História Umbrella High School - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Resident Evil
Personagens Ada Wong, Albert Wesker, Ashley Graham, Barry Burton, Billy Coen, Carlos Oliveira, Chris Redfield, Claire Redfield, Ingrid Hunnigan, Jake Muller, Jessica Sherawat, Jill Valentine, Kevin Ryman, Leon Scott Kennedy, Piers Nivans, Rebecca Chambers, Sherry Birkin, Sheva Alomar, Steve Burnside
Tags Ada Wong, Adolescentes, Aeon, Albert Wesker, Alunos, Carlos Oliveira, Chris Redfield, Ciumes, Claiers, Claire Redfield, Colegial, Drama, Escola, Estudantes, High School, Humor, Intrigas, Jake Muller, Jessica Sherawat, Jill Valentine, Leon Scott Kennedy, Nivanfield, Piers Nivans, Raccoon City, Resident Evil, Romance, Sherry Birkin, Umbrella, Valenfield
Visualizações 110
Palavras 5.513
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa noite, amores ^^
Vamos para um capítulo fresquinho de colegial?
Espero que gostem!
Boa leitura...


Obs.: Jamais cansarei de agradecer pelos comentários! Aos pouquinhos vou respondendo todos com todo o carinho, mas paciência, não desistam de mim, ok!?

Obs².: CÉÉÉÉÉÉÉUUUUSSSS!!! GENTEEEEE, PARA TODO O UNIVERSO!!! MAIS DE 90 FAVORITOS, AIIIIIIII MEU CORAÇÃO, RESPIRA, RESPIRA, MULHER DE DEUS, RESPIRA!!! Gente, amores, bebês, tchutchucos, lindos e lindas, glamorosos e glamorosas, queridos e queridas... O que posso dizer? Apenas agradecer ontem, hoje e SEMPRE!!! Obrigada pela confiança ^^

Capítulo 26 - Descobertos


Fanfic / Fanfiction Umbrella High School - Capítulo 26 - Descobertos

 

* * * Leon * * *

 

E nada.

Completamente nada.

A Ada voltou a sentar ao meu lado no refeitório e mesmo eu vendo que ela me olhava de canto nas nossas aulas, nada de me pedir desculpas ou dizer alguma coisa que ajudasse a nós dois voltarmos a nos entender.

Confesso...

Estou louco de saudades dela.

MAS NÃO VOU DAR O BRAÇO A TORCER!!!

NÃO DESSA VEZ!!!

Eu cansei, poxa... É tão difícil uma única vez ela vir se redimir por algo que ela mesma causou? Sempre eu, eu e eu tenho que correr de atrás para nos entendermos e confesso que CANSEI. Me recuso completamente a ir de atrás dela dessa vez e por mais que doa, por mais que eu queira seus beijos de uma maneira desesperada, não vou correr de atrás de novo.

É decepcionante...

Achei que ao menos uma vez ela era capaz de deixar o orgulho de lado, para vir se acertar comigo... Mas não. O orgulho dela é maior do que o que diz sentir por mim, porque pelo jeito não sente nem um pouco a minha falta.

Se ela soubesse como me magoa...

Eu sou completamente louco por ela e sempre fiz TUDO para nos entendermos, até quando eu não tinha culpa, eu ia de atrás dela e pedia desculpas, fazia um carinho e tudo estava bem... Mas acho que a acostumei mal. Agora ela é orgulhosa demais e espera que eu vá correndo, só que dessa vez ela vai cansar de esperar.

Estou louco de saudades, mas não farei isso.

Quando ando pelo corredor para a próxima aula, vejo a Helena mexendo no armário e justo desse lado me deixando ver seu olho roxo... Como me odeio pelo que causei a ela, afinal, se eu não tivesse contado para a minha namorada louca minha falsa suspeita, nada disso teria acontecido.

Eu devo desculpas eternas.

E é o que vou fazer.

Caminho até lá e vejo como está distraída.

-- Helena?

Ela dá um salto e me encara furiosa.

-- O que você quer, garoto?

-- Eu só...

-- Quer me causar mais desgraça com sua namorada louca e psicopata?

-- Eu queria pedir desculpas.

-- Não quero suas desculpas!

-- Foi minha culpa o que te aconteceu...

-- É claro que foi sua culpa! Achou mesmo que em algum momento da minha vida eu ia me interessar por um mauricinho estúpido, metido e insuportável como você? Me poupe!

Ela se afasta, mas eu a sigo.

-- Helena, espera...

-- Me deixa em paz!

-- Atrapalho?

Com uma voz fria surgindo, vejo a Ada nos encarando feio.

“OTIMO!”.

