História Uma vida comum para uma garota estranha - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~Leex2ndre

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Dorgas, Girllife, Magia, Pornografia, Traps
Exibições 40
Palavras 3.366
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção Científica, Harem, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Sobrenatural, Super Power, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Gente linda de kami, Tio Leex ta de volta com mais uma cap reefeito pra ocês ^^
Nota: Na antiga imagem tinha o Akira mas eu coloquei a uma imagem da Lilith pra vocês, por que ela é diva pra CARALHO olha essa deusa não é atoa que o nome é Freyja no jogo s2
Bom detalhe: Lilith tem Heterocromia ; ) (Vcs pensam nas cores)

Capítulo 4 - Lilith, A Lacradora!


Fanfic / Fanfiction Uma vida comum para uma garota estranha - Capítulo 4 - Lilith, A Lacradora!

Luna PoV:

Despertei, ainda de olhos fechados, sentido uma puta dor. Consegui ouvir o som de pássaros cantando e de um violino tocando, assim que abri meus olhos o som do instrumento parou, então uma fraca e cansada voz disse:

- Finalmente acordou?! -

- Ahn... onde eu tô? - Me levantei colocando a mão no meu lado imaginando que minha katana estivesse ali, mas foi apenas uma tentativa falha, e minha cabeça doeu fortemente.

- Tem que ficar deitada jovem, você se machucou demais lutando contra o Rei das Chamas... - disse um velho me deitando, então aquilo foi real.

Fiquei mais calma, pensava que estaria na presença de estupradores, canibais ou algo assim 

- Eu responderei suas perguntas jovem, mas uma de cada vez... -

- Certo... onde eu estou? -

- Está no reino de Sylvanth, mas como eu moro longe do centro estamos nas redondezas... -

-  Ainda to na terra? -

- Não, esta em Klateron -

- Hum... O que aconteceu exatamente? -

- Eu vi um grande pilar de fogo saindo de dentro do vulcão então quando fui investigar apenas encontrei desmaianda -

- Quem é você? -

- Meu nome é Hori - Falou com um sorriso. Que velhinho simpatico.

- O meu é Luna, prazer! - falei me apresentando já que o mesmo se apresentou.

- Igualmente minha jovem! -

- Agora... Não ser rude mas como volto pra casa? -

- Logo logo... Ja estou terminando uma poção que lhe ajudara a melhorar -

- Valeu moço -

- Eu não sou tão velho assim... apenas tenho 742 anos... - "CARALHO!" Pensei com uma gota na cabeça.

- Desculpe dizer mas o senhor ja deveria virar pó -

- Eu sou imortal graças a benção dos deuses - Falou olhando para o nada.

- Entendo... - Mentira.

- Aqui está! - Tirando ela de um especie de caldeira, e pondo num pote.

 Ele então me ofereceu, timidamente coloquei minha boca começando a beber em silêncio. Me senti energizada, senti que poderia correr um campo de futebol 10 vezes.

- Obrigada tio -

- Denada - Então ele pegou o pote e volto a tocar seu violino - Procure meu filho Akira na frente de casa, ele sempre fica na cachoeira.

- Certo - Falei saindo daquela casa e seguindo em direção o rio, contracorrente, indo onde eu julgava ser a cachoeira...
Rapidamente cheguei a cachoeira e respirei profundamente.

- Até que aqui tem um clima muito calmo... - Enquanto adimirava aquele lugar notei meu uniforme escolar completamente destruido, e torrado, voltei a olhar em volta procurando a figura de um rapaz. Não tinha ninguém ali então achei em uma área ali que parecia um mini lago.

- Quem é você? - Fui surpreendia por rapaz que me olhavá a distancia do outro lado do lago.

- sou Luna, seu pai mandou eu procurar você por algum motivo -

- Ahn... - pensou olhando o pequeno lago - Você deve ser a garota que ele encontrou na caverna do Rei.

- É... -

Percebendo que o diálogo estava muito parado, comecei a caminhar em sua direção, me sentei ao seu lado em uma distância de dois pés.

