História Uma Simples Serviçal - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Lyfia, Personagens Originais, Shido de Mizar
Tags Cavaleiros Do Zodiaco, Cdz, Drama, Personagens Secundários, Romance, Sexo, Soul Of Gold
Visualizações 87
Palavras 1.911
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oieee! Chegando pra postar mais um capítulo! Muito obrigada a quem está acompanhando e...


... esse cap vai ter hentai! Recomendo que leiam ouvindo "Stripped", versão do Shiny Toy Guns! ht tps:/ /www .youtube .com/watch?v=qNT2ZCk1NZI


Beijos e boa leitura!

Capítulo 4 - Redenção


Não apenas a dança e o cerimonial que a princesa Hilda de Polaris preparava eram os motivos pelos quais Lyfia estava ali. Aliás, à essas alturas, quando a sacerdotisa começou a recitar seus votos, a moça de cabelos azulados já estava embrenhada floresta adentro com Shido, os dois muito ocupados trocando carícias quentes e beijos fervorosos para se preocuparem com as possíveis bençãos que iriam perder.

A mão esquerda de Shido resvalava ferozmente por debaixo da saia de Lyfia, apalpando e acariciando livremente a tez macia da criada, segurando firmemente em seguida a nádega direita dela. Seus corpos roçavam um no outro e seguiam um ritmo similar, quase como uma dança, pensou Lyfia, extasiada, ansiando mais daquele contato conforme os gemidos que ela tentava conter escapavam de sua boca.

“Ahhh, ahn, senhor Shido, ah-!” - ele a silenciou por um minuto com um beijo faminto, chupando seu lábio inferior quando se deu por satisfeito, e parou para ver a bagunça que a jovem havia se tornado: os cabelos levemente desmaranhados no coque, olhos vidrados com luxúria e a boca carnuda entreaberta e arfante, ansiando por mais. O peito dela subia e descia com a respiração difícil, roçando no peito másculo dele, ainda que os tecidos de suas roupas estivessem no caminho.

Adorou vê-la naquele estado. Tudo por causa dele, o que fazia o nobre sorrir ainda mais satisfeito com a reação que causava nela.

Agora queria mais, mais…


A beijou uma outra vez, e rompeu a carícia rapidamente, sussurrando nos lábios dela em seguida.

“Quer ir para um lugar mais privado?”

Lyfia sabia o que vinha a seguir.

O calou com um beijo desafiador de volta em resposta.


---------


Os dois correram pela mata até chegarem nos arredores da mansão, por onde ambos entraram pelo portão principal, os guardas estranhando vê-los de mãos dadas àquela hora da madrugada. Concluíram que ambos estavam bêbados e que nos assuntos do patrão não deviam se meter.

Haviam poucos empregados acordados na casa naquelas alturas, mas os que puderam vê-los correndo e rindo feito crianças travessas, subindo as escadarias que levariam até os aposentos de Shido, entenderam que o nobre conseguira enfim o que queria, e se ocuparam de seus restantes afazeres, torcendo para que o senhor Hödr e a senhora Sigyn não chegassem do festival até o amanhecer, pelo menos, para não saberem de nada.

Ao chegarem no terceiro andar, aonde o quarto dele ficava, agarraram-se pelo corredor, com Shido enfiando a mão novamente por baixo da saia dela, sentindo sua calcinha molhada ao passar os dedos lá. Lyfia deu um gemido mais alto que de costume, e ele sorriu de canto, com o ego massageado ao saber que ela já estava assim, excitada.

“Venha.” - ele abriu a porta do quarto, e assim que ela entrou, trancou-se nos aposentos com a criada.

Lyfia não teve tempo nem para se importar com o tamanho do enorme quarto, ou da belíssima cama de casal com cortinas mosqueteiro encobrindo ao redor que os aguardava; Beijavam-se num ritmo animalesco e a mão dele dedilhava furiosamente sua feminilidade por cima da peça íntima, roçando o tecido, indo e vindo num ritmo contínuo, provocando-a, testando-a, deixando-a pronta para ele.