-- Ah, legal, a doida desvairada chegou!

-- Me chamou do quê?

-- Leva seu namorado para longe de mim porque não quero saber dele!

Quando a Helena tenta se afastar, a puxo novamente.

-- Helena, espera...

-- Me deixa em paz, garoto!

-- O que você está fazendo, Leon?

A Ada surta ao meu lado e viro furioso para ela.

-- Qual é o seu problema, hein? Está me ignorando há dias e agora vem do nada se achando no direito de dizer alguma coisa?

Ela fica sem palavras e continuo.

-- Eu passei a vida tentando te impressionar e mesmo quando eu estava certo, eu corri de atrás de você para ficarmos bem, mas não dessa vez! Você passou dos limites! E seu orgulho besta não te deixou pensar nem por um minuto em vir falar comigo para tentar resolver alguma coisa!

-- Leon, eu...

-- Você é uma egoísta! Cansei de correr de atrás de você e não receber nada em troca além de uma garota fútil e que não está nem aí para mim!

-- Leon...

-- Eu cansei disso! Por que sempre eu tenho que ir de atrás de você e você nunca pode descer do pedestal para vir tentar se acertar comigo?

-- Leon, eu só...

-- Nunca gostou de mim de verdade!

-- O quê? Não, eu...

-- Durante todo o tempo do nosso namoro eu te mimei, te enchi de agrado e carinho e corri com um bobo de atrás de você! Mas não agora... Não mais. Eu cansei de ser o trouxa.

-- O que quer dizer?

-- Acabou!

-- O quê?

-- Se é boa demais para vir de atrás de mim, então é boa demais para ser minha namorada... Melhor procurar alguém da sua altura que valha algum minuto da sua atenção, Ada.

-- Leon...

-- Acabou.

Por um minuto vejo seus olhos ficarem marejados de atrás daquela expressão de surpresa e horror dela, mas mesmo com meu coração em pedaços, não andei para trás e me mantive firme.

Sim, eu explodi...

Mas ela mereceu e eu precisava falar.

Finalmente dou as costas para ela e me enfio no banheiro masculino tentando acreditar que ela apenas não viria de atrás de mim porque eu estava aqui... Mas isso é mentira. Ela é “boa” demais para mim. Ela é “boa” demais para pedir desculpas.

Eu cansei...

Será que ao menos agora ela virá de atrás de mim?

Ou vai me descartar como um completo nada?

Tenho medo da resposta.

Ada Wong é implacável... Nunca dá o braço a torcer e por mais que eu odeie admitir, eu acho que não virá de atrás de mim. E por mais que meu corpo queime de saudade pelo dela, vou me manter firme e dessa vez, nesta única vez, NÃO VOU CORRER DE ATRÁS DELA.

Acabou...

Mas ela pode mudar isso.

É a única que pode desfazer isso.

Ada... Por favor.

 

* * * Claire * * *

 

Eu não sei...

DEFINITIVAMENTE não sei o que está acontecendo.

A Jill está me evitando a todo custo e embora eu tenha tentado falar com o Chris sobre o otário que magoou a Jill, ele não me conta NADA... É claro que jogadores de futebol são programados para se defender assim como toda a raça masculina, mas algo em meu irmão me soava estranho. Ele explodia toda vez que eu dizia que torceria o pescoço do miserável.

E a Jill...

Não entendo...

Parece que de alguma forma estou envolvida nisso, porque ela vive fugindo de mim. Ah, e a Sherry sabe. Sou amiga dela há anos e quando perguntei se sabia de algo, por mais que ela saiba mentir, eu sabia que estava me escondendo a verdade. E claro, peguei as duas cochichando no corredor... Isso está muito estranho. E algo me diz que estou sendo feita de boba há MUITO tempo.

Não sei, não sei, não sei...

Não estou entendendo mais nada.

Mas se não adianta ameaçar meu irmão, talvez eu possa tentar colocar a Jill contra a parede e perguntar de vez o que está rolando. Apesar de eu ter rido rios por saber que o Chris seria obrigado a frequentar aulas de teatro, eu desanimei... A maioria dos horários dessas aulas eu usava para me encontrar com o Piers.

Que mancada, hein?

E agora que queríamos de vez abrir o jogo...

Já estou com saudades do meu príncipe e aquele sorriso perfeito que tem.

CÉUS!!!

E aquilo...

Aquilo que combinamos...

Combinamos que... Bom, combinamos que...

CÉUS, ESTOU UMA PILHA DE NERVOS!!!

VAMOS TER NOSSA PRIMEIRA VEZ DE VERDADE!!!