- Ainda me pergunto qual a real intenção dele te levar até aqui... -

- Eu apenas me referi que queria ir pra casa e elepediu pra falar pra ir até você -

- Então ele quer que eu usei meus poderes para te levar para casa! - Falou olhando para o céu.

- Bom... Deve ser isso - Ele então olhou meu rosto.

- Você parece não se incomodar em relação a eu estar sem camisa -

- Não - Respondi seca - Não sou nenhuma piriguete tarada que fica secando um garoto sem camisa discretamente.... -

- Se achou que eu era deste tipo desculpe mas nunca será valorizado por mim... - Após terminar de falar ele riu meio baixo.

- Não julgue as pessoas por experiências ruins da vida -

- Estou apenas me defendendo -

- Não, não está - Falou balancando a cabeça então encarei o mesmo.

- Humanos são hipócritas, eles demonstram sentir ou pensar algo, mas só dissimulam suas verdadeiras personalidades. Você deve querer afastar as pessoas achando que todas são más e crueis umas com as outras, arrumando desculpa para mantelas longe achando que se envolver é errado, mas você só deve ter medo de se magoar - Estou sem palavras.

- Eu acho que você ja teve alguém mas a ignoracia humana a tirou de você, por isso você ve pouco bondade na sua raça. Deve ter passado momentos tristes nas mãos de outras pessoas... Você é um livro que se mantém fechado pois tem medo de se envolver com os outros e se ferir novamente não é? - Terminou sorrindo.

- Ahn... - Realmente aquilo me deixou sem palavras.

- Sem palavras certo? -

- É... você é o primeiro a me fazer ficar assim -

- Desculpa se eu fui muito duro com você, mas apenas bata a cabeça na parece que se chama realidade - Ele deu de ombros prosseguindo

- Você parece legal, só tem medo de se relacionar achando que pode se ferir, com isso você arruma desculpas bestas sobre os outros mas tais coisas que você são as mesma que você faz.

- Tudo bem... - Olhei para o lado receosa, ele com certeza deve estar lendo minha mente...

- Ei tudo bem? -

- Eu posso voltar pra casa agora, por favor? -

- Está bem, mas se essa pressa foi minha culpa desculpe -

- Não, não foi não... - como ele consegue saber o que eu sinto ou penso?

Ele então levando juntando as mãos, ao afasta-las um buraco azul foi se abrindo a medida que elas se distaciavão.

- É só entrar - 

- Ahn, obrigada... - Estava observando seus cabelos laranjas e olhos ambar que davam um super sentido para a pele branca.

- Denada - Então ele me puxou e entrou dentro do portal comigo, comecei a gritar mas rapidamente tudo foi ficando preto e depois foi ganhando cor e forma, e então estavá parada em frente a minha casa.

- AI! CARALHO EU PENSEI QUE IA MORRER SEU FILHA DA - Ele pois a mão na minha boca.

- Quieta - falou tirando a mão da minha boca.

- O que eu digo aos meus pais agora... - Pensei alto.

- Diga que estava tirando uns dias de férias, até porque ficou desmaiada por três dias -

- Ta bom, mas pra onde eu falo que fui? -

- Tokyo? -

- Hum... Mas o que eu faço para encontrar vocês de novo? - Ele então me entregou um pergaminho é foi sumindo no ar.

- Caso queria faça o que se pede no final deste pergaminho - Então desapareceu.

Então do nada ele apareceu novamente.

- Ja ia esquecendo aqui sua espada - Falou me dando e sumindo novamente.

- Ta bom... né... - 

Com isso fui entranda, sileciosamente, em casa, subindo as escadas em seguida. Entrei no meu quarto vendo meu primo dormindo com Nêmesis ao seu lado. Porém quando eu dei meu primeiro passo dentro do quarto Nêmesis acordou e correu em minha direção. 

- Oi pequeno, como você ta? - Em troca fui respondida por miados e mais miados baixos - cuidado pra não acordar o primo ta bom? - Novamente miados. 

- agora eu vou tomar banho porque amanhã tenho aula e não vou fedendo a carne queimada? - Fui ao banheiro e os miados pararam. Ao terminar meu banho vesti um dos meus pijamas e dormi, esperando que não seja metralhada com uma chuva de perguntas.

