela

-Eles não tem que achar nada -falo- A senhora está doente não tem como parecer saudável. Doenças são comuns vó

-São comuns mas não em Rainhas -fala ela

-Para senhora ver que todos somos iguais, já cansei de falar isso para a senhora...A senhora e a pilastra desse castelo, qualquer fraqueza derruba tudo. A senhora é forte (seguro a sua mão)

Em seu rosto ainda descia algumas lágrimas a seco com os meus dedos

-Estarei com a senhora a todo momento e quando mais precisar, vamos enfrentar isso juntas -falo doce -Para mim você continua sendo a mais linda Rainha que já existiu

Ela sorri

-Agora vamos curtir essa festa e requebrar o esqueleto beleza? Toca aqui -estendo a mão

Ela me olha com a cara do tipo "Não vou fazer isso"

-Vai me deixar no vácuo mesmo? -pergunto

-Só você mesmo para me deixar fazer isso -fala ela rindo batendo em minha mão

-Não conte para Thomas -falo sorrindo -O que a senhora acha de usar um lenço?

-Ache alguém por favor -fala ela

-Que chamar alguem o que, deixa que eu faço -falo

-Não Maria eu acho melhor não -fala ela

Pego um lenço da cor do seu vestido (azul Royal) que estava guardado no closet

-Não prometo para a senhora nenhuma obra de arte (amarro o lenço) agora um batom VERMELHO

-Não já chega -fala ela desviando

-Nada disso -falo passando o batom -Gatona parece que até rejuvenesceu

-Para com isso se não eu vou acabar acreditando -fala ela rindo

-Meu amor? -fala meu vô entrando no quarto

-Robert! -fala ela contente

Meu avô a beija. O amor que eles tinham um pelo outro era muito visível

-Fiquei sabendo de tudo, saiba que eu te amo estarei do teu lado e que te acho linda de qualquer jeito -fala ele segurando em seu rosto e a beijando novamente

-Oi tudo bem? eu ainda estou aqui -falo atrapalhando o beijo

Meu avô me abraça

-E você querida o que foi esse negócio de rebelião? -pergunta ele

-Com o senhor ficou sabendo? -pergunto

-Passarinho azul -fala ele rindo

Referência: Minha vó estava de azul

Saímos do quarto. Eu conduzia a cadeira de minha avó e meu avô ia do meu lado eu ia contando para ele sobre a rebelião

-Vocês agora vão para a sacada e depois vão para o salão -fala Thomas surgindo

Meu avô conduz agora a cadeira de minha vó até a sacada. Eu olho tudo por trás.

Quando eles aparecem na sacada o povo não fala, nem aplausos, nem gritos, nada! Todos olhavam a Rainha. Esse silêncio durou vários minutos

Minha vó olha para mim como se tivesse pedindo ajuda. Apareci atrás dela, segurei a sua mão e olhava em seus olhos. Beijo sua cabeça recoberta pelo lenço

Aos poucos iniciam-se os aplausos, gritos e flexes sobre a gente. Demos tchauzinhos e sorriamos

Fomos para o salão principal

Descemos pelo elevador e aparecemos de surpresa já lá embaixo. O pessoal nos olhou espantado primeiro porque não nos esperava entrar por ali e segundo porque a Rainha estava de cadeira de rodas

Logo que chegamos eles nos aplaudiram e depois começaram a comentar sobre a Rainha

-Irei conversar com o Roman -fala meu avô saindo de perto de nós

Andávamos pelo salão e comprimentavamos o pessoal

A decoração estava incrível com bexigas de gás hélio, cortinas vermelhas, flores, serventes com comidas e bebidas em bandejas

Enquanto andávamos via um homem todo de terno me observando de longe. Nunca tinha o visto por ali. Não conseguia ver o seu rosto direito apenas o seu sorriso largo

-Está muito bonita Rainha -fala a Rainha Elizabeth

Minha avó me olha e da um risinho

-Tudo graças a minha neta -fala ela

-Tomara que Charlotte seja igual você querida -fala a Rainha

Por dentro eu estava tipo:

AI MEU DEUS ME DEIXA APERTAR SUAS BOCHECHAAAAS

E por fora fingi costume

POV HENRY

Estava observando Maria com o seu vestido verde em destaque pelo grande salão. Seu sorriso alvo encantador e sua simpatia com todos. Ela era diferente tinha um brilho louco

-O que foi meu filho? -pergunta minha mãe aparecendo atrás de mim

-Linda, delicada e de ouro -falo olhando Maria

-O ouro que você não tem Henry...O melhor que você faz e ficar longe dessa princesa foque em Abigail que espera um filho teu

-Não sei nem se esse filho é meu mãe -falo

-Não fale essa besteira meu filho, assuma o seu erro -fala ela saindo em seguida

POV MARIA

-Parabéns pra você...-começo a cantar e o bolo se aproxima

Era um bolo com vários andares super luxuoso. O pessoal fica em volta da gente em um círculo

Cantamos toda a música e depois cortamos o bolo. O primeiro pedaço foi para o meu avô e o meu foi o segundo

Após os parabéns começou a ser servido os brigadeiros como se fossem canapés (algo chique)

-Vó eu quero te entregar isso -falo com um embrulho em mãos -Eu espero muito que a senhora goste

A entrego e ela abre feliz, mas parece que o seu sorriso vai caindo

-A senhora não gostou? -pergunto aflita

As lágrimas escorrem pelo seu rosto. Essa não era a minha intenção, esperava a ver alegre

-Era (choro) a flor (choro) preferida do seu pai -ela chorava muito

A presença dele era muito forte ali naquele momento. Não só ali mas talvez em toda a minha vida.

Me agarro em minha vó e choro junto com ela. Meu avô chega no abraço também


Notas Finais


Não acredito! Você vai sair sem deixar nenhum comentário? 😱

🆘-Os comentários de vocês são de extrema importância, pois me motivam a escrever capítulos cada vez melhores e me ajudam a saber se você estão gostando da história

Vestido da Maria: https://pin.it/su3bt75tejfbgv


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...