Sempre sonhei com isso... Sei que ele é o homem da minha vida e jamais tive dúvidas de que eu queria ser dele desde a minha primeira até a última vez. Sei que ele será maravilhoso e eu o amo mais do que a mim mesma.

É claro que estou nervosa, mas...

Não tenho dúvidas.

Apenas tenho medo de fazer algo errado.

Ele é mais velho do que eu e se nunca fez isso antes... Sei lá. Não quero decepcionar, mas confesso que não sei nem como começar.

Onde coloco a mão?

Onde devo olhar?

O que devo fazer?

CÉUS!!!

EU NÃO SEI!!!

E NÃO POSSO PERGUNTAR PARA NINGUÉM!!!

Mas... Sei que vai dar certo.

Com ele, não tem como algo dar errado.

E CÉUS, CLAIRE!!!

QUAL QUE É O FOCO AQUI MESMO???

SE CONCENTRA!!!

Certo, tudo bem...

Hoje a Jill é minha presa.

Quando meu irmão encosta o carro no teatro, saio em disparada e procuro a Jill que conversava com o Carlos mais distante dali. Volto meus olhos ao Chris para dizer que eu falaria com ela, mas dou de cara com uma péssima expressão dele enquanto assistia a cena dos dois.

O que é que deu nele?

-- O que foi?

Ele desvia bravo e me encara.

-- Nada... Já vou entrar.

-- Certo, preciso falar com a Jill.

-- Não fica perto daquele idiota por muito tempo.

-- Certo... Logo entro.

-- Tudo bem.

Ele volta a encarar a Jill e sai dali parecendo bravo.

Curioso...

Algum sentido nisso?

Por que tudo parece estar debaixo do meu nariz?

Me sinto tão idiota e nem sei direito o porquê.

Desvio os pensamentos e vou em direção a Jill que estava de costas para mim e ao Carlos, observando bem o olho roxo dele enquanto falava com minha amiga. Eles parecem conversar tranquilamente, mas quando eu chego, o Carlos me olha surpreso e a Jill vira para mim parecendo congelar.

-- Precisamos conversar, Jill.

-- Ah, eu... Já vai começar a aula, Claire.

-- Não me interessa, você não vai sair daqui sem primeiro falar comigo.

Ela desvia de mim parecendo nervosa e o Carlos esconde um sorriso.

-- Certo, eu... Já vou. Boa sorte.

Ele sai escondendo um sorriso e fico ainda mais brava por me sentir ainda mais idiota, mas volto meus olhos para Jill que me observava em silêncio.

-- O que é que deu em você?

-- Por quê?

-- Está me evitando!

-- Não estou evitando você!

-- Nunca mais falou comigo direito, me sinto um fantasma!

-- Claire, é que eu...

-- O quê? Fiz alguma coisa para você?

-- Não...

-- Então me conta!

Ela desvia de mim e com a brisa passando entre nós, ela abraça a si mesma e por um momento pareço ver seus olhos avermelharem, mas a escuridão da rua não me deixava ter certeza.

-- Por que não me conta o que aconteceu?

-- Não aguento mais falar disso...

-- Tudo bem, mas... Por que ia me contar naquela noite em minha casa e desistiu de tudo de um minuto para outro?

Ela desvia para mais longe.

-- Não confia mais em mim?

-- Claro que confio...

-- Então por que não me conta?

-- Eu... Tenho vergonha.

-- O quê? Mas por quê?

-- Quando souber vai entender...

-- E quando vou saber?

-- Não sei...

-- Jill!

-- Claire, eu sou apaixonada por aquele garoto e fui estúpida o suficiente para acreditar que ele sentia o mesmo por mim! Meu coração está em frangalhos porque ele insiste em me procurar e por mais que eu me esforce, não consigo deixar de gostar dele, NÃO DÁ, NÃO CONSIGO!!!

Ela explode.

-- Mas eu não entendo o que isso tem a ver comigo, Jill...

-- Eu sei, não é sua culpa!

-- Então por que está fugindo assim?

-- Porque era na sua casa que eu vivia me esbarrando com ele!

-- Meu irmão vive com os amigos do time lá, não posso evitar isso!

-- Pois é... Seu irmão.

Ela desvia novamente agora com um olhar avermelhado de raiva e fico ainda mais confusa. Observo bem sua expressão, mas não consigo decifrar nada embora me sinta burra por ainda não ter caído a ficha...

O que estou deixando passar?

Quem poderia ser que ela não quer me contar?

Ela já conhecia o meu irmão e o Piers... Será que é o Leon? Mas ela devia saber do namoro com a Ada... Tem o Joseph, Josh, Kevin, enfim... Eu não sei! Não sei quem pode ser e não entendo nada de nada!