...

Acordei desligando o despertado, que tocavá insaciavel, ao despertá fui ao banheiro notando que Harry não estavá mais lá. Ignorei isso fazendo minha higiene é colocando um uniforme por motivos estava super perfumado. Peguei minha mochila juntamente com a katana que estava em baixo da minha cama e sai de casa caminhando para a escola como se nada tivesse acontecido.

Depois de um caminhada quando estava chegando caminhei diretamente para dentro ouvindo todos falarem de duas alunas novas, a única coisa que ouvi sobre as informações é que seu nome eram Lilith e Bim, eu acho. Ignorei aquilo indo direto para a sala mas meu caminho foi interrompido por Toma, um dos meninos que se acha o "maioral" e o "picasso" da escola apenas porque levou maioria das garotas pra cama, no máximo faltam apenas dez vitimas, e eu estou incluida entre as dez.

- Olá Luna - Falou malicioso mas porém ignorei e tentei contornar seu corpo para entrar na sala - Desculpe, está com pressa? -

- Não imagina só to querendo pular a janela denovo - comecei meu sarcasmo.

- Olha só, parece que você é realmente das dificeis... -

- O que você disse? -

- Nada - falou com seu sorriso cafajeste

- Late mais alto porque eu não te escuto - Disse colocando a mão no ouvido num ato pra ouvir melhor.

- Escuta aqui garota se acha que pode pisar em mim como lixo está enganada - falou irritado me prensando na parede com os braços acima da cabeça.

- E você não pode pensar vai vai me seduzir e usar, pelo que eu sei sua beleza não é lá essas coisas - Sorri no final e ele foi se aproximando pra me beijar.

Com isso chutei seu escroto fazendo-o urrar, então peguei seu braço direito girando o mesmo fazendo ele gritar de dor. Então chutei sua perna esquerda jogando ele na parede enquanto cai. Quando fiz isso tive que sar um giro e após isso chutei sua barriga com força, este fui escorregando na parede.

- Uma dica, cuidado com quem vai "brincar" e pesquisa sobre a mesma antes de pensar que pode fazer o que bem pensar, de nada - Dei as costas fazendo um sinal de tchau.

- Va... dia - disse se levantando e cambaleando em minha direção.

- Bem... olha seu estado antes de me chamar disso... -

- SUA PUTA! - gritou ele avançando em mim e eu preparei pra socar ele, porém ele foi jogado para trás por uma voadora de dois pés, ele então desmaiou de vez. Foi uma garota que fez aquilo.

- Odeio gente que se acha... - Falou levantando limpando o uniforme da escola.

- Olá?! -

- Ahh... Me desculpe... - Mostrou a lingua - Eu não aguentei ver ele fazendo isso então tive que fazer algo, me perdoe se ele era seu alvo - Falou.

- Não tudo bem... Quem é você? -

- Prazer, Querubim Von Crimson, mas me chame de Eru - Falou com um sorriso.

- Prazer Luna, você é estrangeiro? -

- Sim sou britanico, sou novo aqui... Antes que se pergunte sou um garoto pra avisar - Mostrou a lingua novamente.

- Ehn... hehehehe - ri colocando a mão na cabeça envergonhada - Desculpe mas eu pensei isso de você.

- Tudo bem, todos tem esse pensamento -

- Hai hai, você é da minha sala ou não por acaso? -

- Não, eu sou da sala ao lado... -

- Certo... - falei olhando pro semi cadáver de Toma no chão - o que vamos fazer com ele? -

- Sei lá... - falou colocando as duas mãos para cima em sinal de não sei

- Então vamos deixar ele ai - após minha fala o sinal de comçeo de aula tocou.

- Até mais então Luna, me encontre em frente a piscina preciso conversar mais com minha nova amiga - Depois dele dizer isto percebi que ele era um menino no uniforme feminino.

- Então tá né... - Adentrei a sala pensando em como um menino podia parecer tanto uma uma garota... Que andrógeno não acham?