“Ahhhhh!” - ela segurou-se nos ombros dele quando ele afundou o dedo indicador e o médio sob a peça, a fricção da calcinha contra a sua vulva a deixando impaciente para que ele fizesse logo - “S-Shido, por favor-”

Ouvi-la chamá-lo apenas pelo nome durante aquele momento deles o deixou ainda mais excitado com a situação, desta vez afastando parte de baixo da calcinha para brincar com a lábia inferior dela já extremamente molhada e convidativa.

“Você chamou meu nome, finalmente...” - ele sussurrou ao pé do ouvido dela sedutoramente, e roçou os dedos uma outra vez, pressionando seu clitóris. Lyfia ofegou - “Diga de novo.” - começou a massagear a pontinha rosa em círculos, e ela respondeu com os quadris ao invés, sem conseguir concentrar-se em algo que não fosse o efeito que aquilo tinha nela.

Shido insistiu.

“Diga meu nome, Lyfia.”

“Ahh, aaaahnnn Shi… SHIDO! Shido, Shido...” - e ela seguiu murmurando o nome dele como uma deliciosa canção aos ouvidos do homem, que estava duro e latejante, ansiando para entrar nela.

Mas primeiro, queria vê-la nua. Queria ver a beleza natural dela exposta para ele, e somente para ele. Pois Shido estava muito certo que a empregada era virgem, iria deleitar-se sendo o primeiro homem dela.

Deitou-a na cama, debruçado sobre ela e retirou os dedos com certa hesitação, mas os trouxe para sua boca, lambeu e chupou demoradamente para Lyfia ver. A moça de cabelos azulados não queria saber se seu estado parecia deplorável ou não, com as pernas abertas, a intimidade molhada e pulsante, e a saia do vestido revirada, expondo boa parte de suas coxas.

Shido começou a despir-se com pressa, jogando suas roupas ao chão e revelando o falo rijo, fazendo Lyfia engolir em seco com o tamanho deste. O homem se posicionou entre as pernas dela, mas ao invés de entrar nela de qualquer jeito, buscou o laço do avental atrás das costas da criada, desfazendo-o depressa, e desabotoando o vestido dela, puxando-o com a ajuda dela, que levantou os braços para que ele pudesse remover com facilidade, revelando os seios de bicos rosados para o nobre, que lambeu os lábios ao vê-los duros, ansiando para tê-los em sua boca sedenta.

Ao terminar de desnudá-la e remover de qualquer jeito a última peça – a calcinha dela – que caiu por entre as pernas da mulher, Shido debruçou-se para outro beijo, e voltou a masturbá-la avidamente, agora que o sexo dela estava livre da roupa íntima e seus dedos deslizavam facilmente pela lábia rosada e encharcada de Lyfia.

Rompeu o beijo para descer com sua boca pelo queixo dela, pescoço, lentamente; Ele próprio precisou refrear-se para não fazer tudo muito rápido ou não teria degustado com tanta vontade sua doce vitória. Os dedos que se encontravam no monte inchado da moça agora massageavam os arredores da pele rosa – Shido não queria que ela tivesse um orgasmo ainda. Queria dar a ela o seu melhor e era isso que faria.

Seus lábios percorreram o colo dela, o vale entre os seios, e ali ficaram, a cada beijo Shido sentia a respiração aflita dela. Lyfia o observava atentamente e puxou gentilmente a cabeça dele para o seu seio esquerdo, e ele assim o fez;


“Annnhhhn… Shidoooo…! AH!!” - Tomou com cuidado o mamilo em sua boca e sugou-o com vontade agora que a dama estava não só respondendo positivamente como também sentia a mesma fome que ele de consumarem aquele ato. Demorou-se no seio, chupando, lambendo, beijando a ponta do bico rosado enquanto ela jogava sua cabeça para trás, entregue com a miríade de sensações que a invadiam. Shido, o homem que ela amava estava com a mão entre suas pernas e chupando seus seios e ela mal podia acreditar.

Afagou o cabelo dele e puxou os fios turquesa para que ele continuasse, e o sentiu sorrir contra sua pele.

“Continua, ah continue por favor, por favor-” - ela implorou sem pudores, os olhos fechados e a voz manhosa. Obviamente, Shido obedeceu-a e ocupou-se do seio direito, demorando-se nele tanto quanto no outro.

Quando deu-se por satisfeito e Lyfia achou que aquilo era o máximo de prazer que ela podia ter naquela noite, Shido retirou a mão molhada de sua vulva, e abaixou-se para beijá-la e chupá-la em sua intimidade rosada e palpitante, o que o deixava ainda mais excitado, escorrendo de pré-gozo em seu membro.