-- Por favor, eu quero te ajudar...

-- Claire, eu...

-- Por favor, vá lá em cada hoje depois da aula.

-- Não, nem pensar, não piso mais lá.

-- Prometo que não verá ninguém!

-- Não, eu não quero...

-- Ninguém, Jill, ninguém! Sei que deve estar com raiva do meu irmão também por saber que eles devem ser amigos, mas juro que nem com ele vai se encontrar, eu prometo!

-- Claire, por favor...

-- Jill, por favor, digo eu!

-- Não quero...

-- Vou ficar muito magoada se você não for e me explicar de vez o que está acontecendo e o porquê de ter me evitado.

Ela desvia novamente e espero pela resposta.

-- E como iríamos?

-- Caminhando... Podemos pedir ao Carlos para ir conosco.

-- E seu irmão?

-- Não vai passar nem perto de você, eu prometo!

-- Não quero ele perto de mim, Claire...

Hã?

-- Ah... Certo.

É para tanto assim?

Sim, sim, meu irmão é amiguinho do idiota... Eu sei.

-- Você vai?

Ela me olha completamente em dúvida.

-- Por favor...

Finalmente força um sorriso e comemoro minha vitória.

-- Legal!

-- Mas que seja rápido...

-- Eu prometo! Mas tem que me contar tudo!

-- Certo... Vou contar.

-- Ótimo, agora vamos entrar que este frio está me congelando!

Eu sorrio animada e a puxo pelo braço, mas noto sua falta de animação e até tristeza em me acompanhar. Parece que realmente não queria ir lá em casa para me contar, mas finalmente entendeu que precisa me contar a verdade disso tudo.

Sei que se sentirá melhor...

O que quer que a incomode, vai acabar...

Ela vai me contar e tudo ficará bem, voltaremos a conversar normalmente.

Sim, é isso.

Hoje saberei da verdade e embora eu tenha um pescoço para torcer e um par de olhos para arrancar amanhã quando eu chegar na escola... Bom, digamos que será bom, estou precisando liberar meu estresse em alguém.

De hoje não passa!

Vou saber da verdade!

E amanhã que esse safado que fez minha amiga sofrer se prepare!

 

* * * Chris * * *

 

E hoje começava aquela droga.

Claire riu demais da minha cara por saber que eu frequentaria as aulas de teatro junto com ela e ficou feliz por eu poder dar carona agora, mas apesar disso, ficou meio desconfortável com a notícia... Ela riu de mim, se animou com a carona e depois pareceu pensativa em alguma coisa.

Eu diria até desanimada depois que parou para pensar em algo que não quis me contar o que é... Ultimamente ela não me conta mais nada, então não faz muita diferença.

Mas enfim, que seja.

Ela não sabe porque fui punido assim e não dei detalhes, porque quanto mais eu puder esconder dela sobre as merdas que fiz com a Jill, melhor... Ela vai enlouquecer e não quero que encha mais ainda os ouvidos da minha bonequinha contra mim.

Não precisa...

A Jill já me odeia o suficiente...

Me odeia...

Me despreza...

O que eu faço para ela me perdoar?

Como sinto sua falta, minha bonequinha... E depois que estacionei o carro e vi ela em um canto com aquele imbecil, otário, panaca, imprestável e idiota do Carlos, meu coração se apertou dentro do peito.

Eles... Tem algo.

Uma amizade forte.

E se ele estiver mesmo a fim dela?

E se ela tentar me esquecer com ele?

Por favor, Jill, não... Não faça isso comigo.

-- O que foi?

Com a voz da Claire me interrompendo, eu desvio.

-- Nada... Já vou entrar.

Ele não vai conseguir...

NINGUÉM VAI TIRAR MINHA BONECA DE MIM!

-- Certo, preciso falar com a Jill.

É claro...

-- Não fica perto daquele idiota por muito tempo.

-- Certo... Logo entro.

-- Tudo bem.

Volto meus olhos para Jill e meu coração faz um nó em meu peito sentindo algo nada bom... Não sei explicar, mas eu sabia que aquilo podia dar na destruição total da minha vida, porque se eu ver a Jill nos braços de outro, será meu fim.

Sim, Chris Redfield completamente dominado...

Por uma menina meiga, pura e encantadora.

Perfeita... Simplesmente perfeita.

Preciso tanto dela.

O que preciso fazer para tê-la outra vez?

FAÇO TUDO!!!

QUALQUER COISA!!!

