História Um Amor Diferente - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~ApenasEu2

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Alan Deaton, Allison Argent, Chris Argent, Derek Hale, Gerard Argent, Hayden Romero, Isaac Lahey, Jordan Parrish, Kira Yukimura, Liam Dunbar, Malia Tate, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski, Paige, Personagens Originais, Peter Hale, Scott McCall, Sheriff Noah Stilinski, Talia Hale, Victória Argent
Tags Apenaseu2, Chibi, Derek, Gay, Mpreg, Sterek, Stiles
Exibições 285
Palavras 2.478
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oii, Lucas aqui (ApenasEu2 para quem não sabe, boa parte aposto T-T)

O WereRafa e eu trazemos esse capítulo que eu acredito estar muito bom, é sério, essa versão da fic com certeza está melhor que a antiga, e está rolando muito empenho e colaboração para trazermos algo bom para vocês.

Algo importante, segredos, muitos segredos, é sério, olhos de águia aqui (espero que saiba que isso é para você)

Bem, boa leitura e desculpem os erros, não somos perfeitos

Capítulo 2 - Chegando na Escola


 

Havia se passado cinco meses depois de minha adoção, confesso que esse foi o melhor período de minha vida. Meu pai, quer dizer John me levou para no cinema, para assistirmos Star Wars: Rogue One, e foi incrível! Eu comi dois pacotes de pipoca daquelas grandes, o meu e o John, apenas porque ele deixou, tomamos muito refrigerante, mas o melhor de tudo é que o filme foi em 3D.

Depois fomos ao zoológico e eu pude ver tantos animais! Havia até raposas e é claro que eu não pude deixar de sorrir, talvez tivesse algo a ver com o fato de eu ser um Animália Raposa, mas eu sempre as achei um dos animais mais bonitos existentes. Meu pai até disse “Os Animálias da espécie raposa são muito bonitos, confesso tenho uma queda por você, é tão fofo!”. Isso me fez sorrir ao mesmo tempo em que me intrigava com as palavras “Por você”, talvez John nunca tivesse visto outro Animália Raposa. Eu logo esqueci esse pensamento, John parecia feliz sendo meu pai e eu claramente mais ainda em ser seu filho.

Em um parque, cheio de flores das mais diversas cores e espécies, que fica perto de nossa casa, eu vi alguns Animálias correndo, brincando e se divertindo, ou apenas aproveitando o local para ficar com a família, como um casal de Animálias Lobos com suas duas crianças iguais aos pais. Sorri ao ver aquela cena feliz, por um momento senti que o mundo não era tão cruel como parecia, mas sabia que ele era. Nos cinco meses nós fizemos muitas coisas juntos, quase sempre ele me levava à um lugar novo e eu adorava a maioria deles, alguns eram um pouco chatos como jogos de beisebol. Ele acabou notando que eu não gostava muito e trocou por Lacrosse, esse sim eu gostava, não deixamos de ir em um jogo sequer.

Pela maneira como falava antes, deve ter parecido que eu nunca saí de casa para fazer coisas legais, mas é bem o oposto. Meus pais verdadeiros adoravam viajar e eu ia junto sempre, fazíamos muitas coisas juntos. Quando eu estava com Claudia, não havia muita diferença, ela apenas não gostava de sair da cidade, mas sempre que podia ela me arrastava para fazermos um piquenique ou apenas ficarmos brincando, ela realmente era especial de um jeito único. Claudia não precisava fazer muito para demonstrar seu amor, cada pequeno gesto deixava isso bem claro e eu a amava de verdade. E bem, agora eu estou com meu novo pai, ele é fantástico e tenho certeza que se daria muito bem com Claudia, se ela estivesse viva eu poderia até mesmo ter um pai e uma mãe ao mesmo tempo. Eu procuro não pensar muito sobre isso, estou muito feliz em ver como as coisas estão.

Enquanto estava no orfanato tinha me esquecido como é ser feliz, mas John me lembrou qual era a sensação, eu me sentia muito bem perto dele, era um verdadeiro pai para mim. O melhor de tudo foi ele me dizer que trabalhava na delegacia como Xerife, era como o Batman, mas sem a capa e o cinto de utilidades, de qualquer forma era incrível.

