História Uma promessa se quebrou!! - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 4
Palavras 899
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Harem, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Capitulo 2 - Que o inferno abra suas portas!


Fanfic / Fanfiction Uma promessa se quebrou!! - Capítulo 2 - Capitulo 2 - Que o inferno abra suas portas!

Aperto bem as faixas em meu braço para não corre o risco de se abrirem com a surra que com certeza irei levar, era uma rotina ridícula e bastante dolorida para uma adolescente de dezessete anos. Pego meu estojo de maquiagem e passo apenas um pó, lápis de olho e rímel para levantar meus grande cílios, arrumo meu cabelo e pego minha mochila.

Abro a porta do quarto, e vou em direção as escadas, desço elas de dois em dois como sempre fazia já que isso irritava a todos, pelo menos minha pele estaria em meu corpo por um bom tempo. Coloco minha bolsa perto da mesa onde ficava o telefone que jamais foi usado, entro na cozinha tendo a pior visão de todas...meu irmão Apoliom.

— Que roupa e essa Azami? - pergunta luciu.

— Uma roupa normal, não vê? - pergunto me sentando.

— O que disse? - pergunta socando a mesa.

— Querido, vamos comer! - Diz Carrie pegando em sua mão.

Não consigo comer essa gororoba logo de manhã, estava indo com minha dieta de passar um mês sem comer, mais minha Psicóloga e meu médico disse que não comia e que estava desnutrida. Me levanto fazendo todos me olharem inclusive meu querido irmão, pego a chave do meu armário da despença e pego dois refrigerantes e um pacote de salgadinhos.

Me viro vendo o olhar mortal de meu pai em cima de mim por ter levantado, vou até a onde minha mochila estava pegando ela é abrindo a porta, escuto os gritos de meu pai na cozinha. Fecho a porta e abro um dos refrigerantes e bebendo ele de uma vez, solto um singelo arroto chamando a atenção da velha fofoqueira que mora do outro lado da rua, balança a cabeça achando que isso me afetaria.

Jogo a latinha dentro do lixo e vou andando até a parada de ônibus na esquina, abro o pacote e começo a comer ele nem ligando para o que acontecia em minha volta. Minha vida nunca foi interessante como pode ver, sou a filha mais nova de um famoso traficante de drogas, mais que nos momentos livres ataca de empresário de ração para animais.

Aos oito anos fui estrupada por um amigo de meu pai e meu tio que amava acima de qualquer coisa, depois disso as coisas foram diferentes do que pensei. Tudo mudou, fui acusada e criticada por ter seduzido o delegado, minha família me odeia mais que tudo nessa vida, a promessa que fizeram quebraram primeiro.

Meu irmão passou a me odiar de uma forma que destruiu todo o meu maldito mundo, entrei em depressão. Me corto, me furo, me rasgo como perceberam, tenho síndrome do pânico e desmaio quando sou jogada contra a parede, minha vida escolar não é uma das boas.

sofro na escola desde os oito anos de idade por culpa daquele maldito, ele foi declarado inocente perante a sociedade enquanto eu era a maldita culpada de tudo. Não tenho amigos e os que tive um dia junto com os outros atormentam minha vida e meu juízo, o ônibus para na parada e entro dele.

pago a minha passagem e vou para o fundo do ônibus com os olhos dos estudantes sobre mim, me olhavam com nojo e por incrível que pareça me odeio também. Meu irmão entra no ônibus e todos começam a gritar seu nome, ele era um dos populares fazer o que não é...ninguém e perfeito nessa vida e nessa família.

Ele me olha e fica alguns segundos assim, mais com a chegada de perla sua namorada vadia ele desviou o olhar e agradeço muito por isso, encosto minha cabeça na janela e olho para as lojas daquela cidade. A escola não era longe, mais para mim era uma eternidade de sofrimento, papeis higiénicos começaram a pular de mão em mão até parar em minha frente.

e a chuva de ovos podres choveu por todos os lados, abro meu guarda-chuva evitando que caia em mim e que me deixe com um cheiro horrível. Falando nos populares o segundo entrou com seus cães mascarados atrás de si, ninguém nunca viu seus rostos mais existem uma grande disputa entre McKellen e McKinley.

Eles se sentam no meio do ônibus ocupando uma parte inteira do ônibus, eles são calados e poucas vezes falam o que irrita muito meu querido irmãozinho. O ônibus vira na rua principal e no final da rua tem a ultima parada antes da escola, e onde os Woods estão, são mais barulhentos que qualquer outro animal barulhento. Como de costume eles entram gritando e provocando a todos, sentaram a dois bancos em minha frente e começaram a gritar como lobos.

O ônibus começa a diminuir a velocidade, ele para na frente de um cruzamento esperando o momento certo para atravessar para o outro lado e nos despachar de uma vez por todas. Os carros param na frente do pardal o ônibus acelera virando com tudo no balão, dava uma sensação de que o ônibus iria cair e de uma vez por todas me mataria. Mais ele não fez isso, fez o pior de tudo...parou na frente da escola, o motorista abre a porta e todos descem fazendo barulhos e gritando.

Espero todos saírem para assim pisar meu pé no lado de fora, e quando faço isso sou acertada por uma bolsa e também uma bola de futebol americano o que machucou bastante...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...