Desvio deles e ignoro o olhar curioso da minha irmã enquanto entro no teatro e vejo todos em círculo. Não tem um ser vivo que não me olhe curioso quando passo pela porta, então ignoro todos sentindo o estresse de futuras aulas monótonas dessa droga e me jogo na cadeira mais próxima.

-- Que bom que se juntou a nós, Sr. Redfield.

A professora fala e eu sorrio forçado.

-- Fico feliz com o papel de segurar alguma parte do cenário.

-- Ah, não... Prometi ao diretor que eu daria um belo papel para vocês.

-- Não precisa, afinal, eu nem fiz nada, só fui tentar acudir e me ferrei junto.

-- Pois é... Às vezes estamos no lugar errado e na hora errada.

-- É, é verdade.

Ela sorri e espero por alguma emoção.

As pessoas vão entrando aos poucos e reparo na Rebecca animada conversando com seu grupinho, a Helena com olho roxo pela briga quente com a Ada... É, não acredito que perdi essa. Mas enfim, soube que o Leon ainda está bolado com o que aconteceu. O Carlos também entrou e ficou em uma cadeira sem me olhar, o Billy estava sentado mais ao fundo com o grupo. Também vi a Cindy, namorada do Kevin e a... Droga.

Pela porta lá vem... Jéssica.

Eu mereço, hein?

Não suporto nem mais ficar no mesmo ambiente que ela.

Quando me vê, desamarra a cara e acena maliciosamente, me fazendo desviar, mas a doida senta ao meu lado enquanto vejo que a Jill entra logo em seguida com a minha irmã pendurada nela.

Jill...

Nossos olhos se cruzam...

Meu coração palpita no peito e quero correr até ela...

Mas isso até eu dar um salto na cadeira com o apertão que a Jéssica dá na minha coxa. Ela ri alto, mas eu estapeio sua mão a olhando furioso, então me levanto e vou sentar em uma cadeira bem distante de todos ali, mas que eu podia ver bem a Jill.

Já estragou.

Ela sentou do lado do imbecil do Carlos.

E já azedou a expressão.

É LÓGICO QUE ELA VIU E É LÓGICO QUE A JÉSSICA FEZ DE PROPÓSITO... O que eu fiz para merecer esse encosto? Eu só quero... Ela... A Jill. Sei que fiz muita merda, mas estou um bagulho, preciso dela de volta.

-- E então... Acho que todos estão aqui.

Encaro a Jill ao lado do Carlos e vejo que ela faz força para não me olhar.

Ainda está apaixonada por mim...

Ainda está...

-- Com novos integrantes no grupo, tenho a honra de informar que neste ano daremos vida a peça mais inesquecível de todos os tempos... “Romeu e Julieta”.

O QUÊ???

ACHEI QUE NÃO SERIA ROMANCE!!!

QUE DROGA DE TEATRO É ESSE, SOMOS DO COLEGIAL!!!

-- Maravilhoso, professora!

Cindy suspira com o grupo onde todos sorriem bestas.

-- Sim, eu sabia que iam gostar!

A professora levanta da cadeira e todos olham atentos a ela, mas eu prendia meu olhar na Jill que desviou quando olhei... Fiquei com meus olhos fixos nela e embora eu sentisse a encarada fria do Carlos em mim, eu estava tacando um belo “DANE-SE” para ele e mais um belo “MORRA, OTÁRIO!”.

-- “Romeu e Julieta” é muito mais do que uma peça... Nossa responsabilidade em assumir esta história vai muito além de qualquer outra! Apesar de já termos trabalhado com William Shakespeare, este romance vai muito além de tudo que trabalhei com vocês.

-- Já escolheu os atores, professora?

Helena pergunta animada.

-- Não, ainda não, embora... Tenha minhas preferências.

-- Estou fora para o papel de Romeu!

Billy sorri e a professora acena.

-- E eu para Julieta nem pensar... Desculpe, professora, mas não faz meu estilo e muito menos o do Billy.

Helena complementa.

O Billy e a Helena sempre fazem os papeis principais e são os “bam-bam-bam’s” do teatro, então acho estranho pularem fora do casal principal. Achei que sempre gostassem dos holofotes focados neles, mas pelo jeito preferem seguir com o melhor para peça.

Não posso negar... Isso é admirável.

-- Sim, eu imaginei... Vocês dois são atores incríveis, mas quero algo diferente e inovador nem que eu tenha que trabalhar dobrado.

A professora aceita numa boa e até me assusto com aquilo.

-- Romeu... Um rapaz forte, lindo e determinado. Misterioso, audacioso e apaixonado. Quero um rapaz que se encaixe perfeitamente nessas características e embora eu ainda não tenha certeza de quem é este sortudo, sei que está entre vocês, basta eu encontrá-lo!