Agora, eu estava no meu quarto, que John havia decorado com o tema do Batman a pedido meu, eu realmente adoro o Batman! Mas voltando, eu estava lendo um dos livros de John que ele tinha me dado de presente, era um diário de uma escritora desconhecida. Não tinha nome, apenas as iniciais C.S, e até que tinha uma história interessante. A história talvez seja um pouco complexa, mas contava sobre uma mulher que era descendente de Animálias, mas não era uma, ela era humana. Todo o livro dizia o quanto ela sofreu por isso, perdeu marido, filho e toda sua família, porque de certa forma ela era diferente. Há muito mais na história do que apenas isso, mas não cheguei nem na metade do livro ainda.

John entra no meu quarto, me tirando dos meus pensamentos, e senta na minha cama. Olhei para ele em dúvida arqueando as sobrancelhas, um costume que ele diz que eu tenho.

— O que você acha de ir estudar em uma escola? — Disse John com todo o carinho e ternura em seu olhar, ele parecia meio receoso com aquilo.

Deixei o livro um pouco de lado e me sentei junto de John, notei o sorriso que se formou em seu rosto ao ver que eu lia o livro que tinha me dado.

— Eu acho ótimo a ideia, mas acredito que é um pouco difícil uma escola me aceitar pela minha. Sabe, as caudas. — Disse dando os ombros, não me importava muito com isso desde que não me incomodassem, mas como era uma escola nova, muitos estranhariam e tenho certeza que viraria principal alvo para ser incomodado.

— Não seja por isso filho. — Disse ele bagunçando meus cabelos, notei que esse era um costume que ele tinha, quase sempre ele fazia isso e eu ficava sorrindo igual bobo, afinal eu gostava, ninguém nunca tinha feito aquilo, nem mesmo meus pais de verdade ou Claudia — Desde que os Animálias se mostraram para o mundo, foram criadas várias escolas para pessoas como você e todas elas são ótimas! — John falou me impressionando com sua vontade de me contar aquilo, ele tinha um sorriso no rosto e todas suas palavras saiam carregadas de animação. Aquilo acabou me contagiando também — E bem, tem uma escola aqui perto que é assim, o único problema é o fato dela ser integral, ou seja, você ficaria lá de segunda até sexta e nos sábados eu lhe buscaria para nós ficarmos junto.

Tenho certeza que fiz uma careta, porque ele arregalou os olhos assustado, provavelmente com medo de minha reação.

— Então há Animálias lá? —Perguntei seriamente.

— Sim! Só Animálias, mas já vi que não gostou da ideia — Disse meu pai se virando. Quando meu pai ia se levantar eu dou um pulo nele e o abraço bem forte.

— Claro que eu gostei, pai! — Me dei conta do que havia dito tarde demais — Quero dizer: Senhor Stilinsk... — Disse meio envergonhado.

— Pela milionésima vez, Stiles, me chame de pai! Porque eu sou seu pai! — Ele falou de forma dramática, mas sorrindo — Eu sei que você quer, então não precisa ter vergonha e eu adoro quando me chama assim, faz com que eu me sinta mais responsável. — Disse ele rindo, mas meu pai tinha razão, depois de meses eu ainda tinha vergonha de o chamar assim, mesmo ele insistindo várias vezes que era assim que eu deveria o chamar. Não é só com John, levou quase um ano para que começasse a chamar Claudia de mãe abertamente e sem vergonha alguma.

— Está bem, pai — Falei sorrindo também.

— Bem, sendo assim está combinado. Deixa eu ir porque tenho que arrumar o jantar, amanhã mesmo eu vou arrumar a papelada e lhe matricular na escola. — Disse meu pai saindo do quarto. Eu acabei voltando a ler aquele livro extenso, parecia que ele nunca acabava e eu até agradecia por isso, eu deveria ler com cuidado para não perder nenhum segredo escondido entre as linhas.