“Shido o que está- AH, AHHHHNN!” - a criada por sua vez não esperava pela carícia deliciosa e abriu ainda mais as pernas, mostrando-se para o homem de sua vida, gemendo desesperadamente - “Ah, pelos deuses o que é isso!” - a mão dela repousava ainda na cabeça dele, que tratou de responder prontamente aos chamados excitados de sua donzela, e repuxou os fios com mais força, massageando-o, provocando-o a lambê-la e beijá-la ainda mais, agora que ela chamava por seu nome sem formalidades.

Isso, se entregue para mim, dê tudo para mim, vamos, venha, Lyfia. - pensou ele, deleitando-se no gosto que a moça tinha.

Sem perceber ela começou a rebolar os quadris contra o rosto dele, assim que passou a sentir que ele seguia um ritmo persistente no clitóris dela, chupando e sugando com afinco.

“Oh…!! Anhhn, AH, AH, SHIDO! AH, AHHHhhh!” - ela enfim veio em deliciosos espasmos, sem saber o que tinha acontecido com ela, mas que era muito bom, e que Shido a tinha feito ver estrelas com aquele orgasmo. Lyfia rebolou devagar até ele terminar de limpá-la com sua língua, sorvendo o líquido que escorria dela.

A empregada acariciou os cabelos arrepiados e macios de seu nobre patrão, e olhou para ele com embaraço e surpresa, os olhos violeta bem abertos dela fitando os vermelho-claro predatórios de Shido, que ainda não havia terminado com ela.

Ele lambeu os lábios uma ultima vez, degustando a sensação de ter o sabor dela em sua boca, e levantou-se, posicionando-se entre as pernas dela, e ajustando a ponta do pênis contra a entrada dela, muito para a vergonha e expectativa de Lyfia, que ansiava por aquele momento desde que começaram a trocar beijos no estábulo, naquele dia que mudou para sempre sua perspectiva sobre um possível relacionamento com Shido.

Ela seria dele e ele dela, e era só o que importava.

Shido empurrou seu membro contra a cavidade molhada e ela fechou os olhos, nervosa.

“Calma, Lyfia, fique calma, vai acabar logo.” - a voz rouca dele ajudou a amenizar os ânimos da moça, que o deixou deslizar por inteiro dentro dela, mas não apaziguou a dor aguda que a fez agarrar com força uma das mãos dele e a entrelaçou contra a sua.

“Ungh… ah!” - ele a estocou uma vez, e Lyfia sentiu seu espaço apertado abrir lentamente, a dor da invasão palpitando dentro dela. Shido parou pois não a queria chorando em sua cama, não quando ele só queria dar-lhe prazer. Beijou-a e ela sentiu o próprio gosto na língua dele, e assim permaneceram até ela se acostumar com o membro dele dentro dela.

Quando a própria Lyfia quem não aguentou de ansiedade e rebolou seus quadris de volta de encontro aos dele, é que Shido teve certeza de que a espera tinha enfim acabado e podia se refestelar naquela sensação agradável e gostosa de penetrá-la, do seu pênis dentro dela, daquela cavidade macia e apertada, como há muito ansiava. Ela era sua e de ninguém mais, seu doce prêmio, e ela não parecia se importar, completamente rendida. Pois era como se ele fosse a maior conquista dela no momento, também.

Rebolou dentro de Lyfia devagar para aproveitar cada segundo antes de gozar com vontade em seu âmago, jorrando sua semente. Shido continuou rijo dentro dela por mais algum tempo, o corpo colado no da criada, beijando-a, trocando carícias até que ele se rendesse ao cansaço e retirasse seu membro, e a puxou para si para que Lyfia deitasse sob seu peito.

Lyfia o encarou confusa, pensou que ele fosse se virar para o lado assim que possível. Mas pelo visto Shido surpreendeu suas expectativas. A empregada sorriu-lhe satisfeita, dando selinhos no nobre que foram prontamente correspondidos, e ela pôde repousar em seguida sua cabeça no peito másculo de seu amado.

Era como um sonho. Um belo sonho que Lyfia não queria que tivesse fim.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...