Que bom, certamente não serei eu... Sou péssimo!

Não decoraria nem a primeira linha.

-- E a Julieta... Uma garota doce, meiga, apaixonada, romântica e única. Mas forte e capaz de lutar até o fim pelo seu grande amor!

Jill... Seria perfeita.

Ela sem sombra de dúvidas é minha Julieta.

Será que posso ser o real Romeu dela?

-- Mas não basta apenas encontrar o rapaz e a moça perfeita, não... Preciso de química entre eles ou começaremos do zero. Preciso de amor, desejo e paixão! Escolher entre vocês quem terá a honra de interpretar este casal, será a tarefa mais difícil, mas depois de decidido, verão como tudo se encaixará perfeitamente!

Droga...

Vou morrer de tédio aqui.

-- Apesar de termos quatro novos integrantes, sei que vão se adequar com nossa rotina e terão tanta chance quanto meus antigos discípulos de conseguirem este papel... E como orientação do diretor, devo supervisionar para ver se estão se esforçando, então assim como os demais, quero que decorem as falas para o teste no próximo encontro.

A professora puxa algumas folhas de papel e nos entrega, mas quando vejo o meu com “Romeu” em cima, reviro os olhos.

Eu JAMAIS seria um bom Romeu.

E OLHA ISSO!!!

CINCO PÁGINAS PARA DECORAR???

É SÉRIO ISSO, PROFESSORA???

Mas nunca!

Jamais vou perder meu tempo para isso!

-- No próximo encontro, vamos conhecer nossa Julieta... E no seguinte, nosso Romeu, que vai contracenar sozinho, e depois testaremos com nossa protagonista, para ver se tem a química que eu procuro, ou nada feito.

Boa sorte para os coitados.

-- Todos com seus roteiros, quero que decorem, pratiquem e peçam ajuda para os colegas... As meninas a princípio receberam os diálogos de Julieta, assim como os meninos receberam o de Romeu. E posso sentir, meus queridos! Dois de vocês farão a escola toda chorar de emoção enquanto interpretam esses dois amantes épicos da Literatura neste palco no final do ano! Posso sentir isso! Posso senti-los entre nós!

É...

Não é à toa que dizem que os professores de teatro são doidos...

E que vivem no mundo da Lua...

Por que ela desperdiçou papel comigo em me dar esse roteiro? Já decidi, quero ser a árvore, ponto final. A árvore mais bonita que o teatro mundial já teve, sim, mas me sacrifico pela causa.

Observo aquele roteiro e rio ao deixá-lo de lado.

Então observo minha bonequinha que olha horrorizada para aquelas páginas e a Claire ri com o Carlos que se aproxima DEMAIS da minha bonequinha para falar algo... Droga. Assim que ele fala, a Jill ri como uma criança e o empurra levemente como se ela se esquecesse de que eu existo.

Mas não desisto...

Continuo a olhá-la.

Linda... Perfeita... Minha bonequinha inesquecível.

O que eu faço para te ter de volta?

A aproximação dela com o Carlos me embrulha a barriga e sinto minha tristeza em pensar neles atuando alguma cena juntos... A Jill é super inteligente e a professora saberá aproveitá-la, então conseguirá um papel na peça. O Carlos, por mais que eu odeie admitir, não é burro e vai fazer o que é pedido ao decorar as falas, então também conseguirá algo. Só espero que os dois estejam em lados opostos nas famílias que se odeiam e não precisem atuar em sequer uma cena, a não ser em alguma para brigarem.

Sim, eu gostaria disso...

Mas e do que adianta brigar no teatro se na realidade se dão tão bem.

Jill... Por favor, não me troca por esse idiota.

O que eu preciso fazer para me perdoar?

Não quero te perder, não posso...

-- Pensativo, Sr. Redfield?

A professora se aproxima de mim e desvio.

-- Não tem facilidade em decorar falas?

-- Nenhuma...

-- Mas posso ter fé de que vai tentar, não é mesmo?

-- Desculpe, mas vou decepcionar.

-- Não acho isso... Se deixar a preguiça de lado, aposto que poderia encarnar um excelente Romeu no meu palco.

Eu ri e balancei a cabeça.

-- Nunca, professora!

-- Hum... Vamos ver, Sr. Redfield. E decore as falas!

Ela se afasta e reviro meus olhos.

Nem se eu quisesse...

Olha esse roteiro!

Que linguagem é essa?

Isso é grego?

É mais velho do que minha avó... Sabe se lá de que Era Jurássica esse vocabulário fazia parte, porque não entendo nem uma palavra!