Os dias foram se passando e logo o dia tão esperado tinha chegado, meu primeiro dia na escola nova, onde realmente espero fazer amigos. Saber que terá pessoas como eu, onde poderei andar livremente sem me envergonhar de quem sou, realmente me deixa feliz, animação total.

Eu não esperava que o meu TDAH fosse me atrapalhar tão cedo, mas atrapalhou. Não dormi a noite toda, e quando finalmente consegui já era hora de acordar, agradeci por não ter ficado com olheiras. Meu pai teve que me puxar da cama, algo que achei nunca precisar, mas parece que tem a primeira vez para tudo. Acordei muito manhoso, como de costume, mas eu precisava despertar, então fui ao banheiro fazer minha higiene e logo tomei um banho para acordar definitivamente. Me arrumei para a escola vestindo minha camiseta branca, uma calça jeans com as barras dobradas, para dar um certo estilo, meus surrados All Star, e por fim meu típico casaco vermelho. Desci as escadas e tomei meu café com John, depois fui ajudar ele a pegar minhas coisas, não eram muitas, mas tinha o suficiente para dar trabalho, ainda mais com todos os gibis e as figuras de ação que ele me deu, John realmente sabia como presentar um amante de heróis.

— Filho já pegou tudo? — Perguntou John.

— Sim pai, já peguei. — Disse vendo ele fechar a porta da viatura, que eu tanto amava, era muito legal ter um pai policial.

A viajem toda passou em silencio, acho que ficou bem claro no carro que ambos sentiríamos muita falta um do outro. Quando chegamos na escola, vi o quão grande ela era, tinha um jardim enorme na frente e não muito distante, dava para ver as quadras de Basquete, Futebol, Lacrosse, Tênis e até de Tiro ao Alvo, acho que era melhor passar longe dessa. A escola em si era um prédio, antigo, mas muito bem construído, e também enorme.  Em algumas partes de sua base tinham vinhas crescendo contornando perfeitamente os desenhos na parede, com certeza foi bem planejado, isso sem falar nas janelas grandiosas que refletiam tudo em sua volta chamando muita atenção.  

Imaginei quantos alunos caberiam ali. Foi pensando nisso que comecei a reparar nos estudantes a minha volta. Todos ostentavam suas orelhas e caudas com elegância, sem se importarem em as mostrarem, mesmo em meio a diversas pessoas, consegui identificar algumas poucas raposas, mesmo que nenhuma tivesse a mesma coloração ou quantidade de caudas como eu. De qualquer forma, eu estava verdadeiramente eufórico, meu pai também viu isso e ficou toda hora pedindo para que tivesse calma. Mas como isso era possível? Aquela escola era extraordinária e mal podia esperar para começar as aulas.

Fomos caminhando para dentro da escola e como sempre as pessoas me olhavam, mas dessa vez não eu acho que não era pelas minhas caudas extras, afinal todos eram Animálias e já devem ter ouvido falar sobre Deltas. Ignorei os burburinhos e segui meu pai.

Mais uma vez estava abismado pela diferença de Animálias, tinha da espécie Coelho, Lobo, Lobo-guará, Hiena, Jaguar, Puma, Coiotes, Gatos, Cachorros, e até mesmo Touros, que pelos uniformes formavam um time completo de Futebol Americano, nunca imaginei que existiria uma variedade tão grande de Animálias em um único lugar.

Chegamos em uma sala que deveria ser a secretaria e logo uma moça, provavelmente uma Animália Jaguar, muito bonita, loira e de cabelos ondulados veio nos receber:

— Bom dia, eu sou Kate Argente, a secretária e vocês devem ser os Stilinski, o Senhor Hale já vai os atender — Disse ela toda desajeitada. Kate parecia uma boa pessoa, mas era um pouco perdida, talvez tivesse começado a pouco tempo.

Não demorou muito e o Senhor Hale, que acredito eu era o diretor da escola, nos chamou para sua sala. Ele era um homem alto loiro e de olhos azuis, não tão velho, aparentava ter uns 40 anos ou mais, mais ou menos da idade de meu pai. Independente disso ele até que estava em forma.