Durante o comecinho da aula tece um treta por causa do Toma jogado no chão e blá blá blá, quando a aulas começaram o professora de matematica entrou na sala acompanhado de uma garota estilo emo e rock juntos.

- Certo alunos, hoje irei apresentar a vocês a nova aluna... Vamos se apresente por favor -

- Lilith Aldytore, dezoito anos e só - Falou se encostando na parede.

- Perguntas? - falou a professora inquieta e uma garota levantou a mão.

- Como você com dezoito ta aqui? Por acaso é burra? - Falou rindo e acompanhada de varios outros alunos.

- A vida é minha e não sua - retrucou Lilith dando o primeiro tiro na sala, e todos ficaram "uuuuuuuuh" entãp dessa vez um garoto levantou a mão.

- Posso saber suas medidas? - Aquilo me arrancou um sorriso, senti que com certeza ela ia pegar uma metralhadora imaginária pra fuzilar o garoto cujo fazia parte dos galinhas da escola.

- Desculpe mas não, se quiser pergunte para sua mãe ela com certeza deve estar rodando bolsinha em busca de dinheiro? - Então todo mundo se calou.

- Pode escolher um lugar para sentar, e seja bem vinda - falou a professora gentil.

- Pelo que vi aqui o bem é trocado por mau viu - falou Lilith andando para o lado da minha mesa que estava vazio, fazer o que já que eu nunca sentei com ninguém. Decidi ser educada.

- Prazer Luna, espero que se de bem tanto com alguns quanto com outros... - Mas fui ignorada - Beleza né... - murmurei olhando para a janela observando novamente o clima lá fora e pensando em baboseiras...

- Senhorita Harnet está prestando atenção na aula? - Falou a professora depois de um tempo.

- Ahn... sim - Falou balancando a cabeça parecendo sarcastica.

- Então responda as questões no quadro negro, seus amigos ficariam gratos com sua ajuda - Então levantei de meu lugar e andei até o quadro negro respondendo tudo...

- 3,14 vezes 2²... é 12,56... - Após responde varias outras questões voltei ao meu lugar 

- Parecce que está tudo certo e até mais detalhado do maginavá, parabéns! - Falou batendo palmas, voltei a olhar pela janela.

...

Quando o sinal bateu, e a boiada saiu, peguei meu bento.

- Ai ai ninguém merece - murmurei e notei que só ficou eu e Lilith na sala.

- Realmente é muito chato isso não? - Apenas recebi um hum em responda da mesma mexia no celular.

Então ela foi saindo da sala enquanto eu a segui, ela foi descendo as escadas - Eu por acaso fiz algo de errado pra você me tratar assim? - Ignorada novamente - Meu argumentos com "né" estam acabando... - Falei normalmente abaixando o tom de voz no decorrer da minha fala.

Indo para a piscina onde marquei de encontrar o Eru, fui recebida por um aceno do meus que estava banco esperando. Enquato andavá ouvia as pessoas falando coisas sujas e mais coisas sujas de mim, intristeci.

- Oiie! - Falou correndo em mim direção me dando um abraço de surpresa.

- Oi... - 

- O que foi Luna? - Falou me soltando - Que cara triste é essa? -

- Nada não - Sorri sem graça, maldito seja Akira que derrubou a base que me mantinha fria, estou sendo amigavél e sensivél ao mesmo tempo. Nem parece que sou eu...

- Eu sinto que você ta mentindo -

- Eu já disse que não to mentindo pronto e acabou que saco! - Falei desviando o olhar.

- Desculpa! - Falou se afastando com a cara emburrada.

- Hum... -

- Certo eu não te chamei aqui pra gente ficar em silêncio, vamos se enturmar! - disse ficando alegre.

- Desculpa mas eu não consigo me enturmar -

- Bem que me direção na outra sala, você é mesmo fecheda... Nunca vai arrumar um boy ou uma girl assim querida - Falou revirando os olhos e eu apenas sorri.

- Ahn... entendo... -

- Então, quer minha compania ou não? - 

- Acho melhor ficar sozinha - Olhei pro lado - Desculpe Eru -

- Tudo bem tudo bem - Me olhou profundamente.