O tempo se arrasta... A professora nos faz praticar algumas técnicas, nos faz exercitar a voz e nos obriga a várias coisas bizarras que me esforço para não rir. Mas minha concentração estava na Jill que depois de um tempo, parecia realmente ter se esquecido que eu existia ali.

No refeitório enquanto limpamos tudo, ela nem me olhou...

Me senti um completo ser desprezível e até invisível.

Mas já passou.

Agora preciso focar.

Quando a maldita aula finalmente termina, me levanto da cadeira querendo um simples minuto para falar com a minha bonequinha, mas perco a esperança ao vê-la sair com o Carlos pela porta.

Não... ELE QUE TENTE!!!

VAI SE ARREPENDER!!!

-- Chris?

Quando a Claire se aproxima, viro para ela.

-- Vou caminhando com a Jill e o Carlos...

-- É perigoso, melhor voltar comigo.

-- Deixa de ser bobo, nossa casa é apenas três quadras.

-- Hum... Certo, qualquer coisa ligue para mim.

-- Tudo bem! Até mais!

Ela sai animada demais, mas ignoro ao enrolar o papel do roteiro na mão e sair em direção ao meu carro. Quando entro, observo os três se afastarem e o Carlos dar a blusa dele para Jill, se aproveitando do momento para passar a mão em seus ombros.

Eu aperto as mãos no volante e bato minha cabeça nele, me sentindo a pior pessoa do mundo depois de tudo. Eu tinha a garota perfeita em minhas mãos e tive que estragar tudo... Alguém me dá uma luz. Não posso continuar assim e de maneira nenhuma posso vê-la com outro cara, vou enlouquecer! Sou capaz de partir para cima de qualquer um que se aproximar dela!

Principalmente desse imbecil...

ODEIO.

Simplesmente ODEIO.

Por quê?

Porque ela gosta dele... Sei que é diferente, mas ela tem carinho por ele e ele parece tratá-la tão bem e... Tão diferente de mim. Eu fiz tanta merda com ela e apesar dele ser irmão daquele desprezível do Albert, parece que a trata melhor do que eu fiz.

Será?

Será que ela merece ele?

Será que ele a merece mais do que eu?

Talvez seja isso...

NÃO!!!

NÃO POSSO ACEITAR ISSO!!!

Bato minha cabeça no volante e ligo o carro para me afastar dali sem direção certa... Ando pela cidade em círculos tentando me esquecer dos pensamentos idiotas que me faziam ver que talvez o Carlos realmente fosse melhor do que eu para estar com ela, cuidar dela e protegê-la de babacas como EU.

Estou doido...

Completamente louco...

Quando guio meu carro de volta para casa, estaciono e sigo para cozinha tentando não fazer muito barulho enquanto bebia o suco direto da caixa. Sento na cadeira e encaro a caixa sem enxergá-la de verdade, pois apenas queria entender... Estou tão confuso.

Por que estou sentindo isso?

Por que dói tanto o pensamento dela estar com outro?

Será que ela voltou com ele para casa?

Será que ele realmente é melhor do que eu?

Será que ele é o mais indicado para possuir o coração dela? De abraçá-la, aninhá-la em seu peito e beijá-la até o Sol se pôr? Será que eu mereço assistir isso enquanto meu coração se estraçalha em mil pedaços?

É castigo demais...

Quando ouço um barulho de passos chegarem na cozinha, salto da cadeira ao vê-la ali que se assusta com a minha presença. Ela vira o corpo para sair, mas corro e a puxo para perto em um abraço desajeitado mesmo com ela a princípio tentando se afastar de mim.

-- Sinto tanto sua falta, Jill...

-- Fica... Longe... De mim.

-- Por favor, me fala o que posso fazer para você me perdoar.

Me afasto um pouco dela e vejo seus olhos marejados tentando ficar zangados, mas com total fracasso. Eu observei seu rosto e tentei decorar ainda mais cada traço de sua perfeição, só que ela desvia.

-- Me perdoa...

-- Nunca.

-- Não fala isso...

O que ela está fazendo aqui?

Não importa... Importa apenas que ela está aqui.

Me aproximo novamente e a puxo em um abraço sem ela evitar dessa vez e nem tentar sair, mas também não me correspondia. Eu afundei meu rosto em seus cabelos e acariciei suas costas com carinho, tentando matar um pouco a saudade que eu estava dela, mas sei que isso não vai acabar até que me perdoe e possamos voltar a ficar juntos e bem.

-- Sinto tanto sua falta... Não tem um só dia que eu não sinta falta do seu cheiro, do seu olhar, do seu toque e... Do seu gosto.

-- Ótimo.

-- Me fala um jeito para você me perdoar...