— Olá, essa pequena raposa deve ser o Stiles. — Disse o Hale sorrindo para mim — E você deve ser o senhor Stilinsk, nos falamos pelo telefone, certo? 

—Sim, Diretor- disse meu pai retribuindo o aperto de mão oferecido pelo Hale.

— Podem se sentar. — Ele disse apontado para as duas poltronas antigas de couro, foi só nesse momento que eu percebi ainda estar de pé.
— Senhor Stilinsk, seu filho está em ótimas mãos, pois essa escola abrange um currículo muito avançado, acima até mesmo dos padrões humanos comuns. Aqui temos a grade de aulas normais, atividades extracurriculares e esportivas, ou seja, o seu filho terá que escolher uma entre a grande variedade de esportes para cobrir as atividades esportivas e outra para cobrir as extracurriculares, o que vai ajudar seu filho no mercado lá fora. Quando ele for escolher sua profissão, ele estará preparado. Ou melhor ainda, ele escolhe a profissão aqui dentro e nós só o guiamos até que atinja seus objetivos. — Disse o Hale terminando de falar. Aquilo tudo era realmente ótimo, eu com certeza teria grandes oportunidades. Olhei para meu pai sorrindo demonstrando o quanto eu havia gostado, percebendo minha felicidade ele retribuiu com um sorriso ainda maior.

O Diretor estendeu para em minha direção a chave de meu quarto juntamente com a grade de aulas normais para preencher, já as outras atividades eu ainda teria tempo de escolher.  Nos despedimos do Diretor e voltamos para a viatura, pegando minhas coisas e levando até meu novo quarto. Quando terminamos, ambos fomos até a entrada da escola, teria que fazer a coisa mais difícil do dia, me despedir de meu pai. Tudo bem, em poucos dias eu veria ele novamente, mas com certeza sentiria muitas saudades.

— Vou sentir falta de você pai. Ainda bem que é por pouco tempo, mais alguns dias e eu volto para incomodar você. — Disse sorrindo no abraço.

— Você sabe que eu adoro quando me incomoda. Além disso a casa vai ficar quieta demais, vai ser tão entediante. — Disse ele me dando um beijo na testa e se despedindo.

Vi meu pai entrando na viatura e acelerando, em pouco tempo ele já não estava na minha vista. Não sei quanto tempo eu fiquei parado ali, mas foi o suficiente para perder a noção do tempo e deixar que alguém me derrubasse quando esbarrou em mim.

— Ei! Eu estava aqui! — Falei bravo pela pessoa não ter nem me ajudado a levantar, assim que me pus de pé vi uma enorme carranca em minha direção.

— Olha por onde anda, então! — Ele respondeu, tenho certeza que olhei descrente para ele.

— Mas eu estava parado! — Falei o óbvio e sua cara se contorceu levemente, mas logo se recuperou.

— Então não pare na frente do meu caminho! — Ele falou como se aquilo fizesse sentido, ele não podia simplesmente ter desviado já que aparentemente me viu parado ali? Não dando qualquer chance de responder ele saiu andando, me deixando para trás e extremamente irritado.

— Calma, Stiles não se estressa, primeiro dia de uma nova fase em sua vida, não se estressa. — Falei e logo forcei um sorriso, caminhei de novo para meu quarto e assim que cheguei notei que não era o único ali. De repente quis me bater, eu realmente tinha acreditado que ficaria com um quarto enorme só para mim. E também nem tinha notado as coisas de meu colega de quarto. Vi que ele estava mexendo em seu notebook, parecendo não ter notado minha presença ainda, se ele se preocupasse em treinar seus sentidos de Animália teria percebido eu antes mesmo de entrar no quarto — Oi, eu sou Stiles, seu novo colega de quarto e... — Parei de falar ao ver o garoto se virando em minha direção e percebendo quem ele era — Não vou me estressar.

 


Notas Finais


Bem, não esqueçam de comentar o que acharam, é muito importante para nós.

Beijos meus e acho que o WereRafa diria o mesmo <3<3<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...