- Bom eu só vou... comer e ir pra casa, não estou bem -

- Certo... - Ele então parou e fez uma cara alegre - Mas antes me de seu endereço AGORA! - Falou me tirando um caneta do bolso.

- Ok... -

...

Após terminar o bento, tinha pegando meus materias, e sai da escola. Sentindo a sensação de ser seguida.

No caminho comprei  ração pro Nêmesis e decidi cortar caminho, pegando um berco que mesmo de tarde parecia o breu total, mas novamente estava confiante até porque eu sou "diferente" dos demais humanos e isso descobri a três dias.

Enquanto andava eu via pessoas como fumantes e etc nos becos mas não me importei com isso e então ouvi alguns passos por trás de mim e disfarcei olhar pro canto observando o local notando três caras me seguindo, continuei andando enquanto pegava minha katana mas então me vi encurralada em um beco. A sensação de estar sendo vigiada aumentou mais e mais, os homens que vi atrás de mim já estavam me encurralando completamente no beco então me vi sendo forçada a lutar pela virgindade.

- Se afastem - falei tirando a katana da bainha, mas apenas riram e continuaram andando em minha direção. Tentei pensar em algo que daria certo... Ao tentar liberar chamas, para assusta-los, falhei miseravelmente pois não sabia como fazer isso. Do nada =senti uma forte pancada na minha cabeça que fez eu largar a katana juntamente da bainha  na outra mão, coloquei a mão na cabeça me sentindo tonta 

- Ai... -

- Prontinho garota - disse um homem me segurando pelos braços e enquato me debatia.

- Me solta! - Fiquei naquele ato, inutilmente, enquanto riam de mim até que um deles pegou a minha katana - Solta isso -

- Deixa eu pensar... Não!? -

- Pare de ser tão cínico e me solte se forem homens de verdade, não conseguem nem lidar com um colegial? - provoquei, então o outro que estava apenas observando se aproximou de mim. Levantando a blusa do meu uniforme.

- Olha só parece que sua pele é tão branquinha - Com isso chutei ele, que me olhou com ódio - Quem vai ser o primeiro? - falou sarcasticamente, por fim senti o clima esfriando... até demais.

- Ninguém aqui vai ser o primeiro ou ultimo - Falou uma voz misteriosa.

Então homem que estava atrás de mim gritou de dor e colocou a mão na orelha, rapidamente dei uma cotovelada em seu nariz o que fez ele cair no chão. Peguei minha Katana.

Os outros dois estavam espantados olhando para mim então quando estavam perto de me atacar desviei, comecando uma seguencia de socos e chutes acompanhados de cortes leves. Quando o homem que estavá atrás de mim se recuperou ele foi me atacar mas das sombras apareceu a Lilith chutando o mesmo, a olhei surpresa.

- Lilith? -

- Iai?!! - Falou igual o Stitch do filme, e eu apenas ri ao mesmo tempo que ela foi em direção aos outros dois. O cara que ela deburro ja ia puxar meu pé mas eu apenas chutei seu rosto o desmaiando.

- O que ta fazendo aqui? -

- Te ajudando uai - Completou desmaiando os dois restantes.

- Pensei que você era uma pessoa super antissocial e sociopata que não falava com ninguém -

- Pensou errado!

- Certo certo - Suspirei - Obrigado pela ajuda... eu to indo pra casa... -

- Por que você está indo pra casa? -

- Eu to meio mal esse dia... -

- Mal de que jeito?

- Não sei.. apenas estou com um mal estar -

- Entendo... Mas vem aqui, você anda com uma katana pra lá e pra cá? Isso mesmo!? -

- Da pra parar de fazer perguntas ? - me irritei andando apressadamente pra casa

- Ta bom desculpa... - Larguei a mesma lá voltando a seguir em frente.

Naquele final de tarde cheguei em casa e apenas lembro-me de deitar no sofá usando a mochila como travesseiro.


Notas Finais


Desculpe se ficou rapido demais e que essa fic é mas da Mayu que minha só o Eru meu mas parte dele o resto tudo e dela então qualquer coisa perguntem que eu passo a ela ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...