-- Não existe.

Afasto meu rosto de seus cabelos e observo aquele par de olhos azuis entristecidos, então acaricio seu rosto e vejo que sua respiração acelera parecendo se controlar para não ceder e nem para explodir.

-- Ainda não acredita no que sinto por você?

-- Não vou cometer o mesmo erro duas vezes.

-- Está cometendo agora... Estou louco por você, bonequinha.

-- Você sempre será um mentiroso para mim.

-- E você sempre será a garota perfeita para mim.

Ela finalmente volta seus olhos nos meus e acaricio novamente seu rosto, louco para beijá-la de uma vez, mas com as palavras do Treinador Burton em minha mente, me controlo... Ela precisa de um homem e não de um moleque.

Me queira, Jill...

Me ame.

-- Me perdoa...

-- Nunca.

-- Eu jamais quis te magoar...

-- Mas magoou.

-- Posso me redimir, eu juro...

-- Nunca mais vai ter a chance de me humilhar de novo.

Teimosa.

Ela é louca por mim, mas está lutando contra.

Não posso deixar que me esqueça... Não posso.

-- Gosta dele?

-- De quem?

-- Do Carlos...

Ela desvia e concorda.

-- Gosto, sim.

-- Acha que pode se apaixonar por ele?

-- Quem sabe... Aposto que ele não me faria sofrer como você fez.

-- Jill, eu... Eu odeio te ver perto dele.

-- Ótima razão para eu continuar perto dele então.

-- Prometa que não vai se apaixonar por outro...

-- Seria uma bênção.

-- Não diz isso...

-- O que eu puder fazer para te esquecer, eu farei.

-- Não, por favor...

-- Talvez eu devesse ficar com ele...

-- Não...

-- Quem sabe damos certo...

Ela me olha e seus olhos brilham de raiva, mas eu sabia que estava jogando comigo para me ver destruído, só que aproximo minha boca da dela e ela volta a parecer assustada.

-- Duvido que ele te faça sentir o que eu desperto em você...

-- Aposto que qualquer um consegue!

-- Ninguém fará seu coração disparar como eu faço...

-- Convencido!

-- Ninguém te fará se apaixonar como eu fiz...

-- Ninguém me fará sofrer tanto como você fez!

Touché.

Posso contornar.

-- Ninguém fará você querer tanto um beijo como quer o meu...

Ela me olha brava e a puxo com delicadeza para mais perto de mim, querendo atiçá-la, seduzi-la... E mesmo com sua expressão de teimosa, eu sentia seu coração disparado no peito com nossa aproximação.

Seus lábios...

Preciso deles.

-- Diz que me quer, Jill.

-- Não!

-- Fala...

Aproximo meu rosto do dela e vejo seu nervosismo.

-- Não, eu não quero...

Vou em sua direção, mas paro um centímetro antes, sentindo sua respiração nervosa, ansiosa e quente em meu rosto, mas não a beijo, apenas tento atiçá-la para me querer cada vez mais... E eu sabia que estava conseguindo.

-- Fala...

Sorrio e acaricio seu rosto.

-- Diz que ainda me quer...

-- Não...

Ela sussurra sobre meus lábios e meu corpo queima em querer beijá-la, então sem forçar e nem puxá-la para mim, aproximo meus lábios dos dela até tocá-los de forma carinhosa, gentil e protetora.

Meu mundo para outra vez...

É disso que preciso, dela comigo.

O que preciso fazer para ela me perdoar de vez?

-- Chris?

Dou um salto ao ouvir meu nome.

Droga... Claire.

Minha irmã me olhava horrorizada devido a cena que com certeza tinha acabado de presenciar. Seu rosto demonstrava total surpresa, mas com os segundos se passando, uma raiva a dominou por completo.

-- É VOCÊ!!! VOCÊ QUE FEZ ISSO COM A JILL!!!

Ferrou.


Notas Finais


CLAIRE REDFIELD PRONTA PARA ATACAR!!!
F0D&u ChRiS... cOrRe HoMeM sE nÃo ElA tE pEgA!!!
MUAHAHAHAHAHAHA (risada maligna bem do jeito que eu gosto)...
Claire confusa a princípio, mas acho que agora ela vai sacar todo esse rolo!!!
E amantes de Aeon... Ai ai ai.
O que dizer sobre o casal?
Vamos torcer!
E o teatro parece causar, hein... "Romeu & Julieta".
Quem vai dar vida ao casal?
Façam suas apostas ^^
Muitooooo obrigada por tudo, meu povo ostentação <3
Espero de coração que tenham gostado!
Até a próxima *--*
Bjooon :-)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...